BrasileirasPeloMundo.com
Brasileiras Pelo Mundo EUA Los Angeles

Como saber se chegou a hora de sair do Brasil

Como saber se chegou a hora de sair do Brasil

Atualmente morar em outro país é um desejo de quase todos os brasileiros, o número de imigrante cresce a cada ano, em 2018 foi registrado um aumento de 165% das declarações de saída definitiva do país. Mas, será que mudar de país é mesmo para você?

Primeiramente, a escolha de mudar-se tem muito mais a ver com a sua história de vida do que com a situação em que o Brasil está. As pessoas não mudam do Brasil somente porque a vida está ruim. Não, elas se mudam porque precisam de uma experiência mais intensa, mais envolvente e desafiadora.

Por isso, digo que mudar de país significa sair da zona de conforto em busca de desafios e descobertas que apesar das incertezas mudarão nossas vidas para sempre.

Há muitos artigos bons no BPM sobre as principais dificuldades vividas por um imigrante, os textos  descrevem as dificuldades de lidar com a saudade, com o aprendizado de um novo idioma, e com situações corriqueiras como ficar doente ou fazer comida. O meu objetivo, hoje, é discutir o motivo de mudar e como saber se chegou hora.

Os motivos que levam uma pessoa a deixar sua terra natal e arriscar viver em outro lugar é reflexo de sua personalidade, objetivos profissionais e pessoais. Por isso, cada pessoa possui uma motivação diferente, importando muito tudo o que ela ainda precisa viver longe daquilo que ama ou odeia no Brasil.

Assim, quando sou questionada se gosto de morar fora e se recomendo a mudança, tento ser cautelosa, fazendo perguntas específicas para que a pessoa encontre a resposta por ela mesma.

Eu nunca tive o sonho de morar fora do Brasil, não planejei, a oportunidade surgiu, e fiz uma escolha com base naquele momento da minha vida, quando eu tinha 27 anos. Decidir não foi fácil, mas significava uma nova fase, um passo adiante na trajetória de quem eu queria ser. Sou orgulhosa de ter feito essa escolha, tratava-se da necessidade de experienciar o diferente para construção de uma nova Natália.

Isso significa que esse processo acontecerá com todos os que se mudarem de país? Pode ser que não. Mas, as pessoas que optarem pela mudança, constituirão suas próprias histórias, que serão únicas e valiosas. Uma experiência definitivamente marcante.

Quando me vejo na situação de recomendar a mudança sinto um bloqueio. Como poderia eu recomendar que uma pessoa abandone tudo o que ela já conquistou em busca do incerto, de perrengues, e limitações?

O critério da escolha deve ser feito com base em tudo o que a pessoa já viveu até hoje, tudo o que já foi conquistado e, principalmente, o que ainda precisa acontecer para que ela se sinta completa e satisfeita com a pessoa que é.

Leia também: Visto para morar nos EUA

Se, nesse processo as respostas a levarem à constatação de que é impossível passar por essa vida sem saber como é viver lá fora, e que tudo de ruim que acontecer era apenas parte do seu processo de vida, você tem aí um sinal de que esse seja o caminho a ser seguido.

No entanto, se passar perrengues, ficar longe de casa e de alguns confortos que isso lhe proporciona lhe soar injusto ou te desanimar, de modo a pensar que no Brasil isso ou aquilo não seria assim, então reveja os planos, pois pode ser que você não esteja preparada para tal experiência e que essa vida ainda não seja para você. Pense, reflita e busque uma decisão planejada.

Afinal, o processo de mudança engloba renúncias e prol de um objetivo maior. Morar em outro país é viver em contradição e conflitos. Por exemplo, morar em Los Angeles me permite ter qualidade de vida e ter infinitas opções de entretenimento, por outro lado, perco todas as celebrações de vida das pessoas que mais amo.

Portanto, não recomendo a mudança para outro país, recomendo a realização de um propósito—veja que nunca menciono sonho, não acredito que sonho é grande o suficiente, esse sonho precisa ter nomes e destino específicos—e um planejamento detalhado de como irá acontecer. Nesse caminho haverão muitos desvios, por isso, o plano original, a motivação principal lhe manterá forte em busca da meta principal.

Tenha em mente que seremos sempre estrangeiros, por mais que nosso sotaque seja natural, que aprendamos as piadas e as referências, vestimos as mesmas roupas, o fato de sermos estrangeiros não irá mudar, e honestamente, não precisa.

Por fim, saiba que o momento da decisão final não será mágico, o coração sentirá alegrias e tristezas. É essencial ter em mente que há um mundo novo se aproximando ao mesmo tempo que estará deixando outro para trás—seu porto seguro, vivências junto da família e amigos e comodidades advindas do seu povo e da sua língua. Porém, serão as memórias de tudo que se viveu e de tudo que se leva no coração que lhe darão forças para continuar lutando em dias de dúvidas.

Leia também: Seis dicas para quem vai morar nos Estados Unidos

Ah, mas e se der tudo errado? Acredito que ainda assim, a experiência de se viver em um lugar onde tudo é diferente é muito válida, e nunca ficará o arrependimento de não ter tentado. No mais, só desejo boa sorte e boa jornada a você.

Related posts

O que se come nos Estados Unidos?

Liliane Oliveira

EUA – E eles ainda estão juntos?

Alessandra Ferreira

Enfermeira faz Doutorado?

Carleara Weiss

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação