BrasileirasPeloMundo.com
Canadá Quebec

Expectativa e realidade sobre solidariedade entre imigrantes

Expectativa e realidade sobre solidariedade entre imigrantes.

Num mundo cheio de diferenças de opinião, poucas coisas parecem ser capazes de nos unir sem maiores esforços e de maneira quase que instantânea. Muito se fala sobre como as redes sociais fragmentaram as relações, na medida em que o surgimento de comunidades ou grupos virtuais baseados em ideologias, crenças, afinidades e interesses naturalmente favoreceram a criação de bolhas digitais. Porém, acredito que independente dessas diferenças que se propagam na rede virtual, existe uma condição do mundo real que prevalece e aproxima quando o contexto a ser analisado é o da imigração: a nacionalidade.

Imagine essa situação: você se encontra em outro país, pouco importa se a passeio ou para ficar de vez. O idioma ainda não é de todo familiar; as regras de conduta são diferentes; você invariavelmente se sente completamente deslocada, buscando dar sentido e forma ao seu modo de agir nessa nova realidade. Basta ouvir uma pessoa falando em português que o reflexo quase instantâneo é o de não mais se sentir à margem e de puxar conversa.

É instintivo. A gente não se importa se a pessoa em questão votou em fulano ou beltrano, torce para o time A ou B, ou é a favor ou contra a diminuição da maioridade penal. Pelo menos não num primeiro momento. Mergulhados num ambiente estranho de tantos constrastes, o fator ser brasileiro nos aproxima. Tudo o mais perde em importância, pelo menos enquanto a sensação de estranho no ninho é apaziguada pela companhia de alguém que “nos entende”.

No artigo desse mês, minha reflexão é sobre até que ponto o país de origem realmente aproxima as pessoas. Seria a nacionalidade um fator facilitador da solidariedade entre imigrantes? Será que em algum momento isso se transforma em competição de alguma forma? Será que a tendência é unir forças ou se colocar em modo sobrevivência das mais adaptadas?

Leia também: O sonho de imigrar em família

Solidariedade: o ponto de vista torna tudo relativo!

Brasileiros em geral, são conhecidos pela alegria, pelo acolhimento, pelas relações mais calorosas, até demais em alguns casos. Claro que em certos contextos a solidariedade é quase um pré-requisito de sobrevivência e, por esta razão, se mostra mais presente que em outros. De qualquer forma, viver em sociedade exige a criação de um regra de responsabilidade recíproca, mesma que implicitamente. O problema reside na confusão entre a solidariedade voluntária e solidariedade compulsória. Explico as diferenças.

A solidariedade voluntária é aquela à que a pessoa se dispõe naturalmente e por vontade própria, dentro das áreas nas quais ela pode e, atenção, quer de fato ajudar. Existem pessoas que são doadoras natas, ou seja, tem uma inclinação espontânea a servir aos outros da melhor maneira e dentro de suas possibilidades. Pode ser que essas pessoas se ofereçam proativamente, mas às vezes pode ser que precisem de uma deixa para então se colocar a disposição. Tanto num caso quanto no outro, fazer papel de adivinho não faz parte do pacote do solidário(a) em questão. Quem precisa de ajuda deve manifestar essa necessidade e não simplesmente esperar que um terceiro leia nas entrelinhas. Nem preciso dizer que orgulho também deve ficar de fora, sobretudo da parte de quem precisa de ajuda.

No caso da solidariedade compulsória, é como se as necessidades iniciais de base devessem ser automaticamente satisfeitas para quem está em desvantagem. Não é uma questão de escolha de quem deseja ser solidário, mas de obrigação cultural. Às vezes tenho a sensação de que alguns imigrantes recém chegados se colocam nessa situação em relação àqueles que já trilharam um bom caminho nessas terras desconhecidas. Nem sempre é consciente, mas parece haver uma prerrogativa de que um brasileiro deve sempre ajudar outro brasileiro, afinal precisamos nos unir, certo? Só que nessa situação de obrigatoriedade (mesmo que não dita), começa-se a perder mais do que ganhar. Vira o famoso: a gente dá uma mão e a pessoa quer o braço.

Leia também: Aprendizados após mudar para a Nova Zelândia

Omitir-se é uma opção

Verdade seja dita: nem todo mundo acredita no poder do compartilhar experiências e aconselhar como uma motivação na jornada do outro. Para que dar o caminho das pedras depois de tudo que se passou e foi conquistado “sem a ajuda de ninguém”?

Por mais fria e revoltante que opiniões como essa possam parecer, elas existem e eventualmente podem vir da boca de alguém que pensávamos ter mais consideração pela gente.Omitir-se pode ter a ver com indiferença, egoísmo, insegurança, sentimento de competitividade ou rivalidade, medo de se expor. A recomendação é respeitar. Não precisa necessariamente aceitar e nem querer entender. Afinal, a gente não sabe o que de fato aquela pessoa passou e ela tão pouco é obrigada a fazer algo por nós.

Já ouvi muitos depoimentos de pessoas que se queixam em relação a quem pede dicas e conselhos, mas desde que tudo já venha mastigado. Por essas razões optam pela omissão. Eu mesma já passei por situações assim desde que comecei a contribuir para o Brasileiras Pelo Mundo. Aliás, acho que o maior serviço que nosso blog presta é fornecer informações relevantes, desde as questões legais até aquilo que pode facilitar o processo de integração e o dia a dia. Procuro atender a todos que me mandam comentários na medida do possível, mas apenas até onde julgo razoável. Em alguns casos, dou apenas referências mas encerro por ali, porque minha capacidade de ajudar pode ser limitada.

Quando além da solidariedade, a empatia entra na jogada

Só que nessa história toda, existe um caminho que me atrai bastante e que faz parte da minha jornada e de quem mais cruza o meu caminho de uma forma especial: a empatia. Como eu gosto dessa palavra e de tudo o que ela pode fomentar nas nossas relações interpessoais!

Acredito na reciprocidade consciente, quando existe uma real vontade de colaborar, de se colocar à disposição. De resto, prefiro seguir meu caminho caso ninguém mais queira vir junto. Como mencionei acima, ninguém é obrigado a nada. No final, somos quem de fato tem o real poder sobre nossas próprias vidas. O problema é que vivemos transferindo esse poder a outras pessoas, coisas e circunstâncias.
A solidariedade abre a porta, mas a empatia traz a mudança. Não é uma questão de sentir o que a pessoa sente, nem de viver ou fazer as coisas pelo outro. É simplesmente estar disponível, de peito aberto e desprovida de pré-julgamentos. Ninguém pode trilhar o meu caminho e vice versa. Mas o falar sobre como enfrentamos uma dificuldade, como a superamos, isso faz toda a diferença para quem está dando os primeiros passos no exterior. Por isso, se for para ser solidário, o seja de verdade e espontaneamente. Não cobre nada de quem quer que seja. Apenas aceite, retribua e viva um dia de cada vez, assumindo as rédeas das suas decisões.

Related posts

Faculdade depois dos 40 no Canadá

Flávia Bartholo

Dicas para comprar carro no Canadá

Vanessa Murcilio

Pré-requisitos essenciais de uma imigrante em Quebec

Ana Carolina Sommer

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação