BrasileirasPeloMundo.com
COVID-19 Divagações EUA Los Angeles

Quando a chave virou

Chave, Estados Unidos

Quando a chave virou.

Sabe, quando me mudei de país, eu não sabia que estava me mudando. Eu acreditava que seria uma experiência de 3 meses, que virou 6 meses, que virou oito anos. Eu nunca sonhei em morar fora do Brasil tampouco nos Estados Unidos. Simplesmente porque amo o Brasil, lá é meu lugar.

Pode ser que o momento em que vivi no Brasil me permitiu ser essa pessoa apaixonada pelo país. Nos meus anos de faculdade, por volta de 2004, o Brasil se tornava popular ao redor do mundo. O mundo começava a nos olhar com respeito e não, apenas, como o país do futebol e do carnaval.

Esse era o meu desejo, que os outros vissem o Brasil como eu o via: próspero!

Quando a chave virou

Já morando fora, eu era uma das únicas brasileiras que defendiam nossa cultura e costumes. Sabia sim dos problemas do Brasil, mas suas qualidades me chamavam mais a atenção.

Nossa culinária, nossas soluções criativas, nosso clima, escolas e saúde pública me diziam que já tinhamos muito para seguir expandindo. 

Foi com a pandemia que me surpreendi e me deparei com um outro Brasil. A forma como o país escolheu enfrentar a pandemia que atingiu o mundo todo, escancarou o que tantos de nós escondíamos—nós brasileiros somos egoístas. Antes de se chatear com minhas palavras olhe os números e me diga se os resultados não são reflexo de comportamentos egoístas.

Você pode dizer, não, é culpa do governo! Pois é bem. É verdade, em partes, pois o governo federal em nada ajudou para reduzir a contaminação, e pior, agravou a confusão quanto à informação. Se as pessoas já não sabiam o que fazer o governo contribuiu em ofuscar.

Leia também: Como lidar com o confinamento?

O negacionismo não foi diferente aqui nos Estados Unidos. No ano passado, quando a pandemia começou, o presidente ainda era o Trump, vivemos dias desesperados, sem saber o que esperar do futuro. Vimos opiniões divididas entre acreditar na seriedade do vírus COVID-19 e negar a existência da doença que atingia tantas pessoas. 

O mesmo cenário no Brasil, certo?

Foi aí que minha chave começou a virar. Vi em tempo real o que faz os Estados Unidos o país que é.

Em primeiro lugar, a maioria não seguiu o que o presidente dizia, seguiam as orientações da OMS e dos governadores (claro, com algumas exceções). Segundo, a população foi decisiva na hora de decidir seu futuro líder.

Eles deixaram claro que não ficarão de braços cruzados vendo o país afundar. Não aceitarão presidentes negligentes e despreparados. Vi pessoas irem às urnas e depois de uma eleição apertada, um novo presidente foi eleito. Não o ideal, sem dúvida, mas aquele que se propôs a unir o país em um momento em que se buscava paz.

O presidente eleito, Joe Biden, em poucos dias conseguiu derreter nossa tensão. Ao assumir a responsabilidade em resolver o caos pandêmico no país ele impactou nosso dia a dia, tanto que aos poucos nossa vida foi voltando ao normal. A distribuição de vacinas em massa foi prioridade e uma resposta. Sabemos que tem alguém cuidando do problema. Em breve a economia voltará a se reerguer.

O Brasil pode seguir os mesmos passos? Com certeza. Um presidente faz a diferença? Com certeza. 

Ainda não podemos trocar o presidente, mas nós brasileiros podemos seguir as orientações da OMS que é um órgão internacional que está à frente da pandemia no mundo, acompanhando o que funciona e o que não funciona. 

Mais do que insistir na dicotomia saúde e economia,  precisamos impedir o alto número de contágio e vacinar em massa. Caso contrário, será muito dificil evitar que a economia afunde ainda mais. 

Por que digo que a pandemia mudou meu jeito de pensar? Hoje eu odeio o Brasil? De forma alguma, ainda é o meu país e pra sempre será. Mas me entristece ver que estamos regredindo.

Por isso eu disse que somos egoístas. Quando não usamos máscara, quando vamos a uma festa, quando não praticamos o distanciamento estamos colocando a vida dos outros em risco por uma vontade minha. 

Além disso, nós terceirizamos a culpa. Tanto é verdade que o presidente do Brasil se escusa da responsabilidade o tempo todo. O que na minha opinião, é um reflexo do comportamento da população.

Então, o Brasil está perdido?

Não. Porém, nós brasileiros não nos permitimos ser esse país próspero, optamos por nos esconder atrás de desculpas vazias. E na crença de que somos inferiores e incapazes de construir um país melhor.

Recentemente aprendi que precisamos tomar posse do que é nosso e nos responsabilizarmos pelas nossas escolhas. Tudo bem se elegemos um presidente ruim, aprendemos com os erros. E temos como solucionar essa situação coletivamente. Mas atenção, não espere que a iniciativa seja do outro. Dê o exemplo, dê você, o primeiro passo.

Quer saber mais sobre o BPM? Siga-nos também no Instagram e no Facebook

Related posts

Uma joia imperdível no sul do Brooklyn

Michelle Marinho

Como se preparar para um terremoto

Raiane Rosenthal

Costa Sul de O’ahu no Havaí

Sheila Garofalo

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação