Vida cotidiana no Líbano

80
4602
Advertisement

Quem casa com estrangeiro, está fadado algum dia, a ir para o país de origem do cônjuge, para conhecer a família, a cultura e os costumes. Comigo não foi diferente. Após 10 anos de casamento, eu mudei para o Líbano.

Ao chegar, optei pelo inglês, como idioma de sobrevivência, por ser um idioma internacional, e de fácil aprendizado. Devido à barreira do idioma, minhas filhas não puderam entrar na escola, e precisaram estudar em casa com professor particular, até o ano letivo seguinte.

Nas escolas do Líbano o programa é lecionado em árabe, e com duas opções de educação: inglesa ou francesa. Na educação inglesa, o conteúdo é em inglês e árabe, e o francês é um idioma opcional. Na educação francesa, o conteúdo é em árabe e francês, e o inglês é opcional. Todos os libaneses falam os três idiomas, mas dependendo da educação escolhida na infância, a pessoa será mais fluente, em francês ou em inglês.

O árabe é uma língua muito difícil, existe o árabe clássico (falado em telejornais) e o árabe popular (falado na rua). E ainda, para complicar, o árabe escrito é diferente do falado, e o árabe falado no Líbano é diferente do falado nos demais países árabes, por causa da influência francesa, quando o país esteve sob o protetorado da França.

Sem falar nos dialetos regionais, e as formas faladas para o homem e mulher, que também mudam. Dá para se virar apenas em inglês, mas não é fácil, pois nem todos os libaneses são fluentes em inglês, visto que a maioria teve educação francesa. E isso, às vezes, dificulta a comunicação.

O custo de vida no Líbano é alto, mas os impostos sobre produtos importados não, o que permite o acesso a produtos importados por um preço mais acessível. E o Líbano importa de tudo. Em virtude dos quase 20 anos de guerra civil, o país está constantemente se refazendo (houve outros conflitos após o fim da guerra civil, como o de 2006, com Israel), além de enfrentar os diversos problemas e conflitos internos também. Isso favorece as importações, visto que o Líbano não possui muitas indústrias, de produtos diversificados, e acaba importando quase tudo. Carros considerados de luxo no Brasil são trazidos dos EUA, sem taxas de importação tão abusivas, o que reduz o seu custo final para os consumidores.

 

O país sofre com falta de eletricidade (resquícios da guerra civil), e todos possuem geradores de energia em casa, além da eletricidade do governo. Aqui se paga duas vezes pra ter luz: se paga a eletricidade do governo, e a fornecida pelos proprietários de motores geradores de energia. A infraestrutura ainda tem muito a melhorar. As estradas são razoáveis, mas não estruturadas e cuidadas, como as administradas por concessionárias no Brasil. Não tem pedágios, mas também não tem polícia rodoviária, ou ambulância. Também não tem radares (dizem que tem, eu nunca vi), e o índice de mortes por acidentes é altíssimo. Ninguém respeita os limites de velocidade, as leis de transito, não usam cinto de segurança, dirigem alcoolizados, e sempre digitando no celular.

O transporte coletivo é precário e obsoleto. Existem mais ônibus particulares, velhos e mal cuidados, como opção única, do que os ônibus do governo, que eu também nunca vi.

Em toda a costa do país existem restaurantes, hotéis e resorts. Famosos por sua hospitalidade, os estabelecimentos libaneses voltados à arte de receber, realmente são muito bons, mas não existe acesso livre às praias, que são pagas. O sistema de saúde é sofrível, atendimento público até existe, mas até se cumprir as exigências burocráticas, o paciente já morreu antes de dar entrada na emergência.

Existem convênios médicos, e atendimento particular. Entretanto, a diária num hospital particular, sem cirurgia e tratamento de emergência, não sai por menos de US$1.500,00. Quem não tiver cheque, ou puder pagar isso de surpresa, não é atendido.

Existem muitos profissionais e equipamentos defasados, precisando de reciclagem e modernidade, e alguns médicos parecem desatualizados sobre técnicas e tratamentos modernos de medicina. O índice de erros médicos e diagnósticos errados, que leva o paciente à óbito, também é alto. Mas o médico fica impune e o caso abafado. A pessoa enterra seu familiar, e ele continua clinicando, como se nada tivesse acontecido. Existem médicos e hospitais muito bons também, não vou generalizar, mas há centenas de casos absurdos, que ficaram impunes (qualquer semelhança com o Brasil é mera coincidência).

O ensino no Líbano é muito bom, ao término dos estudos, o formando sai da faculdade com o diploma, e fluente em três idiomas, o que deveria abrir muitas portas de trabalho. Porém, a oferta de empregos é escassa, e quem não tiver condições de abrir seu próprio negócio, fica desempregado, ainda que tenham uma excelente formação acadêmica.

Muitos graduados saem do Líbano para trabalhar no exterior, mas os que não possuem condições ficam à espera de uma oportunidade. A entrada de mais de um milhão de refugiados sírios no país, deteriorou a economia, o turismo e aumentou o desemprego. A mão de obra barata dos sírios, e baixos salários, também contribuem para isso.

Limpeza também é um fator problemático. O libanês tem o hábito de jogar tudo para fora de suas janelas (seja do carro ou residência). O país não é limpo, o povo não é educado, organizado, com consciência ambiental e ecológica. O nível de poluição em Beirute é 2/3 acima do limite global, e apenas uma minoria se importa com isso, porque ninguém sai sem carro (em média, cada família possui no mínimo, dois carros).

Programa de reciclagem é nulo, até existem algumas boas iniciativas de algumas ONGs, mas nada que atinja uma participação coletiva, ou que receba apoio nacional. As águas do mar mediterrâneo são impróprias para banho na maior parte do país.

As grandes cidades sofrem com centenas de problemas, e os vilarejos de montanhas, embora ofereçam uma qualidade de ar e de vida, mais pura e limpa, não têm muita infraestrutura também. O país é lindo, e teria tudo para ser muito melhor, mas infelizmente, o Líbano é muito mal administrado, mal cuidado, e carente de milhares de melhorias e mudanças, em vários setores.

80 Comentários

    • As semelhanças entre Brasil e Líbano em muitos aspectos, apesar de termos duas culturas completamente diferentes, é imensa Joy. Mês que vem tem mais!! rssrsrs… Obrigada pelo feedback!

  1. Oi Cláudia, vc descreveu este país de uma forma fácil de compreender e a gente até consegue imaginar cada ponto que vc se refere. E sim, tem muita coisa parecida ao nosso Brasil. A impressão que eu tive, foi que se a educação que os libaneses recebem é tão boa, menos mal, pelo menos com isto o país se preocupa. Quem dera que nossos alunos das escolas públicas aprendesse ao menos a língua portuguesa.

    • Obrigada Nali, que bom que tenha gostado. Realmente Brasil e Libano tem muito em comum, embora nao se imagine isso, em virtude da diferença cultural dos dois países. E realmente, eles valorizam muito o curriculum acadêmico aqui. As crianças estudam muito, até crescerem, depois se formarem e terminarem a faculdade.

  2. Cláudia, adorei seu texto. Super honesto. Acho bem hard core olhar assim para o país que vivemos; as Filipinas, onde moro, também tem problemas imensos por causa de um governo corrupto. Triste… Mas parabéns e bem vinda ao BPM! Beijos

    • Obrigada Tatisato! A corrupção é mais um mal que assola diversos países, infelizmente. Quando vivemos no Brasil, achamos que só lá tem coisas ruins e negativas, mas ao vivermos no exterior, percebemos que cada lugar tem seus problemas também. Aqui o pessoal não gosta muito de falar desse lado não…rsrsrs… Mas eu falo! A proposito, tem muitas expatriadas Filipinas vivendo e trabalhando aqui. Coitadas, a grande maioria delas, passa por cada situação aqui… Ainda vou abordar esse tema, futuramente. Beijosssss

  3. Muito interessante seu texto, Cláudia! Fiquei curiosa pra saber quanto tempo estás morando aí e se pretende ficar mais tempo ou queres voltar para o Brasil. Beijos!

    • Obrigada Cíntia! Realmente, o Líbano tem muitas coisas em comum com o Brasil. Em alguns momentos, as duas nações parecem ser irmãs (gêmeas)…rssrsrsrsrsrs… Bjsssssssssss

        • Olá Maria!
          Até onde eu sei, nao sao todas as familias que seguem esse protocolo de pagar o dote de casamento, mas pelo que eu ja vi, a familia do noito paga o dote, e a familia da noiva providencia a festa de casamento. Mas isso nao é uma regra que deve ser seguida a rigor, ja vi e ouvi, diferentes situaçoes relacionadas a casamentos.
          Bjssss

  4. Cláudia , parabéns pelo texto eu adoreii!!
    Como muuuitos dos brasileiros, sou também descendente dos libaneses mas infelizmente com pouco conhecimento de lá. E aquela história do Líbano ser uma Suíça, já era pelo visto né?!
    Nossa mas fiquei surpresa com um monte de coisas, confesso decepcionada. Pensei que lá fosse limpo, que fossem civilizados etc e tal. rs…..
    To louca para os próximos posts!! E sobre os refugiados, este momento é delicado para os turistas ou não mudou em relação a isso?
    bisous

    • Bonjour Ana Lozon!
      Eu creio que a fama de “Suíça do Oriente” ficou apenas na lembrança das pessoas na década de 70, antes da guerra civil, atualmente, há quem ainda tente convencer que o país ainda carrega essa fama, mas de fato, ela já não existe mais. Essa decepção é compreensível, eu quando cheguei aqui também tinha uma imagem do Líbano, e aos poucos, fui despindo os véus da fantasia e fui vendo o que ninguém nunca me falava sobre o país (e sobre a sociedade tbm). O downtown de Beirute e algumas áreas mais luxuosas, mas que também tem um certo apelo turístico, até se encontra limpeza, mas saindo da rota turística, a realidade é outra.
      Com os refugiados, muitos problemas vieram junto, inclusive o aumento da criminalidade, como assaltos, furtos, vários delitos de diversos gêneros. Mas não apenas os refugiados sírios cometem crimes aqui. Tem muitos casos escandalosos, e até crimes hediondos, envolvendo libaneses. Mas aqui existe um estigma de acusar, indiciar, julgar e sentenciar os sírios, antes mesmo de se atear a todo o conteúdo do crime.
      E muitas vezes, ao termino de uma reportagem policial a pessoa cheia de pedras contra os refugiados, se choca ao saber que o criminoso era um libanês. Existem três tipos de refugiados sírios no Líbano: os pobres, que vivem em péssimas condições e vivem de ajuda da ONU, os ricos, que se misturam entre os libaneses e você nem percebe, e os que tem condições de alugar um imóvel, abrir um pequeno negocio ou arrumar um emprego e vivem independentes. E ainda tem os criminosos terroristas também, que cruzam a fronteira para o Líbano, se infiltram entre os refugiados flagelados, e depois se isolam em regiões do país e ficam à espera de ordens para plantar carros bomba no país. Esses estão em silencio desde o inicio do ano, graças a Deus, até porque as forças de segurança do país desmantelou e prendeu alguns grupos.
      Enfim, continue antenada no blog, a cada postagem, eu vou falando um pouquinho mais sobre o Libano.
      Obrigada pelo feedback!!! Beijossssss

  5. Eu que moro neste pais ha mais de 23 anos,concordo com as observacoes da Claudinha.Na area de turismo,que eh a minha! vivemos uma triste realidade.Desde de 2006,por ocasiao da guerra Libano e Israel,estamos com deficiencia na area turistica e agora agravado com a invasao de refugiados sirios!Mas nada que nos tire a esperanca de um dia poder desfrutar deste pais,que apesar de tantos conflitos,continua lindo.parabens Claudinha pela materia!

    • Obrigada ZIlda pelo feedback!! =D

      Zilda Naves é a guia de turismo brasileira aqui no Líbano, e a guia oficial da Marinha do Brasil, que está no Líbano, em missão de paz sob a égide da UNIFIL- ONU.

      • Necessito do contato dela. Vou ao Líbano sozinha quero uma guia de preferência meu marido é ciumento, árabe né! kkkk, q fale português =D

  6. Sou casada com filho de Libaneses e mãe de descendentes, porem, nunca tive vontade de conhecer o Líbano.; Talvez por conhecer bem os libaneses. Apesar de considerar os Libaneses muito trabalhadores e esforçados acredito que o conservadorismo é o maior obstáculo para que eles melhorem o pais. Admiro muito a sua coragem.

    • Marlene, eu acho que vale a pena vc visitar, apesar dos infinitos problemas existentes nesse país, ele possui suas belezas, sua historia milenar, sua cultura e gastronomia rica. O conservadorismo é inevitável, a sociedade libanesa daqui, se intitula a mais ocidentalizada e moderna, o que de fato é verdade, em relação aos outros países árabes, mas eles tropeçam e recuam feio em diversos temas, expondo explicitamente o conservadorismo que ainda carregam.

      Nao creio que isso mudará, porque como eu disse anteriormente, o Líbano é um país confessional, e todos seguem a risca as tradições e costumes impostos por suas religiões. Quem vem pra visitar, não topa com isso, porque os libaneses sabem como receber e tratar muito bem os seus hóspedes, quem vive no país é que tem que lidar com isso, entende? Amadureça a ideia de um dia visitar, você vai gostar!! =D

  7. Olá Cláudia!!!
    Inicialmente gostaria de te dar os parabéns pelas postagens, há algum tempo venho buscando informações com esse “quê” de realidade acerca do Líbano, sem sucesso…
    Sempre fui fascinado pela cultura árabe, aproveitando uma boa oportunidade, decidi conhecer Beirute, segundo relatos, a mais ocidental das capitais do Oriente Médio, em novembro desse ano, será uma breve visita entre os dias 25 e 28.
    De maneira que, ficaria realmente grato se você pudesse fazer recomendações do que fazer, onde se hospedar, o imperdível e o dispensável da cidade de Beirute e arredores, sempre impondo a sua opinião pessoal como residente local…
    Sei que a priori esse blog não se restringe a assuntos turísticos, mas dada a especificidade local e diante do seu conhecimento in locu da situação, tenho certeza que suas dicas ajudariam sobremaneira aqueles que desejam conhecer esse pais tão diferente, mas que ao mesmo tempo tão próximo de nós brasileiros…
    Toda e qualquer informação será bem-vinda, em especial no que tange a questão de locomoção interna, como transfer entre hospedagem e o aeroporto, além de questões climáticas e até mesmo políticas…
    Congratulações mais uma vez pelos seus comentários, continuarei te seguindo sempre no intuito de colher suas dicas preciosas para enriquecer a minha viagem.
    Até mais então, fico no seu aguardo!

    • Olá Pedro!!! Obrigada pelos comentários e pela confiança!
      Realmente muitos relatos sobre viagens ao Líbano, descrevem apenas o lado glamouroso do país, e as opiniões e impressões pessoais de quem esteve aqui, o que faz muitos acreditarem que o Líbano é um país perfeito, o que de fato não é!!!

      Eu acho extremamente válido ressaltar todos os aspectos do lugar, os bons, os ruins, os negativos os positivos, mas nem todos concordam com isso, e preferem destacar apenas as coisas boas e positivas, o que pode frustrar quem visita o país e não tem as mesmas impressões. Mas em geral, turistas sempre ficam felizes por sua passagem e estadia no Líbano, pois são muito bem tratados e muito bem recebidos pelos libaneses em qualquer lugar do país.

      Sua vinda, se dará no inicio do inverno, hospede-se em Beirute, que é a capital, e o ponto de partida e chegada para todos os destinos (o “StayBridge Suites” costuma ser bem elogiado por turistas).

      Acho valido visitar os principais pontos turísticos do Líbano (Beirute, Sídon,Tiro, Jounieh, Batroun, Biblos, Baalbeck, Anjar, Bcharre…). Pegue um dia para vistar cada região, de norte a sul, e o vale do Bekaa. Só não indico visitar Trípoli ainda, porque as tensões sectárias internas por ali, continuam imprevisíveis.
      Qto a gastronomia, todos os restaurantes libaneses oferecem o melhor da cozinha local, não vejo porque gastar fortunas em restaurante caros, você poderá apreciar uma ótima e típica refeição libanesa em restaurantes menos “apoteóticos” do mesmo jeito.

      Se você precisar de taxista que fale português, para te buscar no aeroporto e te conduzir onde quiser, eu posso te indicar um. Caso queira uma guia experiente, e que também fale português, eu tenho quem indicar também. No mais é isso! Continue antenado no blog, e nas próximas postagens!!! =D

      • Poxa Cláudia, nem sei como agradecer a sua disponibilidade e atenção para comigo! Muitíssimo obrigado mesmo!!!
        A princípio, reservei o WH Hotel, que fica na região/bairro Hamra, que segundo o que já li, é bem localizado, próximo do centro da cidade e possui um entorno bastante vibrante, com muitas opções de bares e restaurantes…
        A minha viagem seria de curta duração, apenas 3 noites, e me interessei bastante em visitar a cidade de Baalbeck, mas o foco maior seria a capital mesmo…
        Porém hoje fiquei sabendo que o Líbano está passando por um período de grande instabilidade, diante do impasse na eleição presidencial, e fui desaconselhado a seguir viagem para aí…
        Porém, como já possuo bilhetes emitidos e reservas de hotel realizadas, estou ponderando deixar mais pra perto da viagem a decisão de ir ou não…
        De maneira que gostaria realmente de contar com a sua atenção no sentido de me passar quais as impressões atuais que você está tendo acerca do período atual, se há realmente uma forte possibilidade de conflitos… Ouvi falar também sobre sequestro de estrangeiros, enfim, tais informações estão no portal do Ministério das Relações Exteriores brasileiro, confesso que fui meio assustado, bastante apreensivo, ao mesmo tempo frustrado já que, como falei acima, já possuo toda a viagem “organizada” e realmente tenho um interesse muito grande em conhecer essa região do mundo.
        Grato, eternamente grato por sua disponibilidade… Aguardo mais notícias!

        • Oi Pedro, às vezes há um certo exagero por parte de alguns órgãos do governo, acho que mais por precaução do que realmente por problemas. O país está tranquilo, não tem ocorrido nada de ameaçador já há alguns meses. Não cancele sua viagem, venha e vá passear acompanhado da guia brasileira, para se sentir mais seguro. Ela realiza passeios com militares da Marinha toda semana (inclusive, eu mesma participo de alguns) e nunca houve nenhum incidente até o momento. Qto à sua escolha, excelente localização! Hamra é ótimo mesmo!!

          • Olá mais uma vez, Claudia!!!!
            Ao Líbano lá vou eu!
            Depois me passa o contato dessa guia turística, assim como do taxista e com certeza, continuarei seguindo as suas postagens!
            Grato sempre!

  8. Parabens Claudia pelo texto autentico e objetivo sobre o Libano, os Libaneses tenho a impressão, gostam muito de brasileiros e os considero muito esforçados e simpáticos no trabalho, levando-se em consideração a cultura de “Ärabes”. Ja estou animada de ler mais dos seus textos, Super bem vinda ao BPM e muito sucesso! 🙂 Namasté 🙂

    • Olá ackolb! Você está certíssima!! Os libaneses ADORAM o Brasil e os brasileiros. As relações afetivas entre os dois países, são antigas, estreitas e imensas. Milhares de pessoas aqui possuem familiares e amigos no Brasil e vice-versa, e os que não possuem qualquer vínculo sentem uma enorme vontade e curiosidade de ir ao Brasil, conhecer tudo por lá, adoram perguntar sobre tudo. Como eu sempre falo, os libaneses são muito acolhedores e receptivos, e se voce visse o tamanho da torcida libanesa que torce para o Brasil na Copa, ficaria surpresa! Muito obrigada pela receptividade, eu estou adorando o BPM, as historias, diversidades e curiosidades de todas pelo mundo!!! =D Bjssss

  9. Bom dia Cláudia,

    Eu estou com uma viagem marcara para o Líbano e ficarei 8 dias no país.

    Algumas pessoas ficam receosas acerca de problemas relacionados a conflitos com israelenses e sírios. Você como moradora, vê alguma turbulência na atualidade?

    Parabéns pelo ótimo relato

    Abraços

    • Oi Thiago, antes de qualquer coisa, me desculpe o atraso!
      O Libano é um tanto imprevisível e instável, como eu sempre falo, mas não há nenhuma turbulência que te impeça de visitar o país e conhece-lo. Venha, conheça, e divirta-se!!
      Um abraço

  10. Oi Claudia
    Acabo de me mudar para Beirute e concordo com tudo que voce falou porem pelo pouco tempo que cheguei, apenas uma semana, percebo que os libaneses curtem seu Mediterrâneo e desfrutam da natureza. Eles gostam muito dos brasileiros. O fato que gostaria de incluir nas suas observações diz respeito ao barulho da cidade, a buzina eh algo muito utilizado, principalmente pelos taxistas, para mim ainda inexplicável o motivo para buzinar tanto. Fora isso, estou animada a começar uma nova vida por aqui e agradeco contatos de guias, taxis, e nomes de medicos, pediatra, hospitais, manicures e etc sem querer ser chata.

    • Olá Viviane! Desculpe a demora. Sim libaneses adoram brasileiros e Brasil. E simmmm eles adoram buzinar, e a toa, estou aqui ha 5 anos,e ainda me estresso com isso…rsrssrsrrs
      Eu posso te passar algumas indicacoes sim, mas tudo dependera da sua localizacao, nao adianta eu mencionar servicos em regioes muito distantes de onde voce mora, porque serao inviaveis. Me diz em que regiao voce está e eu farei o melhor pra te ajudar e ate te colocar em contato com outras brasileiras.
      Beijossss

  11. Oi Claudia, tudo bem?
    É sempre bom estaremos antenados com a internet e a quantidade de informações que ela nos traz. Eu trabalho com turismo e pretendo conhecer o Libano em minhas férias que será em Fevereiro, mas, apesar do seu texto ser tão esclarecedor, ainda estou reciosa em visitar o País. Eu li uma matéria no globo,com/fantástico a respeito da Cidade – Libano e uma matéria recente, de como eles tratam as mulheres, dizem até das prisões, caso de estupro, e serem desrespeitadas pelos libaneses, confesso que isso me deixou um pouco assustada, até pelo fato de boa parte deles serem religiosos. e eu também irei sozinha.
    Por favor, me dê a sua sugestão de como devo enxergar o País, visto que temos tantas informações divergentes.

    Obrigada

    • Olá Patricia!!
      Essa tematica é delicada e polemica, entre quem vive dentro e fora do país, e gera muitas discussoes entre várias pessoas, com ou sem laços com o Líbano. Mas nao acho que voce deva se preocupar com essa questao, se voce nao está vindo para viver aqui, ou para se casar. A delicadeza dessa assunto envolve muito mais as mulheres casadas e as que vivem no país, nao estrangeiras a passeio. Voce sera muito bem recebida e tratada aqui, e disso eu nao tenho duvidas. Violencia e desrespeito contra a mulher existe no mundo todo, e tambem existe aqui. A unica diferenca, é que em diversos paises existem leis de protecao as mulheres, e no Libano, infelizmente ainda nao. Eu sei de que reportagem voce esta falando, e ela abordou um tema real existente no Libano, porem de forma sensacionalista e devendo muitas informacoes e detalhes. Venha conhecer o Libano, passear e tirar suas proprias impressoes e conclusoes, nao se prenda a tudo o que o Fantastico diz, eles abordam tematicas polemcias de forma muito superficial.
      Beijosssss

  12. Olá Cláudia!

    Adorei as informações, precisas e diretas 😀
    Estou pensando em ir para o Líbano estudar o árabe e o francês por um ano. Tenho MUITA vontade de aprender essas duas línguas e encontro dificuldades para aprender no Brasil com eficiência.
    Acredito que vivendo o dia a dia, ao menos o árabe cotidiano fica menos difícil de aprender.
    Tenho família aí e queria saber sua opinião a cerca da minha ideia. Aí eu trancaria a minha faculdade por um ano e depois voltaria ao Brasil.

    É muita loucura? Meus pais estão achando estranho, embora tenham vivido lá por anos, antes de eu nascer kkkk

    Obrigadaa

    Natalie, 20.

    • Oi Natalie!
      Nao, nao é loucura! Se é isso mesmo o que voce quer, venha, toda experiencia é valida, e se voce ja tem familia aqui pra te dar todo apoio e suporte necessario, nao pense muito, apenas venha, porque voce vai gostar, e sera muito bom para a sua carreira academica essa vivencia e aprendizado.
      Beijosssss

  13. Oi, Cláudia! Muito obrigado por compartilhar seu texto conosco. É maravilhoso!

    Em algumas das minhas leituras sobre o Líbano, soube que era o país mais “progressista”, em termos sociais, do Oriente Médio e isso me fez colocá-lo no topo da minha lista de lugares para estudar árabe. Acontece que sou gay e infelizmente tenho que lidar com esse impedimento para me aproximar de uma cultura que inexplicavelmente me identifico tanto. O que você tem a dizer sobre a recepção da população aos lgbt e como se dá o manejo desses assuntos no Líbano.

    Obrigado e um grande abraço.
    Felicidades!

    De Recife,
    Victor.

    • Olá Victor!!
      Dentre os países do Médio Oriente, realmente o Líbano é o mais ocidentalizado, e se você tem vontade de aprender o idioma aqui, eu acho que você deveria concretizar essa vontade. De fato, a intolerância ao homossexualismo existe aqui também, assim como existe no Brasil, e em diversos países do mundo.

      Mas o Líbano tem muitos homossexuais, lésbicas, bissexuais e simpatizantes. Obviamente as pessoas aqui não podem ser livres para expressar a sua sexualidade, como no Brasil, por exemplo. Eles são perseguidos aqui sim, mas não de forma que você nem possa vir ao país. De forma alguma!!

      Os homossexuais são perseguidos, presos, humilhados aqui SIM!!! E muito até deserdados pela família quando se assumem de forma explicitamente escancarada. Mas as perseguições, prisões e humilhações ocorrem quando o governo e a policia descobrem algum bar, pub, sauna, boate, ou qualquer lugar voltado para a comunidade LGBT. Aí o estabelecimento é fechado, todo mundo vai preso, sai na imprensa e vira o maior “bafáfá” na mídia, e no país por conta disso. Mas esses lugares todos, sempre existem e reabrem, até serem descobertos e fechados novamente, para serem reabertos em outro endereço.

      Mas também existem muitos grupos de apoio, defesa e suporte à comunidade LGBT aqui, ONG’s, e inclusive muitos libaneses héteros que são completamente contra o tratamento dado aos homossexuais aqui, e que participam de movimentos, protestos em apoio à comunidade. Enfim, aqui tem de tudo, e inclusive Beirute, tem um apelidinho muito singelo (Gayrut), em virtude da quantidade de homossexuais que existem na capital libanesa.

      Existe aqui diversas ramificações da comunidade LGBT: Os assumidos, os enrustidos, os camuflados (que se casam e constituem família, pra abafar o caso perante a família, e que levam vida dupla). Enfim, aqui tem de tudo, igualzinho no Brasil e no mundo. Eu mesma conheço vários homossexuais aqui, tenho amizade, contato, sou cliente de estabelecimento comercial administrado por homossexual. Um dos meus melhores amigos no Brasil, que é descendente de libaneses, e também é homossexual, veio visitar o país no ultimo verão e teve as melhores ferias da vida dele aqui numa boa.

      Portanto, pode colocar o Líbano no topo da sua lista de lugares para estudar árabe, tranquilamente, e venha estudar sim, que ninguém vai te fazer mal algum. Você só não vai poder conhecer alguém aqui, e ter manifestações de afeto em público, ou sair com um neon gritando aos quatro cantos que você é gay, porque vai topar com o velho preconceito e discriminação, que você já deve conhecer aí mesmo, no Brasil….Mas em privado, sua vida continuará sendo somente sua.

      Um abraço! =)

  14. Hmmm muito legal . Adorei teu blog e suas informações (: .
    Eu pretendo ir para Líbano(não sei exatamente quando), é um país muito bonito. Eu conheci uma pessoa de lá, e já conversamos à uns 7 meses. Mas ainda tenho dúvidas será que vale a pena encontrar com ela ?? .. Já fizemos planos juntos, a minha vontade é a vontade dela .

  15. Oii Claudia tudo bem?
    Adorei seu texto, tirou muitas dúvidas minhas.
    Eu sou brasileira, e eu casei com um libanês aqui no Brasil, só que ele foi embora morar no líbano , e eu resolvi ir para ficar com ele e vou agora em abril, só q como eu não conheço muito e só conheço ele e a mãe dele eu tenho medo ainda, lógico q eu vou é uma oportunidade legal alem de conhecer o líbano vou conhecer as culturas e aprender falar e acho bom isso.
    Só queria saber se eu casando com ele ai tem algum perigo de eu não voltar para o Brasil.
    Esse é meu medo kkkkk .
    Espero sua resposta. Beijooos

    • Oi Sueli, desculpa a demora!
      Bom, pelo meu atraso, eu acho que voce ja deve ter embarcado. Espero que vc esteja bem, se adaptando e gostando.
      Voce pode se casar com ele aqui sim, sem problemas. E até onde eu sei, ele nao pode te manter no país contra a sua vontade. Se voce nao gostar e nao quiser mais ficar, voce tem o direito de retornar ao Brasil sim!!
      A minha ressalva é apenas uma: Se voce estiver aqui, nao estiver gostando, e ele nao estiver colaborando para voce voltar ao Brasil, voce pode recorrer a embaixada para te ajudar a retornar. Massss… tente nao engravidar, se voce estiver nessa situacao!
      Uma vez que vc tenha filhos dele, e dentro do Libano, eles pertencem ao PAI, todas as leis aqui giram em torno e beneficio dos homens, e mae nao tem direito algum sobre filhos, ainda mais maes estrangeiras tentando regressar ao país de origem….
      Se voce tiver filhos aqui, VOCE podera retornar a hora que quiser (se ele nao estiver dificultando seu retorno tbm), porem nao havera meio de voce ir para o Brasil e levar seus filhos, se ele nao autorizar.
      Boa sorte e espero que de tudo certo pra voce!

  16. Claudinha, passa para mim o contato da Guia e Taxista que falam português. Vc falou da Zilad Naves. Tem o email dela e de outros? Grata Marirone

  17. Concordo em tudo que disse … Estive no Líbano por duas vezes (6 meses e 8 meses), além de tudo que comentou ainda acrescento mais, creio que os libaneses são muito parecidos com os argentinos, pois assim como os argentinos se acham europeus e além do mais andam em carros luxuosos no entanto possuem casas sem nenhum conforto, são arrigantes com turistas que não sejam europeus ou americanos, quando os digo que no Brasil vivem mais libaneses que em seu próprio pais muitos não acreditam, enfim, concordo com exatamente tudo que foi dito. Com todos os nossos problemas ainda assim o brasil não deve nada para muitos países mundo afora e posso lhes garantir isso pois conheço mais de 30 países pelo mundo.

    • Oi Rogerio!
      Obrigada pelo fedd!
      Os libaneses estiveram sob o protetorado da França por muitos anos, por isso eles tem influencia francesa (europeia) em muitas coisas (idioma, educacao, estudos, costumes, e etc).
      Quanto aos carros luxuosos, eles sao muito baratos aqui, em comparacao com o Brasil por exemplo, porque sao importados dos EUA e o pais nao tem taxas absurdas sob produtos importados, como existe no Brasil.

      Em contrapartida, imóveis, móveis aqui sao caros, talvez isso justifique o fato de voce ter presenciado pessoas dirigindo carros luxuosos e vivendo não tão confortáveis em suas casas. Mas posso te garantir que aqui existem muitas casas, que voce nao dá nada por elas pelo lado de fora, mas ficaria surpreso de ver seu interior. Enfim, aqui tem de tudo… O Líbano é um país de contrastes!

      Apesar de eu morar aqui, eu nao deixo de ser uma cidada estrangeira no país, e sempre me sinto uma turista, porque estou sempre conhecendo lugares, coisas e pessoas novas, estou sempre aprendendo coisas novas, e eu nunca fui maltratada em lugar algum, principalmente quando as pessoas sabem que sou brasileira. Pelo contrário, os libaneses adoram o Brasil, eles podem nao estar a par de tudoooo o que temos no Brasil, mas eles adoram o Brasil aqui.

      Eu nao sei em que regiao do país voce esteve onde as pessoas ficaram surpresas ao saber que ha mais libaneses no Brasil do que no Libano, mas em todos os lugares onde descobrem que eu sou brasileira, os proprios libaneses falam que existem mais libaneses no Brasil do que no Libano, eles so nao sabem que esse numero ja esta acima de 9 milhoes, eles se baseiam em um censo antigo que dizia algo em torno de 5 a 6 milhoes.

      Mas vira e mexe, eu topo com alguem que ja esteve, ou que tem familiares, no Brasil. Não discordo de voce que eles sao arrogantes, sao sim, mas isso é uma caracteristica do ser humano em geral, e nao de uma ou outra nação, no Brasil e varios lugares do mundo, tambem encontramos pessoas assim.

  18. Claudia, em primeiro lugar, meus parabens pelo site!pelas reportagens , realmente muito bacana!
    Estou namorando um Libanes (na verdade, ele é filho de libaneses, nasceu no Brasil, mas foi pro libano com 7 anos, então cresceu e foi criado aí)
    Ele é muito ciumento, possessivo, e estou tendo dificuldades com isso, pq ele “pode exigir” tudo de mim , mas o contrario não pode. Como se eu nao tivesse direito nenhum de saber dele as mesmas coisas que ele cobra de mim.a gente briga muitooooo, mas muito mesmo porque eu não abaixo a cabeça e discuto sempre. Até coisas do tipo ,eu nao poder de jeito nenhum conversar com mais ninguem além dele no whatsapp, no facebook, etc, mas ele pode, ele pode conversar com quantas mulheres quiser, são coisas desse tipo sabe? Nossa, muito complicado
    Isso é caracteristico da cultura? Ou não tem muito a ver , e é da pessoa mesmo?
    Obrigada

    • Oi Renata!!!
      Desculpe a demora!!!

      TODOS ELES SÃO CIUMENTOS, POSSESSIVOS, EXIGENTES, EGOÍSTAS, MACHISTAS, MANDÕES, MIMADOS, DESCONFIADOS, MULHERENGOS, XAVEQUEIROS, E INSEGUROS. ISSO E CULTURAL!!!

      TODOS ELES acham que eles podem, e tem direito, de fazer tudo o que querem, qdo, como, onde, e com quem eles querem. E as namoradas, noivas, esposas, e filhas, nao podem, ou tem direito, de fazerem nada, do que ELES nao aprovem como certo ou bom. =P

      Acostume-se ou pule fora enquanto é tempo, só isso que posso te falar, porque isso nao vai mudar NUNCA!!! Se vc nao pretende se submeter as demandas dele, e ainda sim “pensa” em um dia casar com ele, prepare-se pois sua rotina sera igual ou pior ao seu namoro. Eles prometem mundos e fundos, fazem ate poesia se for preciso, pra te convencer, e conseguirem o que querem. A teoria é linda, romantica e interessante, mas a pratica….hahahahhaa…. Mas eles sao otimos PAIS, isso eu tenho que falar!!

      Uns sao mais chatinhos, e outros sao menos, mas em geral, todos sao iguais… algumas coisinhas aqui e ali mudam, mas esse comportamento deles é totalmente cultural. Boa sorte!!! =)

  19. Olá Claudia!

    Muito bom o seu relato! Sou estudante de relações internacionais no Brasil e estou aprendendo a língua árabe. Penso em passar 1 ano em Beirute após a minha formatura, estudando o idioma. Nas minhas pesquisas sobre cursos, encontrei um bem interessante na Middle East University, mas não consigo encontrar recomendações ou relatos de pessoas que ja tenham estudado lá. Por um acaso vc conhece essa universidade ou teria recomendação de algum curso no país?

    Obrigado!

    • Oi Daniel!
      Que bacana, venha sim, você vai adorar o Libano! Sera uma experiencia muito boa pra você!
      Infelizmente eu nao conheço essa universidade, mas posso te indicar outra que talvez possa lhe ser melhor, a USEK (Universidade Saint-Esprit de Kaslik) em Jounieh (www.usek.edu.lb/). Entre em contato com o Roberto Khatlab, tenho certeza que ele é a pessoa ideal para te auxiliar nessa área (ele fala português). Pode falar pra ele que fui eu que o indiquei pra você, ele é um amigo muito querido. Espero ter ajudado. =)

  20. Olá Cláudia,
    sou cristão protestante e tenho um desejo grande de fazer missões na Ásia ,
    em especial Líbano ,pode me dar informações sobre a receptividade religiosa no país ?
    e se vocÊ conhece igrejas cristãs ?

    Obrigado , Deus te abençoe

    • Ola Fernando!!
      O Libano é um país sectarios e tem 18 diferentes seitas, sendo islamismo e cristianismo as principais e mais dominantes. Mas ja ouvi falar de comunidades adventistas, batistas em Beirute, bem como uma comunidade de Mórmons e recentemente soube de um trabalho pioneiro da Igreja Universal do Reino de Deus tbm em Beirute. Acredito que a recepctividade em relacao a novas denominacoes religiosas sejam bem vinda, do contrario elas nao existiriam, mas o movimento é pequeno, grupos e comunidades pequenos, mas elas realizam suas atividades de evangelizacao pacificamente, sem nenhum problema. Inclusive existe um grande número de libaneses ateistas no país. Cada um segue aquilo que melhor lhe agradar, nao sei de nenhuma perseguicao em relacao as seitas distintas e menores existentes em contraste com so 2 grupos maiores e dominantes. =D
      Espero ter ajudado. Um abraco!

  21. Claudia, adorei as informações. Querida me ajude!
    Meu namorado é arabe, e quer voltar para a cidade dele, Sour Libano, e com certeza eu vou junto, mas meu medo é maior, tenho mta insegurança com esse pais, não sei se vou me acostumar, tenho medo das diferenças, até a familia dele que é muçulmana e segue a risca a religiao, está me aceitando eu não sei ate que ponto.mas enfim assim que chegarmos ai vamos casar e viver juntos, mas as diferenças está me deixando louca, oq vc me diz de bom desse pais? rs
    mto obrigada!!!!

    • Ola Aline!
      Dificil eu te dar um pitaco nessa questao, quando voce mesma ja abordou a sua preocupacao com as diferencas. De fato, elas ja existem e aqui ficarao muito mais acirradasl. Voce tera que dancar conforme a musica local,digqamos assim. Isso pode ser uma experiencia bacana que vc vai desfrutar, gostar e se adaptar, ou nao! Eu acho, que antes de voce mudar de mala e cuia voce poderia vir a passeio, conhecer, ver como as coisas funcionam, como é a familia dele, a rotina deles, e descobrir se vc ta preparada para uma mudanca tao drastica. Afinal, quem casa, leva a familia no pacote, e aqui as familias se intrometem em tudo o tempo todo e de forma natural, porque esse é o habito libanes. Nao venha de vez, nao tome decisoes sem antes ver onde voce está se metendo. Como eu falei, voce pode adorar tudo, se adaptar, descobrir uma familia boa que vai te abracar como uma filha e ser muito felizl. Mas pode ocorrer tambem o inverso de tudo isso e voce ja estará amarrada. O que dificultará muito se desvencilhar de tudo isso, “principalmente” quando ja existirem filhos na jogada. Ai.. esquece. Ou voce fica em funcao dos filhos, ou os deixa com o pai, porque numa separacao, voce com filhos libaneses no meio, jamais saira daqui com eles. As leis favorecem o PAI em tudo, ainda mais as leis islamicas. Pense direitinho, venha passear, conhecer tudo e todos e depois voce decide o que voce quer fazer. =)

  22. Olá Cláudia, estou pensando em ir morar no Líbano,
    para reconstruir uma nova vida.. E tentar melhorar minha condição financeira. Você que ja conhece, o que acha?

  23. claudia, gostei muito dos seus comentarios…. acabei de descobrir q tenho uma familia imensa por ai. Por gentileza, gostaria de saber sobre a sinceridade deste povo, ja q ouvi dizer q eles sao muito interesseiros, e so se relacionam bem com parentes q gostam.. ou amigos fidedignos. caso contrario, sao um pouco dissimulados. e assim mesmo? e quanto a honra, como se costum dizer q isto e imprescindivel na asia? que e melhor nao contraria-los q se sentem ofendidos, do que pedir perdao? e assim? sao desconfiados de tudo e de todos?

  24. Claudia, seu relato foi muito bom, muito claro. Parabéns.
    Tenho um filho de 15 anos que participa de um programa internacional de intercambio e está com uma viagem programa para Beirute em Julho. Estou muito apreensiva em relaçao a segurança, a proximidade com a Siria, etc. Você poderia me falar um pouco sobre isso? Devo deixar meu filho ir?
    Muito obrigada.
    Claudia

  25. Oi Claudia , queria saber porque, quando morre alguém da família ou amigo eles se isolam. Fica 10 dias na igreja . Conheci um libanês no Brasil ele mora aqui a 25 anos mas é casado no país dele mas quer ficar comigo, mas eu não suporto esse tipo de homem assim ou eu ou ela.

  26. Flor deixa eu perguntar uma coisa, pra morar no Líbano com seu marido você precisou se casar no civil aqui no Brasil ? Ou não têm essa necessidade ? Já que meu marido e libanês e muçulmano, casamos no religioso, e o mesmo (apesar de não ter conhecimento algum) diz que só o papel do religioso é válido para eu morar no Líbano, e me garante a residência ali! Temos uma filha, e eu estou em duvida em relação a isso e não encontro em nenhum site… É necessário ser cassado no civil aqui no Brasil ou não?

    • Oi Mariana, desculpa a demora para te responder, estive ausente por um tempo.
      Se voce pretende “legalizar” corretamente o seu casamento perante os governos de ambos os paises, case no civil aí no Brasil, para que quando voce for registrar o seu casamento no Consulado do Libano, voce oficialize as coisas da forma correta, da forma que te ofereca um respaldo legal perante o governo brasileiro tambem. No Libano, oficialmente, nao existe casamento civil, apenas religioso. O que significa que, vc tera lideres religiosos da seita do teu marido, tomando decisoes por vc, e nao uma representacao de direito civil, como vc terá no Brasil, caso se case em cartorio.
      Isso nao te impede de vir morar aqui, de forma alguma, mas PRA VOCE, para sua segurança é preferivel que voce registre seu casamento de forma correta, visto que vc é estrangeira. Case no civil, registre seu casamento no Consulado juntamente com sua certidao de casamento religiosa. Chegando aqui, ele tera que entrar com pedido de naturalizacao libanesa pra voce ter residencia permanente, ou o governo va te dar uma permissao de 3 anos, renovavel por mais 3 anos e que nao te garante depois desse prazo permanencia legal. Case no civil direitinho a no Brasil, registre sua certidao junto com a certidao de casamento religioso no Consulado do Libano e traga tudo isso com voce pra ca, para depois dar entrada no pedido de naturalizacao libanesa aqui. Espero ter ajudado, ainda que atrasada na resposta.

  27. Bom dia,

    estou indo a Beirute em dezembro. Gostei muito das suas dicas. Poderia passar o contato da Guia e do Taxista que falam português? Obrigada.

  28. Claudia, vou visitar o Irã, e depois estou querendo passar 3-4 dias no Líbano.
    Você poderia me passar seu contato para maiores informações? Gostaria, muito, de sua ajuda.

  29. Bom dia Claudia, meu nome é Fran Gazelli, sou de Fortaleza – Ceará!!
    Estou pretendendo ir ao Libano em +- 03/07/2017 a 07/07/2017 com
    a esposa e meu filho, sou descendente de libanês e gostaria de conhecer
    Beirute e algumas cidades tradicionais, inclusive a cidade de meu Avô
    Mar Mikahel distrito Zahle de onde le saiu em 1914.
    Você poderia me ajudar, indicando um guia de preferencia fluente em
    Português.
    Grato, Fran Gazelli

  30. Olá Claudia Rahme!!
    Meu nome é Lawrence Lima Lul sou contador em São Borja Rio Grande do Sul e provavelmente vou ao libano em maio de 2016.
    Gostaria se possível que você me ajudasse meus biza vos vieram do libano para o Brasil da cidade de Jounieh, eles deveriam ter uns 18 anos quando chegaram ao brasil, São Borja (RS) .
    Faz tempo que faço pesquisas se ainda temos algum parente em Jounieh com o sobre nome lul .
    Teria como vc dar uma pesquisada se tem pessoas com esse sobre nome especificamente em Jounieh, ficaria muito grato se você me ajudar de alguma forma.
    A minha viagem vai ser em maio vou acompanhado de minha esposa e um amigo que é libanes, e ficaria melhor se eu encontrasse algum descendente é claro.

    obrigado

    • Lawrence, obrigada pelo seu comentário. A Claudia parou de colaborar conosco.
      Acredito que seu pedido é um tanto impossível, pois os sobrenomes são bem comuns e fica complicado fazer esse tipo de investigação sendo uma pessoa física. Esse tipo de pesquisa teria de ser feita por uma empresa especializada nesse tipo de trabalho.

      Edição BPM

  31. Olá Cláudia! O que vc pode nos informar sobre o bairro de Sin el Fil ?

    Eu desejo saber disso pois a empresa em que trabalho (Samba e Bossa Nova Hotéis) me oferece a oportunidade de ir trabalhar em Sin el Fil.

  32. Olá Claudia ! Super rico todas suas respostas …..Meu irmão irá ao Líbano em Julho com meu pai a passeio e p resolver algumas questões de registro em cartório. Vc poderia indicar um taxista, um tradutor e um guia, que fale português? Obrigada !

  33. Oie Claudia!
    Maravilhoso seu blog. Estou querendo ir ao Libano estudar ingles e ja revirei a internet atras de cursos acessiveis e nao encontro. Por favor, voce poderia me ajudar com esse tema?

    Obrigada,
    Evelyn

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.