BrasileirasPeloMundo.com
Ásia Curiosidades Pelo Mundo Japão

O legado das Olimpíadas de Tóquio

O legado das Olimpíadas de Tóquio.

As Olimpíadas realizadas no Japão, em 1964, mostraram ao mundo a recuperação de um país pós-guerra, o uso de novas tecnologias como o trem-bala, estádios de vanguarda e a transmissão ao vivo dos jogos para todo o planeta, pela primeira vez na história.

57 anos depois, o Japão retorna com as Olimpíadas de Tóquio 2020. Idealizado pelo governo como ‘‘Jogos da Recuperação e Reconstrução”, uma vez que seriam realizados quase uma década após o tsunami e o desastre nuclear de Fukushima, essa seria a oportunidade perfeita de mostrar ao mundo uma nova imagem do país.

As Olimpíadas 2020 tinha como principal objetivo mostrar uma nova face do Japão para o mundo e integrar a comunidade japonesa em um ambicioso e complexo plano de ação que envolvia cinco importantes pilares: Promoção do esporte e saúde; Planejamento urbano e sustentabilidade; Educação e cultura;  Economia e tecnologia; Reconstrução, benefícios para a nação e comunicação global.

Com o lema ”o esporte tem o poder de mudar o mundo e o futuro”, o comitê de organização dos jogos olímpicos se empenhou em promover inúmeros projetos e promover uma série de iniciativas baseadas nos objetivos de desenvolvimento sustentável promovidos pela Nações Unidas (ONU).

Apesar de todo o planejamento e afinco na produção de um evento perfeito, infelizmente as Olimpíadas de Tóquio não foram realizadas em 2020 como idealizadas, e sim, somente um ano depois, em 2021, durante o estado de emergência. 

Manter os quase 100.000 atletas, oficiais, imprensa, equipe de apoio e a população segura durante os jogos foi um grande desafio, mas não foi o único. Grande parte do projeto teve que ser refeito às pressas e foi preciso muito esforço, planejamento e um novo plano de contingência para se adequar ao novo normal e realizar com precisão os 339 eventos programados para as 33 modalidades de esportes.

Tóquio 2020 foi classificada como a Olimpíada mais cara e inusitada da história, pois elas foram realizadas, apesar da ausência de espectadores nas arquibancadas, diante do olhar de desaprovação de muitas pessoas e ainda custaram aos bolsos japoneses o valor estimado de 15,4 bilhões de dólares, o triplo do valor inicial estimado.

Leia também: 10 curiosidades sobre as Olimpíadas de Tóquio

40 milhões de turistas não tiveram a oportunidade de vislumbrar esse momento histórico, tão esperado, mas nem por isso os jogos olímpicos deixaram de brilhar. Conheça, abaixo, alguns dos legados desta edição:

Inovação

  • 5 novos esportes foram incluídos: beisebol, softbol, caratê, skate e surfe.
  • Alimentos na vila olímpica foram fornecidos pelos agricultores das áreas devastadas pelo tsunami.
  • Dos 11.500 atletas inscritos, as mulheres marcaram presença: 49% nas Olimpíadas e 40% nas Paraolimpíadas.

Acessibilidade

  • Todas as sedes foram remodeladas para promover a acessibilidade para as pessoas com deficiência, idosos e estrangeiros.
  • Criação dos pictogramas digitais – os pictogramas dos esportes olímpicos foram lançados nos jogos de 1964 pelo Japão para facilitar a comunicação global e foram remodelados nesta edição.

Tecnologia

  • Mais de dez tipos de robôs foram disponibilizados para auxiliar na recepção, segurança, vigilância, limpeza, monitoramento, suporte, entrega e transporte.
  • Controle de acesso biométrico permitiu o reconhecimento facial, monitoramento da temperatura, controle do uso de máscara e rastreamento.
  • Tecnologia esportiva possibilitou o uso de GPS nos atletas, radar para avaliar arremessos e uniformes impressos em 3D para facilitar o movimento.
  • Inteligência artificial (IA) combinada com câmeras de vídeo, técnicas avançadas de modelagem permitiu a captura 3D dos movimentos dos atletas nas provas.

Leia também: 7 motivos para apreciar o outono no Japão 

Sustentabilidade

  • 90%  dos 3700 veículos utilizados para os jogos eram elétricos e 100 eram micro-ônibus autônomos.
  • Pela primeira vez na história, a tocha olímpica foi de hidrogênio.
  • 18,000 camas feitas com papelão reciclado e colchões produzidos com redes de pescas foram disponibilizados para os jogos. 
  • Todas as medalhas, uniformes e pódios usados no evento foram produzidos com materiais reciclados.
  • Foram implementadas soluções renováveis de energia de alta eficiência.
  • Em 19 dias o evento deixou de emitir 280 mil toneladas de dióxido de carbono (CO2).

Nas Olimpíadas 2020 o Japão deu um show de resiliência e perseverança em um momento tão difícil. A edição de Tóquio 2020, realizada em 2021, ficará conhecida na história como a edição mais sustentável, tecnológica e inspiradora de todos os tempos.

Mais do que nunca, Tóquio 2020 provou ao mundo que é possível seguir em frente diante de um projeto com tantos desafios e barreiras: Arigatou Gozaimasu (muito obrigado), Japão!

Quer saber mais sobre o BPM? Siga-nos também no Instagram e no Facebook

Related posts

Entendendo ou não o Futebol Australiano

Sheyne Tanaka

Raridades encontradas nas Maldivas

Camilla Nobre

Lendas urbanas argentinas

Fabi Lima

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação