BrasileirasPeloMundo.com
Suécia Turismo Pelo Mundo

Vasa – O maior fracasso da Suécia que se tornou um tesouro nacional

Apesar do seu exterior não ser tão grande e imponente como muitos outros museus da Europa, o Museu do Vasa, em Estocolmo, é o museu mais visitado da Escandinávia. Mas, afinal, o que é o Vasa e o que faz desse museu tão especial? O Vasa é um navio de guerra magnífico do século XVII. Acho que isso não significa um spoiler da história, mas ele naufragou. Pois é! Ficou no fundo do mar por 333 anos e agora encontra-se neste museu, especialmente construído para recebê-lo. Mas para compreender a magnitude do Vasa e toda a sua história que o torna tão especial, primeiramente, é importante esclarecer o contexto histórico em que se deu sua construção.

A Guerra dos 30 anos

Encontrava-se em curso a Guerra dos 30 Anos, conhecida basicamente por ser a guerra entre católicos e protestantes. O rei da Suécia, na época, era Gustavo II Adolfo, da família Vasa. A Suécia era oficialmente luterana desde o reinado de seu avô. Sigismund era rei da Polônia e primo de Gustavo II Adolfo. Também havia sido rei da Suécia anteriormente, porém foi deposto pelo pai de Gustavo II Adolfo, justamente por pregar a religião católica. Diante das suas desavenças, afloradas pela Guerra dos 30 Anos, os primos declararam guerra um ao outro. Gustavo II Adolfo queria expandir o território sueco e o luteranismo. Sigismund queria retomar o trono da Suécia, que entendia ser seu por direito, e instituir o catolicismo no país.

Agora que você já se localizou no momento da história que estamos falando, quem foi Gustavo II Adolfo e qual a sua importância para a Suécia?

O Rei Gustavo II Adolfo

Conhecido, também, como O Grande, Gustavo II Adolfo é considerado o maior general de sua época. Ele passou quase todo o seu reinado em guerra com a Rússia, Dinamarca, Polônia e Alemanha. Porém, foi a época em que a Suécia vivenciou o seu auge e possuiu o território mais abrangente de sua história. Ele era estudioso, convincente de seus ideais e persuasivo perante os nobres e parlamentares, razão pela qual nunca enfrentou dificuldades em receber apoio para suas empreitadas de guerra. Ele se denominava “Leão do Norte” e comparava a si próprio aos imperadores romanos. Seu reinado foi tão importante que ele é o único monarca lembrado no dia nacional da bandeira na Suécia, em 06 de novembro, que também é o dia do aniversário de sua morte.

Agora, chega de história e vamos à construção do Vasa.

Leia também: A família real que tem um toque de Brasil

A Construção do Vasa

Era 1625, o rei Gustavo II Adolfo havia contratado a construção de novos navios para a guerra contra seu primo Sigismund, na Polônia. Um dos barcos seria chamado de Vasa, nome de sua família. Durante a construção dos navios, cujos projetos já haviam sido aprovados pelo rei, houve rumores de que a Polônia estaria construindo um navio com dois andares de canhões. Gustavo II Adolfo obviamente não poderia ficar para trás, e logo solicitou que a construção do Vasa fosse acelerada e modificada para que tivesse não somente um, mas dois andares de canhões. O barco deveria contar ainda com várias coloridas esculturas mitológicas, divinas e imperiais.

Cheio de significados como, por exemplo, o leão de 3 metros situado na proa, o qual representava a figura do próprio rei. Lembra que o rei se auto denominava Leão do Norte? Ele queria transformar o Vasa em um imponente navio que intimidasse seu adversário e demonstrasse que a Suécia era uma potência e ganharia a guerra, sem sombra de dúvidas.

Sendo assim, a construção do Vasa foi adaptada no meio do caminho e, em agosto de 1628, o Vasa, com seus surpreendentes 69 metros de comprimento, 52 de altura, e 11 metros de largura, foi entregue para a sua viagem inaugural. Mas esse barco cheio de significado e imponência, dentre outras coisas, teve seu centro de gravidade alterado devido à proporção de suas dimensões e ao peso dos canhões nos andares superiores. Assim, tornou-se muito instável. Mas o rei queria seu Vasa de imediato e como o ditado já diz: “Manda quem pode e obedece quem tem juízo”.

Photo by HBarrison on Foter.com / CC BY-NC-SA

O Naufrágio

Era 10 de agosto de 1628. Sob ordens expressas do rei, o navio de guerra deveria fazer sua viagem inaugural com todos os canhões para fora, para demonstrar toda a sua imponência e força. Após 15 minutos, ainda nas águas de Estocolmo, uma rajada de vento fez com que o mesmo inclinasse. A água começou a entrar pelas portas dos canhões que estavam abertas. E pouco tempo depois, o Vasa estava submerso. Porém, as águas onde o Vasa naufragou possuíam somente em torno de 32 metros de profundidade. Desta forma, a população que estava lá para ver o extraordinário navio de guerra que seria o símbolo da futura vitória da Suécia perante a Polônia, agora via somente parte do mastro e a bandeira de seu país flamejando sobre as águas. Que desastre!

Morreram no naufrágio cerca de 30 pessoas, entre homens, mulheres e crianças. Houve um inquérito para tentar determinar o responsável pelo desastre, porém, ninguém foi condenado. Após algum tempo, o Vasa desapareceu nas águas de Estocolmo.

O Resgate

Várias pessoas tentaram resgatar o Vasa, porém sem sucesso. Tanto que em 1660 decidiram concentrar os esforços somente em recuperar os canhões ao invés do navio inteiro. Nesse processo, foram utilizados sinos, com o mesmo conceito do copo colocado de cabeça para baixo na água. Cria-se uma bolha de ar em seu topo, onde as pessoas conseguem respirar. Apesar da escuridão a 30 metros de profundidade e as baixas temperaturas da água, foram recuperados 52 canhões.

Em 1959, Anders Franzén, com o suporte da marinha sueca e do monarca regente, localizou o Vasa. Iniciou-se o processo de resgate do mesmo, o qual durou 3 anos. Aos poucos, foram sendo recuperadas diversas peças do Vasa e as mesmas foram estudadas e montadas. Assim, hoje, 98% do Vasa é original. E as partes não localizadas foram montadas com uma madeira mais clara para serem identificadas facilmente. Imagine a dificuldade de se montar toda essa estrutura. É uma espécie de maior lego do mundo (risos).

Leia também: Alguns fatos interessantes e curiosidades sobre a Suécia

O Museu do Vasa

Necessitando de condições controladas para sua manutenção, bem como o excessivo número de curiosos que queriam ver o Vasa, em 1988 foi inaugurado o Museu do Vasa. O museu é escuro e frio para tentar preservar ao máximo a estrutura do Vasa, que hoje sofre com um processo de corrosão. Ali, são realizados constantes processos de estudo e manutenção do Vasa.

Hoje, o Vasa é um grande tesouro nacional. É o único barco do século XVII, com 98% de sua estrutura original conservada. Ainda mais com todos os adornos extremamente incomuns para a época. Não parece um barco naufragado, mas sim um Vasa esperando pela próxima viagem, assim como em 1628.

Assim, uma grande tragédia, e até uma certa vergonha nacional, tornou-se o maior tesouro da Suécia. O Vasa recebe milhões de visitantes de todo o mundo, mas não se sabe por quanto tempo. Então, se você for a Estocolmo, não deixe de visitar o Museu do Vasa. E se você já conhece essa pérola escandinava, me conte o que achou. Você consegue mais informações sobre horários, preços e visitas guiadas no museu aqui.

Related posts

Safári no Canadá

Vanessa Murcilio

Passeios imperdíveis em Shanghai

Ana Carolina Turci

Liberação do visto de turismo na Arábia Saudita

Diene Buffon

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação