BrasileirasPeloMundo.com
EUA

Americanos – é possível definí-los?

Americans ou americanos, para nós brasileiros.

Quem são, como pensam e agem, esse povo tão famoso no mundo inteiro? Os famosos “americanos”… Eu venho aqui lhes apresentar, baseada em meus 5 anos de convívio. Vamos lá?

Bom, para começar, um esclarecimento:  os EUA, assim como o Brasil, é um país de dimensões continentais. São imensas regiões, divididas em duas costas: leste e oeste, respectivamente banhadas pelos oceanos Atlântico e Pacífico. Além disso há um vasto território central, o conhecido meio-oeste. Tem também as regiões sul e norte. Praticamente do tamanho do continente europeu ocidental. Dá para imaginar, então, a grande diversidade desse povo?

A ideia que nos é vendida, vêm de Hollywood, dos filmes e das séries de televisão. Mas na prática, esse é um recorte minúsculo do que significa ser “americano”.

A região, com suas variações climáticas e culturais, já desenha grandes diferenças. De fato os moradores do Texas, gostam de chapéus, rodeios e armas, enquanto que os nativos da Califórnia, preferem a brisa do mar e o discurso hippie de paz e amor. Já os nova-iorquinos estão sempre correndo de um lado para outro, focados em seus compromissos.

Mas, para além dos estereótipos, há algo que unifica essa gente toda e é sobre isso que quero falar!

Americanos são em sua essência um povo extremamente resiliente e determinado. Nada parece intimidá-los ou impedi-los de realizar aquilo que eles encasquetam em fazer. A história não me deixa mentir, e grande parte dos visionários que mudaram nossa existência, nasceram por essas bandas.

Você pode detestar certos comportamentos, discordar profundamente de posições políticas ou ideológicas, mas é inegável, que os Americanos são a grande influência da nossa era, sobretudo depois do início do século XX.

Nas minhas andanças por aqui, conheci e convivi com tanto tipo de gente, que tive um aprendizado intensivo em humanidade e antropologia.

Para ficar lúdico, vou descrever alguns seres humanos  que tive a honra de conviver. Terei o cuidado de substituir os nomes e lugares em respeito à privacidade. Vamos lá?

Leia também: Abrace a diversidade

  • Anne é loira, rica e republicana. Dirige uma SUV e mora em um subúrbio rico da Virginia. Passa parte dos seus dias lecionando inglês, voluntariamente, para imigrantes e refugiados, entre os quais, mulheres muçulmanas de países como Irã, Iraque e Afeganistão.
  • Kevin nasceu em um corpo de menino, com espírito de mulher. Ama maquiagem, é lindo e se veste com um estilo único. Vive e trabalha em San Francisco.
  • John tem paixão por armas. Coleciona AR15 e seu cartão de crédito é vinculado a uma loja de munições. Ao invés de acumular milhas, ele acumula pontos, para serem trocados por balas para o seu arsenal. Ele vive nos arredores de Detroit.
  • Jonathan é um jovem negro. Adora ler. Ama literatura inglesa e seu sonho é ser professor universitário. Foi aceito em uma das faculdades mais renomadas do país, quando ainda estava no penúltimo ano do ensino médio.
  • James nasceu em um país pobre e violento da Africa. Chegou aos EUA como imigrante illegal, ainda criança. Viveu nas ruas de Nova Iorque até a adolescência, onde foi adotado por uma senhora branca da costa oeste. Criado com muito amor e respeito, entrou para a Universidade mais concorrida do estado em que vive.
  • Amber é muito rica. Herdeira de um magnata da tecnologia, casou-se com o proprietário de uma das maiores empresas de transporte do país. Juntos têm cinco filhos e dividem sua vida entre uma casa envidraçada nas montanhas de Aspen e outra com vistas cinematográficas à beira do lago Michigan. Nunca teve empregadas ou cozinheira. Faz questão de criar seus filhos sozinha e prepara cuidadosamente o jantar das crianças frequentemente.
  • Kate é mãe solteira de duas crianças, uma com 6 meses e outra com 2 anos. Dependente de opióides, vive em um abrigo na cidade de Portland. Luta contra o vício e dentro de suas possibilidades, cria os seus filhos com uma força imensurável.
  • Carolyn vive com o marido David em uma pequena cidade no interior de Indiana. Têm quatro filhos , cinco netos e dois bisnetos. O filho mais velho, Martin, casou-se com Juan que imigrou do Equador. Tanto Carolyn, quanto David, trabalham até hoje, já perto dos 80 anos, para continuar honrando seus compromissos financeiros.
  • Steve nasceu em uma rica família da California. Depois de formado resolveu viver como voluntário por dois anos no continente africano. De volta aos EUA, engajou-se em uma organização de moradores de rua e hoje é um dos principais responsáveis pelo bem estar e sobrevivência de milhares de famílias.
  • Jim é um artista e professor super talentoso. Pinta e desenha maravilhosamente bem. Muito bem educado, conhece mais sobre literatura portuguesa do que eu. É muito generoso ao ensinar e compartilhar seu conhecimento com seus alunos.
  • O casal Wolf se conheceu no auge do movimento hippie dos anos 70. Casaram-se e fincaram raízes em Seattle. Ambos trabalham como educadores. Já com os filhos criados, usam suas férias e tempo livre para causas humanitárias na Africa, além de roubarem “donuts” da cafeteria da escola, para distribuírem aos “homeless” na hora do almoço!

Leia também: Tudo que você precisa saber para morar nos EUA

Esses foram apenas alguns dos exemplos que vieram à minha mente. Foram muitas pessoas que cruzaram meu caminho. Foram muitas histórias que me inspiraram e me transformaram.

Sair da minha caixinha de conforto do Brasil, me proporcionou esse mergulho profundo na descoberta da natureza humana.

Sabe a que conclusão chego? Somos tão semelhantes quanto distantes em nossas diferenças. Somos seres pensantes, carregados de sentimentos, valores e histórias pessoais, que aos poucos vão construindo o que realmente somos. A vida é mágica por proporcionar esses encontros que expandem nossas capacidades.

Viver nos EUA, me fez crescer demais e serei eternamente grata a essa terra e a essa gente, por tudo que me ofereceram. Estou indo embora com a alma crescida e o coração pequenino de saudades.

Bye, bye e até a próxima.

Related posts

Aumentar ou não a família quando se mora fora?

Jenny Rosén

Como se preparar para um terremoto

Raiane Rosenthal

EUA – Uma vida interessante ou feliz? A metáfora da Filadélfia

Gabriela Albuquerque

3 comentários

Clea Albuquerque June 24, 2019 at 8:14 pm

Seu relato nos faz pensar na diversidade, quão importante seria se todos tivessem a oportunidade de vivenciar isso tudo e com certeza muito mais.
Obrigada por compartilhar essas experiências.
Ficarei aguardando outras tantos relatos que vc faz com maestria.

Seja feliz na nova caminhada, e continue nos colocando em dia o que se passa por esse mundão afora.

Resposta
Larissa Rinaldi July 4, 2019 at 6:54 pm

Adorei, Gabi!

bjs.

Resposta
Misty May 9, 2020 at 6:56 am

Lindo texto amiga, a America é maravilhosa!

Resposta

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação