BrasileirasPeloMundo.com
Áustria

200 anos de Noite Feliz

200 anos de Noite Feliz.

Queridas leitoras, queridos leitores!

Hoje, vamos falar a respeito da música de Natal mais famosa do mundo: Noite Feliz ou, no original em alemão, Stille Nacht!Heilige Nacht (tradução livre: Noite silenciosa!Noite santa!)!

Quantas vezes, durante os Natais de nossas vidas não cantamos ou – no mínimo – ouvimos essa canção incessantemente, nos encontros em família, em lojas de artigos natalinos ou na própria igreja, durante a Missa do Galo?

A música-símbolo do Natal comemora os 200 anos de sua primeira execução pública: ao final de uma Missa do Galo em 24.12.1818!

E alguém se atreveria a dizer onde essa música, que ganhou o mundo, foi composta? Eu respondo: essa é mais uma bela contribuição da Áustria para a humanidade!

Para melhor compreendermos esse verdadeiro fenômeno, é necessária uma breve situação histórica do momento em que letra e música foram compostas. Vamos lá!

Noite Feliz foi composta como desejo de paz, esperança e fraternidade. A Áustria do início do século XIX era um império assolado pela violência e miséria impostas pelas guerras napoleônicas travadas até então.*

Na localidade de Mariapfarr, no Estado de Salzburgo, o vigário Joseph Mohr, marcado desde a infância pela agruras da guerra, compôs um poema de seis estrofes. Nas linhas, um pedido de paz e esperança. O ano era 1816 e o título da poesia, Stille Nacht! Heilige Nacht!*

Leia também: Tudo que você precisa saber para morar na Áustria

Em 1818, o vigário Joseph Mohr conhece o professor, Franz Xaver Gruber. Por conta da amizade firmada entre os dois, o religioso pede ao professor que musique o poema que houvera escrito. O mestre aceita a tarefa e pensa em algo de melodia simples para que todos os paroquianos pudessem memorizar facilmente tanto letra quanto música.

Na noite, então, de 24.12.1818, os fieis presentes a capela de S. Nicolau, na localidade de Berndorf, Estado de Salzburgo, entoaram Noite Feliz, pela primeira vez na Missa do Galo local.*

A composição não teve, por parte do vigário e do professor, a intenção de se tornar uma das mais famosas músicas já executadas mundo afora, mas nesses 200 anos, a obra já foi declarada, inclusive, Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO em 2011.*

Muitas são as especulações sobre como a canção se tornou globalmente conhecida. Reza, então, a lenda que o início de tudo teria sido através de Karl Mauracher, técnico organista, que estaria na paróquia do padre Mohr para consertar o órgão e teria solicitado que lhe tocassem a música já conhecida na comunidade. Ele (Karl Mauracher) teria levado a composição consigo e compartilhado por todas as paróquias por onde teria passado.

Os irmãos Strasser, por sua vez, teriam sido responsáveis por propagar a obra em solo alemão. Família austríaca de agricultores e cantores, os Strasser possuíam um stand em um Mercado de Natal na cidade de Leipzig na Alemanha. No repertório de suas apresentações estava Noite Feliz. A repercussão foi tão positiva que os irmão cantores foram convidados a se apresentar em várias casas de concerto e igrejas, virando assunto local, o que lhes rendeu, por fim, uma turnê pela Alemanha.**

Já em 1900, Noite Feliz era mundialmente conhecida.

Em 1935, a gravação de Noite Feliz interpretada por Bing Crosby, atingiu 10 milhões de cópias.*

Em 1941, Franklin D. Roosevelt e Winston Churchill entoaram Noite Feliz, juntos, para o povo que se aglomerou nos jardins da Casa Branca.**

Há uma série de programações comemorativas por todo o país, desde apresentações até musicais tratando do surgimento da canção de natal mais famosa do mundo. Se você estiver pela Áustria e quiser conferir algum desses eventos, deixo a programação aqui.

Para finalizar, deixo uma impressão pessoal que desejo compartilhar com vocês: o desespero da guerra, da fome, da miséria e da doença marcaram profundamente os compositores da canção que, hoje, simboliza a comemoração do nascimento de Cristo, mas que à época, para aquelas pessoas, traduziu-se em grito de paz e humanidade. Por sorte, esses dois homens moldaram o horror que sofreram durante os conflitos napoleônicos em algo extremamente positivo.

A música não tem língua e, mesmo que tenha, pode ser traduzida ou transformada em versão. Uma melodia atinge a todos sem distinção e une a todos sem distinção. Da África à China, da Europa às Américas, todos nós, quando ouvimos a canção, sabemos, na hora, que se trata de Noite Feliz. Essa é a lição que essas duas pessoas nos deixaram: embora carregando experiências terríveis de vida – testemunhar uma guerra é o que ninguém deseja para si -, o ser humano tem condições de continuar praticando a bondade, que, nesse caso específico, veio em forma de obra musical. O quão importante são as artes para que, através delas, possamos superar e transformar a desgraça e o desespero em matérias positivas.

Há muito de bem entre o mal que campeia o mundo, basta termos condições de identificar o lado certo!

Sob essa atmosfera, desejo a todos um Feliz Natal e um Feliz Ano Novo!

*Fonte retirada de: Austria Info

**Fonte retirada de: Wikipedia (https://de.wikipedia.org/wiki/Stille_Nacht,_heilige_Nacht)

 

 

Related posts

Licença maternidade pelo mundo

Ann Moeller

Transporte Público em Viena

Kely Martins

Hábitos adquiridos e perdidos na Áustria

Fernanda Nemec

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação