BrasileirasPeloMundo.com
Arábia Saudita Curiosidades Pelo Mundo Emirados Árabes Unidos

10 curiosidades sobre o Ramadã

10 curiosidades sobre o Ramadã.

O Ramadã é um mês sagrado para os muçulmanos. Durante essa época, eles ficam em jejum durante o dia, do nascer ao pôr do sol.

Toda a rotina muda por conta desse hábito. Desde horário de funcionamento das lojas, trabalho até a etiqueta do que se pode ou não fazer na rua. Nós, como não-muçulmanos, não precisamos jejuar como eles, mas devemos respeitar esse momento evitando, por exemplo, beber água em público durante o dia. Já é meu terceiro Ramadã por aqui e nesse texto, venho trazer 10 curiosidades desse período aqui na Arábia Saudita.

1. O que é o Ramadã?

É o nono mês do calendário Islâmico e, diferente do nosso, ele segue as fases lunares. Cada mês inicia-se com a lua nova. É tido como o mês mais sagrado para os muçulmanos, pois conta-se que foi durante esse mês que o Corão (Livro sagrado dos muçulmanos) foi revelado ao profeta. Um mês de reflexão, auto-desenvolvimento para fortalecer os laços familiares e praticar boas ações.

2. Por que os muçulmanos jejuam durante o Ramadã?

Os muçulmanos acreditam que jejuar faz eles sentirem exatamente o que as pessoas que passam fome e necessidades realmente sentem, assim são motivados a serem mais caridosos para com os mais pobres. Também acreditam, que o jejum é uma forma de treinar o autocontrole e a disciplina.

3. Todos os muçulmanos jejuam?

Todas as pessoas saudáveis e que já atingiram a puberdade devem jejuar. As exceções são: crianças, idosos, enfermos, grávidas, mulheres no período menstrual, viajantes e casos determinados por médicos em que o jejum não seja indicado. Em alguns casos, como o do período menstrual, esses dias em que ficaram sem fazer o jejum durante o Ramadã devem ser repostos ao longo do ano até o próximo Ramadã.

4. Não se deve comer ou beber água em locais públicos.

Durante esse mês, nós que não somos muçulmanos, precisamos ter muito cuidado com coisas simples que fazemos sem pensar. Comer, beber água, fumar ou mascar chicletes não pode ser feito em público. Isso, porque todos à sua volta estarão se privando dessas coisas.
Em sinal de respeito, melhor não atiçar as vontades alheias. Aqui na Arábia Saudita, os dias praticamente morrem, pois os restaurantes ficam fechados e só abrem à noite.

5. Então o que fazer?

Pra quem não é muçulmano, o jeito é dar uma escondidinha. Nesse calor infernal do verão e tendo as atividades normais do dia a dia inalteradas, é difícil não passar sede. A solução é tomar água ou comer escondido se estiver em um lugar público. Dentro de casa nada muda, café da manhã, almoço, lanche, não vai ter nenhum muçulmano olhando. Algumas empresas disponibilizam uma salinha para os não muçulmanos fazerem suas refeições, mas refeitórios permanecem fechados, ou seja, mês do marido almoçar em casa.

Fonte: Pixabay.com

Leia também: Ramadã na Turquia

6. Mas é sem comer o mês inteiro?

O jejum é feito somente do nascer ao pôr do sol. Isto é, a rotina deles muda bastante. Geralmente, um pouco antes do nascer do sol, lá por umas 3h da manhã, eles fazem uma boa refeição, fazem a primeira reza do dia e então voltam a dormir. Para muitos, os horários de trabalho mudam, então nem todos precisam acordar cedo como antes (logo mais falo dos horários). A partir do momento que levantam, passam o dia sem comer ou beber. Quando o sol se põe, eles quebram o jejum com um pequeno lanche chamado iftar, composto de tâmaras, água, café árabe e iogurte. Preparam-se para a reza que segue o pôr do sol e então fazem um grande banquete. Nesse mês é muito comum se reunirem para esse “jantar”, onde fazem festas, convidam amigos, é um mês bem festivo durante a noite, onde a comilança rola solta.

7. Então eles devem perder peso?

Nem sempre. Muitos emagrecem e muitos engordam bastante com o jejum por conta dos banquetes à noite serem fartos de comidas gostosas e calóricas, seguidos de um período onde não se faz muita atividade física.

8. Como ficam os horários?

Às noites passam ser muito mais movimentadas que os dias. Vou dar exemplo do horário de um dos shoppings aqui: Fica aberto das 12h às 16h, fecha e abre novamente das 21h às 2h da manhã. Alguns mercados abrem mais cedo, algumas empresas e escritórios mantém o horário normal de trabalho para os não muçulmanos e diminuem algumas horas da carga horária dos muçulmanos durante esse período. No meu primeiro Ramadã aqui, marquei uma consulta em um dermatologista para as 1h30 da manhã! Restaurantes só abrem à noite também.

9. O trânsito no pôr do sol.

Se tem um horário em que se deve evitar estar nas ruas é no período em que o sol vai se pôr. Não, não aparecerão fantasmas, mas vai ter um monte de zumbi armado com um carro desesperado para chegar em casa pra comer. Nesse horário, o trânsito enlouquece e é bom evitar. As pessoas estão nervosas e às vezes até desatentas por estarem o dia inteiro sem comer e se hidratar. Uma coisa bem interessante que acontece por aqui, é que com frequência vemos voluntários entregando caixinhas com algumas tâmaras e água para os motoristas nesses horários antes de quebrarem o jejum.

10. Como fica o dia a dia de um expatriado nesse período?

Tudo depende da sua rotina. Muitos aproveitam a época para viajar e passar bem longe daqui. Eu, por exemplo, durante esse mês trabalhei de tarde e à noite. Meu marido, no entanto, manteve o horário normal de trabalho, manhã e tarde. Aconteceram várias vezes de eu chegar em casa depois da meia-noite e ele já estar dormindo, e pela manhã quando ele ia para o trabalho eu estava dormindo. Nos víamos naquele período de uma hora que ele vinha para almoçar.

As idas ao mercado também adotaram uma nova rotina. Normalmente íamos ao mercado juntos, mas durante esse mês, por eu não estar em casa ao mesmo tempo que ele e não dirigir, essa tarefa ficou por conta do meu marido. Eu fazia a lista e ele ia comprar. Não preciso mencionar que sempre acabava faltando alguma coisa. Por outro lado, com as manhãs livres, consegui visitar as amigas brasileiras com mais facilidade. Em compensação, ir ao shopping durante o dia é quase uma perda de tempo. Nem todas as lojas abrem de dia, optam por abrir somente à noite. E de noite vira uma loucura, o trânsito aumenta muito, o pessoal vai passear, fazer compras e comer até 1h, 2h da manhã.

É uma rotina bem diferente de se acompanhar. Também o clima festivo estampa a cidade. Decorações típicas, produtos típicos daqui despontam em todos os lugares. Tudo se enfeita e é muito bonitinho. Lembra um Natal onde vemos luzinhas pisca pisca por todos os lugares, nas casas.

Tentamos jejuar por um dia como eles no primeiro ano que estivemos aqui. Devo admitir que não é nada fácil. O pior na minha percepção, é o fato de não poder beber água nesse calor.

E você? Aguentaria um jejum desses?

Related posts

Autobahn: fatos sobre a estrada alemã

Karina Finke

20 curiosidades sobre a Suécia

Cristiana Judar

O costume romeno de dar flores

Juliana Gehring

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação