BrasileirasPeloMundo.com
EUA Halloween Pelo Mundo

Santa Cruz Macabra: Assassinatos, Halloween e Assombrações

Nada mais medonho do que celebrar o Halloween regado a estórias macabras, não é mesmo? Reza a lenda, corroborada pela imprensa local, que o que vos contarei são verdades verdadeiríssimas, para o nosso mais profundo estarrecimento.

À guisa de preâmbulo, venho lembrar-lhes que já mencionei em meu primeiro texto sobre Santa Cruz (leiam aqui) que essa pequena cidade praiana não é daquelas que seguem o padrão californiano estereotipado, ou seja, um festival de gente malhada, bronzeada e irrefletida ostentando os seus modos-de-ser à beira-mar.

Não, minha gente. Santa Cruz tem muito o que acrescentar à enciclopédia das maiores esquisitices existentes no planeta.

A Capital do Mundo No Quesito Assassinato

Consta que no curto espaço de tempo situado entre os anos de 1971 a 1973, três indivíduos aleatórios foram condenados pelo assassinato de 23 pessoas no condado de Santa Cruz.

Na época, porém, ocorreram dezenas de outras mortes e desaparecimentos que, por falta de provas, não puderam ser agregadas às fichas dos perpetradores e permanecem até hoje sem resolução.

Foto: picclick

Os Assassinos: John Linley Frazier

Os crimes começaram a aparecer em Outubro de 1970, aqui perto na cidadezinha de Soquel, onde atualmente se situa a escola de uma de nossas filhas.

A polícia descobriu os corpos de um médico e sua família — esposa e dois filhos pré-adolescentes — em sua residência, mortos a tiros, todos vendados, com as mãos amarradas às costas, boiando na piscina. Junto à cena, um bilhete datilografado dizia: Halloween, 1970. Hoje a Terceira Guerra Mundial começa, trazida pelo Povo do Universo Livre. A partir de hoje, qualquer pessoa e / ou pessoas que abusarem do meio ambiente ou destruí-lo sofrerão a pena de morte pelo Povo do Universo Livre. Eu e meus camaradas a partir de hoje lutaremos até a morte contra qualquer um que não apóie a vida natural neste planeta. O materialismo deve morrer, ou a humanidade irá acabar. 

Uma das comunidades hippies que ficava nas proximidades foi o primeiro alvo das autoridades, mas lhes indicaram outro suspeito: John Frazier, um cara comum, que trabalhava como mecânico na região.

Quando o bilhete foi publicado no jornal no dia seguinte, vários outros hippies reconheceram o discurso como sendo mesmo o de Frazier, que os tinha ameaçado dias antes e indicaram aos policiais o local em que ele morava. Lá foram encontradas inúmeras provas e Frazier foi preso 5 dias após o mega-assassinato. Anos depois suicidou-se na prisão, aos 62 anos de idade.

Big Ed-Camper

Edmund Camper, por outro lado, era um gênio que teve uma infância terrível.

Seus pais se divorciaram quando tinha 7 anos de idade e ele acabou sendo criado unicamente pela mãe alcoólatra, também acometida do transtorno de personalidade borderline.

Assim como Norman Bates, o personagem inesquecível do longa Psicose, Ed Camper amargara torturas inenarráveis sob o jugo de sua perturbada mãe.

Aos 15 anos, decidiu deixar a casa dela em Aptos e ir viver com os avós em North Folk, porém foi o mesmo que trocar seis por meia-dúzia:  sua avó era tão perturbada quanto sua mãe, fato que agravou ainda mais a situação do problemático adolescente.

Em um arroubo de fúria, certa feita, Big Ed assassinou a tiros os avós, fazendo assim suas primeiras vítimas em 1965.

Ao cumprir pena em um hospital psiquiátrico em San Luis Obispo, o jovem foi diagnosticado como altamente inteligente (Q.i. de 145) e em menos de 5 anos foi libertado por ser um paciente-modelo de reabilitação.

Em 1972, Big Ed embarca na primeira das muitas matanças de mulheres, que incluíam horrores como a mutilação dos cadáveres e necrofilia. Sua longa lista compreendeu 6 estudantes universitárias, além da própria mãe com então 59 anos e uma amiga dela.

Após ligar para as autoridades para confessar os crimes em 1973, ele foi condenado à prisão perpétua e atualmente cumpre sua pena na penitenciária de segurança máxima em Vacaville.

Herbert Mullin

Herb era um menino sensível e inteligente, filho de um veterano da Segunda Guerra. Na época da sua graduação no Ensino Médio, seu melhor amigo foi morto em um acidente automobilístico e a partir de então Herb começou a desenvolver um comportamento obsessivo em relação à morte, que foi se agravando pelo seu contínuo uso de ácido.

Herb estava fora de controle, ouvindo vozes e ostentando atitudes e personalidades que assustavam seus familiares quando foi internado pela primeira vez, sendo diagnosticado como esquizofrênico paranóico.

A partir daí, sua vida se alternara entre inúmeras internações em instituições e altas.

Em 1972, ele iniciou sua trágica carreira, assassinando um senhor que lhe oferecera ajuda, quando ele encenava problemas com o carro na estrada.

Assim, sua lista de vítimas desenvolvera-se, somando 13 vítimas  aleatórias ao total, que ele esfaqueava e eviscerava após assassiná-las a tiros ou pancadas. Entre suas vítimas constava um padre da paróquia de Los Gatos, uma estudante, seu traficante e a esposa, uma mãe com seus dois filhos e quatro adolescentes em um parque.

Herb foi preso horas depois de um vizinho denunciar os disparos contra um morador que consertava o carro na garagem.

Foi sentenciado à prisão perpétua, com possibilidade de liberdade condicional em 2025.

Assombrações para todos os gostos

Com todo esse passado macabro, era se esperar que o mês de Outubro  em Santa Cruz fosse extremamente movimentado, com uma miríade de eventos, desfiles, festas e concursos de fantasias.

O que chama a atenção, sem dúvida, é o evento que acontece na semana prévia ao Halloween no Museu de História “Antinatural” de Santa Cruz, quando o local se torna mega-assombrado e durante os três dias que antecedem o Halloweeen, suas portas são abertas para receber visitantes dos mais nefastos.

A população se veste da forma mais medonha possível e vem participar dos concursos que acontecem dentro do Museu, que é aparelhado com efeitos especiais para não deixar um coraçãozinho sequer sem desfalecer.

No entanto, algumas assombrações são perenes e podem ser visitadas durante o ano inteiro.

O Brookdale Hotel (Brookdale Lodge) é verdadeiramente mal-assombrado e virou ponto turístico da região, situado  na cidadezinha minúscula de Brookedale, incrustada entre as sequóias gigantes, nas montanhas do condado de Santa Cruz.

Aparições

Foto:brookdalelodge

O hotel foi fundado em 1870, sendo inicialmente as instalações de uma grande serraria.

Em1900 foi transformado em uma estalagem com 46 quartos, passando por muitos donos até 1922, quando foi adquirido por um médico que o transformou num dos resorts mais incríveis da Califórnia, ao construir um salão de jantar que é atravessado por um rio natural, o Brookroom ( salão do rio).

Contudo, a partir de 1945 a propriedade passou a pertencer a gangsters e mafiosos, que construíram passagens secretas e salas subterrâneas e difundiram, assim,  boatos de que inúmeras vítimas tiveram seus corpos enterrados sob o solo do hotel.

Exatamente na mesma época, ocorreu o primeiro dos afogamentos: Sarah Logan, a sobrinha de 6 anos do então proprietário, morreu afogada no dito rio que ainda passa no centro da sala de jantar.

Sarah é a aparição que todos os visitantes do local afirmam avistar sem fazer esforço, porém não foi a única criança afogada na propriedade: em 1972 uma menina de 13 anos afogou-se na piscina que ficava sobre o Quarto da Sereia, que acabou sendo fechado por conta do trágico acidente.

Os fantasmas se divertem

Atualmente, várias outras aparições, além de Sarah Logan correndo pelo Salão do Rio em seu vestidinho azul, são testemunhadas pelos visitantes do hotel, que vão lá exatamente para ter essas experiências.

No Quarto da Sereia, reaberto ao público, quando vazio podem ser ouvidas vozes conversando, o tilintar de copos e pratos, como se pessoas estivessem jantando.

Desde uma Juke-box  que liga e desliga sozinha no hall de entrada,  uma grande orquestra pode ser ouvida tocando na sala de bilhar, além de presenças, correntes frias de vento, toques por mãos invisíveis, portas se abrindo e batendo sozinhas, ou seja, uma infinidade de fenômenos paranormais foram e continuam a ser anunciados e vivenciados por pessoas de todo mundo que desfrutam do Brookdale Hotel.

Agora que estamos cheios de arrepios, vamos aproveitar…

Gostosuras ou travessuras?

Bom Halloween a todos!

Related posts

EUA – Nova Iorque: Como recomeçar a vida em um novo país

Debora L. Juneck

Turismo e História Afro-americana em Washington, D.C.

Lorrane Sengheiser

Consumismo nos Estados Unidos

Larissa Rinaldi

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação