Amor pelos animais

0
85
Advertisement

Amor pelos animais.

Normalmente, eu escrevo sobre relacionamentos entre humanos, mas este mês, devido a vários problemas pessoais que serão expostos abaixo, eu resolvi escrever sobre relacionamentos com os nossos animais ou filhos de patas.

A minha inspiração vem da Alicia, a minha beagle, que está com aproximadamente 14 anos e muito doente. Nós encontramos a Alicia em um abrigo de animais na Flórida, quando ainda morávamos lá. Ela estava com aproximadamente seis anos e meio e tinha sido levada ao abrigo pois não poderia mais reproduzir e dar lucros ao canil onde morava. Ela foi a única cachorra a não chegar perto das grades quando visitamos o local. Estava deitada, com a cabeça baixa, como se já tivesse desistido da vida. Meu marido, que cresceu com beagles, se apaixonou à primeira vista. Foi um encontro de almas e a levamos para casa.

Desde que nos casamos, nós sempre tivemos animais. Cachorros e gatos. Um mais incrível que o outro. E cada um veio para nós de modo diferente. No momento, nós temos três gatos e dois cachorros. Nas duas últimas vezes que mudamos de país, tínhamos quatro gatos e um cachorro. Nos mudamos dos Estados Unidos para São Paulo, depois de São Paulo para o México e de volta para os Estados Unidos. E não é nada fácil ser expatriado com animais. Além da burocracia com a documentação para a viagem temos as dificuldades de transporte. E nem vou falar da dificuldade de viajar com as cinzas de alguns animais… Sim, eu já fui interrogada por estar viajando com as cinzas do meu gato, Gabriel.

Leia também: Viajando com animais pelo mundo

Eu sempre brinquei com o meu marido que o meu amor por ele é condicional, mas o meu amor pelos meus filhotes é incondicional, que eu não o vejo abanando o rabo e pulando de felicidade toda vez que chego em casa. E vice-versa. É um amor quase tão grande quanto o que sentimos pelos nossos filhos.

Mas e quando o marido ou a mulher sentem ciúmes dos animais? Parece besteira, mas é muito mais comum do que se imagina. Eu conheço um caso que a mulher chegou a dar um ultimato ao marido: ou o cachorro ou eu. A terapia venceu e eles continuam juntos e felizes. Os três: marido, mulher e cachorro.

Mas por que as pessoas sentem ciúmes dos animais? Na maioria dos casos, a razão é uma tremenda insegurança. A pessoa não admite dividir a atenção com ninguém e menos ainda com animais. Ter animais exige compromisso. Você se torna responsável por uma vida por aproximadamente 15 anos. Não é uma decisão que as pessoas devem tomar sem antes pensar muito na responsabilidade que estão assumindo. Você passará a ter diversas despesas com alimentação, veterinário, hotel para o animal quando você for viajar, etc. Além disso, ainda tem o tempo que terá que ser dedicado àquele ser que depende 100% de você. Você terá que levá-lo para passear, chova ou faça sol – ou em nosso caso, neve. E, quando você está em casa, eles também querem a sua atenção, querem brincar e querem carinho. Já deu para perceber o quanto um animal pode incomodar uma pessoa insegura e ciumenta, não deu?

O ciúme e a insegurança fazem a pessoa começar a se comparar com o animal e controlar todo o tempo e a quantidade de carinho que o outro dá ao bichinho. Cria-se uma rivalidade extremamente infantil. Como competir com o amor de um animal? Não se compete. Abra o seu coração e o ame também. Entenda que são amores completamente diferentes e que não existe uma disputa para ver quem ama mais.

O jurista Oliver Wendell Holmes Jr disse que a mente que se expande através de uma nova experiência nunca volta ao seu tamanho anterior. Eu acredito que o coração é igual. Uma vez que ele se expande com amor, ele não volta ao seu tamanho original. Os animais têm o poder de expandirem nossos corações. Quem nunca teve um animal não tem ideia desse amor. Portanto, nada de ciúmes de seus animais. Quando eles se forem embora vocês não imaginam o vazio que deixam. Mas como é bom fazer parte da jornada deles…

Leia também: Brasil – Os Pets: A Saga

Nos últimos anos, psicólogos têm publicado mais e mais pesquisas sobre o quanto a perda de um animal pode afetar os humanos e que em diversos casos essa perda é comparável à de um ente querido. Há diversos artigos na Psychology Today, Psychcentral, petMD, entre outros sites sobre o assunto.

Bom, eu falei tudo isto porque a minha Alicia está se preparando para partir, apesar de estarmos fazendo todo o possível para que ela se recupere. Os rins e fígado estão falhando e ela foi recentemente operada para remover um câncer de pele. Nossa sorte é termos um time de veterinários maravilhosos nos acompanhando nesta luta e termos um plano de tratamento no veterinário, o que nos ajuda a cobrir alguns custos.

A vida é curta. A vida deles mais ainda. Portanto, não perca tempo com ciúmes deles. Abrace-os, leve-os para passear. Apaixonem-se. Vocês irão conhecer o amor mais puro do mundo!

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui