BrasileirasPeloMundo.com
Holanda Turismo Pelo Mundo

A Holanda além de Amsterdam

A Holanda além de Amsterdam.

Nesta minha primeira colaboração para o Brasileiras pelo Mundo, quero mostrar um pouquinho dessa experiência incrível que é a Holanda, um país tão pequeno mas tão diverso, e muitas vezes ainda desconhecido.

Sempre que se fala na Holanda a maioria das pessoas pensa em tamancos, moinhos e… Amsterdam (entre outras coisinhas, mas deixa para uma próxima). A verdade é que a Holanda é muito mais que isto, com muitas outras coisas para se descobrir no resto do país. E ainda por cima, justamente pelo seu tamanho, além de estradas ótimas e trens para tudo que é lado, é super fácil de viajar por aqui.

No Brasil sabemos que cada área do país é completamente diferente da outra. Para a minha surpresa na Holanda, pequena como é, acontece a mesma coisa. Cada pedacinho tem algo especial, e é isso que quero mostrar, com dicas de quem mora aqui e pode falar de lugares que a maioria não conhece. Quem sabe não anima você a ir além de Amsterdam?

Leia também: Tudo que você precisa saber para morar na Holanda

Norte-Sul

A diferença mais conhecida aqui é que o norte seria protestante, e o sul, católico. Isso era muito forte no passado mas não se restringiu somente no plano religioso, se refletindo na cultura e na vida cotidiana das pessoas. O engraçado é que isso persiste até hoje em dia, quando o número de pessoas religiosas na Holanda tem caído muito, com igrejas sendo vendidas e virando hotéis, livrarias e outras coisas.

Protestante, o Norte tem sua cultura mais próxima das ideias Calvinistas. Tais ideias estão tão ligadas à cultura holandesa que ainda estão presentes como o espírito nada esbanjador, honestidade e sinceridade meio até que exageradas, nada de ostentação e nas enormes janelas sempre abertas, sem cortinas, para fascínio de nós estrangeiros, mostrando que aquela casa não tem nada a esconder.

Já o Sul, Católico, tem fama de ter um povo mais amigável, generoso e bon vivant, além de ter carnaval. O Carnaval aqui não tem praticamente nada a ver com o nosso, já que acontece no frio do inverno, sem samba óbvio, mas muito divertido, com grande participação de pessoas mais velhas e crianças.

Leia também: aplicativos para usar na Holanda

Além dessa divisão religiosa outra marcante diferença entre as regiões são os dialetos. Sim, quando você pensa que está arrasando aprendendo holandês (ou sofrendo, como no meu caso) descobre que existem semi idiomas completamente diferentes dentro do país. E não é sotaque não, nem os próprios holandeses de outros lugares entendem. Não é necessário aprender, ainda bem, já que se mantém o holandês oficial em todo o país, é mais algo que une os habitantes em uma mesma identidade cultural.

A Ikea (uma loja bastante conhecida), muito esperta, até lançou em Noord-Brabant, onde moro, um capacho de porta com a palavra Houdoe – em brabant é um tchau bem casual. Para saber mais sobre dialetos holandeses recomendo esse link aqui.

Essas diferenças não são do tipo que divide um povo, na realidade só soma, e torna cada lugar único. A verdade é que dá para correr o país descobrindo cidadezinhas sempre lindas de viver e com algo curioso, seus moinhos e palavras próprias. Eu e meu namorado fazemos isso sempre que podemos, pegando o carro, evitando as estradas maiores e descobrindo o país.

Leia também: sistema de saúde na Holanda

Quero indicar algumas das minhas cidades favoritas, não tão pequenas, fáceis de se achar e nem tão óbvias assim. Não vou passar roteiro porque ainda acho que a melhor maneira de conhecer um lugar é se perder e achar coisas que lhe interessam. Mas uma dica ou outra é sempre bom, então a minha mais básica é a) ache o markt, a praça onde geralmente tem vários cafés e restaurantes, b) ande, olhe, tire muitas fotos porque tem muito prédio lindo nesse país, se canse, e depois sente para tomar uma cerveja (ou chocolate quente se for inverno, claro). Vamos começar a nossa pequena viagem?

Fonte: Acervo pessoal

Vamos começar pelo Norte. Mas assim, bem, bem ao norte mesmo, com Groningen. Aqui dizem que ao norte de Groningen não há mais nada (nada na Holanda né?). Se tem mais alguma coisa não sei, mas Groningen por si só realmente vale a visita. A cidade é linda, e lá fica a famosa Universidade de Groningen (que inclusive oferece curso de holandês gratuito online). Justamente pela universidade a população é formada por muitos estudantes, holandeses e estrangeiros, e super jovem e animada. Portanto, para quem curte a noite,  vale a pena.

Dica: é possível ir para Groningen partindo de Amsterdam pelos famosos diques, passando pelo mar (estrada A7), o trajeto demora cerca de 2 horas. Uma viagem bem diferente do que nós brasileiros estamos acostumados. 

Fonte: Acervo pessoal

Em direção ao sul existe outra pérola holandesa que muitos desconhecem. ‘s-Hertogenbosch ou Den Bosch para os íntimos (é como os locais chamam por aqui) é a terra do pintor Hieronymus Bosch, e por isso o nome. É uma das cidades mais bonitas da Holanda, com todo aquele ar típico holandês que faz tudo que é turista suspirar. Ali também existe um ótimo carnaval e a visita vale a pena pela arquitetura. E o melhor, que de trem, a viagem dura 1 hora a partir de  Amsterdam, ou seja, bate e volta totalmente viável.

Fonte: Acervo pessoal

Já se você curte o mar, indico dar uma esticadinha à oeste, até Middelburg, em Zeeland. Sabe quando falam que grande parte da Holanda fica abaixo no nível do mar? Essa área é realmente assim. A cidade foi fundada no século IX e o ar da cidade de novo é completamente diferente, a arquitetura gótica domina o local, e é impossível se esquecer que estamos ali, pertinho do mar. Recomendo.

Indo ainda mais para o sul tudo muda de novo e temos Maastricht, com sua atmosfera quase estrangeira. Pudera, fica entre a Bélgica e a Alemanha, então influência alheia é o que não falta. Lá o carnaval é muito famoso, e de novo, a arquitetura é fantástica (desculpa a repetição gente, mas é!), de novo totalmente diferente do resto do país. Lá também fica a Universidade de Maastricht, e de novo, a população é super jovem e animada.

Recomendo sapatos confortáveis e andar pelo centro, que é muito antigo e por isso impressiona. Um dos edifício mais conhecidos é a Basilica of Saint Servatius, informações completas aqui. Já a minha dica pessoal é a Boekhandel Dominicanen, uma igreja que foi transformada em livraria, e é simplesmente maravilhosa. Um sonho para amantes de livros como eu.

A verdade é que esse é um resumo muito do resumido, se vocês me entendem. Opções e surpresas não faltam por aqui, por isso faço campanha: se vier por aqui descubra a Holanda, esse país que vai muito além de Amsterdam.

Related posts

Chatuchak Weekend Market na Tailândia

Dani Vidal

Turismo no sul da França

Júlia Lainetti

Os países vizinhos da Eslovênia

Marta Berglez

6 comentários

Linda Ramos Agosto 1, 2017 at 6:19 pm

Olá Fernanda..
Amei seu texto..
Admiro a sua coragem em recomeçar do zero. Tenho o sonho de sair sem destino certo como cidadã do mundo..
Também sou de São José dos Campos.
Muito sucesso nessa nova jornada..

Resposta
Fernanda Campestrini Agosto 7, 2017 at 1:20 pm

Oi Linda! Ah, saudades de São José agora! Toda experiência tem seus lados positivos e negativos, nesse caso para mim o que mais pega é justamente a saudade. Mas mesmo assim, se tem vontade, ache um jeito, porque é realmente recompensador. Obrigada pelo comentário e abraços!

Resposta
Camila Jaworowicz Agosto 2, 2017 at 10:11 am

Fernanda, você como sempre arrasando nos textos, dicas e boa vontade! A minha sorte é que moro aqui na Holanda também, então a vontade que você deixou em mim de querer conhecer cada lugar desse é mega viável! Obrigada pelo compartilhamento! Beijos e parabéns pelo trabalho! =)

Resposta
Fernanda Campestrini Agosto 7, 2017 at 1:19 pm

Obrigada Camila! Aqui tem tanta coisa para conhecer né, tem que sair mesmo, explorando. Beijos!

Resposta
Marcos Manteguzzi Agosto 6, 2017 at 3:13 pm

Oceano Índico na Holanda?!

Resposta
Fernanda Campestrini Agosto 7, 2017 at 1:18 pm

E o corretor automático fez mais uma vítima! 🙂 Obrigada pelo toque, já corrigi, era “indico”.

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação