BrasileirasPeloMundo.com
China

Cinco verdades sobre trabalhar na China

Cinco verdades sobre trabalhar na China.

Muito se fala sobre as condições análogas à escravidão na China, mas somente trabalhando há alguns meses num escritório aqui pude entender um pouco melhor sobre o que é de fato a carga horária deles.

1. Todos vão embora no horário

O horário de saída é às 17h30. Já se for inverno, é às 17 horas, para poderem aproveitar mais tempo de claridade do dia, já que escurece bem mais cedo. E, sim, bateu 17h01 e todos já estão se encaminhando para a porta. Lembro-me claramente da sensação de desconforto de ocasionalmente precisar ir embora às 17h30 em ponto dos meus antigos empregos no Brasil. Embora fosse meu horário e meu direito, a sensação era de que eu estava saindo mais cedo.

Os brasileiros têm um pouco disso de supervalorizar o status de estar ocupado ou ter muito trabalho. Já os chineses entendem que horário é horário. Porém, em cidades ou empresas menores é muito comum trabalharem aos sábados.

2. Não tem reunião

Outra coisa que dá a impressão de cargo mais importante é fazer reunião. Mas pelo menos no escritório que eu trabalho, quando um comunicado precisa ser feito, é super simples, quem precisa comunicar passa de sala em sala comunicando, ou envia no grupo de We Chat da empresa (similar ao WhatsApp). Se for algo que precisa ser resolvido entre pessoas diferentes, é só chamar as partes envolvidas e resolver ali mesmo, no corredor, no almoço, onde estiverem.

As metas são passadas e revisadas de um em um, e a única reunião que existe é a de fechamento do ano, com toda a equipe, em fevereiro (na China o ano termina em fevereiro porque eles seguem o calendário lunar e não o gregoriano como nós).

3. Eles não têm férias

Pois é, agora que começa a complicar. Os chineses não têm os tão esperados 30 dias de férias que nós, ocidentais, temos. Eles têm feriados mais longos como, por exemplo, cerca de 20 dias durante o Ano Novo Chinês, quando tudo para, inclusive os correios. Também têm alguns feriados como a Golden Week, em outubro, que são de 5 a 7 dias. No final a conta fica parecida com a nossa, mas com condições bem diferentes.

A maior diferença é que eles todos têm folga nos mesmos dias, então fica praticamente impossível viajar já que os preços sobem muito, as passagens esgotam muito rápido e a quantidade de pessoas nos lugares turísticos aumenta consideravelmente.

Leia também: Uma estilista na China: como eu vim parar aqui

4. Eles não confrontam

Existe um termo muito curioso na China, o “mianzi“, que significa face. O mianzi tem o sentido de manter as aparências. Então, isso basicamente significa que eles vão tentar de tudo para nunca entrar em confronto. Para nós ocidentais é bem comum ter alguns pequenos atritos no escritório, tendo em vista a resolução de um problema já que todo mundo é dono do negócio e está tentando resolver o seu lado, mas aqui é bem mais raro, já que uma vez que você fez algo errado e todos sabem, essa fama te acompanhará por muito tempo. Sendo assim, eles nunca apontam os erros dos outros diretamente ou em público.

A parte negativa é de fato contornar os problemas ao invés de enfrentá-los e resolvê-los. Um exemplo clássico, é que os chineses raramente dizem “não”. Eles apenas colocam diversas barreiras e dificuldades para que você acabe desistindo, e dessa forma eles não precisam se indispor com os clientes ou parceiros. É tudo subentendido.

5. Eles não são muito organizados

Planilhas nunca terminadas, padrões que mudam a toda hora de acordo com a necessidade do momento, termos flexíveis fazem o famoso “temporário definitivo” uma coisa bem comum por aqui.

As empresas têm crescido muito rápido, e de forma muito familiar ou com extremo controle dos donos, o que muitas vezes impossibilita que os funcionários sejam muito independentes no que diz respeito à tomada de decisões ou cumprimento de padrões. O bônus e o 13º salário, por exemplo, não são regra, e às vezes duas pessoas da mesma empresa que exercem a mesma função têm bônus, salários e benefícios diferentes! Tudo depende do acordo que o funcionário faz ao entrar na empresa, mas muitas já oferecem até o 14º salário.

A empresa na qual eu trabalho tem cerca de 300 funcionários, sendo 40 no escritório e o restante em fábrica, e é considerada uma empresa de médio porte.

É claro que empresas multinacionais baseadas na China ou empresas maiores provavelmente sejam mais organizadas e tenham mais benefícios para os funcionários,
mas muitas empresas ainda não entendem a necessidade de ter pessoas felizes trabalhando mais e produzindo melhor, com hierarquias mais bem definidas e
responsabilidades mais amplas.

Eu sinto que algumas coisas vêm mudando desde que eu cheguei, e acredito que isso é uma tendência a cada ano que passa, uma vez que é um país em constante expansão que tem muitas relações comerciais com o mundo todo, e dessa forma cada vez mais estrangeiros vindo para a China para fazer negócios ou viver.

Não podemos esquecer que a China é um país ainda bastante fechado e com comunicação restrita (é verdade que o Google, Facebook e Instagram não funcionam aqui, e que toda a informação que a população tem é editada pelo governo, inclusive os canais de televisão). Então, existem muitos costumes, crenças e comportamentos que são adotados apenas porque vêm sendo passados de geração em geração, e a melhor parte de estar aqui é poder ver os dois lados e conviver com essas diferenças, aprendendo como contorná-las para que o trabalho saia bem feito sem interferir nas crenças e costumes de cada pessoa.
Mas ainda assim, de forma que eles saibam que existe, sim, um mundo muito diferente do lado de fora da muralha.

Related posts

Nanjing – a antiga capital da China

Christine Marote

China – Dim Sum e o chá cantonês

Bruna Pickler

Moda – Modismos e tendências curiosas da China

Evelyn Pinheiro

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação