BrasileirasPeloMundo.com
Ilhas Maldivas Turismo Pelo Mundo

Como escolher um resort nas Ilhas Maldivas

Pronto! Depois de muita pesquisa você escolheu as Ilhas Maldivas como o seu destino! Seja para passar a lua de mel, comemorar uma data especial ou realizar a sua viagem dos sonhos, mas aí vem a grande dúvida, como escolher o resort nas Ilhas Maldivas?

E não é tarefa fácil, pois são 111 resorts, com diferentes estilos, categoria, localização, que atendem a diferentes gostos e bolsos.

Eu preparei uma lista com seis pontos importantes para você avaliar antes de fechar o seu pacote.

Então sem mais delongas, vamos à ela…

Localização:

Como o país é composto por mais de 1190 ilhas, divididas em 26 atóis, e a distância entre os dois extremos é de 823 km, localização é um fator muito importante.

O traslado do aeroporto internacional de Malé para o resort pode ser feito por barco, hidroavião, vôo regular e até a combinação de ambos, vôo doméstico e barco, dependendo da distância.

Escolher um resort mais próximo à capital Malé tem como vantagem a comodidade, afinal, depois de um longo vôo internacional, tudo que a gente quer é chegar o quanto antes ao hotel, tomar um bom banho e descansar.

Nesse caso, isso será possível depois de 1 hora ou menos de barco ou lancha. Sem contar que esse tipo de traslado também é a opção mais econômica.

Leia também: que tal as Ilhas Maldivas?

Caso você esteja disposto a gastar um pouco mais de tempo e dinheiro para ficar em um resort mais distante e, consequentemente mais isolado, será recompensado com uma vista de tirar o fôlego durante o vôo de hidroavião ou avião.

Atividades:

SUP noturno. Fonte: arquivo pessoal

Quando pensamos em Maldivas, logo imaginamos as lindíssimas praias de areia branca, mar azul turquesa, os famosos bangalôs em cima d’água e nada para fazer, certo? Bom, isso depende muito do resort escolhido também.

A maioria oferece mergulho com cilindro e com snorkel, mas atividades como surfe, windsurf, kitesurf, esqui aquático, jet ski, pesca esportiva, entre outros, podem variar de um resort para outro.

Aulas de yôga, serviço de personal trainer e spa, com os mais diversos tratamentos e massagens. também podem ser encontrados em quase todos os resorts.

Se você é fã de mergulho com snorkel, é recomendável verificar se eles possuem um recife na ilha, ou se é necessário ir de barco. Alguns oferecem o passeio gratuitamente e em alguns é cobrado. Aproveite para perguntar se eles disponibilizam o equipamento, como máscara e nadadeiras, e o custo. Ás vezes vale a pena levar de casa.

Para mergulhadores em busca de algo específico, como tubarões-baleia ou arraias mantas, é importante atentar-se às temporadas e à localização. Por exemplo, é possível, sim, ver tubarões-baleia e mantas nas Maldivas, mas não em todos os atóis, e somente em certa época do ano. Já vi muita gente chegar aqui e se decepcionar ao descobrir que estão distantes do que realmente gostariam de ver.

Os surfistas também precisam prestar atenção às temporadas e à localização das ondas. Muitas vezes o resort oferece surfe, mas o break não é acessível diretamente do hotel, sendo necessário ir de barco. Nesse caso é bom entrar em contato com o centro de esportes do hotel e pedir mais detalhes.

Você joga golfe? Pois saiba que alguns resorts possuem até campo de golfe. Aposto que isso você não imaginava!

Entretenimento:

Alguns hotéis contam com opções de entretenimento, como música ao vivo, apresentações de dança local e até DJ. Outros são mais tranquilos, para aqueles que preferem um ambiente mais romântico e sossegado.

Há os que oferecem serviço de babá, creche e outras atividades para os pequenos. Essas informações são essenciais tanto para os que viajam com crianças, como também para aqueles que querem evitá-las.

Alimentação:

Outro ponto importante é a escolha do plano de alimentação. A maioria dos hotéis oferece diferentes pacotes e você pode optar por ter apenas café da manhã, meia pensão ou pensão completa . Alguns até oferecem o sistema all inclusive.

Vale ressaltar que cada resort fica em uma ilha exclusiva, então não há opção de comer em outro restaurante ou hotel.

E enquanto os resorts maiores possuem diferentes bares e restaurantes, os menores geralmente dispõem de apenas uma opção, restringindo ainda mais o cardápio.

Geralmente os resorts disponibilizam os cardápios e lista de preços no próprio site. Caso não encontre, é possível mandar um e-mail diretamente para o hotel ou solicitar que a agência de viagens o faça.

Os preços costumam ser bem salgados, afinal nada é produzido no país, tendo que ser importado, aumentando assim os custos. Por isso, para se evitar uma surpresa desagradável, vale realmente a pena verificar a lista de preços antes de fechar o pacote.

Categoria:

Quanto mais luxuoso o resort, mais caro ele será, mas até aí nenhuma novidade. O importante aqui é ter em mente não só o valor da diária, mas sim todas as despesas envolvidas.

Já vi muita gente muita gente ficar indignada com os preços praticados, mas se você está num hotel que cobra 1000 dólares a diária não pode se assustar quando uma garrafa de água custa 8 dólares, tudo é proporcional.

Quando:

img_3092_800x600
Tempestade a caminho. Fonte: arquivo pessoal

Aqui nos temos basicamente duas estações: a seca, que vai de dezembro a abril, e é trazida pelos ventos do nordeste; e a chuvosa, de maio a novembro, que chega juntamente com os ventos do sudoeste.

Durante a estação seca, os resorts costumam ficar cheios, principalmente com turistas europeus, e os preços costumam ser mais altos.

A estação das monções é considerada baixa temporada, por isso é possível encontrar boas ofertas. E aí realmente vai depender da sorte. Pode ser que você pegue todos os dias de sol, mas tem que estar preparado para enfrentar uma eventual tempestade.

Qualquer que seja a estação escolhida, pode ficar tranquilo que aqui você não vai passar frio.

A temperatura é constante durante o ano todo, variando entre 27 e 30 graus.

Ufa! Chegamos ao final da lista!

Eu sei, dá um pouco de trabalho, mas vale a pena, afinal não é todo dia que você vai às Maldivas, certo?

Bom, agora é só fazer a sua reserva e começar a contagem regressiva para a tão sonhada viagem!

Related posts

Os 10 mandamentos de um turista educado

Ana Tavela

Como viajar pela China: de avião ou de trem?

Héllen Moreira

Turismo durante a primavera na Áustria

Ana Dietmüller

17 comentários

Mariana Outubro 7, 2016 at 8:59 pm

Mal posso esperar para minha viagem em março. Ficaremos no Lux*, sei que não tem recife mas isso não é importante pra gente. Gostaria de saber se você conhece o resort e recomenda Marcela. Estávamos na duvida entre este é o JA. Obrigada 🙂

Resposta
Marcela Ito Outubro 8, 2016 at 10:05 am

Oi Mariana,

Que legal que você já está de viagem marcada. Eu pessoalmente não conheço nenhum dos dois, mas se você pesquisou confie na sua escolha. 😉
Tenho certeza que vocês vão amar as Maldivas! 😀

Resposta
Debora Outubro 7, 2016 at 10:03 pm

Oi Marcela, super útil o deu texto! Sou colunista de NY e tb mergulho… qual resort vc trabalha? Obrigada.

Resposta
Marcela Ito Outubro 8, 2016 at 9:29 am

Oi Debora,
Muito obrigada! Eu trabalho no Six Senses, Laamu atol 😉

Resposta
Kamila Outubro 24, 2016 at 9:40 pm

Oi Marcela, amei as suas dicas e estou pesquisando pra passar minha lua de mel por aí, mas meu casamento é no final de Maio de 2017, então iríamos lá pelo dia 30 de maio e voltaríamos no comecinho de junho, mas meu medo são as chuvas, pois podemos ficar apenas 4 dias. Chove dias seguidos aí, ou somente pancadas?
obrigada,

Resposta
Marcela Ito Outubro 26, 2016 at 10:04 am

Oi Kamilla,
Maio é um dos meses que mais chove por aqui, na maior parte do tempo somente pancadas, mas existe sim a possibilidade de chover por dias seguidos sem parar. Ainda assim as chances de você vir pra cá e pegar só chuva são pequenas.
Junho já costuma ser melhor, dá uma olhadas nas médias.
Espero ter te ajudado 😉
Abraço,

Resposta
Luciany Yamassaki Novembro 12, 2016 at 1:57 am

Ola Marcela!Otimo texto.Obrigada pelas dicas.
Estou indo em dezembro para as Maldivas,ficaremos em Meeru.
Voce sabe me dizer se a vacina de febre amarela e necessaria para quem
mora no Japao?
Muito obrigada desde ja!

Resposta
Marcela Ito Novembro 14, 2016 at 6:28 am

Oi Luciany,
Que legal, eu já trabalhei lá!
Teoricamente não, mas sempre me pedem pra mostrar a carteirinha; e olha que já faz 3 anos que eu não vou pro Brasil.
A minha recomendação é de que você tome a vacina pra evitar qualquer discussão e consequentemente perda de tempo no aeroporto.
Recentemente houve uma mudança, e a vacina que antes era válida por 10 anos, agora é pra vida toda; então realmente vale a pena.
Se você conhecer a Peny (bartender), fala que eu mandei um abraço! 😉
Uma ótima estada pra vocês!
Abraço

Resposta
Luciany Yamassaki Novembro 15, 2016 at 7:25 am

Muito obrigada pela resposta Marcela!Que legal voce ja ter trabalhado la!Incrivel coincidencia!
Vou providenciar minha vacina entao!
Pode deixar,se encontrar a Peny enviarei sem falta seu abraco!
Alguma dica de passeio por la?

Obrigada!
Beijos

Resposta
Marcela Ito Novembro 15, 2016 at 8:51 am

Imagina Luciany, é um prazer poder ajudar.
O passeio pra fazer snorkelling e o Island Hopping eram os meus favoritos. Eles oferecem um passeio à Malé, mas esse eu realmente acho que não vale a pena. Não tem muita coisa pra ver, e você perde metade do dia, tempo que poderia estar aproveitando o paraíso. Não deixe de assistir ao pôr do sol, enquanto toma um coquetél no Asian Wok. Jantar à luz de velas na praia também é uma ótima pedida. 😉
Se precisar de mais alguma coisa me avise.
Beijos

Resposta
Luciany Yamassaki Dezembro 2, 2016 at 4:14 am

Obrigada Marcela!O Island Hopping ja queria fazer mesmo!
Que otimo que voce recomenda!
Ficarei 1 dia em Male pois meu voo e so a noite,vou aproveitar para conhecer o pouco da cidade.
Marcela,melhor levar dolar ou com o yen a gente se vira?
Alguma dica de restaurante em Male?Alguma comida local?
Em Meeru tenho o full board entao nao me preocupo tanto,rsrs
Muito grata por sua valiosa ajuda!

Beijos,
Luciany

Marcela Ito Dezembro 3, 2016 at 9:47 am

Oi Luciany,
Pode trazer tudo em dólar americano e não precisa fazer a troca para moeda local, aqui o dólar é super bem aceito. Quando você chegar no aeroporto, deixe as bagagens por lá (USD 5,00 por mala) e pegue a balsa (USD 1,00 per pessoa, é bom ter trocado) para chegar à Malé, leva em torno de 10min. Lá você tem algumas opções de restaurantes e cafés, com diferentes cozinhas. Se quiser algo bem local, procure por pequenos cafés, onde você poderá provar alguns salgadinhos locais, mas cuidade porque aqui eles adoram uma pimenta! No hotel tudo é cobrado em dólares, mas segue aqui a conversão oficial pra quando vc for pra ilhas locais: 1 USD = 15 Rufiyaas, se você for pagar com cédulas pequenas, como 1 ou 5, eles consideram 1 USD = 10 Rufiyaas.
Tá chegando hein! Imagino a sua ansiedade!
Boa viagem e se precisar de mais alguma coisa me avise.
Beijo

Luciany Yamassaki Dezembro 8, 2016 at 4:06 am

Obrigada Marcela!!
Dicas valiosas!
Grande beijo!
Luciany

barbara Abril 26, 2017 at 6:53 pm

Boa Tarde Marcela,
gostaria de ir em Agosto,
qual hotel all inclusive voce indicaria?
Obrigada!

Resposta
Renata Junho 15, 2017 at 2:41 am

Bom dia Marcela, nao estou encontrando os hotéis que tem as praias ideias para Windsurf. Teria como me ajudar? Estamos indo em Agosto.

Resposta
Adelino Outubro 9, 2017 at 9:35 pm

Oi Marcela, eu comprei um vôo na flydubai que sai daí as 8:30 , será que eu consigo agendar uma dessas lanchas rápidas saindo de algum hotel numa ilha próxima por volta das 5:30 para dar tempo de pegar esse vôo? Ou terei que me hospedar em Male mesmo na noite anterior?

Resposta
Liliane Oliveira Outubro 15, 2017 at 5:59 pm

Olá Adelino!
A Marcela Ito parou de colaborar conosco e, infelizmente, não temos outra colunista morando no país.
Obrigada,
Edição BPM

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação