BrasileirasPeloMundo.com
Curiosidades Pelo Mundo Finlândia

10 mitos sobre a Finlândia

10 mitos sobre a Finlândia.

Por conta de minha origem, mesmo antes de mudar para a Finlândia, as pessoas sempre demonstraram interesse em obter informações sobre esta terra tão longínqua. É engraçado, às vezes, perceber a força do senso comum e os mitos que vêm com ele. Para ajudar a quebrar alguns, falarei sobre os 10 mitos mais comuns que já escutei sobre a terra dos cem mil lagos (187.888 para ser mais precisa).

1- “O povo escandinavo me fascina. Um dia gostaria de conhecer a Finlândia.”

Recebi este comentário via e-mail há um tempo. Se eu não soubesse do mito, provavelmente acharia que a pessoa está falando sobre duas coisas diferentes: o povo escandinavo e a vontade de conhecer a Finlândia. Os finlandeses não são escandinavos. Escandinávia é uma região histórica e cultural-linguística caracterizada por uma herança étnico-cultural germânica comum e línguas relacionadas. Ela é composta por três reinos: Dinamarca, Noruega e Suécia.

scandinavia

É correto referir-se aos finlandeses como nórdicos, mas não como escandinavos. O povo finlandês tem outra origem e a língua é completamente diferente.

2- “Estou apaixonada por um viking finlandês.”

Este também é um comentário real. Li na comunidade Brasileiros na Finlândia do Facebook.

Entendo a associação por conta da aparência, pois os nórdicos se parecem muito. Vivendo aqui você consegue distinguir certas particularidades; mas há, sim, pessoas que poderiam vir de qualquer país nórdico por conta da aparência. Uma coisa é fato: apesar de haver registros históricos de um ou outro finlandês ter se juntado aos vikings – fácil de entender por conta da proximidade – o povo finlandês não foi viking. Esta é uma característica do povo escandinavo. Visite este sítio para saber mais sobre os vikings.

 3- ”Como vocês conseguem viver com 6 meses de dia e 6 meses de noite?”

Não sei se isso ainda é uma crença popular sobre a Finlândia, mas me faziam muito esta pergunta no Brasil quando morava lá. É verdade que o inverno é escuro; porém, não fica ”noite” 24 horas por dia e nem por 6 meses. O mesmo para o verão, não são 24 horas de sol do meio-dia. De novembro ao final de janeiro os dias são mais curtos, mas há algumas horas de dia. No sul da Finlândia, em torno de 6 horas; ao norte, em torno de 3. É verdade que o sol não fica alto; o dia parece mais um fim de tarde, mas o sol aparece, sim. No verão, junho é o mês mais claro. O sol nasce um pouco antes das 4 horas da manhã e se põe por volta das duas horas da manhã. Ao norte do país, o sol não se põe. Ele baixa um pouco, deixando o céu lindamente rosa, amarelo e laranja, e logo sobe outra vez. No entanto, tanto a escuridão quanto a claridade são gradativas. A partir de 26 de dezembro, os dias começam a ficar mais longos outra vez, de 10 a 15 minutos por dia, até o verão quando, por volta de 24 de junho, começam a ficar mais escuros. É um ciclo.

Leia também: sistema de saúde público na Finlândia

 4- Todos os finlandeses são loiros de olhos azuis.

A Finlândia é um país de maioria caucasiana e nem todos são loiros. Há muitas pessoas de cabelos e olhos castanhos que são 100% finlandesas. Eu diria que a relação entre pessoas de cabelos loiros e castanhos é bem parecida. Olhos escuros são um pouco mais raros quando não há mistura; porém, há muitos finlandeses que não seriam descritos pelo estereótipo que se tem do povo daqui.

Jari Litmanen, famoso jogador de futebol finlandês que jogou em times como Barcelona, Ajax e Liverpool. Tomi Joutsen: vocalista da banda finlandesa Amorphis
Jari Litmanen, famoso jogador de futebol finlandês que jogou em times como Barcelona, Ajax e Liverpool (foto: iltalehti.fi)
Tomi Joutsen: vocalista da banda finlandesa Amorphis (foto: pinterest.com)

5- Não há pobres na Finlândia.

É correto dizer que não há miséria na Finlândia; mas há, sim, pobreza. O sistema de bem-estar social do país não deixa que haja fome ou que pessoas morem nas ruas. Contudo, nenhuma pessoa que dependa dele para viver poderia ser considerada classe média. Quem não possui nenhuma fonte de renda recebe do governo a quantia exata para não morrer de fome ou frio; porém, o dinheiro não sobra e algumas vezes falta, obrigando-as a ficar nas longas filas de atendimento do departamento social para conseguir vale-compras e ajuda para pagar contas. O nível médio de cidadãos com risco de pobreza na Finlândia (renda de mais ou menos 1.200 euros por mês) é algo em torno de 13%, segundo o site oficial Stats Finland.

6- Não há violência na Finlândia.

Infelizmente é um fato que onde houver pessoas sempre haverá violência.

Não há como comparar a violência daqui com a das grandes metrópoles, claro. A pouca diferença entre classes sociais e a boa educação são fatores que ajudam a reduzir a violência. Não é comum acontecer, por exemplo, roubo seguido de morte (não me lembro de algum caso no momento), sequestros e coisas do gênero. No entanto, infelizmente, a violência doméstica é algo bem comum. Assassinatos são, em sua maioria, crimes passionais e há poucos por ano (normalmente menos de 10). A violência na Finlândia está muito associada ao alcoolismo, que tem altos índices por aqui. Há casos isolados, também. Este artigo mostra diversas estatísticas referentes à violência e morte na Finlândia.

Leia também: visto tipo B para morar na Finlândia

7- O idioma é impossível.

Apesar de ser muito difícil, para quem se dedica e leva a sério, sem pensamento negativo, dá para aprender, sim. Com dois anos de estudo intensivo e estando imerso no idioma dá para falar finlandês bem o suficiente para se trabalhar. Para residentes legais no país o governo oferece um plano de integração de 3 anos em que você pode estudar a língua. Saiba mais sobre isso aqui.

8- Todos os finlandeses tiveram uma educação excelente e têm curso superior.

Apesar de a Finlândia ser, dentre os países do ocidente, o que detém o melhor sistema de educação básica pública, isto é relativamente novo, datando dos anos 70. Para que este sistema atingisse um bom nível de equidade foram necessários 10 anos, portanto, só quem entrou para a escola em meados dos anos 80 pôde realmente usufruir desta excelência. Outro fato importante é que o sistema é revisado e mudanças são feitas a cada 10 anos. A primeira revisão, feita em 1985, trouxe muita coisa nova ao sistema e, logicamente, demorou mais um tempo para que este atingisse um bom nível de equidade. A população finlandesa que realmente usufruiu de um bom sistema de ensino ainda é muito jovem: tem entre 20 e 35 anos de idade.

Quanto ao curso superior, na Finlândia não existe o pensamento cultural de que estudar em uma universidade é o que fará com que você ”seja alguém na vida”. O sistema é bem completo e oferece excelentes opções de segundo grau técnico profissionalizante. O ensino profissionalizante dura três anos e, em profissões como eletricista, encanador, auxiliar de enfermagem e metalúrgico, por exemplo, os salários costumam ser tão bons quanto os de uma pessoa que tenha somente concluído o nível de bacharelado na universidade. Normalmente aqui só vai para a universidade quem realmente tem vontade de estudar, de seguir uma carreira acadêmica ou pelo menos fazer um mestrado. Quem tem interesse direto no mercado de trabalho normalmente opta pelas escolas profissionalizantes ou pelas faculdades politécnicas. Nesta tabela de 2013 você pode saber mais sobre o nível de escolaridade dos finlandeses a partir dos 15 anos de idade.

9- Todos os finlandeses falam inglês e sueco fluentemente.

Como expliquei no tópico anterior, a educação básica na Finlândia só obteve equidade em meados dos anos 80. Dentre os mais jovens, muita gente fala inglês muito bem, mas dentre a população acima de 40 anos de idade, muitos não falam ou falam bem pouco. Não estou dizendo que finlandeses acima dos 40 anos não falam inglês, ok? É muito comum encontrar pessoas que não falam, principalmente em cidades pequenas e no interior.

finnglish

Quanto ao sueco, por ser o segundo idioma oficial do país, seu ensino é obrigatório nas escolas a partir de um determinado período. No entanto, existe uma resistência muito grande por parte dos finlandeses que não têm origem sueca em aprender. Os chamados ”finlandeses-suecos” representam um pouco mais de 5% da população. Estes são, em sua maioria, bilingues e falam os dois idiomas perfeitamente. Dentre os outros 95% esta não é uma realidade. Há um grande número de pessoas que só entendem o básico do idioma e a grande maioria faz questão de ”esquecer” depois que a escola termina.

Leia também: sistema de ensino na Finlândia

10- Finlandeses são pessoas frias e insensíveis.

Este é um julgamento injusto e sem noção, em minha opinião. Tão sem noção quanto dizer que todo brasileiro é malandro ou que todo brasileiro é simpático e hospitaleiro. Não se pode julgar toda uma população por conta de características pessoais. É fato que estrangeiros residentes em outros países passam por diversas dificuldades durante seu processo de adaptação e nem todos recebem carinho e suporte dos locais. Isso não acontece só aqui, acontece no mundo inteiro e sempre há histórias felizes e histórias tristes. Segundo estatísticas de 2013 (não consegui dados mais atuais), cerca de 430 mil pessoas tomam remédios antidepressivos na Finlândia. Para uma população de 5,3 milhões de habitantes, esta é uma relação muito alta. Não sou médica, mas não acredito que este índice seria tão alto se a maioria das pessoas fosse tão fria e insensível.

Acho que os finlandeses são extremamente sensíveis, o que seria o problema, em minha opinião, é que eles internalizam todos os sentimentos. Não sei em que fase da vida essa repressão tem início. Acho que este é o problema que muitos confundem com insensibilidade. O individualismo e a reserva são, em meu ponto de vista, as características mais fortes dos finlandeses. Normalmente eles acham que estarão invadindo sua privacidade se perguntarem algo pessoal a você e que estarão incomodando se estiverem com problemas e falarem sobre isso. Contudo, há, sim, exceções e há também como se quebrar esta barreira. Meu conselho: aprenda a observar e analisar os porquês antes de julgar. Esta é sempre a melhor maneira de encontrar o caminho e abrir portas.

Related posts

Robôs no Japão

Alessandra Ozbir

Em busca das raízes na Finlândia

Maila-Kaarina Rantanen

Governo, idioma e moeda na Ilha de Man

Priscila Valverde

81 comentários

Daniela Outubro 9, 2015 at 5:53 pm

Excelente texto, Maila!
Fiquei com uma duvida, que pode parecer boba, mas é algo que confunde muita gente. O nórdico engloba os 4 países (Finlândia, Noruega, Suécia e Dinamarca)? É correto dizer que todos os escandinavos são nórdicos?
Abraços!

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 10, 2015 at 1:08 pm

Olá Daniela,
Muito obrigada pelo comentário. Sim, você está certa, é correto dizer que todos os escandinavos são nórdicos. Um abraço!

Resposta
Nana Carvalho Outubro 9, 2015 at 6:06 pm

Gostei sobretudo do equilíbrio da autora do texto. Análise acurada e bem exposta!
É preciso ter sensibilidade e inteligência para concluir que a depressão de quase todos os povos europeus não é a ausência de sensibilidade, é resultado da introjeção.
Obrigada pelo artigo, muito bom mesmo !!!

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 10, 2015 at 1:07 pm

Muito obrigada, Nana Carvalho. Fiquei muito feliz com seu comentário.

Resposta
Viviane Maria De Oliveira Outubro 10, 2015 at 9:00 am

Pelo que pesquisei ; A Escandinávia é uma região geográfica e histórica do norte da Europa e que abrange, no sentido mais estrito, a Dinamarca, a Suécia e a Noruega.
Num sentido mais lato, o termo pode também abranger a Finlândia, as ilhas Feroé e a Islândia.
Qualquer que seja a definição usada, considera-se a península Escandinava como núcleo principal da Escandinávia.
Ao conjunto Escandinávia + Finlândia dá-se também a designação Fino-Escandinávia.
Ta certo?

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 10, 2015 at 1:06 pm

Olá Viviane,
Você pegou esta definição na Wikipedia em português, não foi? Eu já havia lido isso por lá. No entanto, o sentido lato é um sentido genérico e não é, por exemplo, academicamente aceito. O termo Fino-Escandinávia que o texto menciona foi criado justamente para enfatizar que a Finlândia é finesa (fino) e não escandinava. Sendo Escandinávia uma região geográfica e histórica que designa principalmente um grupo linguístico, pois esta é a definição correta, a Finlândia não faz parte dele. Não existe identificação histórica e nem linguística da Finlândia com os países escandinavos e nem os finlandeses gostam de ser chamados de escandinavos. Obrigada por compartilhar sua dúvida.

Resposta
Rodrigo Ribeiro Outubro 15, 2015 at 10:00 am

Ola Maila! Só uma pergunta por favor, você comentou que os finlandeses não gostariam de ser chamados de escandinavos. Por que isso?Na minha opinião a Escandinávia é um “brand” mundialmente famoso, sinônimo de alta qualidade de produtos e serviços, igualdade entre os sexos, respeito ao meio ambiente em um nível ainda superior ao da UE. Não seria melhor ser considerado membro desta região do que do leste Europeu ou Ásia?

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:28 am

Olá Rodrigo,
Posso te dar uma explicação baseada em minha opinião pessoal sobre isso, mas não boto a mão no fogo de que todos os finlandeses concordariam comigo, ok? Mas vou levar em consideração o meu círculo social e a minha família. Há um ressentimento histórico muito grande da Finlândia com a Suécia, por exemplo. O país no passado pertenceu a Suécia e foi vendido à Rússia. Anos depois da independência a Rússia tentou pegar a Finlândia de volta, houve uma guerra terrível. A Finlândia pediu ajuda ao mundo e recebeu muito pouco de muito poucos, quase nada da Suécia. Houve um sentimento de abandono que foi superado pelo sentimento de orgulho de ter vencido o exército vermelho sozinho e sem recursos. Depois da guerra o país, que nunca foi rico, enfrentou muita pobreza e miséria até os anos 50. Só na década de 70 a situação começou a melhorar por conta de mudanças radicais no sistema que se pautavam num sentimento nacionalista afim de se livrar dos resquícios de ter pertencido a Suécia ou a Rússia. A Finlândia queria ser a Finlândia. Uma medida muito importante para isso foi a busca pelo orgulho de uma idendidade linguística finlandesa, que era totalmente suprimida pela elite da época. Antes de o governo tornar as escolas e universidades públicas, o idioma ensinado nelas era somente o sueco. Finlandês era uma “língua de casa”. A Finlândia se reergueu e se tornou o país que é hoje por conta de seu orgulho e identidade como uma nação única. Sobre igualdade de sexos, respeito ao meio-ambiente, qualidade e confiança, não acredito que o país precise do “brand” de escandinavo, pois é reconhecido mundialmente por todos estes quesitos sem precisar disso. Inclusive no que se refere a sistema de seguro social, educação básica, honestidade e inovação, a Finlândia está a frente dos países escandinavos em todas as pesquisas oficiais. Eu realmente acho que ser Finlândia é um “brand” tão bom quanto ser escandinávia. Um abraço

Resposta
Rodrigo Ribeiro Outubro 15, 2015 at 1:57 pm

Olá Maila! Obrigado mais uma vez pela sua opiniao bastante enriquecedora. Sim tenho conhecimento do sentimento anti-elite que se desenvolveu enquanto a Finlândia era uma província Suécia e que continua nos dias de hoje através do partido dos “verdadeiros finlandeses”, e na luta deles contra o ensino do sueco nas escolas. Concordo em quase tudo contigo, apenas a informação que tinha com relação a história sueco-finlandesa é que difere um pouquinho. Por exemplo depois da guerra da Suécia contra a Russia na qual a Russia se firmou como potência mundial, a informação que tive é a de que eles tomaram a Finlândia da Suécia como despojos de guerra não pagando um tostão por ela, da mesma forma que a Rússia tomou Petsamo e a Karelia dos finlandeses…também a informação que tive é que devido ao medo que a Suécia tinha de ambas potencias Alemanha e URSS, preferiu permanecer neutra durante a segunda guerra mundial e não se envolveu militarmente. Mas apesar disso receberam milhares de refugiados de guerra finlandeses (em sua maioria crianças). Após a guerra uma grande porcentagem desses refugiados decidiu continuar na Suécia o que fez hoje em dia com que a minoria finlandesa seja a segunda maior do país depois da árabe e que o idioma Finlandes tenha statuto de idioma regional preservado pela constituição sueca. Todos países devastados pela segunda guerra Alemanha inclusive sofreram período de grande pobreza e emigração de cidadãos mesmo até meados dos anos 50, mas o que tornou a recuperação da Finlândia especialmente mais difícil foi o fato de a União Soviética ter obrigado a Finlândia a pagar indemnizações de guerra durante décadas. Aliás a Finlândia é o único país da história que pagou 100% das indemnizações. No mais concordo com tudo, especialmente que a Finlândia tem um óptimo “Brand ” pessoal e está à frente dos outros países da região em vários aspectos com excepção do tamanho dos salários e percentagem de desempregados…

Maila-Kaarina Rantanen Outubro 16, 2015 at 3:57 pm

Essa questão é muito complexa. A Suécia recebeu refugiados sim, principalmente crianças e isso é inegável. Mas mesmo assim os finlandeses têm um sentimento muito sério de abandono e consideram a atitude dos suecos covarde. Eu entendo os suecos, afinal sabiam que não tinham chance nessa luta e preferiram se retirar, mas também entendo os finlandeses, que foram os que sofreram mais. Mas enfim, assuntos de guerra são sempre complicados, principalmente quando tão tudo é tão recente. Mas as coisas estão mudando, os mais jovens têm outra cabeça e com o tempo isso vai ser diferente. Já está caminhando para isso.

Erika Martins Carneiro Outubro 10, 2015 at 6:30 pm

Adoro os seus textos, Maila, não perco nenhum! Parabéns e beijo

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 11, 2015 at 5:03 am

Muito obrigada, Erika! Fiquei muito feliz com seu comentário.
Um beijão

Resposta
Jéssica Martins Outubro 10, 2015 at 9:22 pm

Olha o mico! A vida toda falando escandinavos e nunca neeeeem parei pra pesquisar sobre o assunto! Abriu meus olhos agora, haha. E Irei procurar mais sobre o Amorphis 😉 Beijos

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 11, 2015 at 5:02 am

Olá Jéssica,
Não é mico não. Este é um erro, uma associação muito comum que muitos fazem por conta da região ser tão pequena. É comum as pessoas assumirem que nórdicos e escandinavos são sinônimos, quando não verdade são duas coisas distintas. A própria explicação sobre escandinávia na Wikipedia em português foi editada e é diferente da explicação em inglês, em sueco e em finlandês. Conheço muita gente que não sabe que escandinávia é um termo que se refere a um grupo histórico-linguístico e que a Finlândia não faz parte por ter outra origem e língua totalmente diferente. Um abraço.

Resposta
Guilherme Guedes Outubro 11, 2015 at 6:46 am

Tive o prazer e a sorte de poder conhecer a Finlândia, durante o verão finlandês, achei bem mais frio que o nosso inverno aqui nas terras Brasilis, mas foi ótimo!
Saudades da terra do papai Noel.

Resposta
Cristiane Leme Outubro 11, 2015 at 10:36 am

Mais um texto super informativo e ótimo. Apesar das diferenças culturais entre os países nórdicos, percebo que há muitas semelhanças na forma de se organizar, no pensamento e no comportamento dos habitantes do bloco. Muitos traços são bastante comuns entre os nórdicos e eu confesso que gosto dessa aparente homogeneidade, mesmo sabendo que há diferenças substanciais entre os países. Obrigada por contribuir com a elucidação do caso ‘Escandinávia x países nórdicos’, que muita gente confunde, mesmo. Até meu marido, dinamarquês nato, tinha na cabeça que a Finlândia fazia, de alguma forma, parte da Escandinávia, hahaha!

Bjo

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:04 am

Obrigada Cristiane!
Concordo com você que há inúmeras semelhanças entre todos os nórdicos. Isso fica sempre muito claro quando leio seus textos. Muitas vezes poderia apenas trocar no nome do país e cairia como uma luva aqui. Um beijo!

Resposta
Vitor Bruno Outubro 11, 2015 at 1:34 pm

Terve Maila, tervedetia Florianopolis:sta,

tällä on 10v. kuin mennin Suomen vahtoopilasksi, e começo a esquecer muitas palavras em finlandês, realmente não é uma língua fácil, mas é tbm difícil de esquecer! Tendo morado na província de Turku, muita gente me pergunta dos Ursos (que ficam pro Norte e Leste até onde eu lembro das aulas), e da comida, quando eu falava que salmão era mais barato que carne de boi as pessoas ficavam intrigadas!

Onnea viestesi (parabéns pelo teu texto), me trouxe saudades, mas bons motivos para manter essa memória viva!

Hei hei,

-Vitor

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:46 am

Olá Vitor,
Que bom que você gostou de meu texto e fico feliz que tenha tido uma boa experiência por aqui.
Um abraço e continue praticando seu finlandês!

Resposta
Natacha Ribeiro Outubro 11, 2015 at 1:46 pm

Nossa Maila, fiquei surpresa agora, não sabia que a Finlândia não era considerada parte da Escandinávia. Aonde posso conseguir informações acadêmicas sobre isto? Estou escrevendo o meu trabalho de fim de graduação sobre a Finlândia, e estava escrevendo Escandinávia, terei que mudar tudo agora, hehehe.
Você pode me falar um pouco mais sobre esta diferença ou me dar algumas dicas de leitura? Reparei que a língua é bem diferente, apesar de não falar finlandês, mas não sei como foi esta formação linguística.

E estudei na Finlandia, por cinco meses, e adorei. Concordo muito com o ponto 10, o povo não é frio e insensível, eles são muito legais e sempre ajudam os estrangeiros, eles só se relacionam com as pessoas de maneira diferente do povo brasileiro.

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:45 am

Olá Natacha,
Você consegue essas informações com fontes muito boas pesquisando no Google. Meu conselho para você é que se atenha a fontes oficiais, não a Wikipedia, principalmente a Wikipedia em português, pois exatamente no texto que fala sobree a escandinávia, que era a tradução perfeita do texto em inglês e em sueco, alguém adicionou um parágrafo por conta própria que não está correto. Use key words como Skandinavian countries, Origin of Finnish language, Finland nd Skandinavia, coisas assim. Boa sorte.

Resposta
Joelma Monteiro de Carvalho Dezembro 25, 2017 at 10:48 pm

OLÁ, sou do Amazonas e meu projeto de Doutorado é sobre o SAMI. Quero comparar com a cultura indígena do povo Sateré-Mawé (AM). Rituais e modo de vida. Você recomenda algum livro de rituais do SAMI.?

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Abril 23, 2018 at 8:10 am

Olá Joelma,
Infelizmente não conheço nenhum livro, mas há diversas associações que podem te ajudar. Deixo aqui um link para você: http://www.saamicouncil.net/en/organization/miellahttosearvvit/.
Boa sorte!

Resposta
Nathalia Outubro 11, 2015 at 2:14 pm

Gostei muito do texto, é um fato que muita gente pensa dessa maneira. Meu namorado é finlandês e eu somente estou esperando terminar a faculdade para me mudar para lá, e me animou bastante saber que com uma boa dedicação consigo aprender bem o finlandês ( apesar de torcer para que consiga chegar a esse ponto de conversar em menos de 2 anos), e saber também que o país oferece esse suporte para aprender a língua é igualmente ótimo.

Esse texto foi uma leitura adorável, parabéns! ^^

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:41 am

Muito obrigada Nathalia!
Boa sorte para você.

Resposta
Alessandra Outubro 11, 2015 at 3:52 pm

Olá Maila, parabéns pelo texto que é bem explicativo. Eu soube agora que é possível estudar na Finlândia de graça e quero me preparar para, junto com meu esposo e filha fazer uma Pós em 4 anos. Queria saber se você poderia me dizer como seriam as acomodaçoes para estudantes, principalmente pq quero q minha filha também vá para aprender inglês, ela tem agora um ano e meio.
Obrigada!

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:40 am

Olá Alesandra. Te aconselho a ler meu texto anterior aqui no BPM sobre estudar na Finlândia. Eu näo tenho informações tão precisas porque não estudei em universidade por aqui, mas no meu texto coloquei diversos links onde você pesquisar, tirar dúvidas e até mesmo contactar organizações que possam te responder. Um abraço

Resposta
Cintia Outubro 11, 2015 at 6:47 pm

Excelente texto Maila. ! Apesar da Holanda não fazer parte dos países nórdicos, possui muitas semelhanças. Praticamente tudo o que mencionou em seu texto se enquadra aqui também. Bjs

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:38 am

Obrigada, Cintia!

Resposta
Kari Outubro 12, 2015 at 12:53 pm

Bom, texto legal mas pelo menos Helsinquia nao e tao seguro como estava. Por conta do grande quandidade dos illegail imigrantes muculmanos nao e nada seguro passiar na cidade. Diariamente acontece assaltos e estupros. Cuidado ai.

Resposta
Miguel Maciel Outubro 12, 2015 at 1:07 pm

Interessante. Pude ver os erros de alguns desses mitos em umas férias na Finlândia, acho que faltou um 11° (o da vodka) e também alguns dados sobre o consumo de café seria legal. Mas ainda continuo achando que finlandês de cabelo preto é noruguês que achou Oslo muito caro. 🙂

Resposta
Maria Luzia F. Santos Outubro 13, 2015 at 4:21 am

Amei o artigo,Maila!

Injustamente, eu achava que os finlandeses eram frios e insensíveis, não posso generalizar. Assim como você comparou os brasileiros, nem todos são iguais. Temos que conhecer bem as pessoas,para que formar um conceito. Amei as informações.
Um abraço!

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:37 am

Muito obrigada, Maria Luzia!
Sim, é muito importante que vivamos e experimentemos de cabeça aberta e sem pré-julgamentos antes de formarmos uma opinião.
Muito bom que você pense assim. Um abraço

Resposta
Vinicius Costa Outubro 13, 2015 at 3:16 pm

Ótimo texto! Essa questão da Finlândia não fazer parte da Escandinávia eu ñ sabia rs.
Admiro esse país. Um dia quero visita-lo ou até morar nele =)

Bjo.
Obs: Maila, se ñ me engano, a uns 4 anos atrás chegamos a conversar pelo Facebook rs. Talvez vc ñ se lembre, mas blz x). Foi algo que q lembrei rs. Parabéns pelo texto.

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:35 am

Obrigada Vinicius!
Me desculpe, eu realmente não me lembro, mas agradeço pelo elogio ao meu texto de coração. Um abraço

Resposta
Ricardo José Ribeiro Outubro 13, 2015 at 10:28 pm

Maila, boa noite! Adorei seu texto. Muito esclarecedor. Estudo o idioma e, apesar de ser difícil, eu adoro. É um desafio.

Abçs

Ricardo

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:34 am

Obrigada, Ricardo!
Boa sorte em sua trajetória. Abraço

Resposta
Jhon Outubro 14, 2015 at 1:55 pm

Parabéns pela precisão e objetividade em seus textos, Maila!
Agora eu fiquei curioso para saber quantos por cento de estrangeiros imprudentes estão, de forma direta ou indireta, no meio desses 13% de cidadãos com risco de pobreza na Finlândia.
Abraço!

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 16, 2015 at 3:32 pm

Olá!
Muito obrigada pelo comentário.
Caso você entenda inglês, tem um site oficial de estatísticas do governo onde você pode pesquisar tudo isso: http://www.stat.fi/index_en.html
Eu vivo nele, é muito interessante e fácil de encontrar o que queremos.
Um abraço

Resposta
Jhon Outubro 19, 2015 at 3:23 pm

Thank you, Maila! 🙂

Resposta
Sylvia Outubro 14, 2015 at 8:37 pm

Tenho uma teoria sobre o item 10. A introspecção é transmitida nos genes. Novamente me vejo descrita em textos seus. Só pode ser genético!

Resposta
Rodrigo Ribeiro Outubro 15, 2015 at 9:36 am

Depois da publicação das teorias da evolução humana de Charles Darwin. Muitos países começaram a adoptar a Eugenia e puseram restrições à imigração de povos não germânicos (por exemplo EUA, Canada e Austrália). Isso por seguirem darwin e acreditarem que se a evolução tornou umas espécies de animais melhores que as outras o mesmo se aplicaria aos humanos. O ápice da Eugenia se deu em meados dos anos 30 com Ascenção de hitler ao poder. Desde então seus cientistas começaram a categorizar humanos em espécies favoráveis e não favoráveis. Quando chegou aos finlandeses ele ficou num dilema, por um lado os finlandeses pareciam arianos(germânicos) mas falavam um idioma não germânico. Por isso os homens de hitler concluíram que os finlandeses eram Sami e não escandinavos. Como não sabiam o que eram genes eles tentaram provar isso através de medições cranianas e de ossos. Desde então nasceu um sentimento da elite Européia pra tentar “tirar” a Finlândia do grupo cultural escandinavo…chegando ao ponto de quase não serem convidados os finlandeses pra integrar a União nórdica quando esta foi formada (quem os salvaram foi a Suécia)…como acho isso tudo uma tremenda discriminação sou defensor de que a Finlândia pertence à esfera cultural escandinava em todos sentidos apesar de ter um idioma de origem não germânica…

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:00 am

Olá Rodrigo,
Obrigada por seu comentário. Eu particularmente discordo de você, até porque os finlandeses não se sentem discriminados por não pertencerem a escandinávia. Há inclusive um sentimento de orgulho por isso. Como o conceito aceito de escandinávia considera grupo linguístco e histórico-cultural, o finlandeses não se sentem parte e não se importam nenhum pouco com isso. A língua tem outra origem e o povo também. A história é muito diferente, tendo a finlândia inclusive sua própria mitologia. Entendo seu ponto de vista e sua perspectiva, mas acho importe ressaltar que nenhum finlandês se vê inferior a escandinávia ou reivindica fazer parte dela. Toda essa questão que você expôs nem é considerada por aqui (pode ser que por alguns, não sei, mas com certeza não pela maioria). Para todos é muito simples e direto: não somos escandinavos porque falamos outra língua e temos nossa própria história. Um abraço

Resposta
Rodrigo Ribeiro Outubro 15, 2015 at 10:06 am

Como são categorizados os Sueco-Finlandeses então, Que tem Sueco como língua materna?

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:33 am

Eles são categorizados como suecos-finlandes, são apenas 5% da população e muitos finlandeses não os consideram “finlandeses de verdade”. Existe uma rivalidade grande entre estes dois grupos. Atualmente há uma discussão em que muitos finlandeses quererm que a obrigatoriedade do ensino do sueco nas escolas acabe. O argumento principal é que isso desvia dinheiro e oportunidade para que os alunos possam aprender outras línguas que sejam mais úteis para o futuro do país do que o sueco. Um grupo grande de pessoas acha que o sistema tem que mudar e que os alunos devem ter o direito de escolha.

Resposta
Rodrigo Ribeiro Outubro 15, 2015 at 2:12 pm

Sim, acho fascinante essa discussão sobre o ensino ou não do sueco. De um lado o PS dizendo que que acabar com o sueco e do outro lado o partido sueco-finlandes querendo manter o status quo. Vários colegas meus de Universidade já me disseram que quem sabe falar bem o sueco tem vantagens no país e na região. Por exemplo os documentos do concelho nórdico são publicados em um dialeto nórdico compreensível tanto para os Suecos quanto para os Noruegueses e dinamarqueses e que conversar com eles em sueco dá um sentimento de União e familiariedade maior do que o que teriam em se expressar em inglês. Esse é o lado positivo, claro no lado negativo está principalmente em que a maioria dos finlandeses não se esforça muito pra aprender bem o sueco, daí concordo que pagar cursos anos a fio e no final falar mal o idioma é desperdício de recursos do tipo das nossas “escolinhas de inglês ” no Brasil…

Maila-Kaarina Rantanen Outubro 16, 2015 at 3:28 pm

Exatamente. Concordo com você.

Maila-Kaarina Rantanen Outubro 16, 2015 at 3:38 pm

Olá mais uma vez, Rodrigo!
Só queria deixar uma coisa clara. Essa questäo de retirar a obrigatoriedade do sueco nas escolas não é ideia do PS. Eles defendem isso também, mas essa discussão é muito antiga por aqui. Posso te garantir que a maioria dos finlandeses que não apoia o PS é a favor da retirada desta obrigatoriedade.

Rodrigo Ribeiro Outubro 15, 2015 at 10:13 am

Obrigado por responder. Adoro a Kalevala e já li também em Finlandes. A Kalevala juntamente com as sagas nordicas inspiraram Tolkien a criar o senhor dos anéis.A Finlândia deve estar especialmente orgulhosa por isso, especialmente porque o personagem principal Gandalf, foi inspirado em Väinämöinen…☺

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 15, 2015 at 10:30 am

Sim, isso é muito legal mesmo. E obrigada a você por trazer a tona uma discussão tão importante e interessante.

Resposta
Rodrigo Ribeiro Outubro 15, 2015 at 2:14 pm

Eu é que agradeço a oportunidade em dexarnos postar nossas opiniões (mesmo quando contrárias)com bastante liberdade e exemplo de democracia. Obrigado!

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Outubro 16, 2015 at 3:27 pm

Opiniões contrárias que chegam com respeito e säo bem colocadas como a sua serão sempre bem-vindas.

Resposta
Felipe Março 7, 2016 at 8:11 am

Maila, parabéns e obrigado por esse texto bem informativo. Tenho uma curiosidade quanto à relação entre homens e mulheres na Finlândia ou nos outros países nórdicos. As mulheres tem um tratamento igualitário, pessoal e profissional, dentro da sociedade? Casos de violência sexual (estupros e sexual harassment) contra mulheres são comuns ou apenas os domésticos, normalmente, relacionados ao consumo de álcool?
Obrigado e abs

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Março 10, 2016 at 5:28 pm

Olá Felipe,
Existe tratamento igualitário sim. Meu próximo texto, que será publicado ainda este mês, falará exatamente sobre isso.
Há bastante casos de violência doméstica e de assédio sexual, infelizmente. Segundo estatísticas do governo, 90% destes casos têm envolvimento com álcool. Espero que você leia meu próximo texto! Um abraço.

Resposta
Emanuel Março 27, 2016 at 1:32 am

Oi Maila. Obrigado pelo texto informatico. Confesso que fiquei triste em saber que a Finlândia não pertence à Escandinávia. Sei que a língua faz parte do grupo urálico. No entanto, a cultura e povo finlandês são idênticos aos visinhos nórdicos. Abraços

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Março 28, 2016 at 1:00 am

Olá Emanuel,
Eu não diria que a cultura finlandesa é idêntica à escandinava não. Diria que há diversas semelhanças, mas se você viver aqui verá que há uma série de particularidades que deixam bem claro que este é outro povo. E não precisa ficar triste ;)! Os finlandeses normalmente têm muito orgulho em ter uma origem própria e de não serem escandinavos. Outro fator positivo está no fato de que todos são nórdicos, isso é o que gera o grande fator-união. Um abraço

Resposta
Emanuel Março 27, 2016 at 4:30 pm

Oi Maila. Obrigado por compartilhar das riquezas nórdicas. É verdade que o idioma finlandes pertence ao grupo urálico, como o estoniano ou húngaro? Ouvir dizer que o finlandês é tão próximo do estoniano como o portugues do Brasil ao de Portugal? Abraço!

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Março 28, 2016 at 12:55 am

Olá Emanuel,
O idioma finlandês pertence ao grupo dos idiomas fino-hungaros juntamente com o húngaro e o estoniano. Apesar dos três idiomas terem regras gramaticais parecidas nas declinações, não se parecem tanto assim. Finlandês e húngaro não se parecem nada e finlandês e estoniano têm muitas semelhanças, mas nada nem próximo das similaridades entre o português europeu e o brasileiro. Eu diria que a semelhança entre o finlandês e o estoniano é mais como a do português brasileiro com o italiano…
Um abraço

Resposta
Luiza Maia Junho 10, 2016 at 4:15 pm

Olá Maila.

Cumprimento-a pelo maravilhoso texto! Dá para perceber a excelente capacidade de análise, objetividade, imparcialidade e, principalmente, a delicadeza com que você aborda um assunto tão delicado. É difícil falar de hábitos e costumes, de outros povos, sendo totalmente imparcial.. Você conseguiu. Parabéns e muito obrigada pela iniciativa.

Grande abraço.

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Junho 11, 2016 at 8:14 am

Olá Luiza,
Muito obrigada por suas palavras, me fizeram muito feliz!
Um grande abraço para você também.

Resposta
Clayson Agosto 11, 2016 at 1:35 pm

Ola Maila
Fiquei muito contente com seu texto, é muito esclarecedor. To pretendo ir pra Finlândia para fazer um especialização ma área de física. Fiz algumas pesquisas e pude perceber o ensino nessa área é bem forte com até museus interativo. Além do ensino costuma ter outra área em física também valorizadas no sentido profissional ?

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Agosto 14, 2016 at 4:51 pm

Olá Clayson,
Na área de pesquisa, principalmente em centros como o VTT. Você pode pesquisar no Google sobre este centro. Obrigada pelo comentário e um abraço!

Resposta
Cesar Augusto Agosto 28, 2016 at 8:32 pm

Olá Maila.
Gostei muito de seu artigo. Muito esclarecedor sobre este belo pais que é a Finlândia.
Porém possuo um dúvida que me oprime. E sem ser adepto do “politicamente correto”, te pergunto. Como está a situação do finlandês médio perante enorme número se imigrantes islâmicos, que se recusam a se adaptar ao estilo de vida finlandês, que é ocidental?
Ja viajei a Europa algumas vezes, e vi o crescimento da criminalidade por conta desta imigração exacerbada, por isso eu te pergunto: como está a situação aí?

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Agosto 30, 2016 at 12:32 pm

Olá Cesar,
Obrigada pelo comentário.
A crise dos refugiados na Finlândia está agora bem mais amena do que em outros países. Houve um momento complexo em que milhares de pessoas chegavam todos os dias. No entanto, grande parte dessas pessoas decidiu, por conta própria, cancelar o pedido de asilo na Finlândia e tentar outros lugares. O clima e o pouco número de habitantes das localidades onde muitos deles foram colocados foi o que os fez desistir daqui.
No entanto, ainda há muita gente esperando por uma resposta, em busca de asilo. A sociedade finlandesa encontra-se divida nessa questão, mas algo que considero positivo, é que a maioria das pessoas que vem para cá, não vem de seguimentos islâmicos mais radicais. É bem raro vermos, por exemplo, mulheres usando burca. Acho que só ví por duas vezes em 7 anos.

Resposta
Ten myths about Finland | Much more than santa Setembro 15, 2016 at 9:27 am

[…] This post is an English version with some changes of my orginal article for the blog “Brasileiras pelo […]

Resposta
Lilian Hostyn Riippa Setembro 15, 2016 at 2:06 pm

Uma verdadeira aula sobre a Finlândia e os finlandeses, isso de forma sintética e objetiva. Muito bem escrita como sempre. Beijos e Parabéns.
Lilian Hostyn Riippa.

Resposta
Carlos Damásio Alves Silva Julho 15, 2017 at 6:40 am

Artigo interessante e informativo, que ajuda aos brasileiros a deixarem de acreditar em idéias equivocadas sobre os aspectos gerais da Finlândia e de sua população.

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Julho 17, 2017 at 4:58 pm

Fico feliz de que tenha gostado. Obrigada pelo comentário!

Resposta
TIAGO MONTEIRO Julho 21, 2017 at 9:33 pm

Olá Maila, boa tarde!

Tudo bem?

É correto afirmar que:

Todos os Finlandeses são nórdicos, mas não escandinavos. Sim ( ) Não ( )

Todos os Suecos , Noruegueses, Dinamarqueses e Finlandeses são Nórdicos. Sim ( ) Não ( )

São consideradas línguas escandinavas, o Sueco, o Norueguês e o Dinamarquês Sim ( ) Não ( )

É considerada língua nórdica apenas o Finlandês. Sim ( ) Não ( )

É isso?

P.S.: Adorei seu texto!!! <3

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Agosto 1, 2017 at 6:47 pm

Olá Tiago!
Respondendo a suas questões:
Sim, todos os finlandeses são nórdicos, mas não escandinavos.
Sim, todos os suecos, noruegueses, dinamarqueses e finlandeses são nórdicos.
Sim, as línguas escandinavas são o sueco, o norueguês e o dinamarquês, há polêmica sobre o islandês mas também entra no jogo.
Muito obrigada!
Beijos

Resposta
Marcus Vinícius de Almeida Farias Agosto 31, 2017 at 11:25 pm

Maila,tirando o assunto falado sobre os Finlandeses,o meu sangue é B positivo.então,na sua opinião,eu dou pra ter ancestralidade escandinava,inclusive da Dinamarca?O que você acha?

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Setembro 1, 2017 at 6:20 am

Olá Marcus,
Obrigada pelo comentário, mas realmente não tenho como respondê-lo. Acho que seria melhor você buscar um especialista em Escandinávia para responder à sua dúvida.
Um abraço,
Maila

Resposta
Adailton Abril 15, 2018 at 6:29 pm

Olá Maila, tudo bem? Paranéns pela rica informação.
Eu estou pesquisando sobre a sociedade nórdica e como você mora na Finlândia, será que você poderia me dar a porcentagem de deficientes físicos da Finlândia? Gostaria de saber a porcentagem de:
– Deficientes visuais
– surdos
– mudos
– cadeirantes
E também a porcentagem de síndromes de down, autistas, asperger, doenças psíquicas.
Se não for possível dar a porcentagem exata, pelo menos uma breve visão ou opinião sobre essas características nessa sociedade.
Obrigado pela atenção, independente de sua resposta.

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Abril 23, 2018 at 8:08 am

Olá Adailton,
Muito obrigada pelo comentário positivo ao meu texto. Não tenho que te dar a informação precisa que procura, mas indico que busque no site nacional de estatísticas da Finlândia, que também disponibiliza informações em inglês. http://www.stat.fi. Acho que você pode começar por este indicador: https://findikaattori.fi/en/76.
Espero que encontre as informações que busca.
Um abraço,
Maila

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Maio 7, 2018 at 9:13 am

Olá Adailton,
Acho que já te respondi, certo?

Resposta
Wes Maio 28, 2018 at 12:12 am

Tenho vontade conhecer esse lados, toda vez que citam a Europa só falam do Leste, Reino Unido, Irlanda, França, Alemanha, Itália, Espanha…
Agora pra morar não daria kkk odeio o verão o calor pra mim fez 25°C já to morrendo, mas o frio nórdico é bem rigoroso, Rússia, Finlândia, Sibéria, Noruega, Suécia são frios demais, dá não, fora que eu acredito que o clima influencia no humor das pessoas sabe, enfim minha opinião pessoal claro.
Pior que eu falo isso e queria morar no Canadá que também é friozérrimo kkk talvez seja desculpa por causa do idioma complexo hehe,e também medo de sofrer xenofobia, racismo, perseguição, apesar de não ser negro ou pardo, não ficaria bem me sentindo excluído.
bjo linda.

Resposta
Bruno Agostinho Souza Junho 9, 2018 at 5:46 am

Sobre pertencer à um povo, você tem alguma porcentagem em mente? Ou você se considera 100% finlandesa e 100% brasileira!?

Resposta
O Observador da Matrix Julho 25, 2018 at 8:04 pm

No início do mito de n° 4 vc disse o seguinte: “A população da Finlândia é de maioria caucasiana”, o que parece ser verdade à início quando se leva em consideração que a população finlandesa compartilha, em média, somente 7% do seu genoma com populações humanas norte-mongóis oriundas da Sibéria e dos Montes Urais (pesquisei na internet para me informar melhor sobre o assunto), portanto, podemos concluir, com base nessa informação, que os finlandeses são suficientemente puros geneticamente para serem considerados caucasianos (brancos), assim como os demais grupos étnicos e povos europeus, porém, essa informação torna-se contraditória quando levamos em consideração que mais de 60% da população masculina da Finlândia pertence ao Haplogrupo Genético N (Y-DNA), que se originou no Sudoeste da China há mais de 10,000 anos atrás, portanto, em uma região cuja população é possui, predominantemente, características físicas asiáticas orientais ou mongóis, e que se tornou muito comum em povos do Norte e Leste Europeu, principalmente os fino-úgricos como os finlandeses e de grande parte Sibéria, implicando que os finlandeses tenham elevado grau de porcentagem de ancestralidade asiática. Sendo assim, gostaria que você esclarecesse essa minha dúvida: como conciliar essas informações de um modo que elas não se contradigam. Desde já agradeço pela resposta e lhe dou meus parabéns pelo artigo.

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Agosto 1, 2018 at 8:15 am

Olá!
Infelizmente eu não tenho como esclarecer sua dúvida. O ideal seria pesquisar esta resposta com um geneticista, pois é um tema muito complexo.
Acho que pesquisar a origem genética de qualquer povo, quando datada de milênios atrás, trará contradições ao conceito de “cor” e “raça”. Em meu texto eu defino isso de maneira bem mais simples, baseada no senso-comum e em como o as estatísticas oficiais do país definem sua população. Sua observação, no entanto, é muito interessante e sim, procede. Muito obrigada pelo rico comentário e fico feliz por ter gostado do texto.
Um abraço!

Resposta
Marcelo Sabino Abril 28, 2019 at 10:52 pm

Olá Maila-Kaarina Rantanen, Qual um folclore, ou mito da Finlândia. Vejo que é grande admiradora de filosofia, Nietzsche?

Resposta
Maila-Kaarina Rantanen Maio 4, 2019 at 8:41 am

Olá Marcelo!
Sim, gosto demais de Nietzsche e de diversos outros filósofos.
A Finlândia tem um folclore muito rico e próprio, totalmente diferente da mitologia nórdica. Se você conseguir encontrar uma versão da Kalevala, que é o épico dos mitos finlandeses, será uma grande aquisição. Um abraço

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação