BrasileirasPeloMundo.com
Dicas de planejamento para imigrar Nova Zelândia

Dicas de planejamento estratégico para migrar

Imigrei com meu marido e filho de três anos, após um ano de muito planejamento. Hoje, já empregada na minha área de formação, com apenas dois meses, tentarei, de forma resumida, facilitar a vida daqueles que sonham em morar na Nova Zelândia.

Falarei sobre um assunto que, acredito, ter sido o mais importante de todo o processo. Tentarei fazer um texto simples e direto. Não sou uma especialista no assunto abordado e, em alguns momentos, estarei até divergindo de conceitos super complexos de grandes autores, mas foi a forma que encontrei para simplificar meu projeto.

Como começar?

Eu diria estudando! Mas, não estudando casos de outras pessoas e, sim, focando em administração e, mais especificamente, em PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO.

Como assim? As pessoas têm medo de ouvir esse nome, mas não se assuste. É algo simples que está no nosso dia a dia de uma forma tão natural que nem percebemos. Trata-se, apenas, de uma FERRAMENTA que podemos adotar para várias coisas em nossas vidas.

Planejamento estratégico pessoal nada mais é do que organizar nossos objetivos, metas, tempo, necessidades, diretrizes, diminuindo, assim, o desperdício de tempo e esforço, com sucesso garantido no resultado. É planejar a vida traçando estratégias que te ajudem a alcançar o que deseja.

Basta acreditar e praticar o conceito de descomplicar. Podemos planejar tudo em nossas vidas: uma dieta, um filho, um novo emprego, uma mudança de casa e, principalmente, uma MUDANÇA DE PAÍS. Fazer de forma natural é o segredo para deixar de ser um problema e se tornar uma solução. Uma forma de realizar tudo com muito prazer.

O que seria estratégico? Para mim, começa em aprendermos a focar no que é importante, ferramentas para conseguirmos o que queremos, diminuir a desorganização, planejar por partes, dividir tarefas. Algo de complicado nisso? Não!

E o que não seria estratégico? Medo de não conseguir, achar que vai dar errado, não acreditar em você, ouvir opiniões negativas e várias críticas de pessoas que não têm sua coragem, pular etapas, não tirar todas as dúvidas, acreditar no achismo, confiar apenas em uma fonte de informação.

As 4 etapas do meu “planejamento estratégico” adaptado

1 – Objetivo e Meta: O que eu quero? Como será feito? Que tipo de curso? Quem vai estudar? Quando ir? Uma boa agência de intercâmbio pode te ajudar nessa etapa. Eles vão estudar seu perfil e identificar as melhores opções.

2 – Pontos Fortes x Pontos Fracos: Por que ir e por que não ir? Por que ficar e por que não ficar? Mapear um por um, escrever, com detalhes, sempre revisar e analisar bastante. É nessa etapa que analisamos os riscos e as chances de dar certo ou errado.

3 – Planejamento: Parte mais importante, terá que constar tudo a respeito da nova vida. É, na verdade, um mapeamento. Nessa etapa, também é preciso estudar o site da Imigração, ele será sua eterna fonte de informações.

4 – Concretização: Seria, basicamente, fazer as malas. Nessa fase, você já sabe se o  projeto é viável e se irá se concretizar. É hora de pagar curso, tirar visto e embarcar.

Nesse artigo, infelizmente, não poderei detalhar todas as etapas, porque viraria um livro, mas falarei da TERCEIRA ETAPA.

Como fizemos? Planejamos por coisas e pessoas, separadamente. Por exemplo: o casal já deve viajar com o currículo pronto, no formato utilizado na Nova Zelândia; carta de recomendação em mãos; estudar o vocabulário especifico da área profissional e treinar entrevista de emprego, além de identificar algum curso que ainda possa ser feito no Brasil, que ajude a inseri-lo no mercado de trabalho.

Mapeie toda documentação necessária e, se possível, já viaje com ela traduzida por tradutor juramentado (as agências indicam tradutores): certidão de casamento, certidão de nascimento dos filhos, histórico escolar do segundo grau, histórico da faculdade, diploma, cartão de vacina dos filhos, cartas de referências das empresas, passaportes com validade conferida, carteira de trabalho e de habilitação.

Estude seu mercado de trabalho. Busque reportagens em jornais locais, pesquise diversos sites de empregos e liste a quantidade de vagas abertas por semana. Se candidate a vagas e peça, pelo menos, uma resposta se o currículo é interessante para a vaga.

Recebemos algumas respostas positivas, apesar de nenhuma oferta de emprego, mas foi válido. Analise salário, cidades com mais oportunidades para sua área. Todas essas respostas podem ser mapeadas com pesquisas, nos mais de 10 sites de empregos da Nova Zelândia.

Saiba todo o processo de estudo dos filhos, idade escolar, o que têm direito, horários, como funciona, tipo de lanche, o que precisa para matricular, valores de farda e material escolar, rotina de esportes e opções de línguas estrangeiras. Converse com mães sobre adaptação e dificuldade com inglês.

E alugar a casa? Como funciona? Aqui, pesquisa-se casas em sites ou indo direto a imobiliárias. Quando visitar uma casa e gostar, candidate-se para ela, o que nada mais é do que preencher um formulário, mas, nem sempre será escolhido. Bom também mapear a cidade, saber onde pretende morar, olhar valores médios de casa por região. Nos sites, sempre têm regras sobre aluguel e as taxas a serem pagas. Sempre se paga de três a quatro semanas de fiança, uma semana adiantada e, ainda, pode ter mais taxas. Aluguel custa uma média de NZ 450,00 a NZ 650,00, por semana, e a maioria dos imóveis não são mobiliados.

E o visto? Claro que precisa estudar, conhecer, saber qual irá requerer, exames que precisam e, mais uma vez, a agência pode ajudar. O meu, requeri por um despachante, no Brasil. O custo x benefício foi a melhor opção que encontrei.

E tem o grande problema, maior empecilho de todos: O FINANCEIRO. Bom, fazer uma planilha com todos os custos de viagem, fixos e variáveis, antes, durante e após a mudança. Quanto mais completa essa planilha, menos aperto passarão: valor de curso, despachante, visto, consulta médica, exames médicos, aluguel de casa, passagem, seguro saúde, montar a casa, comprar carro, telefone, luz, internet, eventuais extras, mercado, compra de roupas de frio, lazer, comer fora.

Não se esqueça de planejar onde ficar quando chegar. Alguns só pensam nisso quase na hora do embarque e pagam mais caro. Planejar uma mudança de vida não é uma receita de bolo que se lê e se segue. Podemos ter orientações, mas cada um precisa adaptar à sua realidade. Saber planejar certo faz grande diferença no sucesso do projeto.

Não é porque uma pessoa com seu mesmo perfil, idade, profissão, deu certo que você vai dar. E uma pessoa pode ter dado errado e você pode dar certo. Não existem regras.

Ao final de tanto planejamento, contas, leituras, trocas de experiências e o projeto escrito, não tínhamos dúvidas do caminho a seguir. Tomamos a decisão correta, nos demos a oportunidade de recomeçar já em uma etapa de vida não tão jovem, mas não existe idade para mudar o rumo das nossas vidas. Temos que ser felizes e hoje somos complemente!

Obrigada, Nova Zelândia, pela oportunidade e por ter nos recebido tão bem.

Related posts

Recomeço após os cinquenta na Nova Zelândia

Sandra Marengo

Dúvidas sobre morar fora

Natália Souza

Mudar de país em 4 etapas – Parte 2

Narister Oliveira

11 comentários

Cassia Fiuza Julho 4, 2017 at 12:40 am

A Renata é nota 1000. Desde que descobri sua página no face e seu canal no youtube não perco uma publicação. Seus posts são diretos e com ótimo conteúdo. Parabéns Renata.

Resposta
Michelle Souza Julho 4, 2017 at 3:04 am

Adoreiii o artigo, muito esclarecedor, obrigada. Já estava animada, depois de ler tudo isso, fiquei ainda mais, e com certeza vou planejar tudinho… Valeu demais!!!

Resposta
Ébano Corrêa Julho 5, 2017 at 1:04 pm

Tooooooop! Sou suspeito para falar, mas vou falar com meu cérebro e não com a emoção. Vejo Renata como histórias de fantasia. O que ela toca, trabalha e se envolve, BRILHA. Tudo é feito com muito esmero. A evidência disso é esse artigo, o que ela faz e o que virá. Parabéns amor da minha vida. Te amo muito. Você é muito especial. Quem te conhece que diga.

Resposta
Solange Camera Julho 5, 2017 at 9:16 pm

Muito bem escrito o artigo. Bastante esclarecedor. Com certeza, irá orientar e ajudar no planejamento, daqueles que tem pretensões de imigrar para a Nova Zelândia. Parabéns.

Resposta
Flavia Julho 6, 2017 at 3:47 am

Que esclarecimentos, hein?! Muito bom! Animação e coragem para sair do Brasil! Muito legal e útil para quem quer morar na Nova Zelândia! Parabéns! Boa sorte nessa nova jornada! Mais artigos como esse! Precisamos disso.

Resposta
Roberta Julho 6, 2017 at 8:58 am

Parabens Renata pelo artigo. Muito claro, objetivo, com riqueza nos detalhes e o mais importante, esclerecimento de muitas dúvidas que surgem ao decorrer do planejamento de buscar uma vida melhor para nossa família. Com certeza ajudará muitas famílias que pensam em mudar de vida.

Resposta
Débora Lima Julho 6, 2017 at 11:21 am

Muito bom o artigo e mto esclarecedor!! Você escreve de forma clara e objetiva. Parabéns Renata por esta ajudando aqueles que precisam de esclarecimento nesses momentos onde há muitas dúvida!

Resposta
Quenia Julho 6, 2017 at 1:43 pm

Parabéns!!!! Sua iniciativa em contar como foi sua mudança me ajudou esclarecer mtas dúvidas, adoro sua página no face, te acompanho sempre… Parabens pelo ótimo trabalho ???

Resposta
Catti Julho 11, 2017 at 12:22 am

Renata,
Parabéns pelo texto!
Toda baiana não nasce,e sim,estréia!
Deus abençoe vc,filho e esposo nesta linda estrada da vida!??????????????

Resposta
Beatriz Mendes Cardoso Janeiro 29, 2019 at 3:47 pm

Quero muito me mudar para nova zelandia,é o meu sonho.Mas não sei por onde começar.preciso comprovar renda?

Resposta
Liliane Oliveira Janeiro 29, 2019 at 5:46 pm

Olá Beatriz,
A Renata Abu Chacra parou de colaborar conosco. Para te ajudar, enviamos abaixo um texto com informações sobre Tudo que você precisa saber para morar na Nova Zelândia:
https://www.brasileiraspelomundo.com/tudo-que-voce-precisa-saber-para-morar-na-nova-zelandia-520892668
Obrigada,
Edição BPM

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação