BrasileirasPeloMundo.com
Coaching EUA

A epidemia de obesidade nos EUA

A epidemia de obesidade nos EUA é algo muito difícil de não se notar. Se você já visitou o país, suponho que consegue reparar sem dificuldade. Pois é visualmente perceptível quando uma pessoa ultrapassa as dimensões do tamanho XXG. Aqui quero deixar claro que falo sobre obesidade e não apenas em estar com alguns quilos a mais. A obesidade é uma condição patológica que traz consequências muito ruins para a saúde.

Uma das causas da obesidade é claramente comer demais. E quando você chega aqui nos EUA logo percebe o tamanho exagerado das porções individuais de comida. Refrigerante é mais comum do que água e o acesso é muito fácil. É fácil e acessível comer mal.

Aqui, é muito mais barato alimentar a família com produtos industrializados e refeições prontas de fast-food do que ir ao mercado e comprar frutas, verduras, legumes, carne, ovo… comida de verdade. É barato comer mal.

Leia também: Nos Estados Unidos, seja superficial

Você pode comprar por 1 dólar um pacote pronto de “mac n´cheese” (popular prato americano macarrão com queijo). Meia dúzia de bananas te custam pouco mais que 1 dólar. Uma caixinha pequena de morangos, 4-5 dólares. Meio quilo de maçãs, 5 dólares. Uma caixa de mexerica, 6 dólares. Como você pode perceber, comida de verdade é bem mais cara por aqui do que o pacote que vai direto ao microondas. Isso porque os custos com produção e armazenamento de produtos frescos é maior. Comida de verdade estraga em uma semana. O mac n´cheese pode ficar esquecido no armário por até dois anos. Sim, eu disse DOIS ANOS! Agora imagine o quanto a indústria modifica esse produto para que tenha uma vida longa de prateleira assim. E o quanto isso impacto na saúde de quem consome esses produtos diariamente. É pratico comer mal.

Outro ponto com relação aos preços é que o governo americano dá incentivo aos grandes produtores de trigo e milho que abastecem as indústrias de comida processada. Gastam milhões por ano para que o preço das sementes desses produtos seja sempre baixo. Abastecendo a indústria e incentivando indiretamente o consumo por esses produtos.

Como produzir trigo e milho é mais rentável para os agricultores, pois a venda para a indústria é certa, milhares de acres de terra são usados para monocultura dessas sementes por anos. O que empobrece o solo e gera um impacto ambiental gigante. Esse desequilíbrio  faz com que o uso de pesticidas seja enorme para compensar o fato de a natureza tentar retomar o que lhe foi tirado. Além das sementes geneticamente modificadas, altas doses de pesticida são consumidas em larga escala.

O que não podemos negar é que os americanos votaram com o garfo pelo tipo de comida que hoje abastecem as prateleiras dos mercados. A procura pela praticidade e por comida hiperpalatável, que atiçam as papilas gustativas e ativam zonas de prazer cerebrais é muito maior do que a procura por brócolis ou couve. É viciante comer mal.

Fonte: Pixabay.com

Outro fator que vem à mente quando pensamos em obesidade é a falta de atividade física. E aqui não digo exercício. Digo atividade como movimentar o corpo mesmo. Caminhar, subir uma escada, carregar suas compras de mercado. Aqui tudo é muito conveniente e prático. Usa-se muito mais combustível no carro do que sola de sapato. Se você mora fora das grandes cidades americas dificilmente consegue andar a pé até um mercado ou até seu trabalho. Não é à toa que o dono da Amazon é o homem mais rico do mundo. Aqui tudo é online. Nunca pensei em ver gigantes como a Best Buy fechando as portas. Tudo se compra com a distância de um clique. Ou se você estiver cansado e não quiser usar o dedo, pode com a voz ativar a Alexa (um auto falante que obedece a comandos de voz e virou febre entre os americanos) e pedir para ela fazer isso para você.

O marketing da indústria de alimentos e redes de fast-food chega a ser agressivo e está em toda parte. Televisão, outdoors, banheiros, metrô. As propagandas de doces e snacks processados para crianças é alarmante. É fácil render-se a imensa variedade de restaurantes de junk food. As praças de alimentação são um convite a comer mal.

Atualmente a obesidade é um problema mundial, inclusive no Brasil. Mas por que aqui nos EUA a situação é tão mais complicada? Chego à conclusão de que os americanos estão numa geração que já não tem referências sobre o que é comida de verdade. Sempre coloco no meu Instagram quando um caixa do mercado não sabe o que registrar quando se depara com uma abobrinha ou com um quiabo. A geração atual já cresceu e viu os avós se alimentarem de cereal matinal da caixinha no café da manhã, mac n´cheese no almoço e frango frito no jantar. Com uma dieta pobre em nutrientes igual a essa, não tem como dar certo por muito tempo. Vamos ver (ou não) quantas gerações vão aguentar.

Leia também: Tudo que você precisa saber para morar nos EUA

Nós no Brasil temos lembrança da comidinha caseira, do arroz com feijão da vó ou da tia. Sabemos que a comida vem da terra. Temos um país riquíssimo em diversidade e produção agrícola. Só tenho medo que possamos estar no mesmo caminho dos nossos vizinhos de continente. Essa semana, fui no Hard Rock Caffe de Boston e o senhor muito simpático da loja me fez uma pergunta curiosa: “Por que os brasileiros gostam tanto desse restaurante?” Puxa, é verdade! Entre num Hard Rock Caffe e tente não encontrar um brasileiro lá, comendo ou tirando mil fotos. Por que damos tanto crédito para essa comida americana tão cheia de fritura e açúcar? Esse caminho é uma ida sem volta.

O triste não é somente ver pessoas que só usam o tamanho XXG de roupas. O triste é constatar o quão incapacitante é a obesidade. A pessoa não consegue caminhar, colocar os próprios sapatos, brincar com os filhos no parque, viajar de avião. É muito comum por aqui ver pessoas na meia idade circulando em carrinhos elétricos pois não conseguem andar. Envelhecer sendo obeso é uma sentença de limitação para sempre.

Minha esperança reside nas gerações futuras que precisarão romper com este ciclo e voltarem a se alimentar com comida de verdade. A obesidade aqui é muito além do que o quanto as pessoas colocam no prato ou quanto fazem de exercício. A obesidade aqui é uma consequência de escolhas políticas, interesses dos empresários e muito marketing do “você merece”.

Related posts

Píer de Santa Mônica em Los Angeles

Natália Baldochi

Halloween nos Estados Unidos

Cecília Bailey

Como tirar carteira de motorista em Nova Iorque

Debora L. Juneck

1 comentário

Chico Setembro 9, 2019 at 6:16 pm

Tá explicado porque meu amigo alemão que tinha um bom físico, se tornou obeso kkkkk, agora ele voltou aos exercícios.

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação