BrasileirasPeloMundo.com
Custo de Vida Pelo Mundo Suécia

Custo de vida em Estocolmo

Quanto custa viver em Estocolmo? Quanto de imposto eu vou pagar? Quanto de renda eu preciso ganhar para me manter lá? Essas são algumas das muitas perguntas que surgem em nossa cabeça quando vamos nos mudar para outro país.

A primeira coisa que sempre mentalizo, seja em uma viagem de lazer ou na minha mudança para Estocolmo, é que não devo converter o valor das coisas da moeda local para o real brasileiro (BRL), apesar de ser instintivo. Afinal, quem nunca ouviu o ditado: “Quem converte, não se diverte”? Para se ter uma ideia, pelas pesquisas que fiz quando me mudei para Estocolmo, o custo de vida aqui equivaleria a aproximadamente o triplo do custo de vida em São Paulo.

Mas antes de pensar que é impossível se manter em Estocolmo, temos que levar em consideração que o salário aqui, também, é maior do que no Brasil. Talvez não exatamente na mesma proporção e você tenha que vir a abrir mão de alguns “luxos” que tinha no Brasil. E aqui afirmo que uma das coisas que aprendi nesses meses morando na Suécia é como os brasileiros vivem com luxo e nem se dão conta (eu mesma me incluía nessa categoria). No Brasil, quantas mulheres vão ao salão frequentemente fazer suas unhas, cabelo, depilação, sobrancelha? Quantas famílias possuem empregada doméstica, babá ou até mesmo uma diarista? Para começar, saiba que toda prestação de serviço na Suécia é bem (digo, bem!) cara. Talvez por isso mesmo que os suecos, assim como os europeus, em geral, possuem a cultura do “faça você mesmo”.

Convertendo ou não, fato é que o custo de vida na Suécia é considerado um dos mais altos do mundo. E, de todas as cidades suecas, Estocolmo é, com toda certeza, a mais cara.

Imposto sobre a Renda

Com a boa qualidade dos serviços públicos prestados, não é de se estranhar que aqui se pague um dos maiores impostos sobre a renda no mundo. Para uma renda anual de até 455.300 SEK, a taxa aplicada varia de 29% a 34%, dependendo de onde você mora. Em Estocolmo, por exemplo, o imposto é de 29,885% (taxa municipal mais funeral). Se você tornar-se membro de alguma comunidade religiosa, como, por exemplo, a Igreja Sueca, o imposto acima será acrescido do percentual correspondente, o qual varia de igreja para igreja, mas costuma ser algo em torno de 1%. Aqui cabe ressaltar que se você quiser casar na igreja ou batizar seu filho, você precisará se tornar membro de algum templo e, consequentemente, pagar a taxa.

Para rendas maiores, o imposto aumenta consideravelmente, pois é acrescido de uma taxa nacional, ficando em torno de 52% para rendas entre 455.300 SEK e 662.300 SEK anuais, e 57% para rendas acima de 662.300 SEK anuais.

Na Suécia, o imposto sobre a renda é retido na fonte e você já recebe o seu salário líquido. Sendo assim, antes de pensar nos custos de moradia, alimentação etc., você precisa saber quanto será sua renda líquida no país. A própria Agência de Impostos da Suécia disponibiliza em seu site este cálculo. Para calcular sua renda líquida, clique aqui.

Leia também: Emprego na Suécia

Moradia

Agora, falando do custo de vida em si, talvez o que mais impacte no orçamento de quem vai morar em Estocolmo é o custo com moradia. Há uma certa crise imobiliária por aqui. Existe uma fila do governo para que se possa ter direito a alugar a moradia por um preço limitado (não exorbitante). Acontece que Estocolmo está entre as 5 cidades que cresceram mais e mais rápido nos últimos anos. Por isso, essa fila está cada vez maior e os suecos ficam nela de 10 a 20 anos.

Então, o jeito é sublocar de famílias ou empresas que são uma espécie de imobiliária. E aí, meus amigos, os preços são muito altos, principalmente próximo ao centro, em bairros como, por exemplo, Östermalm, Norrmalm, Vasastan etc. Para tentar reduzir este custo, as pessoas acabam optando por morar em regiões mais afastadas do centro. Quando digo afastadas, considero locais os quais se pode chegar de 30 a 40 minutos de transporte público, partindo do centro. O que não é nada comparado às horas que passaríamos no trânsito em uma grande cidade no Brasil.

Alimentação

Em Estocolmo, existem 5 principais mercados: Ica, Coop e Hemköp (mercados suecos e em geral caros, exceto quanto às promoções semanais), Lidl (mercado de produtos importados e barato, porém com uma oferta limitada de marcas e produtos) e Willy’s (mercado com maior variedade de produtos e melhor preço). De qualquer forma, o custo com alimentação é o segundo maior no orçamento de quem mora na Suécia.

Fazendo um paralelo, é como se você fizesse as suas compras de mês no mercado mais caro do bairro mais elitizado da sua cidade no Brasil. Quando vim morar em Estocolmo, o que mais me chamou a atenção foi o valor das carnes e frango. Sendo meu marido um carnívoro assumido, nos assustamos inicialmente com a média de 200 SEK no quilo da carne ou, pasme, 80 SEK o quilo do peito de frango.

Vale, então, algumas dicas para economizar. Primeiro, leve sua própria sacola, pois nos mercados em Estocolmo a sacola é paga. É um valor pequeno, mas que pode fazer diferença, já que você acabará indo ao mercado, pelo menos, 2 vezes por semana. Em segundo lugar, as promoções semanais realmente valem a pena, cujos panfletos de todos os mercados são disponibilizados online toda segunda-feira. Além disso, os mercados possuem programas de fidelidade que conferem descontos exclusivos aos seus associados. Alguns destes programas são pagos, mas o do Willy’s, por exemplo, é gratuito, basta ter personnummer.

Transporte

O transporte público é bastante eficiente e você chega a qualquer lugar da cidade facilmente. A SL é a principal empresa que administra o metrô, trem e muitas das linhas de ônibus. Todas as passagens são carregadas no cartão de acesso (SL Access Card) que, sem qualquer carga, custa 20 SEK. Para uma carga de 75 minutos, paga-se 45 SEK; 24 horas, 130 SEK; 72 horas, 260 SEK; 7 dias, 335 SEK; e 30 dias, 890 SEK. Você encontra mais informações sobre o transporte no site da SL.

A única ressalva que cabe aqui é quanto ao deslocamento de e para o Aeroporto de Arlanda. Pode-se utilizar os trens comuns, todavia, mesmo possuindo o SL Access Card, é necessário pagar uma tarifa adicional de 120 SEK. Porém, o meio mais rápido para este trajeto é o Arlanda Express, que não é operado pela SL. Apesar dos valores em geral serem mais altos (295 SEK, somente ida, e 570 SEK, ida e volta), vale sempre a pena dar uma olhada no site deles. Nos finais de semana, feriados e época de férias, os bilhetes costumam ter valores promocionais.

Este artigo oferece alguns parâmetros que buscam lhe auxiliar no planejamento do seu orçamento para uma vida em Estocolmo. Para valores médios mais detalhados, existem ainda alguns sites, tais como Expatistan e o Numbeo. Eles fornecem a média dos custos básicos de vida não só em Estocolmo, mas em qualquer outra cidade.

Related posts

SFI: falha do governo, experiência pessoal e dicas para iniciantes

Vânia Romão

Custo de vida em Budapeste: Parte 2

Rafaela Baena

Quando não falando a língua local pode nos levar a mal entendidos

Marcele Rask

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação