BrasileirasPeloMundo.com
Brasileiras Pelo MundoVolta ao mundo com crianças

Quanto custa dar uma volta ao mundo

Esta é, de longe, a pergunta que mais ouvi desde que tive a ideia de fazer uma volta ao mundo. Eu mesma me fiz esta pergunta diversas vezes durante o planejamento. E, acredite, não há uma resposta definitiva para ela, já que existem muitas variáveis que podem puxar para cima e para baixo o seu orçamento. Como também existem muitas escolhas que podem ser feitas e que diminuem muito os gastos. Há dois pontos chaves para o processo de fazer o orçamento em uma viagem tão longa e eclética: organização e pesquisa.

Pouca gente sabe, mas existe uma passagem de volta ao mundo, ou Round The World ticket. Ela é vendida pelas alianças de companhias aéreas e pode ser um facilitador na hora de orçar e de executar uma volta ao mundo. Ela tem vantagens e desvantagens, como tudo na vida, é claro. Você deve sair do Brasil com todos os trechos marcados, e normalmente há uma taxa se quiser fazer trocas, você pode escolher datas que vão de 10 a 365 dias, e pode fazer 16 paradas. O custo é em torno de US$ 4 mil – este valor pode variar com a quantidade de milhas e paradas. Pelas minhas pesquisas pessoais, e com base no meu roteiro, ficava mais barato comprar trecho por trecho. Também acho muito bom ter maior flexibilidade para poder mudar o roteiro enquanto viajamos. Mas não dá para negar que, em termos de planejamento e trabalho, é muito mais fácil e tranquilo comprar um RTW ticket.

A maioria da informação que queremos (e precisamos) está na internet, então se prepare para passar horas e horas no computador, e chamar o Google de melhor amigo. Os gastos são basicamente três: hospedagem, alimentação e passeios. Depois de um mês de viagem nós aprendemos a pesquisar no Booking sempre o menor preço. Ficamos em lugares bem toscos e em outros ótimos, mas descobri bem rápido que o hotel não é o mais importante. Apenas 3 ou 4 vezes até agora nos permitimos ficar em lugares com uma infraestrutura um pouco melhor, principalmente em lugares que resolvemos ficar mais tempo. E a maioria, grande maioria, das vezes, nossa pesquisa na internet era só para ter uma base de preços: em toda a Ásia só reservei hotéis antes de chegar na cidade no Japão ou se eu percebia que chegaríamos em horários bizarros (como quando aterrissamos no Camboja a 1 hora da madrugada). 

Os gastos com passeios são os que eu faço questão de não ser mão de vaca. Afinal, de que adianta ir até Arlie Beach, na Austrália, e não conhecer Whitesunday? Fazer essa viagem é sobre ter experiências novas, ver coisas diversas, aproveitar o que a natureza tem para nos mostrar, então fizemos praticamente tudo o que desejamos neste quesito. Já os gastos com a alimentação foram diminuídos, e muito, cozinhando. A grande vantagem de ficar em apartamento ou hostel: ter cozinha. Além de ter facilitado a adaptação à exótica comida asiática, economizamos muito diminuindo a ida aos caros restaurantes na Nova Zelândia e Austrália.

optimized-unnamed-1-5
Arquivo pessoal

Tudo isto considerado, posso dizer o meu orçamento: cerca de 40 dólares por dia, por pessoa. Tenha em mente que este orçamento é com base em nossas características pessoais e nosso roteiro. Nós pegamos ônibus e trem para baixar os custos, mesmo que tenhamos que ficar 16 horas dentro deles. E lembro de ter ido a um restaurante “de verdade” menos de 10 vezes. Mas essas coisas não diminuíram, em nada, o quanto aproveitamos a nossa viagem até agora.

E para terminar, algumas dicas para tentar diminuir os custos:

O roteiro faz mesmo toda a diferença. Lugares como Austrália, Inglaterra e Japão são muitas e muitas vezes mais caros do que o Vietnã, Tailândia e China, por exemplo. Portanto, se escolher ficar mais tempo nos lugares mais caros, seus gastos serão maiores, e isso pode dar mais diferença do que se imagina. 

Deslocamento: outra coisa que pesa bastante num orçamento é a maneira que você se desloca, tanto de uma cidade para outra como dentro das cidades. Nós escolhemos caminhar muito e usar ônibus e metrô nas cidades, usando taxi apenas se não houvesse outra opção. E de um lugar para outro trem ou ônibus. Todas as vezes que pesquisei era muito mais barato assim do que ir de avião, mas não é uma regra, vale sempre pesquisar, pois as vezes há promoções e se consegue passagens aéreas muito em conta.

Coma onde os locais comem. Além de ser mais barato, também é mais autêntico. E ajuda o comércio local. Nós abusamos da comida de rua, como food trucks e pequenas lanchonetes. Como eu falei, restaurantes mais incrementados são exceção.

Couchsurfing. Uma rede social que conecta pessoas que estão dispostas a hospedar turistas às pessoas que precisam de um lugar para ficar. Eu acho a experiência incrível, um modo ótimo de conhecer a cultura local de forma única, pegar dicas de quem conhece a cidade de verdade, e ainda dá para fazer vários novos amigos. Só tivemos boas experiências fazendo couchsurfing.

Viajar a longo prazo é, em geral, mais barato do que parece. Com o mesmo que se gasta em 15 dias em Orlando, dá para passar 3 meses no sudeste asiático. Com planejamento e perseverança dá sim para realizar.

Related posts

Meus 15 anos de EUA, o que mudou?

Alessandra Ferreira

Hora de dizer adeus aos amigos brasileiros

Carleara Weiss

Os primeiros passos e costumes morando na Nova Zelândia

Gabriela Nunes

2 comentários

Ângela Curti February 7, 2017 at 11:54 pm

Maravilhosa sua experiência. Obrigada pelas dicas reais. Deu muita vontade de planejar uma viagem assim com o marido. Obrigada, parabéns pela coragem e por partilhar convosco suas experiências.

Resposta
Elaine Rangel February 8, 2017 at 1:29 am

Oi Jéssica,tudo bem?Vc poderia contar sua experiência em relação viagem ao mundo com crianças em idade escolar,como é o procedimento de ensino,muito curiosa e muitas dúvidas na mente.Att Elaine Rangel

Resposta

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação