BrasileirasPeloMundo.com
Curiosidades Pelo Mundo Suíça

Comportamento na Suíça: praxe e inconveniência – Parte 2

No texto passado, contei um pouco sobre os costumes suíços, o que é normal e o que não é bem visto no comportamento diário. E como prometido, voltei para contar mais neste mês.

Hábitos:

Arredondar a conta

Antes dos anos 70, a gorjeta era obrigatória na Suíça, pois os salários dos funcionários do setor gastronômico eram muito baixos, portanto a gorjeta representava uma parte importante no ganho mensal. Hoje em dia, ela já está incluída no valor a ser pago pelo cliente, sendo assim, não é necessário deixar uma porcentagem de gorjeta, como é feito em outros países como os EUA, por exemplo. Mesmo assim, é muito comum arredondar a conta como forma de demonstrar satisfação com o atendimento, e os garçons, certamente, apreciarão este gesto. Por exemplo: em uma conta de CHF 48,50, arredonda-se para 50 francos.

Bom apetite!

Um hábito usual, principalmente em cidades menores, é o de desejar bom apetite antes das refeições até mesmo às pessoas desconhecidas, seja ao teu lado no restaurante, seja na empresa durante o horário de almoço e, às vezes, até na rua. Já me aconteceu de estar chegando em casa por volta do meio dia e uma senhora que estava passando na rua me desejar “En guete!”

Descarte do papel higiênico

Uma leitora me lembrou, no texto passado, de um hábito bem comum nos países europeus, que muitos brasileiros não estão acostumados, o fato de aqui descartarem o papel higiênico usado no próprio vaso sanitário, ao invés da lixeira que fica ao lado e que, por estas bandas, é usada para descartar somente outros tipos de lixo, como por exemplo, absorventes e fraldas descartáveis. Logo, quando estiver na Suíça, saiba que a lixeira não é para o papel higiênico.

Sujou, limpou!

E por falar em vaso sanitário, outro costume que vejo não só aqui na Suíça, mas também na região da família do meu marido, no norte da Itália, é o de deixar ao lado do vaso aquela escovinha de limpeza e, às vezes, também um desinfetante sanitário, que são sempre usados para realizar a limpeza caso o usuário deixe vestígios… ou seja, quem sujou, limpa. Afinal, é desagradável para quem for usar a toalete depois, encontrá-la suja. Então, se for convidado ou hóspede na casa de alguém, lembre-se de deixar o vaso limpinho, como o encontrou!

Inconveniências:

Intimidade com desconhecidos

Aquela coisa de conhecer a pessoa e logo contar detalhes da tua vida e achar que ela vai fazer o mesmo, esqueça! Enquanto no Brasil, é normal conhecer alguém e a pessoa praticamente já se tornar tua melhor amiga, na Suíça as coisas não são bem assim. Os amigos geralmente são de infância, e conquistar a amizade de um suíço pode levar tempo. Sendo assim, dificilmente você vai encontrar um suíço que conte intimidades no primeiro (segundo, terceiro…) encontro. Logo, evite fazer perguntas muito pessoais se a própria pessoa não se dispuser a falar, pois discrição é a alma do negócio e aqui eles dão valor à privacidade.

Não recolher as fezes dos cães

Uma coisa que admiro muito aqui é a responsabilidade que as pessoas devem ter com os animais de estimação. Não é à toa que não se vê cachorros abandonados nas ruas, tudo parte de uma conscientização, educação e dever dos cidadãos que vivem em solo helvético. Todos os cães são registrados e os proprietários devem pagar uma taxa anual, além de terem que seguir certas regras (a Christiane contou mais aqui). E uma destas regras é recolher as fezes dos cães com um saquinho apropriado, fornecido em vários pontos, seja na cidade, no campo, no bosque… No mesmo local onde você encontra os saquinhos, tem uma lixeira para fazer o descarte. Então, jamais, vá passear com seu cão sem uns saquinhos consigo e, jamais deixe as fezes no chão, seja onde for! Além de correr o risco de levar uma multa, convenhamos, é feio demais!

Arquivo pessoal

Jogar lixo e cigarro no chão

Questão que nem deveria ser discutida, não é? Mas, infelizmente, é algo que se nota bastante se formos comparar as ruas daqui com as de outros países. Tem gente que mesmo aqui joga lixo e cigarro no chão? Tem. Mas, no geral, as ruas são bem limpas. Tanto nas cidades como em meio à natureza, na Suíça, grande parte das pessoas respeita o meio ambiente, fora o frequente sistema de limpeza. Mas, infelizmente, na última votação para presidente do Brasil, vi uma cena lamentável em Zurique, brasileiros residentes na Suíça, deixaram nas proximidades do Consulado Brasileiro um rastro de lixo pelo chão. Uma vergonha, em qualquer lugar que fosse, mas maior ainda porque com tudo o que veem aqui, já deveriam ter aprendido algo bom…

Quanto aos fumantes, por consciência e educação, deveriam jogar seus cigarros nos lugares adequados. “Ah, mas não tinha um cinzeiro por perto.” Procure! Eu não jogo lixo no chão quando não encontro uma lixeira por perto, o mesmo deveria valer aos fumantes!

Quem imigra sabe que adaptação é uma questão de suma importância para uma vida feliz no novo país. A meu ver, não basta falar a língua local, saber se locomover na região, ter um emprego e alguns amigos, para se dizer que está bem adaptado. Faz parte da adaptação conhecer e respeitar os costumes do país, saber o que é adequado ou inconveniente, e não querer sobrepor os nossos próprios costumes apenas porque assim fomos habituados. Para alguns, é muito fácil adaptar-se em certos países, para outros é preciso muito esforço e/ou resiliência. De qualquer forma, acredito que a chave de tudo é a flexibilidade, estar aberto para a nova cultura, procurar conhecer, tentar entender antes de criticar ou não aceitar, além de reconhecer que nem sempre os nossos hábitos são apropriados.

E aí, o que vocês acham dos costumes suíços? Compartilhem conosco nos comentários!

Related posts

Expressões em Árabe

Gabriela Lirio Delfino

Dicas para se economizar em Basel

Lúcia Bastos

A febre da cerveja artesanal na Bélgica

Marcela Vitarelli

2 comentários

Larissa d'Ávila da Costa Maio 27, 2018 at 11:07 am

Oi Mel,
estou aqui cumprindo minha promessa de seguir uma colunista e comentar seus post.
Os hábitos suiços são bem parecidos com os alemães e temos que nos adaptar.
Adorei te conhecer no encontro do BPM de ontem.
beijo, Larissa

Resposta
Mel Barbieri Maio 28, 2018 at 12:06 pm

Oi, Larissa!
Obrigada pela leitura e pelo comentário.
Também adorei te conhecer no encontro e estou aguardando o teu texto. Seja bem-vinda no BPM!
Beijos!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação