Dia de Reis na Polônia

2
317
A icônica cena da Natividade de Cristo. Foto: pixabay.com
Advertisement

Estamos no começo de 2018. Neste momento pós festas, e para fechar o tema natalino, vou falar sobre o Dia de Reis na Polônia. Esta data é muito importante aqui, ainda mais por estarmos em um dos maiores países católicos da Europa.

Neste texto falei sobre o Mikołajki, o dia de São Nicolau, que pode ser considerado o início da contagem regressiva para o Natal. Pois bem, o encerramento deste ciclo, pelo menos no calendário católico, é o dia 6 de janeiro, o Dia de Reis, conhecido também com Epifania do Senhor.

Dia de Reis na Polônia

Esta data está entre duas datas com o significado mais religioso para a Igreja Católica Romana: o Natal e a Páscoa. Além disso, é uma data importante também para a Igreja Ortodoxa Russa, pois, por adotarem o calendário juliano, é neste dia que ocorre a véspera do Natal.

De qualquer forma, a icônica imagem universal dos reis magos vindos do Oriente saudando a chegada do Menino Jesus é mundialmente representada, não apenas por religiosos. Por ser o terceiro maior evento do calendário cristão, é um dia especial para católicos, ortodoxos, luteranos e anglicanos. Segundo a crença cristã, este é o momento do reconhecimento de Jesus como o filho de Deus, o Messias.

A tradição diz que, três reis magos (Trzej Królowie) Baltazar, Melchior e Gaspar, orientados pela estrela mais brilhante do céu foram guiados até à manjedoura do Menino Salvador, nas cercanias de Belém. Eles carregavam consigo seus simbólicos presentes (ouro, incenso e mirra). Este simbolismo ressalta a importância do evento, além de estarem presentes nos eventos cristãos mais importantes, ao longo dos séculos. O fato é que este simples gesto de presentear durante o período natalino está presente até hoje, ainda que, dependendo do país, seja feito em diferentes datas, com algumas variações.

A essência da história é esta, mas muita coisa, ao longo dos séculos, foi acrescentada a ela, alimentando o imaginário coletivo e influenciando, inegavelmente, boa parte da formação do pensamento ocidental, de cristãos e não-cristãos.

Significado da data hoje

Hoje em dia, em certos aspectos, há algo mais folclórico – no sentido de cultura – do que religioso nisto – sobretudo no Brasil, onde cada vez menos se mantém estas tradições, exceto nas celebrações eclesiásticas. A tradição também é mantida em algumas regiões, onde o Dia de Reis ainda é muito comemorado, porém não chega a ser um feriado nacional, como na Polônia.

Vale lembrar que nem sempre foi assim por aqui: este feriado religioso entrou novamente para o calendário oficial em 2011, após haver sido suspenso durante os anos da República Popular Polonesa.

De fato, este é um dia muito bonito, que vale muito a pena “experimentar”, independente do credo – ou não – religioso, simplesmente por sua beleza e valor cultural, caso você esteja na Polônia. Esta é uma data muito importante para os poloneses, considerada uma das maiores comemorações de Dia de Reis do mundo.

Celebrações por todo país

De norte a sul do país há uma série de celebrações como as procissões. A procissão de 2010, em Varsóvia, chegou a reunir mais de 10 mil pessoas. Na “Orszak Trzech Króli” os Reis também saem distribuindo doces e cantando músicas natalinas. Além disso, há encenações do momento da Natividade, meio a canções religiosas, músicas seculares e orações.

As TVs do país cobrem este evento o dia inteiro, principalmente com o que acontece não apenas em Varsóvia, mas por toda Polônia. Cracóvia, Wrocław e praticamente todas as cidades polonesas do interior têm comemorações o dia todo.

Em Varsóvia, os festejos se iniciam na praça Zamkowy e também na praça Józef Piłsudski, as principais da cidade, e onde, todos os anos, um grande palco é montado para o encerramento das festividades.

Selfies com as coroinhas. Foto: Arquivo pessoal.

Neste dia todos, das crianças aos mais idosos, usam suas coroinhas de papel, distribuídas gratuitamente nas barraquinhas na praça. Nem mesmo o frio os desanima.

Veja abaixo um vídeo sobre a procissão que ocorreu em Varsóvia em 2017.

Tradições e o misterioso “K + M + B”

O Dia de Reis começa com famílias inteiras indo às igrejas para assistir a missa regularmente, buscar seu incenso (para defumar a casa) e sair de lá com seu pedacinho de giz bento. Algumas pessoas conservam pequenas caixas com água, giz e incenso para simbolizar os presentes dados pelos Reis Magos. Embora não sejam todos que o façam, é comum ver, especialmente em casas do interior e as mais antigas, a inscrição “K + M + B” à sua entrada, logo acima da porta principal.

Isto foi algo que observei quando cheguei, me intrigou, mas não dei muita atenção. Depois, finalmente, entendi que tratava-se de uma marcação em referência aos três Reis Magos (Kacper, Melchior e Baltazar, em polonês). Isto é feito para que o lar seja abençoado, a fim de trazer proteção contra doenças e outros males à família que vive na casa marcada, durante o ano inteiro.

Outra versão é que essa escrita, na verdade seria “C † M † B † 2018” (“Christus Mansionem Benedicat”) ou seja, “Cristo abençoa esta casa”. Ou ainda “Christus Multorum Benefactor” “Cristo é muito par um benfeitor”. Então não seria um sinal de adição (+), mas uma cruz (†). Mesmo significando o nome dos Reis Magos, deveria ser transcrita cruzes, e não sinais de adição. Grafias e símbolos distintos à parte, de qualquer forma, como histórias e lendas contadas através dos séculos, muitas interpretações vão surgindo da tradição oral, inclusive, devido a variações regionais. Isto que faz essas histórias tão ricas e peculiares.

Outro fato é que é comum também que padres visitem as casas logo no início do ano (ou no final, depende da organização da paróquia ou mesmo pode variar de acordo com a região), para trazer suas bênçãos ao lar e preces para a família. Achei isto incrível e tracei um paralelo com nossos rituais de sorte e proteção do Ano Novo, pois é como se o ano somente pudesse começar – bem – após estas bênçãos.

E o famoso bolo de Reis?

Outro costume está relacionado ao famoso Bolo de Reis (muito comum em Portugal, na Espanha e em algumas localidades do Brasil). Muito provavelmente o bolo (Galette de Rois) chegou à Polônia no século XVII, durante o período da Comunidade polonesa-lituana, influenciados pela culinária francesa, famosa na Europa naquele momento.

A primeira esposa do rei Władysław IV – da casa real de Vasa – era a princesa francesa, Marie Louise Gonzaga, que também foi casada com o rei sucessor, Jan II Kazimierz Waza. Ou seja, tempo mais do que suficiente para incorporar os costumes franceses.

Veja também como é celebrado o Dia de Reis na Espanha

A iguaria culinária ligada inicialmente à realeza se popularizou, sobrevivendo mesmo durante as guerras, mas com o final do feriado do Dia de Reis – durante a era socialista – foi desaparecendo. Inclusive a superstição – tão antiga e readaptada – da amêndoa colocada inteira no bolo. Aquele que tivesse a sorte de pegar o pedaço com a fruta, teria sorte o ano inteiro. Interessante, não? O tipo de tradição que vai além da religião e se funde ao cultural, pelos séculos.

Simbolismo e real significado

O Dia de Reis é isso: em um dos maiores redutos católicos na Europa, é como se o menino Jesus realmente tivesse acabado de nascer. É um simbolismo forte sobre a renovação da fé pessoal e da esperança na humanidade, para começar o ano com muita paz e amor no coração. Independente de religião – ou não – creio ser mais do que importante manter as tradições dialogando com o que há de novo. E tão importante quanto isso, é transmitir valores de paz entre os povos, amor e respeito ao próximo às novas gerações.

Feliz 2018, sorte, saúde, paz e prosperidade a todos nós!

2 Comentários

  1. Ah, Vivian, que texto lindo. Sou catolica e desconhecia que era um feriado nacional na Polonia. Adorei as fotos e o video tambem. Obrigada por compartilhar a sua experiencia. Feliz ano novo ! Sucesso!

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.