EUA – Saúde: Direito de todos e dever do Estado? Aqui, não!

O sistema de saúde nos EUA não é fácil de entender. Para mim, desvendá-lo foi uma caixinha de surpresas e continua sendo cada vez que recebo um novo boleto médico para pagar! E como estamos em uma fase onde o que mais se escuta aqui nos EUA é a palavra ObamaCare, resolvi contar um pouco sobre como o sistema de saúde americano funciona.

As pessoas têm a impressão de que tudo funciona muito bem aqui nos EUA, inclusive o sistema de saúde. Eu ainda me lembro de um quadro de humor que eu ouvia no Programa Jovem Pan, de São Paulo, onde havia um menino que falava “Pô Pai, os Americanos são muito melhores”! Esta é a impressão. Mas não é bem assim. De acordo com a WHO (World Health Organization), os EUA ocupam a 37ª posição no ranking que mede a performance dos sistemas de saúde no mundo.

Na minha opinião, um bom sistema de saúde = bom médicos + bons hospitais, com baixo custo ou custo zero. Quando mudamos para os EUA, recebemos as carteirinhas do seguro saúde, junto com uma apresentação em Power Point de muiiiiiitas páginas, explicando como o plano funcionava. Achei que não havia mistério. Você vai ao médico, apresenta sua carteirinha do seguro e pronto.

Então logo no início meu marido teve alguns problemas: primeiro foi uma dor no peito seguida por uma alergia pelo corpo todo. Tivemos que achar um médico que o atendesse em uma consulta o mais rápido possível. Descobrimos que isto nem sempre é possível quando se trata da primeira consulta. Talvez por ser uma consulta mais demorada, talvez porque o plano de saúde tenha que confirmar sua cobertura, mas muitas vezes leva alguns meses para você conseguir a primeira consulta com um médico mais renomado. Bem, até ai, igual ao Brasil.

Meu marido foi ao clínico geral (chamado aqui de Internist, ou GP General Practicionist na Inglaterra). O médico fez alguns exames e meu marido foi medicado. Nada grave. Após alguns semanas, recebemos uma conta em casa no valor de US$ 710. Foi ai que meu marido quase teve um ataque do coração! A cobrança era referente a parte do Eletrocardiograma que o seguro não cobriu! O eletrocardiograma que você faz no consultório, sabe aquele que dura alguns minutos e o médico imprime o resultado na hora? O valor total do exame foi de US$ 1.883, que o médico cobrou do seguro, que por sua vez deu cobertura parcial ao exame. E o problema é que ninguém informa o quanto você vai pagar no dia da consulta. Você recebe a triste notícia pelo correio, semanas depois.

Ao marcar um exame você pode falar no Billing Department (Departamento de Cobrança) e se informar sobre sua cobertura, se terá que pagar algo extra e quanto. Mas nem sempre o valor informado é correto. Fiz um exame no início do ano, fui informada que deveria pagar US$ 890 do meu bolso. Mas depois apareceram outras cobranças extras e acabei desembolsando quase US$ 1.500!

E se você não pagar? Bem, se você não pagar ficará com seu nome sujo, o que impacta o famoso credit history, explicado no texto Credit History e o Efeito Tostines. Se você não tem condições financeiras, precisa negociar para pagar a dívida em suaves prestações.

Além do prêmio mensal do seguro, você ainda tem que considerar os gastos extras a cada consulta ou exame. Com a exceção de quando você vai ao médico uma vez por ano para seu check up (chamado aqui de Annual). Aí você não paga nada, os exames e consulta estão incluídos, pois se trata de prevenção.

Nós somos uma família composta por dois adultos e uma criança. Em dois anos nos EUA já desembolsamos US$ 7.857 em contas médicas. Sem contar o prêmio mensal que é deduzido do salário do marido, no valor de US$ 452. Somando tudo, foram gastos US$18.705. E não temos nenhuma doença crônica. Nunca fizemos uma cirurgia. Somos saudáveis, e apenas tivemos gastos com problemas rotineiros. Eu fico imaginando a situação daqueles que têm problemas de saúde graves e necessitam de atendimento constante.

Hoje 48 milhões de americanos não têm seguro saúde. As seguradoras cobram o que querem e podem rejeitar um paciente por ele ter uma doença crônica, por exemplo. As seguradoras não dão cobertura a quem tem mais de 65 anos. A partir desta idade todos migram para um plano chamado Medicare, administrado pelo Governo federal.

O ObamaCare está tentando incluir estes 48 milhões de americanos em algum tipo de seguro. Basicamente todos serão obrigados a ter um seguro médico, de forma que, se mais pessoas pagarem, o custo baixe para todos (ao menos esta é a intenção). Haverá auxílio para quem ganha abaixo da linha da pobreza e quem não tiver seguro terá que pagar uma multa.

E finalmente não poderia deixar de falar do custo dos remédios. Não vou entrar na discussão dos porquês, mas o custo dos remédios nos EUA é o mais caro dentre os países desenvolvidos. E a indústria farmacêutica é um dos setores mais lucrativos e poderosos dos EUA. Quer um exemplo?

Fui ao médico, e ele me receitou uma pomada. Quando fui à farmácia, a atendente me perguntou, “você está preparada?” “Preparada para que?” eu respondi. “O custo da pomada é de US$ 502 e seu seguro não cobre”! Recusei a compra e fui pesquisar o preço do remédio no Brasil. O custo do mesmo medicamento era de R$ 98. Como isso é possível??? Não é à toa que conheço muita gente que compra remédios no Canadá, pelo correio (e se você quiser saber um pouco mais sobre como funciona o sistema de saúde no Canadá, veja o texto da Lila Rosana, Canadá – Sistema de Saúde em Vancouver).

Então não se esqueça: se vier aos EUA a passeio, faça um bom seguro de viagem, e se estiver se mudando para cá, prepare-se para gastar parte de sua renda em saúde!

 


Monica estudou administração de empresas na Fundação Getúlio Vargas de São Paulo e fez pós graduação em marketing. Já morou em Londres, Cingapura, Xangai e Nova York. No momento mora em Houston, no Texas, é mãe em tempo integral e escreve o blog Brasucando (antigo Discovering Houston).
Website: www.brasucando.com
País: EUA

Comentários

  1. diz

    Oi Monica querida, adorei seu texto, super informativo e tira muitas ilusoes e expeculaçoes sobre um assunto e um mito da terra do tio Sam que é muito importante, Em 01 de janeiro de 2010, eu sofri um acidente grave durante uma viagem ao Hawai, cai de uma montanha uns 600 metros abaixo, naturalmente nao foi queda livre, mas os estragos foram “ENORMES” embora pequeno no contexto da queda, abri literalmente o meu rosto, e literamente “estorei” o humurus, osso siuperior do Braço que encaixa na ombro, naturalmnte tive que primeiramente ser recebida quase que desmaiada de dor, sangrando como uma louca na emergencia, e pra supresa, antes de perguntarem ou fazerem qualquer coisa, disseram, primeiro o cartao de credito. Nos proximos dois dias tive que ter dinheiro *cash” pra ser operada no total de Us.: 50.000, isto mesmo com um fax do meu seguro de saude na Suiça se responsabilizando por todo custo. bem a conta dos remedios, exames e fisioterapia nem sei te dizer ao todo quanto foi, mas com certeza nao foi menos que US 20.000. O melhor foi que com tao pouco tempo disponivel antes da operaçao, tive que ir tirando US$ 5.000 por dia de cada cartao de credito e cartao de debito em diferentes bancos e pedir amigos locais que puderam me ajudar, pra conseguir o valor total pra ser operada no tempo devido.
    Enfim final feliz, pois aqui na Suiça as coisas sao bem diferentes, eu estava tamböm entre amigos americanos e que tinham condiçoes de me ajudar nesta situaçao, mas deixo o assunto pra ser tratado de forma mais completa em um proximo post meu sobreo sistema de saude na Suiça, Parabens pelo texto e obrigada pela informaçao. Namasté!

    • diz

      Ana Cristina, que sufoco que você passou hein? Mas aqui é assim, cartão de crédito e health Insurance primeiro, depois o paciente! E pensar que um dia eu reclamei do sistema inglês (NHS)!!!

  2. diz

    Nossa, Mônica… uma população com tantas doenças relacionadas aos maus hábitos alimentares deveria contar com um sistema de saúde mais acessível. Fiquei chocada!
    Super informativo seu texto, se eu for morar um dia nos EUA, vou pensar bem antes de ficar doente… hehehe
    abs

  3. Ana Carina diz

    Oi Mônica,
    adorei o texto.Meu amigo americano estava tinha me explicar sobre coo funcionava o siatema de saúde nos EUA e agora ficou tudo muito mais claro, pela visão de uma brasileira!!
    bjos!

  4. Vanessa diz

    Ótimo texto, obrigada por compartilhar essas informações. Você mencionou compra de remédios no Canadá pela Internet. Você conhece algum site do Canadá de venda de remédios pela internet?
    Obrigada,
    Vanessa

  5. Elizete Miller diz

    Monica,gostei muito dos esclarecimentos sobre o sistema de saude,voce poderia falar mais sobre OBAMACARE,o que acha desta lei ?vi falar que e Obrigatorio para todos que vive aqui nos EUA.
    Muito obrigado pelo esclarecimento.

    • diz

      Ola Elizete, fico feliz que tenha gostado do texto. Nao conheco a fundo o Obamacare. Eu nao serei afetada diretamente pois temos health insurance pela empresa em que meu marido trabalha. Mas pelo que sei quem nao tem seguro, sera obrigado a ter, e estara sujeito a multa se nao o fizer. O site para consulta e aquisicao do seguro ja esta aberto mas vc tem alguns meses para escolher. Agora se vai melhorar ou piorar, eu nao sei! Ha muita discussao no momento, obviamente com muitos interesses politicos no meio. Vamos torcer para melhorar! Obrigada

  6. diz

    Adorei o texto! O tema é super atual e eu já sabia que o sistema de saúde por aí não é dos ideais, mas agora consegui fazer uma imagem da situação.
    Realmente, é hora de uma reforma por aí 😉 rs

    Uma ótima semana,

    Bah!

  7. diz

    Oi Mônica,

    Achei bem legal o seu texto por inúmeros motivos. O primeiro (e o mais importante) é a quantidade de informação que ele contém sobre a saúde nos Estados Unidos. O segundo é que desmitifica o que muitos brasileiros acreditam: que tudo nos Estados Unidos é melhor.

    Para mim, é obrigação do Estado fornecer ao seu cidadão saúde, segurança, educação e transporte por valores acessíveis a maior parte da população. Uma coisa que aprendi com o passar dos anos é que o sistema de saúde dos Estados Unidos é uma indústria que visa o lucro e isso eu não acho legal… Acho que nenhum hospital do mundo deveria recusar o atendimento de alguém porque este não tem dinheiro (nem sei se isso acontece por aí, mas às vezes tenho a impressão que sim). Acho errado a indústria farmacêutica colocar no mercado tantos produtos a preços abusivos, como a pomada que você mencionou.

    Beijinhos!

    • diz

      Pois eh Tati, embora existam otimos medicos e hospitais, com muita gente (com $$) vindo se tratar nos EUA (um bom exemplo eh o MD Anderson que faz tratamentos em pacientes com Cancer, um dos melhores lugares do mundo para isto, aqui em Houston), mas sem din din nao da pra esperar muita coisa! Qualquer dia conte um pouco sobre como eh nas Filipinas! Bj

  8. Cristiane Leme diz

    Incrível – e no Brasil o pessoal reclama do SUS. Eu tenho uma concepção de que tudo nos EUA está voltado direta ou indiretamente ao favorecimento do capitalismo selvagem, nu e cru, e temo que o Brasil queira se adaptar nos mesmos moldes. Se você tem dinheiro, é bem tratado; se não tem, é tratado muitas vezes como escória. Mais uma das muitas facetas tristes do sistema estadunidense…

  9. Katia diz

    Pois eh, estou vivendo esse desafio aqui nos EUA tb..ai que saudade di NHS da Inglaterra! Estou aguardando a conta de um MRI do pescoco que fiz semana passada, uma amiga que fez o mesmo exame pagou $1000 de $5000 o valor total do exame. Nao consigo entender como um exame pode custar $5000!!! Eh um absurdo mesmo. Mas o pior mesmo que ja vivi aqui foi ouvir da boca de americanos que sao contra o Obamacare – e olha que sao mtos! – eles diem ” quer direito a saude? vai la e trabalha pra pagar!” fiquei de queixo caido…mas essa eh a mentalidade de mtos americanos por aqui :(

    • diz

      Boa sorte com seu exame, Katia. Acho uma caixinha de supresas mesmo. Mesmo que voce pesquise antes, etc. Mas no final, se voce tem que fazer, sabe que vai ter que gastar, nao eh mesmo? Muita gente contra o Obamacare, mas muita politicagem tambem. Eu nao conheco a fundo, mas espero que de certo. Mas acho que se tornou um caso de republicanos x democratas!

  10. diz

    NOSSA TO ESPANTADA!!! QUE ISSO DESSE PAÍS ??? E AINDA SE ACHA O TAL TAL TAL, OLHA AQUI EU PAGO A UNIMED E CONVENIADA PELO IPSENG DO ESTADO DE MINAS GERAIS ,
    OLHA ESTOU ESTARRECIDA AI ELES PENSAM PRIMEIRO É O DINHEIRO E A COBRANÇA O PACIENTE VEM DEPOIS DISSO TDO.
    É MONICA AI TEM SEUS BENEFICIOS , MAS TAMBÉM TEM SUAS DIFICULDADES EM RELAÇÃO A SAÚDE E ISSO É TERRVEL.
    GOSTARIA DE SABER COMO É A EDUCAÇÃO ESCOLAR , POIS TRABALHO EM ESCOLA E TAMBEM DE CRIANÇAS ESPECIAIS COMO É A VIDA DELES SE AI TEM ESCOLAS ESPECIALIZADAS ETC… TE AGRADEÇO SUA ATENÇÃO;

    • diz

      Ola Rosana, obrigada por acompanhar o blog! Pois eh, muitas coisas boas por aqui, outras nem tanto, embora as pessoas sempre achem que tudo aqui eh maravilhoso! Em breve vou escrever um post sobre educacao, aguarde!!Obrigada

  11. Barbara diz

    Parabéns pelo texto, muito informativo! Mas nossa, fiquei chocada… Acabei de me mudar pra Houston semana passada, descobri que o contraceptivo que custava 11 euros no Porto – 45 reais no Rio – aqui é mais de 100 dólares e só vende com receita!!! Fiquei mesmo preocupada porque de tempos em tempos tenho cálculo renal… )=

  12. Fernanda Franco diz

    Monica, que situacao! Nunca imaginei que se chegasse nesse extremo. Realmente seu texto e bem esclarecedor e que sirva de alerta para quem vai a passeio ou pensa em morar ai algum dia. Novamente preciso comparar com o nosso NHS aqui na Inglaterra. Ja sao 12 anos que estou aqui e da pra colocar no lapis as poucas libras que tive que desenbolsar com medico e remedios (quase nada mesmo!).

    Meu marido uma vez teve uma infeccao de pele muito seria e ficou mais de uma semana no hospital, sob medicacao forte e observacao constante, pois a infeccao havia se espalhado pela perna dele e estava mais seria do que ele imaginava. Ele foi atendido prontamente por varios especialistas diferentes e so foi liberado quando a infeccao deu uma tregua. Foi embora pra casa com uma caixa enorme, contendo varias caixas de antibioticos, tudo sem custo nenhum!

    Quando meu filho nasceu aqui, tive um atendimento super bacana, com atendimento domiciliar das ‘midwives’ em casa, enfim, no estilo deles aqui, tudo sem custo algum.

    Realmente ja passou da hora dos EUA reformular esse sistema de saude dai, pois nao deixa de ser um descaso com a populacao. Parabens pelo texto!!!

    Bjs Fernanda

    • diz

      Oi Fernanda! POis eh, eu morei ai em Londres por quase 5 anos e minha filha nasceu ai. Eu reclamava do sistema – afinal estava acostumada a ter o telefone celular do medico, aquele calor humano todo que ai não rola. Mas hoje, comparando, consigo ver o abismo que há entre os sistemas. São extremos! Acho que vou ter que me aposentar ai…..ai ai ai……Bj!

  13. Ann diz

    Monica, eu ja sabia que o sistema de saude dai era vergonhoso. Eh bom para as pessoas que pensam que os EUA sao a perfeicao no mundo em figura de pais, porque infelzimente eles estao longe disso, prova esta, a informacao que voce acabou de nos fornecer. Aqui na Inglaterra claro, eh de graca, nao se paga por muita coisa, mas tambem esta longe de ser perfeita. Eu que reclamava dos meus GPs em Londres, quando vim morar no interior pensava que iria ter um atendimento melhor, engano meu, aqui ainda consegue ser pior, os medicos da minha clinica so estao fazendo estatisticas e vivendo de aparencia e status, ajudar alguem pelo prazer de ajudar e como manda a boa e velha medicina, passa longe, portanto na maioria das vezes, usamos o seguro de saude, que decidimos fazer ha 10 anos. Claro que eh carissimo e com uma burocracia para que possamos usar inacreditavel. E o atendimento? Parece de filme, os melhores medicos, que claro tambem atendem no NHS (com consultas de 10 min e sem um pingo de paciencia) nos atende como se fossemos aristocracia, com pedidos para que todos os devidos exames sejam feitos (coisa que no NHS devido a crise e o corte nos custos) nao eh oferecido. Enfim, acho que nao ha lugar perfeito, apenas melhores ou piores. Otimo texto! :) xx

    • diz

      Oi Laise, tudo bem? Bem, so posso te dizer uma coisa: depende. Depende do estilo de vida, das condicoes financeiras. Eu acho aqui um excelente lugar para se morar. Nada neste mundo eh melhor do que poder sair na rua sem achar que voce sera assaltado na 1a esquina. Existe crime aqui? Sim, muito. Mas em outro nivel. Aquele medo constante que faz com que fechemos a janela do carro e nos incubramos nos vidros com insulfim, isso nao existe. E quando se tem filhos, isto faz uma grande diferenca. Entao, para mim vale a pena sim. Mesmo que o sistema de saude nao seja ideal (e no Brasil esta longe de ser ideal tambem, ne?). Obrigada por seguir o blog! Abraços

  14. Fernanda Burke diz

    Seu texto expõe de maneira real e simples a complicada realidade da saúde aqui nos USA. Eu moro em Chicago, e sou hipocondríaca, pelo menos era, porque ir ao médico aqui da medo, com o valor que terá que arcar depois. Eu só posso te aconselhar uma coisa, procure entender detalhadamente sobre o seu plano de saúde, porque muitas vezes vc pode entrar com um recurso sobre o valor que te cobram. Meu marido liga toda vez para o plano, para pedir recurso pq muitas vezes foge do valor correto, e aqui vc paga tax, fee, pra tudo, até pra respirar. Se v ñ reclama as empresas constroem seus milhões encima disso. E cuidado, com dermatologista, muitas vezes se vc vai com um intuito de cuidar de uma pele que ta ressecada, eh encarado como estética, se assim o médico encaminhar a conta, e o plano ñ cobrirá. É extremamente ridícula a saúde nesses país.

    • diz

      Oi Fernanda! Aquelas visitas aos dermatologista 2x por ano como no Brasil, para dar uma geral, nem pensar aqui! So quando vou ao Brasil. Eu sou como voce, tenho medo de ficar doente! Acabamos de receber os papeis com as mudancas para 2014, muita coisa para ler e entender. Obrigada!!

  15. Rovena FUndao de Freitas diz

    Monica,
    Vc falou TUDO sobre o sitema de saude americano, eh isso mesmo!!!! A melhor coisa eh ser saudavel por aqui, e nao precisar de emergencias, cobram uma fortuna!!!
    Parabens!!

  16. Ana diz

    Boa TARDE!! eu goste da matéria parabéns!! Preciso de uma luz rsrs vamos morar em Austins em agosto de 2014 e eu tive câncer de ovário e faço exames a cada 6 meses de sangue e raio x e ultras abdome total e tomografia e ressonância. estamos apreensivos sobre a cobertura e onde contratar o seguro de saúde . Meu esposo vai receber do governo federal 1.080 dólares para ele e eu como esposa não tenho direito antes tinha esse direito eles tiraram .. então eu preciso que ajude indicando um plano e se poderia me ajudar indicando o lugar onde faz esses exames e. veja o que pode fazer por mim. pois é muito difícil ir para os estados unidos mora por 1 ano e necessito fazer esses exames anuais. eu faço uma vez por ano ressonância , tomografia abdome com contraste. e a cada 3 meses faço ultra transvaginal, raio x, exame de sangue…ultra abdome total. No caso é assim: uma ressonância e cada ano e uma abdome total com contraste a cada ano então fica assim: eu faço uma ressonância e depois de 6 meses de ter feito a ressonância faço a do abdome total. por isso que explique que uma ressonância por ano porém depois de 6 meses da ressonância vem a tomografia de abdome. No aguardo querida. Deus nos abençoe!!

    • diz

      Ana, estou um pouco atrasada na sua resposta, mas vamos la. Os planos de saude aqui sao diferentes do Brasil e leva-se um tempo para entender como tudo funciona. Cada plano te oferece uma cobertura diferente – e com o que eles chamam deductibles. Quanto mais o seu deductible, menos voce paga por mes, mas vc vai precisar pagar mais do seu bolso ate a sua cobertura comecar. Exemplo: seu plano tem um deductible de 3000 dolares. Entao os primeiros 3000 dolares que vc gastar voce paga do seu bolso, e so ai o plano comeca a pagar. E isso eh valido para cada ano, ou seja, dia 1/janeiro de cada ano tudo eh zerado e comeca de novo. De uma olhada no site criado pelo ObamaCare para que vc possa comparar planos de saude. Mas ja te adianto que ninguem te da uma cobertura completa, mesmo com requisicao medica. Eu faco duas mamografias por ano, por recomendacao medica, mas meu plano so paga um! Boa sorte!

  17. Willyane diz

    Amei seu texto! Me ajudou muito na minha pesquisa. Vi um vídeo na faculdade que falava exatamente o mesmo.
    Eu via os EUA como uma referência… tão falado, tão elogiado… agora tenho outra visão! E ainda tem gente que reclama do sistema de saúde brasileiro! Sei que o Brasil precisa melhorar muito, mas comparando a um país tido como potência mundial, o Brasil está de PARABÉNS!!!
    E você também Mônica, pelo texto :)

  18. Fernanda Berretta diz

    Prezada Monica, achei seu blog num grupo do facebook e fiquei muito interessada no assunto de planos de saúde. Existe uma possibilidade remota ainda de minha família (eu, marido e 2 filhas) sermos transferidos para Huston. Uma das grandes duvidas é em relação a saúde da minha caçula, que é portadora de uma sindome rara onde necessita de fisioterapia motora, terapia ocupacional e fonoaudióloga com bastante frequência. Vc sabe por acaso como isso funciona ai? Aqui no Brasil RJ, tenho todo o tratamento dela reembolsado pelo plano de saúde da empresa de meu marido, que é fantástico, Cobre praticamente 100% de tudo que necessitamos e qualquer medico. Fico muito preocupada com a queda da qualidade e de ter que gastar muitos dólares em consultas e tratamentos que aqui não me custam. Mudar assim preocupa muito. Acompanho muitas crianças com a mesma síndrome da minha filha pelo EUA e noto a grande diferença entre elas, a minha se desenvolveu muito mais rápido. Pode ser pela quantidade de tratamentos diários feitos aqui. Se vc tiver alguma observação sobre esse assunto que possa me ajudar, eu agradeço muito.
    Um grande abraço,
    Fernanda berretta

    • diz

      Ola Fernanda! Primeiro, obrigada por acompanhar o blog! Sempre digo para as pessoas que me escrevem, que eh muito importante colocar os numeros todos em um papel para ver se vale a pena a mudança ou não. Ainda mais no seu caso, com uma criança que necessita de cuidados especiais. Cada plano aqui tem uma cobertura diferenciada. Se o tipo de cobertura de saúde for um fator decisivo para vocês, eu sugiro que vocês identifiquem qual o seguro saúde oferecido pela empresa aqui e obtenham uma copia do contrato para entender muito bem a cobertura. Mas adianto que você sempre terá custos extras, independente do tratamento da sua filha ser coberto ou não. No meu caso, por exemplo, temos um “deductible” de $ 3,000. Isto significa, em uma explicação bem simples, que os primeiros 3000 dólares que eu gastar no ano (que sempre começa em 1/1 e “zera” em 31/12) devem sair do meu bolso. Existe um numero limitado de sessoes de fisioterapia por ano, por exemplo, e o que exceder, voce deve pagar do bolso. Uma opcao tambem eh voce olhar no site que o Governo Obama criou, para que as pessoas facam cotacoes de planos de saude (healthcare.gov). Talvez voce encontre la informacoes sobre a cobertura oferecida a sindrome que sua filha tem. Mas sera a cobertura daquele plano em questao, nao necessariamente significa que o seguro que voce vai ter te dara a mesma cobertura. Mas por outro lado, Houston tem uma area medica de altissima qualidade, eh um centro de referencia mundial e isto pode ser bom para a sua filha. Se precisar de mais alguma coisa, estou a disposicao. Boa sorte!

      • Fernanda diz

        Monica, muito obrigada pela atenção! Irei pesquisar a fundo todas as opções. Espero que eu consiga tomar uma boa decisão quando chegar a hora! Vou te acompanhando!
        Um beijo!
        Fernanda

  19. Rayane diz

    Olá Mônica entrei no seu blog através de buscas sobre o sistema de saúde nos USA pois estou indo embora pra Nova York meu marido é americano e fiquei um pouco desanimada com essa questão, pois temos dois filhos, um inclusive com deficiência e aqui no Brasil ele faz tratamento no hospital Sarah uma referência nacional. E isso é porque temos os USA como melhor em tudo hein… espero que consigo viver ai com minha família.

    • diz

      Rayane, em NY você vai encontrar excelentes médicos e referencias para tudo (especialmente em Manhattan), mas o seguro saúde eh que eh o problema. Para reles mortais que não tem milhões na conta bancaria, é preocupante. Pesquise bastante qual o tipo de plano que vc vai ter, entenda os limites. procure por médicos in network (médicos credenciados pelo plano) que você economizara (ou melhor, gastara menos). Veja se a empresa em que vc ou se marido trabalhe oferece um health savings account – uma poupança tax free para usar com saúde. Enfim, precisando, estou por aqui! Boa sorte! Existem outras coisas muito boas por aqui e certamente vai oferecer uma experiência única para seus filhos.

  20. diz

    Mônica adorei seu depoimento,pois aqui no Brasil o que mais se vê são críticas sobre o SUS, o programa é bom,se não fossem os desvios de dinheiro seria excelente,mas o povo mesmo assim vive só criticando…

  21. Msria Clara diz

    Monica otimo seu comentário; meu sobrinho é soro positivo e faz todo tratamento gratuito no sus porem ele colocou na cabeça que quer ir embora pros EUA pois recebeu um convite de uma amiga para ir morar com ela, mas no caso ele entraria como turista e depois tentaria renovar o visto porem ele disse que nao vai dizer em nenhum momento q é soro positivo estou super preocupada porq nem os coqueteis q ele toma aqui ele quer levar com medo de ser pego ai, bom neste caso ele corre um risco tremendo né ? Pois o governo americano nao vai cuustear os anti retrovirais q ele toma é muito menos a bateria de exames e as consultas que aquu ele faz a cada 5/6 meses. Vc sabe me dizer se ele teria alguma chance ai ? Pois morro de medo dele morrer ae por falta de tomar as medicações e com isso sua resistência diminuir e ele nao ter atendimento médico por ser imigrante e também provavelmente quase um ilegal pois ele vai como turista pretendendo morar e ajeitar a vida. O que me diz sobre as posibilidades dele ? Aguardo retorno pessoas do blog com comentários, podem ser realistas pois quero mostrar a ele as opiniões de quem mora ai e sabe da realidade .

    Obrigada Beijos

    • diz

      Olá M. Clara, tudo bom? Vi seu comentário e dúvidas e decidi dividir com você um pouquinho do meu conhecimento sobre a situação da saúde nos EUA.

      Ano passado, houve uma reforma no sistema de saúde americano. Essa reforma basicamente obriga todas as pessoas que vivem nos EUA legalmente a terem um plano de saúde. No entanto quem mora ilegalmente nos EUA não pode ter plano de saúde, pois não consegue se registrar para comprar, e também não recebe assistência do governo.
      Na verdade, aqui nos EUA não há um sistema de saúde público (como o texto explica) como há no Brasil. Tudo aqui é pago!
      No estado onde eu moro, o Missouri, para ter plano de saúde, tem que estar morando aqui legalmente.

      Em alguns lugares aqui nos EUA existem ONGs (como a Puentes de Salud) que tem prestado assistência para imigrantes ilegais que precisam de assistência, mas mesmo assim o serviço é cobrado. Eles cobram bem menos, mas cobram. Muito imigrantes ilegais fazem tratamentos básicos através dessas ONGs, no entanto, quando o tratamento é mais específico, como no caso do seu sobrinho, as coisas se tornam mais complicadas.
      Existem programas em alguns estados (Emergency Medical Assistance Program) que dão assistência a imigrantes ilegais quando o caso é de risco de morte, no entanto, não há garantias de que seu sobrinho irá ser aceito em um desses programas, e conseguirá fazer o tratamento necessário para soro positivo. Existem mais de 11 milhões de imigrantes ilegais nos EUA atualmente, e estes programas não conseguem atender a todos eles.

      Existe uma ilusão MUITO grande de que tudo aqui nos EUA é melhor do que no Brasil. Nosso sistema de saúde pública no Brasil apesar de deixar muito a desejar, pelo menos existe e dá sim assistência a muitas pessoas. Aqui não existe isso.
      Fora a questão da saúde, estar aqui ilegalmente reduz muito as opções do imigrante. Em muitos estados não tem como tirar carteira de motorista, fazer faculdade, etc. É algo MUITO complicado.

      Se seu sobrinho souber ler em inglês, repasse esse link a ele: http://www.huffingtonpost.com/2014/01/28/undocumented-immigrants-health-care_n_4679348.html
      O link contêm informações sobre o sistema de saúde dos EUA. Espero ter ajudado. Boa sorte!

    • diz

      Ola Maria Clara! Imagino que seu sobrinho tenha um sonho de viver a vida aqui nos EUA. Mas diga a ele que a vida aqui não é filme de Hollywood não! E na área de saúde, eu acho que está longe de ser um filme de Hollywood daqueles felizes! Como eu escrevi no texto, saúde aqui custa muito! Mesmo para quem é um imigrante documentado e com seguro saúde, gastamos parte do orçamento com saúde. Achar que ele vai conseguir se tratar nas mesmas condiçoes dai, é loucura!. Alias, eu considero loucura imigrar para um país e se tornar um imigrante ilegal. Muita gente pode dizer por ai que veio e se “seu bem”, mas pouca gente conta todo o sofrimento de viver as margens da sociedade – sem tirar carteira de motorista, sem poder ter nada em seu nome, temendo ser pego em uma blitz da policia. Existem alguns centros que dao atendimento a pacientes que nao podem pagar, indigentes, etc (mas normalmente nunca eh 100% gratuito) – mas como HIV positivo eu diria que é loucura largar o atendimento que ele tem ai e se mudar para ca. Boa sorte, espero que os comentarios aqui do blog o ajudem a tomar a melhor decisao.

    • diz

      Oi Maria Clara,
      Olha, acho prudente seu sobrinho avaliar todas as possibilidades antes de embarcar numa aventura não muito divertida.
      Mesmo que seu sobrinho entre legalmente nos EUA, e daí tente mudar o visto, não é nada garantido que consiga. Porém, algo que ele deve saber é que no momento que for adquirir um plano de saúde, é bem provável que ele não seja aceito se declarar que é soro-positivo. Só que também não pode mentir porque poderá responder por isso criminalmente.

      Outra coisa, dependendo do tipo de visto que ele tentar (vamos supor que arrume um casamento aqui), terá que ser avaliado por um médico e este é indicado pelo departamento de imigração.
      Não aconselho ninguém viver aqui ilegalmente, se é complicado com todos os direitos possíveis, na minha opinião, seria extremamente complicado vivendo ilegalmente.

      Boa sorte.

  22. Rui Benites diz

    Monica meu nome é Rui Benites e moro em SP. Sabe quanto custa meu plano de saúde Sul America aqui? US$ 36 mil dolares por dois anos, e ai esta em média US$ 18 mil…aqui esta 100% mais caro!!

    • diz

      Rui, alem do custo mensal, aqui voce precisa se preocupar com os custos extras, out of pocket. Alem da parte nao coberta, o deductible. Entendo que no Brasil a coisa nao eh maravilhosa, mas a minha intenção com o texto foi esclarecer que aqui tambem não eh o paraiso!

  23. Patricia diz

    Olha, tô achando tudo isso horrível! ninguém escolhe querer ficar doente, simplesmente acontece. No Brasil, os bons planos de saúde também são caros, porém cobertura é total. Vc pode ir quantas vezes quiser ao médico, não há limites, tampouco para exames. tenho três filhos e os tês nasceram no Hospital Santa Catarina, SP. os dois últimos cesárias, com permanência na UTI neonatal. Não tirei um tostão do bolso. o Convênio pagou tudo. A saúde publica está ruim, porém, a pessoa não fica sem atendimento.

  24. Adriana diz

    Oi, Monica!
    Parabéns pelo blog!!

    Por favor, como somos brasileiros e o blog, me parece direcionado a barsileiros, nos tire uma dúvida. Neste mesmo ranking que os EUA ocupa a posição 37, em qual posição está o nosso Brasil?

    Desde já, muito obrigada!
    Adriana

  25. Adriana diz

    Por favor, Monica, se possível, também gostaria de saber o nome dessa pomada de $502 nos EUA e R$98 no Brasil que você citou no texto.
    É que sempre que comprei remédios ou vitaminas nos EUA paguei bem mais barato que aqui no Brasil.
    Eu tenho dores nos joelhos que nunca nenhum médico no Brasil conseguiu resolver. Um vez nos EUA, conversei com um amigo que vive lá, um ex-jogador de futebol que parou de jogar aos 28 anos por problemas no joelho. Hoje, ele com 53 anos diz ter o joelho mais forte e sem dores de quando tinha 28… simplesmente tomando Osteo Bi-Flex.

    Eu comprei Osteo Bi-Flex em viagem aos Estados Unidos e paguei $12,99 cada embalagem de 60 capsulas. No Brasil, quando consegui encontrar paguei R$256,00 pelas mesmas 60 capsulas!

    Nos EUA 60 Cápsulas = $12,99 (equivalente a 1% do salário mínimo do americano)

    No Brasil 60 Cápsulas = R$256,00 (equivalente a 35% do salário mínimo do brasileiro)

    Resumindo: Seu texto é bem e ajuda as pessoas entenderem um pouco de como o sistema se saúde funciona por lá, mas cada caso é um caso, sempre!

    E mais, tirando saúde e estudos, praticamente todo o restante nos EUA é bem mais barato que no Brasil. Então, é preciso que se coloque tudo na balança para que a comparação ou reflexão seja mais justa e completa.

    De fato, o sistema de saúde e alguns outros precisa melhorar muito nos EUA, assim como na maioria dos países. Mas, por ser a maior potência do mundo, deveria ter um sistema de sáude melhor… é uma indústria forte, assim como a do ensino e que são controladas pelos judeus, em sua maioria… isso explica muita coisa em relação aos altos custos, sabemos disso!

    Eu só acho que precisamos parar de comprar EUA com Brasil e vice-versa… Os pontos fracos dos EUA, a crise dos EUA, etc… devem ser comparadas com o próprio EUA ou com países similares, como Canadá, por exemplo.
    A comparação com Brasil não cabe… é muita distância de um para outro!

    Abraço

    • diz

      Adriana, nao tenho o nome do remedio aqui comigo, mas posso te garantir que alguns remedios saem mais baratos no Brasil. Aqui o preco que voce paga vai depender muito do tipo do seguro que voce tem.
      Vitaminas realmente sao muito mais baratas aqui, eu sempre compro e levo para minha mae no brasil e sai MUITO mais barato (alias, compro sempre o Osteo Bi Flex!). A intenção do texto, Adriana, é levantar a questão que a saúde aqui nos EUA está longe de ser a melhor do mundo e que é muito cara – fato que muitas pessoas desconhecem. E juntamente com vários outros textos escritos sobre os EUA por mim e outras colaboradoras, os leitores podem ter material para fazer uma comparação – agora eu acho impossível não compararmos com o Brasil – assim como com outros paises onde morei. Independente das diferenças gritantes!
      Feliz Ano Novo!

      • Adriana diz

        Oi, Monica!
        Agradeço por me responder…

        Eu conheço bastante os Estados Unidos, sei que saúde e educação não acompanha todo o resto no país, praticamente tudo é muito acessível, saúde e educação menos.
        Mas, como aqui são brasileiros discutindo, acho que a comparação em termos gerais com o Brasil totalmente necessária, neste ponto os EUA ainda são os EUA… no geral, não se compara muito ao Brasil não!

        Eu, particularmente, nunca ouvi falarem em canto algum que a saúde nos EUA era a melhor do mundo! Me desculpe se estou desinformada, mas nunca ouvi isso não!!

        Na verdade, tem pouca coisa nos EUA que é melhor do mundo, mas isso também é muito dependente do ponto de vista. Afinal, praticamente todos os países que ocupam os primeiros lugares em tais índices, são países absolutamente menores, com populações incomparáveis a dos EUA ou Brasil, por exemplo. É muito mais fácil você ter bons serviços em países menos populosos.
        Nos EUA por exemplo, só os milhões de imigrantes já superam a população inteira de muitos outros países.

        Mas, enfim… é um debate sem fim, onde vários ângulos de análise poderiam ser expostos mais a fundo, possibilitando uma real avaliação.

        Como isso não costuma ser muito possível pela web… eu, sendo brasileira, vivendo no Brasil, comparo, neste caso, os EUA com o Brasil.

        Lá o IDH e a expectativa de vida são bem maiores que no Brasil. Então, se lá ou aqui temos um melhor, mais barato ou mais efetivo sistema de saúde, não teremos como afirmar sem aprofundar no tema… ficamos com o fato básico que é o que realmente vale para nossas vidas. Qualidade e expectativa de vida nos EUA são melhores que no Brasil, isso já diz muita coisa!

        Um forte abraço,

        Adriana

        • diz

          Ola Adriana, obrigada por contribuir com estas informações, vai ajudar o leitor que, diferente de você, ainda acha que os EUA tem tudo de melhor, incluindo o sistema de saude! Um feliz ano novo para voce, com muita saude!

  26. diz

    acho de deve ser por isso que muita gente nao trabalha pq se ganhar mais ou menos ja e considerado classe media ai so sendo classe media e tendo que gastar dinheiro com saude ja pesa no bolso ,,,e melhor ficar sem trabalhar e declarer pobrea ai nao da pra ser meio termo ,foi o que me pareceu a nao ser que a pessoa tenha uma saude de ferro

    • diz

      Acho que para quem esta no limite entre classe media e classe baixa realmente deve ser dificil. Mas usar o sistema de welfare de forma incorreta também não melhora em nada a situação para ninguem, nao eh mesmo?

  27. Tatiane diz

    Olá!!! Achei super interessante seu post!
    Me mudo para os EUA no meio deste ano e gostaria de saber se alguém tem algum indicação de seguro-saúde por ai! Só acho seguro viagem!
    Obrigada

    • diz

      Ola Tatiane. O site do governo healthcare.gov tem varios para voce escolher. Mas os precos variam por Estado, então vc precisa colocar um Zip Code. Existem vários, Aetna, Blue Shield, etc. Muitas empresas oferecem aos seus funcionários, veja se este não eh o seu caso! Boa sorte!

  28. fernando diz

    Li tudo, mas apesar do que foi comentado, você prefere morar por ahi do que viver aqui no no Brasil, aqui nada funciona a menos que você seja endinheirada. Para mim esses US$ 8000 valem mais do que o Sus ou outra alternativa Brasileira.

  29. Carlos diz

    Oi Monica, tudo bem?

    Li seu texto “EUA – Saúde: Direito de todos e dever do Estado? Aqui, não!”, gostei de ler as impressões de uma brasileira sobre o Sistema de Saúde Americano e quanto ele é caro e varia dependendo do seu seguro. Sei pouco sobre o Sistema de Saúde dos EUA, tenho acompanhado algumas coisas sobre o Obamacare e pude ver a palestra num grande Hospital de São Paulo de uma pessoa que auxiliou na formulação do Obamacare. Esta semana li um texto do roubo de dados de seguros de residentes dos EUA por hackers chineses, eles estão vendendo os dados para americanos que não possuem seguros. O link é http://www.computerworld.com/article/2491334/cybercrime-hacking/why-would-chinese-hackers-want-us-hospital-patient-data.html ou procure por Why would Chinese hackers want US hospital patient data? Está no site da computerword.com

    Sabemos que aproximadamente 50 milhões de americanos não possuem seguro de saúde.

    Eu sou recém formado em economia e estou dirigindo meus estudos para Economia da Saúde e Farmacoeconomia, tenho contato com professores de economia da saúde do Canadá e me explicaram como funciona o sistema lá, muito diferente dos EUA.

    Gostaria de escrever mais neste espaço, se possível, e também manter contato contigo.

    Um abraço

    Carlos

    • diz

      Ola Carlos, realmente o sistema aqui é bem complicado e o pior, caríssimo. Tenho certeza que existe muito material para que você use e aprofunde seus estudos. Quanto à escrever no blog, de uma olhada no menu, “colabore”, la você poderá obter informações sobre como colaborar. E claro, continue lendo os textos e comentando – estamos à disposição aqui! Obrigada! Monica

      • Carlos diz

        Oi Monica,

        Eu vou a medida do possível comentando e se permitir colocando links para textos e estudos na área da saúde. Dei uma olhada no colabore, no entanto, eu moro no Brasil e em São Paulo! O colabore é para brasileiros que moram em outros países.

        No entanto, eu gostaria de compartilhar as informações que tenho, pois estou em contato com a área de economia da saúde no Brasil e também ler as suas postagens, pois quem está em outro país sabe como funciona o sistema na prática e pode escrever sobre sua experiência.

        Eu quero compartilhar um texto sobre o básico do sistema de saúde em alguns países, acredito que ele pode auxiliar na comparação dos benefícios.

        Sabemos por pesquisas que a saúde e segurança são os pontos que o brasileiro destaca como suas principais preocupações!!!

        International Profiles Of Health Care Systems
        (Australia, Canada, Denmark, England, France, Germany, Italy, Japan, The Netherlands, New Zealand, Norway, Singapore, Sweden, Switzerland, and the United States)

        Leia em: http://www.commonwealthfund.org/~/media/files/publications/fund-report/2015/jan/1802_mossialos_intl_profiles_2014_v7.pdf

        Até

        Carlos

          • Carlos diz

            Oi, Monica,

            Vi seu blog, muito bacana! Vou ler com calma os textos, acredito que é bom ler o relato das pessoas que vivem no local. Os dados que tenho são acadêmicos, mas não conheço os países do documento que enviei. É bem complexo o sistema de saúde de cada pais, este sistema está relacionado com questões históricas, políticas e econômicas. Cada país foi cirando seu sistema de saúde e claro que muitos se inspiraram nos já existentes. Como o site visa o público brasileiro e querendo ou não sempre faremos comparação com nossa país, acredito que seja de grande importância saber bem como funciona o sistema de saúde do Brasil, como o SUS e a iniciativa privada de planos de saúde surgiu. Parece algo sem grande importância, pois moramos e crescemos aqui, mas muitos desconhecem a sua própria história. Não sei exatamente o motivo de não darmos valor ao nosso passado, diferente de outros países que ressaltam a história do seu povo. Ressaltamos a beleza da natureza, as festas, a alegria do povo, mas a nossa cultura fica um pouco apagada.

            Eu tomei contato com essa área a cerca de 4 anos através de um conjunto de eventos na minha vida, aliás, meu primeiro trabalho quando ainda estava na graduação foi no Departamento de Psicologia da Universidade que estudei e que estava dentro de um projeto maior do Departamento de Medicina. Nessa época eu estudava na escola de cinema e trabalhava na parte de comunicação do projeto. Anos se passaram e voltei a estudar e foi a economia meu novo caminho, e acabei optando pela economia da saúde! Hoje estou nesse caminho, mas pode ser que eu vá para matemática…rsrs

            Só percebi trabalhando com profissionais da saúde, que este não conhecem a origem do seu sistema de saúde tanto o público como privado, embora estejam todos os dias trabalhando nessa área. Aliás, isso foi mencionado pelos meus chefes que são médicos, principalmente, sobre o SUS. Muitas escolas não possuem aula de saúde pública, porém 76% dos brasileiros dependem dele, pois o privado ocupa 24% do total. Em geral, os planos são benefícios das empresas, planos coletivos e alguns são de contratação direta (estão sendo extintos). Existem algumas associações que a maior parte dos brasileiros desconhecem como Economia da Saúde, IDEC (- Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), ABRASCO (Associação Brasileira de Saúde Coletiva), Apsp (Associação Paulista de Saúde Pública)… que podem auxiliar a compreender e utilizar o sistema público e privado. Há um conjunto de informação que não chega à população.

            Se não conhecemos o nosso sistema de saúde como podemos fazer uma comparação com outro?

            Gostei muito da sua inciativa de compartilhar seu conhecimento em relação funcionamento e custo dos seguros de saúde e custo de se morar nos EUA, pois já morou em diversos lugares! Vou ler os demais textos do seu blog em breve.

            Quando tiver tempo, leio texto sobre os sistemas de saúde que enviei, vai notar algo bem significativo entre o Canadá e EUA, depois leia sobre a França, pois é considerada um dos melhores sistemas de saúde. Se tiver tempo e gostar passe pelos países escandinavos, Inglaterra, Alemanha e Austrália, Vai notar significativas diferenças! São todos países desenvolvidos, mas com politicas de saúde bem distintas. Qual é nosso maior bem? Hoje acredito que seja minha saúde, pois sem ela não consigo trabalhar, estudar, ajudar meus familiares e também desfrutar das boas companhias, paisagens e boa música do Brasil.

            Se puder, eu gostaria de ler o guia de utilização que mencionou sobre o seguro de saúde dos EUA. Acredito também que seja bem difícil entender, pois são muitos e distintos. A regulação e concentração dos dados, segurança deve ser bem difícil. No texto sobre os chineses que roubaram dados dos seguros de saúde do EUA menciona exatamente isso, muitos seguros e eles não podem trocar dados devido ao sigilo e legislação americana de proteção aos dados dos assegurados. Isto proporcionou uma possibilidade de se fraudar, mas fico imaginando para a pessoa que precisa escolher um dos milhares de planos com muitas especifidades referente a cobertura, co-participação…. Difícil, pois envolve muitas áreas de conhecimento.

            Se puder me enviar textos, artigos, guias de utilização de planos de saúde dos EUA… eu agradeço!

            Por último, lembrei de um filme que gosto muito Rainmaker do Coppolla que mostro o caso de uma seguradora de saúde dos EUA, até onde eu sei é um caso verdadeiro e foi inspirado num livro que se encontra facilmente na Amazon. Você de ter visto o filme SICKO do Michael Moore sobre o sistema de saúde nos EUA e a comparação com outros países, o disco extra tem entrevista e extras que são ótimos! Quando tiver lido o texto básico sobre sistemas de saúde em diversos países o documentário pode se tornar um pouco mais interessante, pois poderá concordar ou discordar dos depoimentos do filme.

            Abraço

            Carlos

          • Carlos diz

            Oi Monica,

            Escrevi rapidamente a mensagem anterior, desculpe-me pelos erros! Estava correndo aqui com provas do mestrado.

            Quero mencionar que meu intuito é de compartilhar o pouco que sei e receber informação de quem está fora Brasil, acredito que essas informações contribuem com minhas leituras. Se em algum momento fui direto foi com intenção de resgatar a importância da história do Brasil e seu papel na economia global.

            Encontrei um site de uma brasileira que mora atualmente na Alemanha e li os relatos dela sobre a saúde, muito interessante!

            Serie SUS – Por que o SUS hoje é assim?

            https://www.youtube.com/watch?v=wV_SPOJfqgk

            Um abraço

Trackbacks

Deixe uma resposta