BrasileirasPeloMundo.com
EUA

Califórnia proíbe venda de cães e gatos em lojas de animais

Califórnia proíbe venda de cães e gatos em lojas de animais.

A Califórnia é oficialmente o primeiro estado a proibir venda de animais que não sejam resgatados. A nova lei, confirmada em outubro do ano passado, deixou não só os amantes de animais entusiasmados, mas animou ainda mais as ONGs de defesa dos animais e os abrigos. Dentro das restrições revisadas – que entram em vigor em 1º de janeiro de 2019 – essa exigência obrigará os donos de lojas de animais a venderem apenas cachorros, gatos, coelhos, etc. que venham de abrigos de animais, grupos de resgate ou centros de adoção. Caso não cumpram a lei, assinada pelo governador Jerry Brown, as lojas podem ser multadas no valor de US $500.

Trinta e seis cidades, incluindo Los Angeles e São Francisco, já têm proibições semelhantes, mas esta nova lei aumentaria bastante essas políticas em todo o estado. Muitos amantes de animais e grupos de resgaste esperam que a lei da Califórnia inspire outros estados a seguirem o exemplo e proibam a venda de animais que não se enquadram no padrão da nova lei.

A Sociedade Humana e a Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade aos Animais (ASPCA) estão à frente do apoio à legislação. Ambos os grupos concordam que o projeto de lei faria com que melhorasse o tratamento dos animais, ajudaria a promover mais adoções de animais resgatados e abandonados, e evitaria mortes desnecessárias. Aqui nos Estados Unidos, você raramente encontra animais de rua como temos no Brasil. As prefeituras das cidades literalmente catam todos os bichos que não tenham donos, ou que aparentam perdidos, e levam para um abrigo onde serão tratados por veterinários voluntários e cuidados até encontrarem o dono ou um novo lar.

Geralmente, quando alguém perde um animalzinho de estimação, além de colocarem cartazes pelo bairro onde moram com pedidos de ajuda onde às vezes tem até recompensa para quem achar seu animalzinho, essas pessoas vão também aos abrigos para ver se foram achados, e muitas vezes são. O próprio abrigo consegue identificar os donos se o animal for registrado e/ou tiver um chip. Não sei se os chips já chegaram ao Brasil, mas por aqui são implantados em animais exatamente para que você consiga achar seu bichinho. O registro custa entre $20 e $60, e os chips estão incluídos no preço, ou você consegue de graça em um abrigo comunitário.

Eu particularmente acho bem interessante isso, e acho muito legal como toda a comunidade faz questão de cuidar para que os animais não fiquem sozinhos pelas ruas de suas cidades. Muitos ligam para o departamento de proteção, levam para o abrigo mais perto, cuidam até achar o dono, ou até mesmo acabam adotando caso o dono nunca seja encontrado. Tem tanta história também de animais que foram adotados e depois de muitos anos os donos acabaram conseguindo encontrar.

Caso esteja nos Estados Unidos a passeio ou morando e encontrar um animal perdido, ou presenciar algum tipo de abuso, você pode contactar o abrigo mais perto de onde esteja e comunicá-los. É possível encontrar facilmente o telefone e endereço de um “Animal Shelter” perto de você pela internet. Praticamente todo bairro tem um, e funciona da mesma maneira em outras cidades e até mesmo em outros estados do país, mas lembre-se de que aqui é muito comum os donos de gatos deixarem seus bichinhos soltos, então, caso você veja um gato na rua, esse provavelmente tem dono. Faz parte apenas de um hábito americano de deixar os gatos passearem, esses geralmente têm chips implantados e muitos usam coleiras de identificação, e estão obviamente em ótimas condições.

Leia também: vistos para morar nos EUA

Voltando um pouquinho sobre a nova lei, os donos de lojas de animais estão bastante preocupados. Muitos acreditam que será prejudicial para eles, já que muitas pessoas procuram por filhotes. Atualmente, existem diversas campanhas sobre adoção de animais em vez da compra. Eu mesma sempre procuro meus bichinhos em abrigos antes de pensar em ir a uma loja. Tenho dois gatos que foram adotados e estou a procura de um cachorro para adotar. A grande preocupação é a super lotação desses abrigos. Muitos não têm estrutura ou dinheiro para manter todos os animais e acabam sacrificando os mais vulneráveis, ou os que já estejam no abrigo há muito tempo.

De acordo com o Humane Society, grupo dedicado à luta contra abuso de animais e pessoas, outro grande problema que estão tentando controlar é a criação irresponsável, que leva cerca de 1,5 milhão de animais a serem sacrificados nos Estados Unidos a cada ano. Esses animais geralmente são misturas fora do padrão e não são saudáveis e acabam abandonados.

Ainda será possível adquirir um animal de uma raça específica, mas você deverá comprar diretamente do criador, além disso, a nova lei exige um registro público que mostre de onde veio cada cachorro, gato, coelho…

Na minha opinião, todos os bichos, adotados ou comprados devem ser tratados com muito amor e jamais abandonados, principalmente largados na rua. Caso você realmente não possa ficar com seu bichinho, procure alguém que queira, ou leve para um abrigo. Não abandone. E se puder escolher, adote. Tá cheio de peludinhos precisando de amor e um lar por aqui.

Related posts

6 dicas para quem vai morar nos Estados Unidos

Natália Baldochi

Me redesenhando

Gabriela Albuquerque

Meu primeiro réveillon fora do Brasil

Larissa Rinaldi

1 comentário

Karina Fevereiro 4, 2018 at 1:49 pm

Que notícia maravilhosa! Amei!!! ❤️❤️❤️❤️❤️❤️

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação