BrasileirasPeloMundo.com
EUA

Acidente de trânsito nos EUA, como agir?

Depois de muitos anos morando em um país, passamos a nos sentir tão confortáveis naquela “nova” realidade, que sentimos confiança para resolver qualquer situação, afinal, o idioma muitas vezes já é fluentemente dominado, conhecemos as regras, direitos e deveres, certo? Errado! Apesar de quase 8 anos pelas terras do Tio Sam, dia desses me peguei em uma situação completamente nova pra mim: um acidente de trânsito nos EUA, e confesso, eu não sabia muito bem o que fazer.

Lá estava eu indo almoçar com alguns colegas de trabalho, quando de repente alguém bate na parte traseira do meu carro. E aí veio a pergunta que não quer calar: o que fazer nessa hora? Chamar a polícia? Não chamar a polícia, mas fazer um boletim de ocorrência? Ligar pra seguradora do seu carro? Ligar para a seguradora do carro da pessoa que bateu no seu carro? Parece óbvio né? Mas acredite, não é, mesmo com todos aqueles anos de experiência. A gente até tenta se recordar do manual de regras de trânsito, estudado há muito tempo pra tirar a carteira de motorista, mas a memória falha. Tudo acontece muito rápido, algumas pessoas entram em choque, outras choram, outras estão preocupadas com os passageiros em seu carro, enfim, cada um tem uma reação diferente e as vezes a gente fica sem saber o que fazer mesmo. O problema é que se não coletarmos as informações necessárias naquele momento e estivermos lidando com uma pessoa desonesta, corremos o risco de ter “muita dor de cabeça”, ter que resolver no Juízado de Pequenas Causas, ou até mesmo ficarmos com o prejuízo. E por falar em prejuízo, aqui nos EUA, amigos, qualquer conserto mecânico custa uma pequena fortuna, viu?

Mas então, o que deve ser feito quando nos envolvemos em um acidente de trânsito nos EUA?

A primeira coisa é verificar se alguém se feriu. Se isso aconteceu, ligue para o número 911, a Central de Emergências, imediatamente. O atendimento aqui é extremamente rápido e a Central irá enviar uma ambulância o mais rápido possível. Se houver feridos, uma patrulha da polícia também irá ser enviada ao local do acidente para fazer um boletim de ocorrência. Tendo a polícia no local, os próprios policiais irão te instruir sobre os próximos passos. Resumo: é, de certa forma, um pouco mais fácil, logisticamente falando.

Mas e se não houver feridos?

Pois é, no Brasil, quando não há feridos, a polícia não aparece. Você deve coletar as informações do outro motorista e fazer o boletim de ocorrências. Pelo menos, na única experiência que tive, foi assim.

Daí você pensa. E agora? Ligo pra polícia aqui ou não ligo? Nessas horas, não tem jeito, se nunca tivemos aquela experiência no exterior, a gente sempre acaba comparando a situação com algo semelhante ao que vivemos na terra brasilis. A resposta é: sim, você liga! Em alguns estados norte-americanos a polícia não é obrigada a comparecer ao local do acidente, mas em alguns ela é, então, na dúvida, ligue.

E se eu não ligar ou a polícia não aparecer?

1- Peça os dados do outro motorista. Nos EUA, é obrigatório ter seguro de carro e obrigatório apresentá-lo quando você causa um acidente. Além disso, aqui, todo a apólice de seguro cobre, pelo menos, o conserto do carro no qual aquele motorista bateu. Pode até não cobrir o conserto do carro dele, mas vai cobrir o seu.

2- Peça a carteira de motorista do outro condutor. Sim, você pode fazer isso. Colete aqueles dados também, pois nem sempre o motorista que bateu no seu carro está na apólice de seguro daquele veículo. Se você não tiver uma identificação dele(a), não terá como provar que foi aquela pessoa que bateu no seu carro. Vira a sua palavra contra a dele.

3- Tente tirar fotos do acidente. Principalmente se o motorista que bateu no seu veículo não estiver cooperando na hora de te passar as informações acima. Atualmente a maioria dos celulares possuem câmeras e fica fácil registrar qualquer incidente. Além disso, as fotos irão ajudar a seguradora. Inclua nas fotografias os danos causados em seu carro, as placas e os modelos do carros e até mesmo o outro motorista. Algumas pessoas não querem ter a foto tirada e não podemos obrigar ninguém a sair em foto alguma, mas se você se sentir a vontade para pedir (ou conseguir tirar uma discretamente) esse é o ideal. Quanto mais informações e provas você tiver em mãos, menos chances você tem de ficar no prejuízo.

4- Tire fotos da rua e pontos de referência onde tudo aconteceu. Aqui, geralmente as ruas mais movimentadas possuem câmeras em diversos ângulos, porém vias secundárias e terciárias, nem sempre tem. Se você não for familiarizado com a região, poderá não saber chegar lá novamente ou até ficar sem saber depois onde o acidente aconteceu exatamente.

Mas o que fazer se a pessoa não quiser me dar os dados do seguro?

Apesar do seguro de carros nos EUA ser obrigatório, existem algumas pessoas que tentam burlar a lei, outras até tem seguro mas não querem contatá-lo, pois sabem que o valor da próxima apólice será mais alto e dizem que vão pagar do próprio bolso, enfim,existem inúmeras razões para que alguém se negue a te passar as informações necessárias. Isso aqui se chama “hit and run” (bater e fugir, na tradução para o português).

Se esse for o caso, com as fotos e número da placa do carro em mãos, se dirija a delegacia do condado onde ocorreu o acidente e relate o ocorrido. Dependendo do estado em que você reside, a polícia poderá verificar no próprio sistema interno as informações de seguro do motorista “fujão” e você poderá contatar a seguradora dele.

Se isso não resolver o problema, uma outra opção é entrar em contato com a “Small Claims Court” do seu estado e/ou contratar um advogado para cuidar do caso.

De acordo com as estatísticas do Department of Motor Vehicles, todo motorista nos EUA irá se envolver em um acidente de trânsito pelo menos uma vez, ao longo de sua vida. Se isso ocorrer com você, espero que você não entre para estas estatísticas, mas se entrar, desejo que esse artigo tenha te auxiliado pelo menos um pouquinho.

Related posts

Dia de Ação de Graças nos EUA

Lorrane Sengheiser

Stamford, opção perto de Nova Iorque

Liliane Oliveira

Ajuda às vítimas de violência doméstica nos EUA

Alessandra Ferreira

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação