BrasileirasPeloMundo.com
Comunidade LGBT Pelo Mundo Espanha

Refugiados LGBTQIA+ acolhidos na Espanha

Refugiados LGBTQIA+ acolhidos na Espanha.

Fugir por ser, sentir e amar

Recuperar a dignidade longe de casa

A palavra refugiado estampa a fragilidade de um indivíduo que abdica de sua pátria, sua família e sua raiz em busca de sobrevivência. Quem busca refúgio em outro lugar que não o seu, já vem carregado de dores e, ainda assim, está sujeito a repulsa e a discriminação.

Por mais que a Espanha receba um grande número de pedidos de asilos e refugiados, é inegável a presença xenofóbica e a constante tentativa política de endurecer as leis de imigração, principalmente entre os partidos de extrema direita.

Com a pandemia, que alavancou ainda mais as crises econômicas e sanitárias e enalteceu a desigualdade social, o país se colocou como porta principal de entrada de imigrantes na União Europeia, o que provocou uma nova discussão e impasses sobre a quem cabe abrigá-los.

O fenômeno migratório vai além de uma crise emergencial, é algo mais estrutural. No entanto que o arquetípico de refugiados que mais cresceu na Espanha nos últimos anos foi o refugiado LGBTQIA+ (sigla de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais ou travestis, queer, intersexuais, assexuais e outras identidades de gênero).

Pessoas que, em seus lugares de origem, foram perseguidas, espancadas, estupradas, violentadas física, verbal e psicologicamente pelo desejo de ser, sentir e amar a seu modo.

A dor da fuga de seu país, que une todos os refugiados, associado ao sofrimento da perseguição por causa da identidade ou orientação sexual. Onde a xenofobia e o racismo se juntam em um fardo maior.

Não se trata de números, de classificação e de origem; são histórias de vidas entrelaçadas pela tragédia e pela clandestinidade, impedidos de ser quem são – o delito de existir.

A identidade de gênero como crime

Pertencer ao grupo em um mundo onde a homossexualidade é considerado crime em 69 países da ONU, punido com a morte em seis; onde 14 nações perseguem abertamente as pessoas trans e 42 Estados restringem a liberdade LGBTQIA+, é indigno.

A existência de leis explícitas que criminalizam a homossexualidade está presente em 68 países. Egito e Iraque fazem uso indireto de outras leis para perseguir e condenar homossexuais. Em 44 países, a proibição vale para os dois gêneros. Nos demais, apenas para o gênero masculino. A maioria se concentra no continente africano.

A pena para a relação entre pessoas do mesmo sexo varia de multas e prisão (inclusive perpétua) até morte.

Embora a tendência mundial tem sido em direção à descriminalização, há países onde as leis vigentes que proíbem a homossexualidade foram endurecidas e em outros, esforços para remover leis assim fracassaram.

Além das leis, há países que embora oficialmente descriminalizam a homossexualidade, o fator cultural e familiar exercem um peso maior e vê a relação homoafetiva como uma vergonha e uma desonra no seio familiar.

O acolhimento espanhol

A Convenção de Genebra de 1951, estabelece os direitos dos indivíduos aos quais é concedido o direito de asilo bem como as responsabilidades das nações concedentes.

A Convenção determina que se pode solicitar asilo por pertencer a um grupo social específico, mas não menciona especificamente as pessoas LGBTQIA+. Por essa razão, alguns países, entre eles a Espanha,  modificaram suas leis para incluí-los.

Assim, desde 2001, o país dá amparo a inúmeras vidas que não podiam continuar em seus países.

Organizações internacionais como a Acnur, a agência da ONU para refugiados, e outras entidades de âmbito nacional como a Kif Kif, e a Rescate, que atua na Espanha desde 1960, atendem expressamente as necessidades dos refugiados LGBTQIA+, com assessoramento legal e assistência psicossocial.

Estas organizações ajudaram a trazer e inserir jovens cuja bissexualidade lhe custaram suas raízes africanas. Ou várias mulheres transexuais da América Latina, que foram forçadas à prostituição por falta de alternativas de trabalho, o que as levou a conviver com gangues em seus países e a uma vida de violência. Ou pessoas não binárias que arriscavam suas vidas cada vez que punha os pés na rua por causa de seu jeito de andar e de se expressar.

Inúmeras histórias com o poder de lembrar a importância de amparar e proteger, assim como ajudar pessoas em situações semelhantes a encontrar uma saída.

Embora a Espanha apresente boas práticas de acolhimento deste coletivo, há muitos desafios, desde o acesso até a integração. Há um aumento significativo de solicitações de proteção internacional nos últimos anos e é necessário não só quantificar as organizações, mas também, e especialmente, qualificar os processos e as pessoas destinadas a acolhe-los.

É fundamental escutar as histórias individuais e criar espaços seguros, de confiança, com redes de apoio, sem mais preconceitos e rótulos. Pois muitos arrastam experiências traumáticas, chegam com a rejeição internalizada, com vergonha e medo. Temem expressar sua orientação sexual ou sua identidade de gênero, por represália sofrida em seus países de origem.

Oxalá chegará o dia em que a identidade, o desejo e o amor sejam livres de estereótipos e onde nenhum ser humano seja ilegal.

Quer saber mais sobre o BPM? Siga-nos também no Instagram e no Facebook

Related posts

Ambiente de trabalho em Madri

Denise Neves

Custo de vida em Valência

Thais Maciel Gomes

Por que me sinto poliglota em Barcelona

Carolina Lauzen

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação