BrasileirasPeloMundo.com
EUA Violência Doméstica pelo Mundo

Ajuda às vítimas de violência doméstica nos EUA

Vítimas de violência doméstica nos EUA

A violência contra as mulheres é um fenômeno mundial que, ocorre em qualquer classe social, profissão ou nacionalidade. Atualmente, nos Estados Unidos estima-se que três mulheres são assassinadas diariamente por seus parceiros atuais ou anteriores.

Nos Estados Unidos, a lei garante proteção a qualquer indivíduo vitimas de agressão física ou psicológica independentemente de sua condição imigratória, cor, etnia, orientação sexual ou religião. No final desta matéria há uma lista de organizações que auxiliam imigrantes desde abrigo a assistência legal e psicológica.

Quais são os sinais de um relacionamento abusivo?

– O parceiro monitora suas atividades o tempo todo

– Se você não atende uma ligação ou um texto imediatamente ele fica enfurecido

– Critica seus amigos e familiares

– Tem pressa em mudar-se para mesma moradia mesmo no começo de um namoro

– Está sempre lhe desencorajando a estudar, especialmente o idioma local, ou trabalhar fora

– Ridiculariza seus esforços para melhorar

– Controla tudo que você gasta e/ou cancela seus cartões de crédito

– Sempre lhe acusa de ser infiel

– Controla sua pílula anticoncepcional ou insiste que você engravide

– Agride crianças e animais domésticos da casa ou destrói algo que você gosta muito

– Ameaça se suicidar ou lhe matar quando se “aborrece” com você

É possível saber se o parceiro é ou será violento durante o namoro ou noivado?

– Não é possível determinar. Mas, durante o namoro ele/ela já mostra sinais de controle e manipulação. Sempre demonstra muito ciúmes mas diz que, isto é porque lhe ama.

É possível sofrer violência sexual no casamento?

– Sim, é possível. Quando a mulher se vê forçada a fazer algo que causa desconforto ou simplesmente não queira, isto qualifica como abuso sexual.

Como denunciar o agressor nos Estados Unidos?

Ligue para 911. Se você sente que está correndo risco de vida, não hesite, peça ajuda. Se você não fala inglês tente dizer como “Portuguese, Brazil”. Isto é suficiente para que o atendente do 911 entender que você precisa de um interprete brasileiro. Um interprete será conectado imediatamente. Certifique-se de falar todos os detalhes do acontecimento.

 

O que fazer se você não tem visto de permanência? Calar ou denunciar?

– Denuncie, pois isto, não compromete sua situação imigratória. Os policiais não devem e nem podem tratar de assunto imigratório. A polícia deve fazer um boletim de ocorrência da melhor maneira possível e encaminhar a vítima para um abrigo e organizações locais que poderão lhe ajudar.

Dica: mesmo que você tenha amigos ou familiares que falem inglês, sempre peça pelo serviço de um interprete profissional. O interprete tem um papel neutro. Isto garante que, as autoridades locais como a polícia reportem o caso com detalhes o que beneficia a vítima no processo judicial e em corte.

O governo norte-americano, também pode emitir um visto especial para vítima de violência doméstica, sexual ou trafico humano.

Mediante uma separação, o abusador tenta fazer as pazes com a parceira. Muitas vezes, para evitar problemas judiciais ou imigratórios. Então, em muitos casos inicia-se o ciclo da violência doméstica que, é constituído por 3 fases.

1 – Aumento das tensões: as tensões se acumulam no quotidiano. As ameaças começam a escalar criando uma sensação de perigo eminente.

2 – Ataque violento: nesta fase, o agressor intensifica o mal trato emocional e muitas vezes se torna físico. É o momento que muitas vítimas buscam ajuda de amigos, familiares e/ou polícia local.

3 – Lua-de-mel: nesta fase o agressor se vê diante de uma possível separação. Então, o mesmo muda sua estratégia de manipulação e passa a se mostrar muito arrependido e afetuoso com a vítima. É o momento em que muitas promessas são feitas, a vítima é presenteada com flores, recebe muito carinho mas as agressões voltam a ocorrer. Em muitas ocasiões voltam com força.

Importante: se você se identificou com estes cenários e sente que tem dormindo com o inimigo, ou conhece alguém que esteja passando porisso, é o momento de deixar uma mochila pronta para um escape de última hora. Não duvide das ameaças do abusador.

Embora, a violência contra a mulher seja uma realidade cruel e com índices alarmantes ainda existe um tabu em torno do tema. O que faz uma mulher se manter num relacionamento abusivo?

Muitas mulheres não tem apoio dos familiares imediatos, vivenciaram este drama na infância, sentem-se isoladas porque residem em outro país, ou muitas toleram a agressão acreditando que isto é melhor para os filhos que uma separação.

Porém, existe ajuda e pode-se reconstruir uma vida. Quando voluntariei e trabalhei com mulheres vítima deste tipo de violência, na YWCA, vi muitas delas refazerem suas vidas junto aos filhos e parceiros saudáveis emocional e fisicamente. Parece impossível, mas não é. É preciso coragem.

Segue abaixo uma lista de organizações que trabalham com vitimas locais e imigrantes residentes nos Estado Unidos. Vale ressaltar que essas organizações também auxiliam a comunidade LGBT.

1. National Resource Center on Domestic Violence

Voice 1 800 537-2238 | TTY 1 800 553-2508

2. YWCA eliminating racism empowering women

1-800-799-SAFE (7233)

1-800-787-3224 (TTY)

3. National Domestic Violence Hotline

1-800-799-SAFE (1-800-799-7233)

1-800-787-3224 (TTY)

4. National Sexual Assault Hotline of the Rape, Abuse and Incest National Network (RAINN)

1-800-656-HOPE (1-800-656-4673)

5. National Center for Missing and Exploited Children

1-800-THE-LOST (1-800-843-5678)

6. The National Center for Victims of Crime

1-800-FYI-CALL (1-800-394-2255)

1-800-211-7996 (TTY)

Related posts

Kessia Cericola, advogada e intérprete judicial nos EUA

Paula Dalcin Martins

Vida americana para iniciantes

Renata Salas Collazo

Carteira de Motorista no Mississippi

Mariana Carvalho

15 comentários

Ana Fevereiro 6, 2016 at 2:41 pm

Congrats Alessandra! Dejame saber cuando tu libro este terminado. ????

Resposta
Alessandra Fevereiro 10, 2016 at 10:31 pm

Obrigada Ana!
Em breve o livro será publicado.

Resposta
Alessandra Ferreira Abril 6, 2016 at 5:05 am

Hola Ana! Como estas? Mi livro ya está disponible en la Amazon.

Resposta
N Março 19, 2016 at 5:33 pm

Ei, hoje estou num abrigo na Florida, sofri muito nas maos de meu companheiro, tanta humilhacao. Ja nao me sinto tao sozinha nesta Terra. No abrigo WID me sinto segura.

Resposta
Alessandra Ferreira Abril 6, 2016 at 5:09 am

Olá,

Obrigada pelo seu comentário e desculpe-me pela demora em responder. Que ótimo que você foi forte e deixou um parceiro abusivo. Parabéns.
Tenha a certeza de que isto vai te abrir para uma nova muito feliz.

Resposta
Nece Junho 24, 2016 at 6:18 pm

Eu preciso de ajuda, mas não sei o que fazer, onde ir ou com quem falar. Estou na Flórida.

Resposta
Cristiane Leme Julho 1, 2016 at 9:45 pm

Nece, uma de nossas colunistas nos EUA vai entrar em contato com você.
Edição BPM

Resposta
claudia Agosto 30, 2016 at 8:39 pm

Precisa de ajuda!

Resposta
Maria Aparecida Fevereiro 28, 2018 at 10:16 am

Olá Ana eu estou no Brasil e fui vítima de violência doméstica por um cidadão americano e também vítima de uma armadilha feita pelo mesmo quando vim para o Brasil para a entrevista do greencard ele ligou no consulado americano no Rio de Janeiro dizendo que estaria se divorciando de mim, então o cônsul negou meu visto e eu estou aqui no Brasil, teria alguma lei que me protege mesmo estando longe dai

Resposta
Alessandra Ferreira Fevereiro 28, 2018 at 10:22 am

Oi Maria Aparecida, eu lhe mandei uma mensagem para o seu email.

Resposta
https://m.youtube.com/watch?v=vyKA2BjvbO0Luciana Julho 14, 2018 at 6:36 am

Ola !vim para os EUA fui convencida a a largar tudo no Brasil 14 anos de trabalho por um homem que fez muitas promessas e que aqui se casaria comigo… passou apenas duas semanas começou o meu tormento… as humilhaçoes e me expulsou da casa dele sem eu conhecer ninguem… ainda demorrei um um tempo para sair pois nao sabia falar ingles… vim junto com minha filha… Delpois de passar por muitas humilhaçoes pedi ajuda a outras pessoas que fui cinhecendo ajuda de trabalho e ele continuou as ameças e que eu tinha que sair da casa dele que ele nao era obrigado nem comigo e nem com minha filha… consegui sair da casa dele… mas ate hoje nao consigo esquecer tudo o que passeii ao lado daquele que se mostrou um um anjo e que logo depois mostrara o monstro que habitava dentro dele.Hoje sou uma mulher marcada oelo sofrimento… baixa auto estima…e nao consigo tirar da minha memoria tudo o que aconteceu.E Ainda hoje sofro muito com tudo que vivi ao lado desse monstro.

Resposta
Alessandra Ferreira Julho 16, 2018 at 4:09 pm

Oi Luciana. Obrigada por compartilhar sua experiência conosco. Com certeza, uma experiência desta natureza deixa marcas profundas. Você pode fazer terapia individual ou em grupo que irá ajudá-la a superar a depressão e retomar a auto-estima. As mesmas organizações que encaminham as vitimas a abrigos podem encaminha-la para sessões terapêuticas. E quem sabe mais tarde você ajudará outras mulheres que passaram pela mesma situação.
Um abraço forte.

Resposta
Renata Setembro 17, 2018 at 11:55 pm

Vou postar aqui a investigação que está sendo feita por um repórter aqui em Houston.
Para tentar explicar tudo aqui seriam dias…, este processo tem muitos detalhes e é extremamente complexo.
Google: Dolcefinoconsulting.com/ family injustice

Resposta
Carla Greeb Abril 19, 2019 at 1:16 am

Oi ALESSANDRA
Estou em NY organizando um trabalho sobre iolencia doméstica para a comunidade brasileira
Gostaria de entrar em contato com voce
Obrigada

Resposta
Alessandra Ferreira Abril 19, 2019 at 4:28 am

Olá, ótimo. Vou te mandar um email e continuaremos a nos comunicar.
Um abração,
Alessandra

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação