BrasileirasPeloMundo.com
Suécia

Ambiente corporativo na Suécia

Hoje vim falar de como é trabalhar em um ambiente corporativo na Suécia. Eu trabalho em um banco Finlandês com operação e escritórios em 25 Países. O banco é mais forte na Escandinávia mas tem grandes operações na Europa e em alguns países fora dela, como o Brasil.

Fui contratada por uma brasileira que estava com dificuldade de encontrar pessoas com o perfil necessário por aqui e acabou decidindo abrir a vaga no Brasil. Eu me candidatei e fui aprovada. Você pode saber mais de como vim parar aqui nesse link.

No escritório algumas coisas me chamaram a atenção: não há banheiros femininos ou masculinos, os banheiros são comunitários. Não há faxineiras (raramente alguém do prédio passa um aspirador de pó – aqui na Suécia é tudo faça você mesmo!). Temos lanchinhos disponíveis na cozinha como pães, frutas, frios, sucos etc. e uma máquina de lavar louças, com uma tabela das pessoas responsáveis por trocar a louça toda semana. Há bebidas alcoólicas (isso eu estranhei bastante mas, mais ou menos uma sexta-feira por mês eles liberam vinho e cerveja para os funcionários no período da tarde) e há uma máquina de Nespresso grátis (eles são viciados em café).

Leia também: 20 curiosidades sobre a Suécia

O dia a dia do escritório é bem tranquilo e assim como na maioria das empresas européias, o funcionário aqui tem bastante liberdade: temos flexibilidade de horário, não batemos ponto como no Brasil (mas também não recebemos hora extra) e podemos fazer home-office (trabalhar em casa) quando necessário.

Quase todas as pessoas trazem comida de casa, já que almoçar fora todos os dias é bem caro falei sobre o custo de vida em Estocolmo neste post aqui. Quando é aniversário de alguém, temos um fika para comemorar sempre com algum doce (bem gostoso) e café. E, de vez em quando algumas pessoas trazem seus cachorros para o escritório. Mas não há muita conversa entre os funcionários, conversamos apenas durante o almoço. Por um lado isso é bom pois nos permite mais foco no trabalho, por outro lado acabamos não fazendo amigos facilmente e isso dificulta a adaptação, principalmente para quem é de fora.

Outro item que me chamou atenção é que quase ninguém fica no escritório após as 17h. E isso não é só aqui, quando ando de ônibus é possível ver que pouco depois das 17h a maioria dos suecos já está em casa preparando o jantar.

No escritório da Suécia há muitos estrangeiros, alguns que inclusive falam sueco, mas todos falam inglês e essa é a língua padrão por aqui (exceto quando os suecos conversam entre eles).

Eu trabalho no departamento de Risco de Crédito que possui por volta de 15 pessoas no time. Uma parte fica na Suécia, outra parte na Finlândia, na Lituânia e na Alemanha. Ou seja, toda a comunicação entre o time e praticamente todas as reuniões são feitas via Skype. Confesso que no começo estranhei um pouco mas me adaptei fácil e acredito que essas reuniões acabam sendo até mais produtivas do que as feitas pessoalmente. Nosso chefe fica em Berlim e de tempos em tempos há um encontro com o time onde podemos interagir um pouco mais.

A remuneração é mensal e eu pago aproximadamente 30% de imposto. Não tenho nenhum benefício de bancário como tinha no Brasil (VR, VA, PLR, convênio médico, etc.) mas tenho direito a 1500kr (aproximadamente R$ 600) anuais para gastar com saúde (academia, quiropraxia, massagem etc.). Tenho aulas de sueco gratuitamente no escritório com uma professora que vem toda semana nos ensinar a língua local. Confesso que isso facilitou muito as minhas idas ao supermercado.Tenho direito a 25 dias de férias, que contam por dia útil e não por dias corridos, como no Brasil, e não há um mínimo para tirar, posso tirar um dia apenas se quiser. Por outro lado, não há emendas de feriado como no Brasil, mas sim desconto em férias.

Em linhas gerais, é muito bom trabalhar na Suécia, mas é muito difícil enriquecer, pois tudo aqui é muito caro e não há desigualdade social: todos ganham quase a mesma coisa, é claro que um CEO ganha mais do que uma recepcionista, mas a diferença não é tão gritante como no Brasil.

Related posts

Falsiane Vikiniana: Parte 1

Marcele Rask

Violência doméstica na Suécia

Vânia Romão

Quanto custa fazer supermercado na Suécia

Verônica Ferreira Iwarson

2 comentários

Gina Salazar Julho 25, 2019 at 11:43 am

Adorei seu texto Cristiana, parabéns! Já morei na Suécia e é bem assim mesmo:) Uma das coisas que me chamava a atenção também era o fato de fazer home office para lavar a roupa na lavanderia comunitária do prédio, no dia reservado. Amo a Suécia! Boa continuação e vou seguir seus textos. Abraço. Gina

Resposta
Cristiana Judar Julho 25, 2019 at 3:31 pm

Muito Obrigada, Gina!
É exatamente isso mesmo heheh.

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação