BrasileirasPeloMundo.com
China

China – Estudar Mandarim

Estou há quase 10 anos na China e, infelizmente, meu mandarim ainda é macarrônico (rs). Mas existem alguns fatores que explicam (não justificam) essa minha situação.

1. Nos primeiros 4 anos de idas e vindas a Chang Chun (norte da China), aprendi algumas palavras básicas para me virar, porque na ‘China real’, ou você fala mandarim ou fala mandarim. O inglês pouco te salvará de uma situação difícil.

2. Em 2009 mudei para Shanghai, com muitas facilidades na minha vida: motorista que falava o básico de inglês (como eu – rs), morando em condomínio internacional onde todos da administração falavam inglês e resolviam meus problemas diários, filhos estudando em escola internacional e pela idade não pegaram a fase do mandarim
compulsório (ou seja meus filhos não falavam uma língua que eu não entendia).

3. A comunidade estrangeira é imensa aqui, uma verdadeira Torre de Babel, e se eu quisesse ter amigos teria que falar que idioma? Inglês. Bom,  por mais estranho que possa parecer, eu vim para a China e me matriculei numa escola de Inglês!!! =]

Naquela época era o que garantiria minha sobrevivência com qualidade de vida. E em Shanghai, dentro da bolha dos laowai (estrangeiros), o inglês é muito importante. Tem quem não fale, mas aí acaba fechado no mundo da sua comunidade, o que não vejo vantagem alguma, já que estamos num lugar aberto ao mundo. E uma das coisas que mais me fascina é essa coisa de conhecermos gente do mundo inteiro!

Mas vamos fazer uma parada e lembrar que estou falando, até agora de 2004 a 2009. Depois de uns dois anos, meu inglês já era aceitável e aí… Estava com preguiça de aprender mandarim!

Na China, ao contrário de outros países, como a Alemanha, o governo não obriga estrangeiros residentes a aprender o idioma local. E sabe aquela coisa de ‘zona de conforto’, acomodação?  Pois é… Também existe na China. De uma maneira diferente, mas existe. Principalmente se vivemos em Shanghai.

Resumindo, hoje já me comunico melhor, acabei fazendo um curso básico numa escola particular e depois um curso de verão na Universidade. Se estou contente com meu
mandarim macarrônico? Não. E ainda vou melhorar um pouco isso. Mas gente… Precisa de dedicação. E muita. Mandarim não é a língua que você aprende, lendo um livro, assistindo um DVD, tentando conversar e as pessoas te entendem, na maior parte das vezes, mesmo a pronúncia estando errada. Isso só vai acontecer quando está num estágio muito avançado de conhecimento da língua.

Mandarim é ‘osso’! Começando pela saga dos quatro tons, que vocês podem conferir nesse post aqui no meu blog. Se você muda a entonação, e sempre costumo dizer que para nossos ouvidos elas são algo meio surreal, ninguém te entende. Até porque a diferença entre as palavras ma 嘛, mà 骂 , mǎ 马 e mā 妈 são imensas. Na ordem que se apresentam: 1) interjeição de ‘bem’ ou no final da frase a entonação da pergunta, 2) ruína, maldição, 3) cavalo e 4) mãe. Agora os caracteres, como vocês podem notar, são completamente diferentes. O que para o chinês torna difícil a compreensão de porque nós confundimos as palavras já que muitos nem conhecem o tal de pinyin (escrita romanizada dos caracteres).

Os chineses são alfabetizados através dos caracteres e a maioria deles (que estão na faixados 35 anos ou mais) não sabe nem sequer o que significa o alfabeto ocidental. Mesmo hoje, a criança somente é apresentada ao pinyin depois de dominar a escrita de caracteres. Para vocês terem uma ideia, é necessário saber ao menos três mil caracteres para conseguir ler um texto básico em mandarim.

Então vocês já viram que a dedicação para aprender essa língua tem que ser quase que exclusiva. E estudar muito, mas muito mesmo. Somente as horas na sala de aula não são suficientes para se aprender mandarim. Principalmente se a opção for um curso na universidade, onde eles só falam algumas palavras de inglês (para te ajudar um pouco) nas primeiras três semanas. Depois, ‘se vira nos 30’. E depois do segundo semestre, até o pinyin é meio que abolido dos livros didáticos. Tem que saber ler os caracteres.

Claro que existem cursos particulares que são muito bons e te ensinam tudo em pinyin. Além do que, de uns dois anos para cá a diversidade de material didático criado para facilitar o aprendizado da língua e principalmente a memorização dos caracteres é enorme.

Ah, esqueci: memorização. Sim, não há outra maneira de aprender a escrever os caracteres: tem que ser no velho método da decoreba. E nisso os chineses são campeões. Todo o sistema educacional aqui, e ainda hoje é assim, é baseado no decorar, memorizar. Uma vez li uma entrevista (acho que foi em 2010) do então ministro da educação chinês em que ele dizia que o governo estava ciente que o sistema educacional do país formava ótimos operários, mas péssimos líderes. E que isso teria que mudar, devido às mudanças econômicas da China.

As coisas estão mudando, mas ainda é muito difícil a concepção de ‘questionar’. Quando fiz o curso na universidade e, meu lado curioso latente, perguntava ‘mas porque isso é assim?’

Ouvia um solene: ‘porque é assim’. ‘Mas…’, ‘Sem mas… é assim e pronto’. E recebia as costas da professora que começava outro tópico e eu ficava ‘a ver navios’…rs

Essa é outra coisa interessante do chinês: quando ele não sabe o que te responder, ele te ignora, muda o rumo da prosa ou simplesmente te fala ‘deve ser’ ou ‘eu vou tentar o meu melhor’. Dificilmente você ouvirá um não direto ou ‘eu não sei a resposta’ de um chinês. Isso tem haver com a cultura de não falhar, não ‘perder a face’.

Mas depois de tudo, para acalentar as esperanças dos interessados em aprender o idioma mais comentado da atualidade, eu garanto: não é impossível. Conheço inúmeros estrangeirosque falam o mandarim fluente. Muitos, mas muitos mesmo, brasileiros. Só que desses, 95% estudaram muito. E quando digo muito, realmente entendam assim.

Mês que vem coloco algumas dicas de escolas de mandarim e falo um pouco sobre a diferença entre as universidades e as escolas particulares.

Até lá!

 

Related posts

Por que estudar na China?

Júlia Rosa

Dicas práticas para quem quer cursar o ensino superior na China

Thais Maciel

China – Voluntariado: mais que doação, uma razão para estar aqui

Christine Marote

35 comentários

Fernanda Franco Fevereiro 26, 2014 at 7:38 pm

Legal Chris, mas, so de ollhar para os caracteres ja me desanima. Parabens para os que conseguem dominar o idioma e principalmente os caracteres. Outro dia, falando com uma colega de trabalho, que nasceu em Londres, filha de chineses, me contou que lamenta nao ter aprendido o mandarin quando crianca. Segundo ela, todo sabado os pais a levavam numa escola para mandarin, mas, com o tempo, ela desanimou e os pais tambem nao se importaram em insistir com que ela aprendesse a lingua. Hoje, ela se arrepende e disse que nao fala e nem escreve. Ainda me deu um conselho: pra ter certeza de que eu ensine meu filho o portugues e insista para que nao aconteca o mesmo. Esse tesouro cultural nao tem preco que pague, nao e mesmo? Boa sorte por ai!!!! xx F

Resposta
Christine Marote Fevereiro 28, 2014 at 10:24 am

É Fernanda, aprender nossa língua materna quando estamos fora do nosso país é mais importante ainda! E essa moça realmente deve estar muito desapontada. Mas quando se ia imaginar a 30, ou melhor a 15 anos atrás que o mandarim se tornaria um tesouro para quem o dominasse. Um dos meus filhos está falando e escrevendo, mas é dificil porque aprendeu quase adulto, com 18 anos. Na época da highschool ele nem queria ouvir em mandarim, preferiu fazer francês como segunda lingua. Mas ao menos a ficha caiu e ele está tendo a oportunidade de aprender. =]
Beijo.

Resposta
Tati Sato Fevereiro 26, 2014 at 9:00 pm

Oi Chris! Adorei o texto! Achei bem interessante a afirmação de que a China produzia bons operários, mas poucos líderes, pela forma que a alfabetização na China acontece. Engraçado una cultura onde as pessoas não são ensinadas a questionar, mas simplesmente a aceitar…
Algunas vezes, acho que esse é um problema do Brasil… Quiero dizer, eu tinha que decorar muita coisa, mas me tornei uma questionadora por conta dos meus pais! =)
Parabéns, lindona!
Beijos

Resposta
Christine Marote Fevereiro 28, 2014 at 10:29 am

Isso é um paradigma aqui Tati. Mas sabemos que hoje existem algumas escolas modelo que estão abrindo um pouco esse conceito. Só que cultura não se resolve que vai mudar e pronto. Isso leva anos, às vezes gerações. Agora espero que eles ensinem a questionar e a ter atitude. No Brasil, nas ultimas décadas se fizeram muitos questionadores, com a tendencia ‘socio-construtivista’ aplicada em massa e sem embasamento. Hoje temos muitos jovens que questionam tudo e mas não tomam decisões ou agem para mudar o que não concordam. Uma pena ser 8 ou 80 em qualquer situação.
Beijo

Resposta
Mércia Granja Fevereiro 27, 2014 at 3:06 am

Muito bom Chris!!! Realmente aprender o Mandarim é um desafio e tanto, sem falar nos dialetos que nos confundem ainda mais. Tem que ter determinação. Beijios

Resposta
Christine Marote Fevereiro 28, 2014 at 10:30 am

Mércia,
Acho melhor nem entrarmos nesse ponto da questão…hehehehe.
Aí deixamos todos de ‘cabelo em pé’, literalmente!
Beijo.

Resposta
Marta Fevereiro 27, 2014 at 1:57 pm

Christiane,
Muito bom ler suas observações sobre a China.
O que me levou a aprender Mandarim foi ter me identificado com os chineses quando eu estudei na Coréia do Sul. Parece engraçado, mas foi justamente isso.
Depois de alguns anos estudando, posso afirmar que as maiores dificuldades que encontrei estão tambem relacionadas aos tons e em desenvolver este monte de habilidades que requer o idioma: ler, falar, reconhecer o que se fala e lê. kkk , é um verdadeiro exercício mental e intenso.
No mais, o que percebo na maioria dos brasileiros com uma grande dificuldade em aprender o Mandarim é o querer entender o idioma( linguagem se constrói com a cultura) a partir da nossa cultura. Por este aspecto as dificuldades se multiplicam, tanto por parte da didática chinesa (zero em relação a fazer uma ponte entre a nossa forma de aprendizado e a deles), tanto por parte de alguns brasileiros que sempre querem entender outra cultura a partir da nossa.
Que não é fácil não é, mas para mim foi super realizador o dia que consegui ler o primeiro ideograma e seu significado, como também entender quando ouvia alguém dizer.

Resposta
Christine Marote Fevereiro 28, 2014 at 10:42 am

Oi Marta!
Parabéns! Você é uma das pessoas que admiro. rs
Aprender mandarim é um desafio e tanto. E entendo sua felicidade, pois por muito menos, senti a mesma alegria. Outro dia consegui explicar ao taxista que me pegou em casa que queria ir no endereço x. Qdo meu marido entrou no carro, falei para que agora nós tinhamos que ir ao endereço y. E ele me perguntou se ela leste ou oeste e eu respondi! hehehe. Pode parecer uma bobagem, mas a gente se sente mais confiante. E tem coisas que só quem conhece in loco a Ásia consegue entender! =]
Quanto a questão da cultura, sempre insisto nisso não só no idioma. Os hábitos chineses são muito estranhos (e nojentos em alguns casos) para nós. Só que não adianta criticá-los baseados na nossa cultura, no que consideramos certo ou errado. Procuro mostras as pessoas que temos que tentar olhar o lado deles para conseguir entender as coisas. E isso não quer dizer que aceito, mas que respeito.
Grande abraço!

Resposta
Karolina Malaguetta Fevereiro 27, 2014 at 7:27 pm

Christine, deve ser uma coisa desesperadora tentar entender mandarim, eu mal consigo falar inglês. Imagino que essa história de “Inglês lingua universal” é meio que mito, viajei para a França sem guia achando que conseguiria me virar por conta com o Inglês e dei com os burros n’agua.
Já faz um tempo que estou querendo me mudar para o Reino Unido para melhorar o inglês, mas meus amigos dizem que tenho que ficar longe de todo mundo que fale Português, pois quando tem gente que fala o idioma que a gente conhece acaba se acomodando mesmo e não se empenha tanto em aprender…
Creio que eu nunca conseguiria decorar tantos caracteres, deve ser uma luta muito grande para você!
um grande beijo e boa sorte com essa loucura toda!! rsrs

Resposta
Christine Marote Março 4, 2014 at 10:19 am

Karolina, eu concordo com você: nem todo mundo fala inglês! E quando alguém aqui reclama que os chineses não falam inglês (nos bares, supermercados etc), sempre lembro que os brasileiros também não…hehehe.
E quando eu conseguir falar bem o mandarim, já estarei bem feliz. Escrever será o plus do plus!!!
Beijo.

Resposta
Claudia Fracalanza Fevereiro 27, 2014 at 10:33 pm

Tem razão Chris! Há uns meses já que estou estudando Mandarim (só falado, sem escrita) e a pronúncia realmente confunde muito! A vantagem é que a gramática é bem mais simples (pelo menos assim me parece até agora, no meu nível iniciante): sem conjugações verbais, concordâncias de artigos, variações de gênero. Vamos ver quantos anos vou levar para concluir o curso!
Boa sorte para você!

Resposta
Christine Marote Março 4, 2014 at 10:37 am

Oi Claudia,
Realmente a gramática é bem simples. Mas tem algumas coisas que pegam como as ‘measure words’ (não sei como chamar em português. =O) que para tipo de unidade é uma palavra diferente. E os tons que colocam a gente louca…hehehe.
Mas sabemos que impossivel não é. O que precisa é real dedicação!
Abraço.

Resposta
Didi Mendonca Julho 30, 2014 at 4:25 am

Oi Christine!
Um amigo que estuda Mandarim no Brasil disse que a professora apresenta as “measure words” como “palavras classificadoras” o que faz sentido rsrs. Eu também não sabia como explica-las em português até semana passada…
Abraço!

Resposta
Christine Marote Julho 30, 2014 at 10:34 am

vivendo e aprendendo, Didi…rs
Beijo

Resposta
Emilia Hanashiro Fevereiro 28, 2014 at 12:12 am

Parabéns pelo texto Cris, eu estou estudando kanji com uma turma que na verdade esta mais avançada então tenho que me esforçar muito, pois os meu nihongo ainda muito pouco, e se não tiver vontade desiste fácil. o coisinha difícil!!! rsrsrs.
Então imagino que não foi fácil para você também Bjs.

Resposta
Christine Marote Março 4, 2014 at 10:38 am

Mas só não pode desistir, não é Emilia! Vamos em frente com a escrita oriental! =]
Beijo!

Resposta
Ana Cristina Kolb Fevereiro 28, 2014 at 3:19 pm

Oi Cris, se sabe que eu tenho este probleminha que não posso ver algo dificil que ja quero! rsrrsrs como 8 língua quem sabe não aprendo mandarim? rsrsrsr mas não, se for aprender mais um língua penso em japonês, afinal sou um aikidoka e tenho mais interesse cultural. Esta estória das diferenças sutis na pronuncia, e que faz a palavras terem sentido completamente diferente, ja me foi citado varias vezes domo dificuldade pra aprender o mandarim, pra mim imagino também “desenhar”pois estes kanjis são realmente um delírio pra mim! Parabens amiga pela forca de vontade e disciplina apara aprender a língua, pois é fácil se acostumar a comodidade de viver na bolha de expats. Adsorei o texto linda! como sempre! rssrsr 🙂 BJus no coração

Resposta
Christine Marote Março 4, 2014 at 10:42 am

Oi Ana.
Mas o japones usa várias palavras e caracteres chineses. Acho que eles tem 3 tipos de escrita, se não me engano… Uma vez fiz um post sobre isso no blog. O coreano também foi inspirado no mandarim. Mas no final são 3 idiomas diferentes e eles não se entendem (rs).
E 8 linguas???? Ahhh, vc virou minha ídala! Nesse exato momento! hehehe
Parabéns!
Beijo

Resposta
Monica Bateman Fevereiro 28, 2014 at 8:02 pm

Oi Chris, adorei seu texto pois me fez lembrar da minha saga…..eu cheguei ai determinada a aprender. Mandarim…..mas a determinação foi embora rapidínho! Primeiro porque sabia que não ficaríamos por muito tempo. E segundo que eh muito difícil. Namora gramática, que eh super básica, mas o que vc fala no seu texto, os tons! A história do ma cavalo e do ma que eh mãe, dependendo do tom! Afeee! Eu sempre me virei nos 30, mas teve uma vez que estava na B&Q e precisava saber onde era o banheiro….acabei na sessão que vendia privadas…..kkkkkk…..bj!

Resposta
Christine Marote Março 4, 2014 at 10:46 am

Monica,
Dei muita risada aqui imaginando a cena!!! hehehe
Mas quem vive ou viveu aqui tem, com certeza, muitas histórias desse tipo para contar!
Outra coisa que às vezes as pessoas não entendem, é que além do idioma, a linguagem corporal dos chineses também é completamente diferente! E conheço quem estava tentando dizer que queria um hotel para tomar e dormir (por mimica, jeitinho brasileiro, sabe?) e foi parar numa casa de massagens não recomendada para menores…hehehe
Coisas da China!
Beijo

Resposta
China – Onde Estudar Mandarim? Março 24, 2014 at 10:59 am

[…] Leia mais sobre a China! […]

Resposta
Simone Leite Maio 21, 2014 at 3:42 am

Oi Christine,
Legal quando li as suas dificuldades, cheguei ha uma semana em Shanghai e ja estou vendo algumas…

Tens como me dar umas dicas de cursos legais daqui inglês e mandarim?
Cheguei e ja estou procurado ambos..

Abraços

Resposta
Christine Marote Agosto 6, 2014 at 1:30 am

Simone, desculpa a demora em ver esse cometário. Mas já te enviei um email. =]
Abraço.

Resposta
Elane Agosto 4, 2014 at 9:26 pm

Boa tarde e parabens pelo blog… tenho um filho de 14 anos de idade,aqui no brasil ele vai fazer o 2ºgrau, Ele quer estudar na china como faço para encontrar uma boa escola na china e qual é o valor. Ele fala e escreve o francês, portugês e esta mais ou menos em inglês e latim.

Resposta
Christine Marote Agosto 6, 2014 at 1:36 am

Olá Elane, bom, na realidade com essa idade ele não poderá vir sozinho. Precisa ter um tutor, alguém responsável por ele por ser menor de idade. Além disso, sem o madarim ele só poderia estudar em escola Internacional (terá um post aqui em breve sobre esse assunto), pois as chinesas precisam do mandarim fluente, como no Brasil, sem saber o português é impossivel cursar uma escola formal.
Para a escola internacional no estágio que ele está, é mandatório ser fluente em inglês… Não há outra opção.
Minha sugestão, que seria o viável, é que ele termine o ensino médio no Brasil e depois venha para China por uma das universidades que oferecem cursos de língua e faça um ano de mandarim… quem sabe ele não se anima para fazer universidade aqui? Meus dois filhos estudam aqui num programa para estrangeiros e os cursos são em inglês.
Abraço e obrigada pela visita.
Espero ter te ajudado! =]

Resposta
Núbia Lima Fevereiro 18, 2015 at 8:55 am

Olá Marote! Comecei a estudar Mandarim mais ou menos em 2013 fiz 3 meses infelizmente por motivo de força maior tive que abandonar o curso. Cheguei a namorar um Chinês, mas nos comunicavamos mais em Inglês.Realmente não é uma língua fácil, os malditos quatro tons rsrsrs já me fizeram chorar muito,era assim que eu reagia quando a minha laoshi não entendia o que eu estava dizendo, estava desesperada para aprender. Agora estou viajando bem mais pelo Brasil e só aqui em Santa Catarina em uma semana fiz amizade com cinco Chineses, aqui meu trabalho me da um pouco mais de tempo para estudar e de vez em quando encontrar esses amigos para praticar o que aprendi nos meus 3 meses de estudo e ainda aprendo algumas frases a mais, não é fácil, aliás as vezes eles olham pra mim como se eu estivesse falando em grego kkkkkk já que esqueci muito da entonação, mas nesse tempo que fiquei impossibilitada de estudar desenvolvi minha paciência e já não choro mais quando não compreender o que falo, agora respiro fundo, digo o que quero em inglês e depois peço a eles que me ensinem em Mandarim. Fácil não é, agora estou estudando através de programas on line gratuitos, mas não vou desistir, afinal em breve retorno a São Paulo e lá quero fazer mais amigos na Comunidade Chinesa sem depender do Inglês e quem sabe um dia eu consiga ir pra Hong kong por exemplo. Enfim, bons estudos ai vou continuar te acompanhando por aqui.

Resposta
Christine Marote Fevereiro 18, 2015 at 9:22 pm

Isso mesmo Nubia,
Não desista. Mas em Hong Kong eles falam cantonês e não mandarim. É semelhante, mas não igual… Quase como comparar o espanhol com o português.
Abraço e obrigada pela visita!
E lembre-se: muita determinação…hehehe
Agpra treinar com amigos chineses é uma boa estratégia!

Resposta
Lairton Junior Dezembro 19, 2015 at 11:27 am

Como de costume, um apaixonante artigo! Inspiração para nos manter motivados. Obrigado.

Resposta
Christine Marote Dezembro 19, 2015 at 3:19 pm

Muito obrigada Lairton.
E a recíproca é verdadeira. Para nós que escrevemos , a interação do leitor é a maior motivação!
Abraço.

Resposta
Alex. 何远帆 Maio 3, 2016 at 8:29 pm

oi, eu sou um chinês, meu nome é Alex. É verdade, eu sou brasileiro, quando eu tinha 3 anos , eu foi para china. Quando eu tinha 12 anos , eu foi para o brasil. Minha maê e meu pai são chinês.
Mandarim não é difícil. É muito fácil.
你好,我是一个中国人。我的名字是alex。其实,我是一个巴西人。当我三岁的时候,我回到了中国。当我十二岁的时候,我再次回到巴西。我的妈妈和我的爸爸都是中国人。
普通话不是很难,是非常容易。
beijo

Resposta
Christine Marote Maio 4, 2016 at 1:45 am

Olá Alex!
你好 Alex!
Obrigada pelo contato!
谢谢您的联系!
Quando se é criança, qualquer idioma é fácil de aprender…rs
Vejo pelos filhos das minhas amigas que chegam aqui pequenos e falam 3 idiomas com uma propriedade de se admirar!
Meu filho, chegou aqui com 14 anos e assim mesmo aprendeu a escrever e falar, mas não foi tão simples como se fosse pequeno.
E os adultos vão tentando… alguns tem mais facilidade (qque não é meu caso, rs), outros vão aprendendo no dia a dia.
Mas o fato da sua família ser chinesa, sem sombra de dúvidas ajuda muito na manutenção do idioma. Apesar de falarmos inglês e mandarim, aqui em casa o idioma predominante é o português.
Abraço!
再见!

Resposta
jaqueline ribeiro Dezembro 9, 2016 at 7:12 pm

oi.. adorei ler seu post. Sou uma pessoa comum. Mas muito comum mesmo. Porém um belo dia acordei e resolvi aprender mandarin. Abri o Youtub e gravei varias aulas,, Estou aprendendo o ma ,,, nos 4 tons. No ingles tenho que ter dicionário,, o frances falta aprender a conjugar os verbos. Não faço curso pois é muito caro. Não sou nada inteligente apenas tenho boa menorização,, Só isso… Então fiquei feliz por saber que um fator importante para aprender mandarin. Não vou desistir,

Resposta
Christine Marote Dezembro 11, 2016 at 1:22 am

Olá Jaqueline,
Parabéns pela força de vontade. Você conhece essas escolas/cursos online que indico nesse artigo. Me ajudam bastante!
https://chinanaminhavida.com/2016/07/13/aprender-mandarim-opcoes-gratuitas-disponiveis-online/
Sucesso!

Resposta
Fernanda Gueiros Janeiro 24, 2018 at 5:33 am

Maravilhoso!!!!!!!!!
é exatamente assim! no meu primeiro contato com os chineses percebi esta caracteristica de dificuldade de lidar com questionamentos, e eu como insuportavelmente questionadora que sou, me vi em situaçoes extremamente irritantes por conta dessa diferença. principalmente nos consultorios medicos. sou o terror da clinica que nos atende aqui na nossa cidade, rs… sei que eu que deveria mudar ate pra poder ter mais paz, mas quando se trata de saúde nao tem como.
Sobre os tons e caracteres, realmente é uma dificuldade imensa para nos ocidentais.

Abraço!

Abraço!

Resposta
Christine Marote Janeiro 24, 2018 at 12:27 pm

Olá Fernanda,
O tempo é um mestre… e nos ensina a lidar com a nossa realidade atual. Tenta fazer um `equilíbrio` entre suas ações e a deles. Ajuda muito na nossa vida aqui!
Abraço,
Christine

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação