BrasileirasPeloMundo.com
Turquia

Golpes na internet usando empresas turcas

Golpes na internet usando empresas turcas.

O momento que estamos vivenciando tem nos feito repensar muitas coisas como valores, comportamento, objetivos e estratégias. Tem sido um momento em que “pensar no outro” é a palavra de ordem. A expressão do amor, da preocupação, do desejo de ver o outro bem e feliz se traduz em “distanciar-se”. Quão antagônico é isso e quão real nesse momento.

Talvez seja isso que mexa com a cabeça das pessoas, que nos deixa com um vazio em busca de estratégias para alcançarmos objetivos que se tornaram comuns a todos, como a sobrevivência.

Em meio a tudo isso, existem vários grupos de pessoas: as que assistem tudo aguardando as respostas, as que assistem tudo e procuram colaborar de alguma maneira e as que assistem tudo e procuram tirar proveito da situação. Sim, infelizmente existe esse grupo. E é sobre esse grupo, especificamente, que vamos tratar, hoje, neste texto.

Na realidade, será um texto de alerta – um alerta necessário para todos que não se enquadram nesse terceiro grupo.

A Turquia é um país lindo, com muitos atrativos naturais, turismo atraente e um povo muito hospitaleiro. Mas como todo país, ali habitam pessoas; e como todos sabem, as pessoas são diferentes e têm objetivos diferentes.

Existe um grupo que tem aplicado golpes na internet em pessoas no Brasil. E tem feito isso com pessoas que realmente encontram-se mais fragilizadas pelo momento atual, os desempregados. Os golpistas são turcos, até onde conseguimos saber; e usam números de telefone, endereços, sites e e-mails turcos. Encontram suas vítimas nos sites de empregos e iniciam o contato.

Oferecem o emprego dos sonhos, enviam propostas falsas, documentos falsos e iniciam uma seleção para a vaga proposta, via Skype. Tudo parece muito real e convincente. Para quem não tem conhecimento sobre a Turquia, pode acabar caindo nesse golpe, como alguns brasileiros já caíram.

Eles entraram em um dos maiores sites de emprego e ali fazem suas vítimas. Dizem que analisaram o currículo e que atende ao que a empresa está buscando. Perguntam se a vítima tem interesse em participar de um processo seletivo online. Falam um pouco sobre a proposta da empresa e do cargo. Na maioria dos casos ninguém aceitou logo de cara, porque a insegurança é a primeira coisa que vem à cabeça. Mudar de país, levar a família ou não, o idioma, enfim, muitas coisas passam pela cabeça na hora da oferta. Nesse primeiro contato não é dito sobre o salário, apenas passam informações sobre o cargo e a empresa. Se a pessoa tem interesse, envia todas as informações por e-mail. E aí é onde tudo começa.

O site utilizado existe para mostrar a empresa; é real e a empresa também. O que é alterado, então? Os contatos. Um trabalho muito bem feito. O e-mail e o telefone são alterados de forma que a vítima só faça contato com o golpista. O número fixo da empresa permanece o mesmo, mas não se preocupam com isso porque além da barreira do idioma, o atendimento eletrônico também dificulta. Ninguém vai querer pagar uma ligação internacional para ficar esperando minutos ao telefone.

Em seguida, a vítima responde ao e-mail e dá início ao processo de “conhecimento”, que pode durar semanas. Eles têm tempo e paciência. Não insistem em nada. Há casos em que as pessoas decidem aceitar a proposta de participar do processo seletivo online após um ou dois meses.

Nesse processo seletivo, o cenário é de uma sala muito convincente. Inicia-se a apresentação formal do responsável pelo RH da empresa. Mais informações são dadas, as dúvidas tiradas e finalmente o salário é informado. Muito tentador.

Então, as etapas vão passando e a vítima vai sendo aprovada e com isso vai conhecendo outros membros da empresa, inclusive um diretor.

Dois meses podem demorar até que tudo termine e a vítima receba o aval da contratação. Documentos são exigidos nessa fase. Cópia do passaporte e o que mais julgarem necessário.

A vítima recebe um contrato via e-mail e após a assinatura a documentação é enviada, também via e-mail, bem como um visto de trabalho, com uma carteira que chamamos de e-Ikamet (visto de permanência). Em alguns casos, a falsificação é muito grotesca, sendo nítida para quem conhece uma original. Mas para um leigo no assunto, passará despercebido.

Os contatos continuam e o que os favorece é a situação atual, a “pandemia”. Sim, isso é o que os ajuda, pois ganham tempo, já que não podem levar o novo contratado imediatamente.

E onde está o ponto crucial do golpe, em uma cláusula do contrato que diz que a vitima terá que pagar um valor (que pode variar), mas geralmente pedem três mil dólares para todas as despesas de documentação junto à imigração e para o envio pelo correio, após o “novo contratado” receber tudo por e-mail, para que os originais possam ser apresentados às autoridades turcas e policiais, caso exijam durante a viagem.

E é nesse momento em que o “novo contratado” faz o pagamento, porque caso não cumpra com sua parte no contrato assinado, perde o direito à vaga de emprego, com salário de dezessete mil dólares. Diante desse salário, o que são três mil dólares?! É o que muitos pensam. Esse tempo entre receber o contrato, assinar, devolver, receber a documentação, pode variar dois meses, tempo para que a vítima possa providenciar o dinheiro, caso não tenha. É o caso de alguns brasileiros que pediram emprestado para parentes ou fizeram um empréstimo bancário para pagar o contrato, na esperança de viajar e iniciar um novo emprego. E assim, já com o primeiro salário quitar a dívida.

Infelizmente alguns brasileiros acreditaram, confiaram em tudo que viram e fizeram esse pagamento. E aguardam pela viagem sonhada que, segundo os golpistas, só poderá acontecer após essa “pandemia” passar porque não há voos do Brasil para a Turquia. E também porque todos na empresa atualmente fazem home office.

Algumas pessoas desconfiaram em algum momento e me encontraram pela internet, conversamos por mensagens e logo identificamos a fraude. Em alguns casos, tarde demais. O pagamento havia sido feito. Em outros, ainda houve tempo de impedir mais uma vítima.

Alguns procuraram a Polícia Federal, foram orientados a procurar a Polícia Civil e registrar a ocorrência. A Polícia Civil tem um departamento especializado em crimes cibernéticos e é responsável por fazer toda a ponte entre as polícias necessárias.

Reaver os valores não é fácil. Na verdade, nem fica muito a esperança de que isso acontecerá, mas fica a certeza de que, fazendo alertas como esse, impediremos que se façam outras vítimas.

Leia também: Mercado de trabalho para estrangeiros na Turquia

Uma dica bem importante sobre esse e-Ikamet. Ele é dado em dois casos: para quem se casa com um cidadão turco ou para quem irá trabalhar na Turquia. No primeiro caso, casamento, ele é na cor rosa; e no segundo caso, trabalho, ele é na cor azul. Os golpistas sempre enviam o rosa.

Existe um site disponibilizado pelo governo turco e nele é possível consultar o número do e-Ikamet e dessa forma saber se ele existe e é verdadeiro.

Que possamos enxergar, nesse momento, o que ele nos proporciona, um autoconhecimento único e que nossos limites sejam expandidos para que nenhuma situação desesperadora tome conta de nós.

 

Related posts

Dez motivos para morar na Turquia

Aline Oliveira

Ramadã na Turquia

Ariane Özalp

Meu noivado turco no Brasil

Ariane Özalp

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação