BrasileirasPeloMundo.com
Entrevistas Suíça

Entrevista com a chef Maria Frey

Maria Frey nasceu na Bahia. Aos 4 anos de idade mudou-se para São Paulo, onde então mais tarde se formou como nutricionista. Mas não foi por causa da sua profissão que ela veio para a Suíça. Ela veio somente com o intuito de fazer uma pesquisa sobre obesidade, hipertensão e colesterol na terceira idade numa casa para idosos, há mais de 20 anos.

Hoje Maria Frey atua em 2 projetos na área gastronômica:

Brasil Gourmet Club Viva-Maria – uma ONG que organiza eventos, cursos de culinária e assessoria na área gastronômica.

 Pastel Brasil  – Take away e banqueteria de cozinha brasileira e internacional.

Você trabalhou em alguma empresa na Suíça antes de abrir sua própria empresa? Onde e em que função?

Sim, trabalhei no restaurante Hirche como segunda cozinheira, no Gate Gourmet como estagiária e também trabalhei na França, no Club de Gourmet, na região de Borgonha, onde frequentei alguns cursos.

O que te levou a querer abrir seu próprio negócio? Qual foi a sua motivação?

Quando me casei não trabalhava na área, e um dia fomos fazer um projeto na França. Eu trabalhava com meu marido na época, éramos 16 pessoas para fazer o trabalho no local e o cozinheiro não foi trabalhar, então eu estava no lugar certo, na hora certa. Entrei nessa área e nunca mais saí.

Minha motivação foi querer apresentar a nossa culinária brasileira profissionalmente, pois até então não havia nada neste sentido. Nos anos 90 poucos locais vendiam os produtos necessários à cozinha brasileira.

De onde veio a ideia de negócios para sua empresa?

A ideia veio de criar algo novo, algo que os suíços desconheciam. O pastel é uma escolha infalível para o paladar de qualquer nacionalidade, e quando abri o Pastel Brasil com oferta de mais de 200 sabores, foi ainda mais fácil conquistar os novos clientes suíços.

Quais foram os maiores obstáculos?

A língua, pois na época eu falava pouco o alemão e vivo em Zurique, mas como um amigo cozinheiro costuma dizer: “quanto mais enrolado um cozinheiro falar, mais internacional ele é” (risos)

Não tínhamos oferta de produtos alimentícios brasileiros no mercado local como hoje em dia, tínhamos que identificar aqui em vários locais diferentes produtos paliativos, de substituição, pois em poucos locais se vendiam produtos necessários à cozinha brasileira.

Como você descreveria sua experiência hoje e o sucesso de seus negócios atualmente?

Acreditar no que se faz, saber fazer bem o que irá oferecer, oferecer sempre a mesma qualidade, ter disciplina.

Qual foi o seu maior erro no caminho do sucesso como chef e empreendedora?

Erros? Não podemos dizer isso, e sim aprendizado com novas situações. Aprendi muito e a cada momento sempre aparece algo novo; é preciso usar sempre a racionalidade.

Uma dica pra um emigrante brasileiro que está pensando em empreender?

Saber fazer o trabalho de sua empresa de A a Z  para não se tornar dependente de seus colaboradores, pois aqui na Europa quem assume mais responsabilidades nas empresas pequenas são os proprietários; analisar e abrir com um produto novo no mercado ou com uma nova concepção do já existente, e muita disciplina.

Quais são as principais diferenças entre as culinárias brasileira e suíça? Os suíços conhecem a culinária brasileira? E os que conhecem, apreciam?

A culinaria suíça é tradicional: a receita não muda. É diferente da cozinha brasileira, onde cada região cria uma receita diferente, com ervas e temperos diversos. Os suíços comem sempre comida fresca e de preparo rápido, sem muito tempero; no Brasil a comida é sempre muito temperada, tão temperada que chega a modificar o sabor dos alimentos. O brasileiro sempre improvisa, não mantendo uma receita fixa para o preparo do prato. Os suíços são abertos para provar coisas novas, mas é preciso adaptar o prato para o gosto do europeu; neste caso, eles provam sem problema.

Como na sua opinião poderíamos melhorar a promoção da culinária brasileira na Suíça?

Procurando fazer eventos, como feiras gastronômicas com culinária regional brasileira em datas específicas, com  assessoria profissional na área  para acompanhar esses eventos.

Que dicas você daria para os chefs de cuisine brasileiros que pensam em abrir seu próprio negócio no ramo no exterior?

Para uma chef de cuisine é muito gratificante abrir seu  próprio negócio, entretanto é necessário termos a consciência que são muitas horas de trabalho diário, e apresentar a cozinha brasileira fora do Brasil é algo bem trabalhoso. A maioria dos  profissionais da área prefere se adaptar à cozinha local e se especializar, para retornar um dia ao Brasil e trabalhar na área. Eu optei por morar no exterior e representar nossa culinária brasileira que é tão diversa e rica.

Escolhi entrar no mercado com  petiscos brasileiros, pois nao haveria falha na aceitação; com o pastel desenvolvi uma receita para a massa que pode ser usada para vários pratos, e também pode ser  assada e não necessariamente frita. Hoje estou no processo de  produzi-la em maior  escala para colocar no mercado,  assim como as massas de pizza. Este é meu projeto atual.

Verifiquem com atenção a oferta gastronômica já existente no mercado local, diferenciação é a ordem do dia! Abram algo inovador, levando em conta sempre o mercado local, e não contem somente com o público brasileiro, pois não estamos no Brasil.

Culinária é uma arte e como toda arte, é criatividade. Criatividade não é mudar receitas tradicionais e sim recriar, elaborar novas receitas, assim como manter certas tradições.

Serviço Você encontra a Maria Frey no Pastel Brasil – Mattengasse, 19 –  8005 – Zurique, Suíça.

Related posts

A Suíça nem sempre é tão cara

Teca Hungria

O que a Suíça mudou na minha vida

Mel Barbieri

Guarda de filho compartilhada na Alemanha

Larissa Da Costa

17 comentários

Eliana Gobeli Fevereiro 2, 2015 at 3:18 pm

apesar de morar no kanton Bern,nao resisti a curiosidade de recordar do gosto delicioso do Pastel,Maria é unica no Pastel,eu desejo a ela muito sucesso e vou torcer para que ela consiga realizar seus planos para que possamos comprar os pasteis nos mercados Suiços! e tambem torcer para ela abrir uma filial em Bern! acredito em Maria e me orgulho dela!!!! desejo a Maria muitooooo sucesso na vida proficional! e parabens Ana Cristina Kolb pelo trabalho!

Resposta
Ana Cristina Kolb Fevereiro 2, 2015 at 3:29 pm

Obrigada Eliana pelo comentario carinhoso e eu também tô aqui de Montreux torcendo pra poder comer um “pastelzim” toda semana uai!Eita trem bao! Namasté 🙂

Resposta
Patricia Fevereiro 2, 2015 at 5:44 pm

A Maria é uma pessoa maravilhosa e uma profissional exemplar, aprendi muito com ela que não tem nenhum problema em dividir suas experiências. Meus parabéns minha querida, que todos seus novos projetos sejam sucesso como tudo o que fez até aqui.
Minha admiração e carinho para essa grande mulher!!

Resposta
Ana Cristina Kolb Fevereiro 3, 2015 at 1:21 pm

Querida Patricia obrigada pelo seu comentario carinhoso a nossa querida Maria Frey!

Resposta
Maya Valencia Fevereiro 2, 2015 at 6:11 pm

Tao bom poder ter “um pedacinho de casa” aqui em Zurich!! Maria é sinônimo de qualidade, profissionalismo e alegria! 🙂

Resposta
Ana Cristina Kolb Fevereiro 3, 2015 at 1:24 pm

Obrigada Maya pelo seu comentario e apreciaçao pelo trabalho da Maria Frey! 🙂

Resposta
luciafah14 Fevereiro 2, 2015 at 8:57 pm

Parabèns Ana pelo interesse por brasileiros de sucesso fora do Brasil.
Parabèns Maria pelo trabalho e compretência, bj

Resposta
Ana Cristina Kolb Fevereiro 3, 2015 at 1:23 pm

Lucia querida, obrigada pelo seu comentario carinhoso a Maria e a ao meu trabalho, aqui um links de uma organizaçao onde sou co-fundadora e apoiamos a comunidade brasileira de empresarios no exterior: http://www.brazilianinternationalbusinessgroup.com/ Namasté 🙂

Resposta
Severino Fevereiro 3, 2015 at 7:10 pm

Falar da Maria é muito fácil.
Posso resumir em uma palavra.
Competência.
Os sinônimos não preciso falar.
Ou teria que escrever um novo dicionário.
Parabéns as mulheres!

Resposta
Ana Cristina Kolb Fevereiro 3, 2015 at 7:56 pm

Super obrigado pelo comentario querido Severino! Eu concordo em genero numero e grau! Namasté 🙂

Resposta
Melina Lima Fevereiro 4, 2015 at 6:30 pm

Maria é pura alegria, exemplo de coragem, determinação e profissionalismo! Um orgulho para nós, brasileiros residentes na Suíça. A Maria oferece-nos simplesmente o melhor da culinária brasileira com alto padrão de qualidade e um sabor único! Tudo delicioso, digno de Chef Padrão Internacional! Parabéns querida pela seu merecido sucesso!

Resposta
nilce tazalu Fevereiro 5, 2015 at 4:21 pm

Ela e acima de tudo um super ser humano,parabens e continue na sua jornada bjs e felicidades

Resposta
Ana Cristina Kolb Fevereiro 5, 2015 at 9:26 pm

Obrigada pelo carinho e pelo comentario,Nilce, eu concordo com voce e os seus votos serao repassados com certeza! 🙂

Resposta
Luiz Fernandes Assis Fevereiro 5, 2015 at 10:15 pm

Excelente reportagem, Ana…Ainda não conheço a Maria pessoalmente, mas temos trocado emails sobre a importância de se valorizar a cultura brasileira em terras européias…e do outro de cá do Atlântico já agendamos um encontro em agosto de 2015, quando estarei apresentando meu novo romance – O Presente – aos brasileiros que vivem em Zurique e espero me deliciar com muitos pasteizinhos. rsrsr…Luiz Fernandes

Resposta
Eduardo Janeiro 22, 2019 at 10:28 pm

Parabens maria, poxa fiquei com vontade de comer pastel. Te amamos muito

Resposta
Patricia Teixeira Janeiro 23, 2019 at 6:08 pm

Grande profissional, mulher guerreira e ser humano fantástico!!
Sucesso minha querida Maria.

Resposta
Isabelcastillo Janeiro 26, 2019 at 2:30 pm

Nossa Maria, meu Exemmplo de Superação e Disciplina!!! Nos dá forças para seguir neste ramo da Gastronomia que não é Fácil e principalmente aqui na Suíça 🙏🙏Maria nossa Chef Mãe 😍🙏👩‍🍳

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação