BrasileirasPeloMundo.com
Connecticut EUA Relacionamentos Multiculturais

Celebração de casamentos multiculturais

Celebração de casamentos multiculturais

Estamos em Janeiro e neste mês comemoro 19 anos de casada e 20 anos de namoro. Sei que é muito cliché dizer isto, mas parece que foi ontem! E me lembro muito claramente da dificuldade que tivemos para decidir sobre como seria a nossa cerimônia de casamento. Desde pequena eu tinha tudo planejado. Já imaginava o vestido, o local, os padrinhos, os convidados, a comida, as bebidas, os docinhos, o bolo, o DJ, o cerimonialista, e como a festa seria animada. Eu imaginava cada detalhe. Até o noivo ideal eu tinha em mente, alguém com o mesmo temperamento calmo e paciente, igual ao meu tio Fernando, pois eu sou muito parecida com a minha tia Amélia, e tenho o mesmo temperamento explosivo. Aprendi demais com eles sobre casamento e lhes sou eternamente grata. Bom, o noivo veio como eu planejei. Mas a cerimônia… Não poderia ter sido mais diferente…

Aceitei me casar com um americano e quando decidimos nos casar com um estrangeiro surgem varias questões. Na época do noivado já aparecem algumas diferenças culturais que serão amplificadas durante o casamento. Cada cultura tem um ritual em relação ao casamento, que vão desde o pedido até a cerimonia. Quando se misturam culturas diferentes alguns mal entendidos já começam aí. Como exemplo de mau entendido, eu posso citar um casal que conheço em que o noivo não esperava que a família da noiva fosse exigir um dote muito aquém das suas condições financeiras na época. E a familia dele se recusou a ajudar com o dote por considerar uma tradição antiquada. O que fazer nestes casos?

Quando o namoro começa a ficar sério eu indico que o casal converse e explique um ao outro as tradições de seus países. Também acho importantíssimo uma conversa com as famílias para deixar bem claro as expectativas de todos para que quando haja o pedido de casamento não haver stress para ninguém. As famílias devem aprender sobre a cultura e as tradições dos noivos. Também acho que é o momento apropriado para começar a explicar para as famílias quem tomará a maior parte das decisões sobre o casamento e quem arcara com a parte financeira. É a velha história do combinado não sai caro.

Conversado com as famílias e com o relacionamento progredindo, chega a hora do noivado oficial e de começar a planejar o casamento, mesmo que este vá demorar um pouco para acontecer. Surgem então mais algumas questões, algumas inerentes a dinâmica familiar e outras referentes ao aspecto prático da cerimônia. Isto tudo deve começar a ser levado em consideração desde o inicio do planejamento pois se não forem cuidado no começo podem virar uma grande bola de neve e causar muitas dores de cabeça que seriam facilmente evitadas. Exemplos de questões a serem esclarecidas são:

Em que cidade/país iremos nos casar? Perto de uma das famílias ou em local neutro?
Vamos nos casar no religioso?
Se sim, em qual religião, na minha ou na sua?
Quais as tradições culturais e religiosas iremos incorporar na cerimônia? E na festa?
Quantos padrinhos e madrinhas teremos? Eles virão como casais ou não?
Quantas pessoas serão convidadas?
Como administrar pais dos noivos divorciados e que não conseguem nem mesmo ficar no mesmo ambiente?
Como será decidido o hotel e o roteiro para os convidados que estão vindo de outro país?
Quantos dias terão festas, almoços, jantares com famílias e convidados?
E como será a agenda destes convidados durante a visita?
A noiva terá ajuda para organizar tudo isto?
Qual é o orçamento dia festa? E como será dividida esta conta?
Como e aonde será a lua de mel?

Leia mais sobre relacionamentos multiculturais

São tantas questões que não consigo imaginar todas. Mas imagino o stress dos noivos e lembro bem do meu. Eu admiro muitíssimo quem consegue passar incólume por este processo. Eu tenho uma grande amiga brasileira, casada com americano que passou por este processo magistralmente. Organizou tudo para todos sem se estressar muito. O casamento foi belíssimo e 18 anos depois eles ainda tem histórias maravilhosas para contar. Mas eles são a exceção à regra.

Eu atendo muita gente já nesta fase por não estarem sabendo lidar com todo esta pressão. Nesta fase os noivos tem que assumir controle da situação, mesmo que para isto tenham que bater o pé no chão e avisar para as famílias que o casamento é deles e as decisões finais também. Até decidir casar em uma cerimônia mínima e sem stress nenhum é uma opção e um direito dos noivos. Mas se você decidir por uma cerimônia maior eu deixo aqui algumas dicas para minimizar a quantidade de problemas:

Antes de mais nada, estabeleça um orçamento.
Decidam quem vai contribuir com quanto deste orçamento.
Abra uma conta dedicada ao casamento. Marque uma data para estar com toda a quantia do orçamento em conta, ou se for parcelar os depósitos combine o dia do deposito.
Comece a economizar dinheiro imediatamente já pensando na possibilidade de estourar este orçamento.
Escolha o tamanho da cerimônia em que ambos os noivos se sintam confortáveis.
Decidam quais tradições eram incorporadas durante a cerimônia. Seja sensível quanto a incorporar as cerimonias e tradições do parceiro.
Faça 4 listas de convidados: a sua, a do noivo, a dos seus pais e a dos pais dele. Edite-as.
Quando for escolher o cardápio leve em conta a religião dos noivos e a necessidade de comidas kosher ou halal.
Faça convites bilingues.
Programe o envio dos convites com antecedência de pelo menos 6 meses pois muita gente terá que comprar passagem aérea e organizar estadia.
Coloque informações sobre a cidade em outro envelope a ser enviado junto ao convite (nome do aeroporto mais próximo, hotéis, moeda, trajes para as cerimonias, restaurantes, atrações, clima na época do ano aonde o casamento irá ocorrer, melhores meios de transporte, etc…).
Envolva a familia do noivo no processo e delegue a eles em alguma tarefa para que eles.
Não se torne uma Bridezilla, uma daquelas noivas super estressadas e mau humoradas.
Lembre-se que imprevistos acontecem e dão um sabor especial a qualquer festa.
Não brigue com o seu noivo por qualquer besteira. Não vale a pena. Lembre-se que o casamento também é dele.
Faça o possível e o impossível para não brigar com ninguém das famílias.
Use a comunicação como seu maior aliado. Não deixe de falar o que pensa nem o que esta sentindo, mas meça as suas palavras.
Se for para criar expectativas, crie expectativas realistas.

Esta lista seria infindável. Curta a preparação. Curta a festa ou as festas. Aproveite muito este momento que vai marcar o início da vida a dois de vocês. E fiquem a vontade para usar o meu mantra sempre que surgir alguma situação mais difícil durante este período: O que é mais importante, é ter razão ou ser feliz?

Related posts

EUA – Especial Entrevista – “Vegan Diva” Fernanda Capobianco

Monica Bateman

Vivendo como cientista brasileira nos Estados Unidos

Carleara Weiss

5 coisas que muita gente pensa quando moramos fora

Liliane Oliveira

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação