BrasileirasPeloMundo.com
Inglaterra

Depois de alguns anos morando em Londres, é possível pensar em voltar?

Quando saí do Brasil o que mais escutei foram frases de incentivo, pessoas dizendo que sonham em morar fora, outras dizendo que o Brasil é o pior país do mundo. Eu, como uma boa sonhadora patriota, fico em choque quando escuto essas coisas. É claro que também gosto da Europa, sou feliz morando na Inglaterra e sei das facilidades que a vida aqui me proporcionam, mas nada justifica desdenhar do Brasil. Como diz meu amigo coreano “o melhor lugar do mundo sempre será aonde você nasceu e foi criado, não importa quão ruim ele seja comparado com os outros milhares de lugares no mundo”. Então, porque parece que nós brasileiros sempre achamos que a melhor opção é morar fora?

Pois é, na verdade eu não sei a resposta, mas este texto está me dando a oportunidade de pensar mais profundamente sobre o assunto. Ouvindo Novos Baianos no último volume, me encolhendo em uma fresta de sol no sofá e com o olhar fixo na a tela do meu computador, tento refletir e ser o menos estúpida possível nesta reflexão, embora eu acredite que existe muita genialidade na estupidez sincera, provavelmente não existe genialidade em nada disso que você vai ler, o que existe são apenas sentimentos e opiniões.

À princípio, de bate e pronto, eu diria que o Brasil precisa fazer terapia e tomar boas doses de Frontal. O povo está sem pulsação, sem vida. Nós nos cansamos do vai-e-vem das ondas de esperança, das apunhaladas nas costas a cada escândalo político desmascarado, das milhares de vidas desperdiçadas nas ruas como se não importassem, da desigualdade que assombra ambos os lados, um com medo de morrer de fome e o outro com medo de perder pra quem realmente precisa um pouco do muito que acumula com tanto suor e trabalho, da falta de segurança tanto para os bandidos quanto para as vítimas, no final, mesmo com tantas diferenças sociais, com tantos estados e culturas diferentes, enfim nos tornamos todos iguais: assustados e, agora mais do que nunca, à beira da desistência, deixando de ser o tão famoso “povo que não desiste nunca”.

Leia também: Tudo que você precisa saber para morar na Inglaterra!

Refletindo um pouco mais, percebo que somos um povo que sofre, é abusado, mas que se culpa por tudo isso. Nos culpamos pela maioria não ter educação e não saber escolher melhor nossos políticos, nos culpamos por não encontrar empregos, por não poder dar tudo aos nossos filhos, por não poder ajudar os mais pobres, por preferir morar na Europa ou nos Estados Unidos, enfim, nos culpamos por sermos como somos, mas eu acredito que sofremos um tipo de repressão parecida com o conceito do machismo, assim como uma mulher que se culpa por ser estuprada mesmo não tendo culpa nenhuma desta barbárie, nós nos culpamos por tudo que acontece no Brasil, sem perceber que ao longo da história fomos todos sabotados tantas vezes, existe um sistema que nos tira da cadeira da vítima, nos fazendo ter vergonha de se “vitimizar”, e nos coloca na cadeira do réu, como se tudo isso fosse uma pura e simples falta de vontade de mudar, como se nossas vidas fossem assim porque temos medo ou preguiça de fazer diferente.

Em um momento da minha vida aqui em Londres eu e meu marido tivemos que sentar para entender quais seriam nossos planos para o futuro, se pretendíamos ficar aqui, morar em outro país ou voltar para o Brasil. Essa conversa durou alguns meses, talvez até um ano, porém chegamos à conclusão de que voltar para o Brasil, sem dúvida nenhuma, seria a melhor decisão de todas. É preciso ter muita coragem para sair do Brasil, mas é preciso muito mais para voltar. Aliás, tudo que envolve mudança requer força e coragem, como diz Tom Zé, a felicidade mete medo. Mas você deve estar se perguntando, por quê a melhor opção seria voltar?

Na verdade existem duas respostas para esta pergunta, uma é a verdade e a outra é para parecer que foi uma decisão inteligente. Então, claro, vou começar pela inteligente. Nós acreditamos que iremos contribuir muito mais para nossa sociedade se levarmos ao Brasil o conhecimento que tivemos o privilégio de aprender aqui, e, mesmo que no longo prazo, podemos fazer mais diferença estando no Brasil do que em um dos países que concentram mais mão de obra qualificada por metro quadrado.

Mas a resposta verdadeira é que a gente vai voltar porque queremos voltar, simples assim. É claro que amamos Londres, Londres vai morar no meu coração pra sempre, mas queremos voltar para o país que nascemos, embora não sabemos ainda se queremos ficar por lá pra sempre. Aliás, o problema de mudar de país uma vez é esse, você perde o medo de mudar e acaba aprendendo que sempre pode voltar, ou tentar algo novo, ou deixar tudo outra vez pra trás. Brinco que este período de mudanças constante nos tornou PhDs em desapegar. Hoje enxergo as coisas muito mais como transitórias, impermanentes do que como escolhas para a vida. Se eu pudesse dar somente uma dica à uma criança, eu diria para antes de fazer alguma escolha na vida, jamais colocar o peso de ser uma escolha para a vida toda, pois não temos apenas uma vida, temos muitas vidas dentro de uma e a possiblidade de mudar acorda conosco todas as manhãs, sempre temos mais de uma opção, mesmo que sejam parecidas, quase iguais, ou ambas ruins, nós sempre temos mais de uma opção.

Mas o que todo este texto significa?

Significa que estou voltando nos próximos meses, e nesta coluna irei contar o outro lado do jogo, o lado de quem volta e demora para se readaptar ao seu próprio país, isso inclui arrumar trabalho, achar uma casa, lidar com a falta de dinheiro e ser feliz com suas escolhas.

E hoje, em um dia de sol em Londres, finalmente enxergo o outro lado da moeda, entro com meu marido na recepção do nosso prédio, cumprimentamos o porteiro e avisamos que em poucos tempo voltaremos ao Brasil, e ele, britânico raiz, nos responde com um sorriso no rosto, bochechas coradas e muita felicidade “Queria eu estar indo para o Brasil…”. E lá vamos nós ouvir tudo de novo outra vez, só que agora ao contrário.

Related posts

Como conseguir o visto de estudante para o Reino Unido

Laura Bernardes

E a minha essência, por onde anda?

Ann Moeller

Luiz e o Orlando, proprietários do Cravo & Canela em Londres

Ann Moeller

64 comentários

Clara Agosto 15, 2017 at 1:32 pm

Espero sinceramente que vcs não se arrependam pq aqui TÁ MUITO RUIM, tá péssimo, eu se pudesse jamais sairia de um país de primeiro mundo pra vir morar numa bosta que tá o Brasil. Principalmente rio e sp. Se for outra cidade, até td bem, mas o Rio virou uma cidade sitiada e SP está suja, abandonada e cheia de gente sem educação nenhuma. PENSEM BEM.

Resposta
Johana Quintana Agosto 15, 2017 at 6:29 pm

Obrigada pelo conselho, Clara. Com certeza a situação não é das melhores, mas o Brasil tem muito valor e está cheio de coisas boas também. 🙂

Resposta
Aline Agosto 18, 2017 at 10:34 am

Moro em londres,mas penso dessa forma que o melhor lugar do mundo e onde nascemos e fomos criados,vejo muitos brasileiros falar mal do Brasil confesso que fico triste pois esta negando suas proprias raizes,o Brasil e um pais com muito mas muito poblema e tem muitos pontos negativos,mas vamos tentar ver os pontos positivos ,e um pais de um povo sofrido de um sorriso largo e acolhedor,pode falar o que quiser mas tenho muito orgulho de ser brasileira..Apesar de tudo que esta acontecendo la tenho muito orgulho do pais de onde eu vim…bjus amei seu texto vou procurar ler os demais que serao escritos que serao incriveis e inspiradores como este…

Resposta
Johana Quintana Agosto 18, 2017 at 1:43 pm

É verdade, Aline, o Brasil é o melhor lugar do mundo, pelo menos do meu mundo eu tenho certeza que é. Devemos sempre respeitar nosso país e sermos grato, pois temos muito mais do Brasil em nossos corações do que podemos imaginar.
Obrigada por me apoiar, um beijo.

Resposta
Marli Agosto 15, 2017 at 5:29 pm

Seu texto é lindo. Parabéns!!! Viajei nas suas palavras e pensamentos, comungam com o que acredito. Nada de determinismo. Gosto de viver assim, indo e vindo, voltando.

Resposta
Johana Quintana Agosto 15, 2017 at 6:28 pm

Que bom Marli, acho que somos bem parecidas. 🙂

Resposta
Priscila Valverde Agosto 15, 2017 at 6:00 pm

Muito bacana o seu texto! Pensar que nada é definitivo é um alívio. E esse é um aprendizado obrigatório para viver mais leve. Também moro fora (sou colunista aqui também) e ainda não penso em voltar para o Brasil, mas talvez um dia pense e tudo bem! Quero acompanhar o seu retorno por aqui. Boa sorte nessa nova jornada!

Resposta
Johana Quintana Agosto 15, 2017 at 6:27 pm

Que bom que gostou, Priscila! Opinião de colunista vale muito pra mim. 🙂

Resposta
LEONARDO BERTUOL BARROS Agosto 15, 2017 at 6:06 pm

Johana;
Parabéns pela lucidez do seu texto.
Tenho uma empresa de intercâmbio e estou montando um projeto com depoimentos e relatos de pessoas q moram ou moraram no exterior.
Gostaria conversar com você para saber se gostaria de saber mais do projeto e se quiser deixar também seu depoimento.
Att;
Leonardo Barros

Resposta
Johana Quintana Agosto 15, 2017 at 6:26 pm

Oi Leonardo, que bom que gostou do texto, fico feliz em saber. Sobre seu projeto, claro que quero participar. Me envie um e-mail com mais detalhes em: [email protected]

Resposta
Antonio Filho Agosto 15, 2017 at 7:26 pm

Ola Johana, muito bom o seu texto.
Morei por 7 anos em Londres e retornei para o Brasil em 2009, estava tudo lindo e bem maquiado acho que posso falar assim. Tentei ficar por lá juro que tentei pois amo o Brasil mas infelizmente decepicionei depois de trabalhar muito e perder muitas coisa que eu e minha mulher conseguimos aqui na Inglaterra.
Depois de 7 anos no Brasil, tivemos 2 filho e resolvemos voltar para Inglaterra. Hoje estamos muito bem aqui graças a Deus, os nossos filhos já estão adaptados e estamos muito felizes por está de volta não sei se será para sempre.
Boa sorte em seu retorno e que Deus te abençoe..,,,

Resposta
Johana Quintana Agosto 15, 2017 at 7:58 pm

Fico feliz em saber que estão adaptados e felizes em Londres, essa é uma cidade que amo e tenho muito carinho. Toda sorte do mundo pra você e sua família, Antonio.

Resposta
Enara Castro Agosto 15, 2017 at 7:52 pm

A lucidez e a honestidade do seu texto são surpreendentes.Reconhecer as nossas ” muitas vidas dentro de uma” é fundamental e tranquilizador. Obrigada.

Resposta
Johana Quintana Agosto 15, 2017 at 7:57 pm

Pois é Enara, é preciso entender que tudo é passageiro e transitório. Viva a vida de forma simples e leve, pensando em um dia de cada vez. Como eu digo ao meu marido, nada é melhor do que saber que a qualquer momento podemos colocar a vida na mala e chamar outro lugar de casa.

Resposta
Jéssica Costa Agosto 15, 2017 at 8:52 pm

Johana, que texto foi esse?! ?
Meus parabéns, foi um dos mais lindos que li até agora no blog! Juro pra você que fiquei arrepiada no finalzinho. A propriedade em falar sobre desapego, sentido da vida e suas escolhas e principalmente a aceitação em mudar, foi admirável! Desejo tudo de bom pra você e continue escrevendo! Beijos ?

Resposta
Johana Quintana Agosto 16, 2017 at 12:36 am

Oi Jéssica, que legal que gostou, não sabe como fico feliz em ler comentários como o seu. Acredito que quando a escolha vem de dentro ela não como ser errada, pode não ser perfeita, mas nunca errada. Pode ter certeza que continuarei escrevendo no meu blog pessoal!! https://johquintana.wordpress.com/

Resposta
Jéssica Costa Agosto 16, 2017 at 2:33 pm

Bom saber que você tem um blog pessoal, vou dar uma passada por lá! ?
Sucesso!! Venha com pensamento positivo, amor no coração e tudo ficará bem!

Resposta
Adriana Agosto 15, 2017 at 8:59 pm

Johana, tive o privilégio de passar por duas vezes pela mesma situação que você está passando. Sim: duas vezes. E para entender melhor: duas vezes em Londres. Ambas com boa infra-estrutura na tão sonhada ‘Terra da Rainha”. E nas duas escolhemos voltar. O Brasil realmente não está numa situação boa. Mas, na realidade, nunca esteve e nunca estará. Sei exatamente todos os prós e contras da vida na Europa, especialmente em Londres. (Já morei em outros países tb). E o que posso dizer é que você não se arrependerá de voltar. A readaptação não é fácil. Mas se mudar de ideia quando estiver no Brasil, volte. Tudo é transitório…

Resposta
Johana Quintana Agosto 16, 2017 at 12:38 am

Exatamente, Adriana. Tenho certeza que somos livres e sabemos que tudo pode mudar a qualquer momento. Obrigada por me apoiar e contar um pouco da sua experiência. Beijos!

Resposta
Felipe Agosto 15, 2017 at 11:08 pm

Adorei o texto e a sinceridade. Também penso em voltar as vezes e as pessoas dizem que somos loucos. Mas é na hora do inverno e da solidão que percebemos o que são as coisas mais importantes da vida. Boa sorte.. sejam muito felizes!!

Resposta
Johana Quintana Agosto 16, 2017 at 12:41 am

Pois é Felipe, eu sabia que muitos não entenderiam meus motivos, mas só nós sabemos quando nosso calo aperta. Tudo que escrevo e faço vem do coração, e é isso que me deixa tranquila em voltar, sabendo que se der tudo errado, se é que alguma coisa pode ser considerada errada na vida, eu coloco a vida na mala outra vez e me mudo para um novo canto. Obrigada pela força.

Resposta
Adriana Agosto 17, 2017 at 11:31 pm

Amei o seu texto e faço minha duas palavras.
Moro em Londres a 13 anos e sempre sonhando em viver em um dia voltar às minhas raízes, mas minha situação e diferente pq sou casada com um estrangeiro e tenho dois filhos mas meus filhos amam o Brasil. Mas sempre digo que o pobre no Brasil tem vida e de que adianta ter dinheiro no bolso aqui e a solidão no coracao!
Que Deus guie os passos de vcs pq o Brasil e lindo tudo e lindo e P quem não tem medo do trabalho se sobressai sempre! Boa sorte a vcs vão com Deus abraços Adriana

Resposta
Johana Quintana Agosto 18, 2017 at 1:38 pm

Adriana, não se preocupe que na hora certa as coisas vão acontecer. Aproveite seu tempo ai, qproveite as coisas boas e tente sempre ouvir seu coração. Obrigada pelo apoio, beijos.

Resposta
Luana Agosto 16, 2017 at 7:42 am

Parabéns pelo texto!
Desejo muitas felicidades nessa nova jornada! Muita sorte e bom retorno ?

Resposta
Johana Quintana Agosto 16, 2017 at 1:03 pm

Muito obrigada, Luana. 🙂

Resposta
Elizabeth Stanciu Agosto 16, 2017 at 8:11 am

Oi Johana, muito bom o seu texto, acho que tudo é uma questão de prioridades. Eu morei 8 anos aqui mas resolvi voltar ao Brasil quando fiquei grávida da minha primeira filha, fiquei 10 anos, tive mais 2 filhas, mas não consegui me readaptar, e o que mais pesou em nossa decisão de voltar foi a violência e a educação pública, resolvemos que o melhor para nossas filhas seria voltar para Londres e aquí estamos, ha 5 anos, as meninas súper adaptadas e para nós foi como voltar para a casa, você sabe, aqui não é um mar de rosas, mas com todos os problemas, ainda assim não nos arrependemos de nossa decisão.

Resposta
Johana Quintana Agosto 16, 2017 at 1:02 pm

Você tem razão Elizabeth. Acho que existe a possibilidade disso acontecer comigo, mas preciso tentar e viver isso por mim mesma. Obrigada por compartilhar sua história e seus pensamentos, não faz ideia de como isso me ajuda neste momento de mudanças. Tudo de bom pra você e sua família. Beijos.

Resposta
Simone Agosto 16, 2017 at 8:57 am

Gostei muito do texto reflete Tudo que Penso ,não podemos nos prender ( ao pra sempre )e ao (até a próxima ).
Também moro aqui em Londres e eu e meu marido estamos na fase do voltar!

Resposta
Johana Quintana Agosto 16, 2017 at 1:00 pm

Simone, legal saber que existem pessoas na mesma situação que eu, isso me da ainda mais força. Desejo toda sorte do mundo na volta e que sejam muito felizes. Beijos.

Resposta
Regiane Agosto 16, 2017 at 10:38 am

Johana,

Adorei o texto como sempre parabéns pela decisão siga neste momento seu coração a vida nos concede oportunidade todo o tempo se não der o mundo a abraçará novamente!!
Seja muito feliz!! Beijos

Resposta
Johana Quintana Agosto 16, 2017 at 12:58 pm

Obrigada pelo apoio, Regiane. Pode ter certeza que quem manda em mim é meu coração. Um beijo.

Resposta
Francisco Nobre Agosto 16, 2017 at 5:46 pm

Tenho uma música para seu momento:

“93 Million Miles” – Jason Mraz

93 Million miles from the sun
People get ready, get ready
‘Cause here it comes, it’s a light
A beautiful light, over the horizon
Into our eyes
Oh, my, my how beautiful
Oh, my beautiful mother
She told me: Son, in life you’re gonna go far

If you do it right, you’ll love where you are
Just know, wherever you go
You can always come home

240 Thousand miles from the moon
We’ve come a long way to belong here
To share this view of the night
A glorious night
Over the horizon is another bright sky
Oh, my, my how beautiful
Oh, my irrefutable father
He told me, son, sometimes it may seem dark
But the absence of the light is a necessary part
Just know, you’re never alone
You can always come back home

You can always come back

Every road is a slippery slope
There is always a hand that you can hold on to
Looking deeper through the telescope
You can see that your home’s inside of you

Just know, that wherever you go
No, you’re never alone
You will always get back home

93 Million miles from the sun
People get ready, get ready
‘Cause here it comes, it’s a light
A beautiful light, over the horizon
Into our eyes

== Then, no matter where you call “my home”, Welcome home. ===

Resposta
Johana Quintana Agosto 16, 2017 at 7:23 pm

Que música linda, Francisco. Adorei a letra, tem mesmo tudo a ver com o meu momento. Muito obrigada por compartilhar. 🙂

Resposta
Francisco Nobre Agosto 16, 2017 at 7:56 pm

Melhor ainda ouvi-la, caso ainda não tenha. Boa sorte.

Resposta
Michelle B Agosto 16, 2017 at 7:18 pm

Ola Johana , tudo bem?
Moro aqui em Londres há 9 meses , com minha familia toda . Nao e facil somente aqui percebemos que aqui nao é um mar de rosas. Meu marido nao gosta daqui sente falta do Brasil , diz que aqui em questao de violencia esta ficando igual. Ele trabalha a noite e me disse que ja viu de tudo. As vezes penso em voltar , mas lembro da minha filha que tem 9 anos e ja fez amigos e hoje se acostumou com o ensino daqui. Viemos embora por conta de segurança e corrupçao, E aqui vemos a violencia e algumas vezes o preconceito . Parabens pela sua decisão . Nao se deixe enganar pelas aparencias pessoas mentem enganam como se aqui fosse mil maravilhas . E todo momento fazem comparações com o Brasil, mas foi morando aqui que aprendi a valorizar os pon tos positivos do meu País.

Resposta
Johana Quintana Agosto 16, 2017 at 7:26 pm

Pois é, Michelle, posso dizer o mesmo, aprendi que nem tudo é tão fácil de perto quanto parecia de longe. Hoje, com alguns km rodados em Londres, me emociono cada vez que o sol aparece ou quando escuto alguém falando português pela rua. Nada se compara ao lugar que chamamos de nosso. Obrigada por compartilhar sua experiência e me apoiar nesta decisão, tem sido muito importante ler todos esses comentários maravilhosos. Desejo toda felicidade do mundo pra você e sua família. Beijos.

Resposta
Sassá UK Agosto 16, 2017 at 7:30 pm

Tanta gente querendo ir embora do Brasil, sem poder… e você voltando para lá por livre e espontânea vontade. Interessantíssimo. A única coisa que posso desejar é boa sorte.

Resposta
Johana Quintana Agosto 17, 2017 at 2:39 pm

Sassá, conheço muita gente fora do Brasil que está louca pra voltar e também não pode. A verdade é que a vida é feita de momentos, e aquilo que já foi sonho um dia passa a não funcionar mais pra você em outro momento e assim por diante. Não foi fácil decidir voltar, mas costumo decidir minha vida sem compará-la com a dos outros, pois caso contrário acabo não fazendo o que sinto e vivendo uma vida que não me pertence. 🙂 Obrigada pela força!!!

Resposta
Mauro Agosto 17, 2017 at 9:00 am

Saí do Brasil pela primeira vez em 1988 e voltei em 90. Em 1996 tentei sair em “definitivo”, mas resolvi voltar em 2003 e fiquei 13 anos. Foi muito difícil me adaptar. Os amigos que tentavam, voltavam para onde vieram.
Morei em uma enorme casa no Alto de Pinheiros, em frente ao parque, frequentando o Clube Pinheiros e com uma linda casa de praia no litoral norte de São Paulo.
Mesmo assim, cheguei à conclusão de que não compensava morar lá. Para viver bem é extremamente caro!
Viver mal não compensa e também de que adianta trabalhar, ser competente e não poder viver bem?
Permanecer 2 horas no centro de Pequim, Calcutá ou São Paulo corresponde a fumar um cigarro (poluição).
Fui assaltado 5 vezes e sequestrado 1 vez. Minha esposa quase empata nesse quisito.
A indústria cobra muito por pouco. A política, é melhor nem comentar…
Hoje vivo no litoral espanhol, onde o custo de vida é baixo, o acesso à boa comida e bom tempo se juntam.
As pessoas aqui são tão simpáticas quanto no Brasil e nunca ouvi (ram) falar em assalto ou sequestro.
Para me adaptar de novo no Brasil, tive que me isolar, criar meu próprio mundo, filtrar as amizades e me apegar a filosofias orientais de humildade e disciplina. Mesmo assim, 13 anos depois, não aguentei.
Boa sorte pra vocês!

Resposta
Johana Quintana Agosto 17, 2017 at 1:59 pm

Oi Mauro. Pois é, também acho complicado voltar para o Brasil, tem sido bem difícil este começo, inclusive irei escrever sobre isso no próximo texto, mas de qualquer forma me sinto livre para sair novamente se for isso que meu coração desejar. A questão de segurança é algo que pesa muito pra mim, mas tenho motivos familiares para dar essa outra chance ao Brasil. Sobre o litoral Espanhol, não havia escolha melhor, eu e meu marido tentamos conseguir um trabalho ai antes de voltar pra cá, pois é nosso lugar preferido na Europa, mas as coisas por ai não andam bem e as oportunidades aqui no Brasil apareceram antes e melhores. Enfim, escolhas são sempre difíceis e podem resultar em novas escolhas, mas o que importa é ter coragem de mudar, sempre. Beijos!!!

Resposta
Paula Ghelli Agosto 18, 2017 at 6:37 am

Oi Johana, adorei seu texto!!! Penso muito como você de que nada é para sempre, inclusive nossas decisões e escolhas. Isso traz uma leveza enorme!!
Boa sorte pra vocês e colo dizem por aí: there is no place like home. ☺ beijos!!

Resposta
Johana Quintana Agosto 18, 2017 at 1:36 pm

Oi Paula, obrigada pelo apoio! Estou muito animada com o retorno!! Beijos.

Resposta
Andreia Bertolucio Agosto 18, 2017 at 10:25 am

Parabéns pelo texto!
Não moro em londres eu e minha família moramos em Birmingham, mas a cada momento só penso em voltar para meu País, é complicado ver tantos brasileiros como eu e meu marido achar que todas as soluções para nossos problemas é sair do Brasil ,lugar onde trabalhavamos finas de semanas saiamos com nossos filhos tinhamos vida .
Pois morar fora tem que ter um psicológico muito forte pois passamos por muitas fases temos que trabalhar muito sem tempo , sem vida muitos obstáculos, aqui tem violência sim como em todos os lugares do mundo e sei que muitos de nos se tivesse oportunidade voltaria para o brasil pois muitos não voltam pois não tem como bancar o retorno ,outros pela sindrome do fracassado e não quer mostrar que não deu certo pois muitos não sabe a realidade que vivem fora e outros pelo estatos de está morando fora do Brasil independente se sua situação.

Resposta
Johana Quintana Agosto 18, 2017 at 1:40 pm

Pois é, Andreia, é preciso sempre se perguntar se realmente está feliz. Nunca devemos sustentar uma situação por aparencia ou medo de mudar. Espero que fique bem. Muito obrigada pelo apoio.

Resposta
Carlos Agosto 18, 2017 at 2:20 pm

Eu pelos estes 20 anos morando em 8 Paises vejo que quando o Brasileiro esta fora ele se torna muito Patriota e fica defendendo qualquer coiza que se fala sobre o brasil, entao se e tao bom nao sai do teu Pais continua vivendo essta vida pequena e banal superficial .

Resposta
Johana Quintana Agosto 19, 2017 at 1:00 pm

Claudio, acho que ser patriota é uma qualidade e não um defeito, desejo profundamente que um dia todos nós, dentro ou fora do Brasil, sejamos patriotas. Defender um lugar que ama é natural e saudável, assim como defender uma pessoa que ama. Não acho que quem ama o Brasil não pode sair dele e ter novas experiências, acho que amor não aprisiona, ele te solta para que possa aprender, crescer e um dia voltar ainda melhor. O que seria da evolução se não olhássemos para fora e replicássemos as ações dos mais evoluídos?
Sobre voltar e ter uma vida pequena e banal no Brasil, isso depende de cada um, pois pode-se ser banal em qualquer lugar do mundo, basta optar por ser. Obrigada pela reflexão.

Resposta
Amy Diene Agosto 18, 2017 at 9:33 pm

Oi Johana, adorei o seu o texto!
Também sou colunista, mas pela França e não só te entendo muito bem, como também compartilho tudo o que você escreveu. Sempre digo que se tudo fosse “maravilhoso” no país de cada um que decide se aventurar em novas terras, pouquíssimas seriam as pessoas que fariam essa troca voluntariamente. Não existe nada melhor na vida do que se sentir em casa, na verdadeira. Moro há 4 anos na França, falo francês fluentemente, mas não consigo ter prazer maior do que chegar no Brasil e falar português, é como se eu sentisse um alívio. Morar fora é descobrir quem a gente é de verdade… é se ver do avesso! E aí as raízes gritam, a gente nem se quer consegue suportar os próprios brasileiros que falam mal do nosso país. Estou passando pela mesma fase que a sua, com uma vontade de voltar pra “casa” e ajudar o nosso país a entrar nos trilhos, a transformar esse pensamento pequeno. É uma decisão difícil, por isso te desejo toda a paciência, coragem e sucesso do mundo, e deixa o coração guiar! Bjos 🙂

Resposta
Johana Quintana Agosto 19, 2017 at 12:53 pm

Que legal Amy!! Pois é, sempre senti tudo isso que comentou, acho muito complicada nossa relação de saudades do Brasil quando estamos fora. Sei que os problemas existem e que a vida não é fácil, mas descobri que gosto mesmo é de desafio e seguir meu coração. 🙂
Espero que fique bem e encontre seu caminho. Vou ler sua coluna e me inspirar!! Beijos!

Resposta
Regina Agosto 18, 2017 at 11:22 pm

Eu morei aqui 7 anos e voltei , fiquei lá um ano e esse conhecimento q vc fala em usar lá não foi bem aceito nso ! Achavam q eu queria só aparecer e tomar o lugar deles ! Fiquei um ano não consegui trabalho e voltei ! Depois de um ano lá meu patrão daqui me recebeu de braços abertos bem diferente do de lá que não me aceitou de volta! Arrependi de ter perdido um ano la! Se der certo me conta!

Resposta
Johana Quintana Agosto 19, 2017 at 12:49 pm

É Regina, precisamos ter humildade acima de tudo, pois podemos ajudar sim, mas não mais que os demais brasileiros que enquanto estávamos fora acompanharam o Brasil de perto. Dei esse exemplo porque sinto que a maioria das pessoas que podem nos ensinar mais e transformar nosso país pensam e um dia fugir dele, pois essas, na maioria das vezes, tem condição par sair. Por que não ficar e acreditar?
Enfim, essa foi apenas uma reflexão, não necessariamente uma verdade absoluta que serve para todos.
Obrigada por compartilhar sua história. Beijos!

Resposta
Katy Agosto 24, 2017 at 10:54 am

Adorei o texto! Obrigada por compartilhar seus sentimentos! Sabe, toda vez que vou pra outro país, seja por 1 semana, 1 mês, 3 meses (nenhuma das vezes foi a passeio), aproveito muito, mas fico louca de saudade do Brasil! No finalzinho, fico contando os dias! Não que seja o melhor lugar do mundo (não é rsrs), mas é onde me encontro, me sinto confortável, conheço todos os problemas e sei exatamente como lidar com eles, conheço todas as pessoas e sei exatamente como lidar com elas. Enfim, no ano que vem, devo ir pra Londres, passar um ano, devido ao trabalho, desta vez. Estou super ansiosa, animada mesmo! Ao mesmo tempo, com medo, meu Deus, será um ano! Será que vamos sobreviver ao frio, à frieza, à distância dos amigos e familiares, à adaptação da filha de 9 anos, à depressão crônica do marido? rsrs.

Resposta
Johana Quintana Agosto 25, 2017 at 4:04 am

Katy, vc vai sobreviver, vai se tornar mais forte e com certeza vai se conhecer melhor. Londres não teria sido tão importante na minha vida se não fosse cinza e fria. Meu conselho é para arriscar, ir, viver e enfim retornar mais completa se essa for sua vontade. Boa sorte e aproveite minha segunda cidade natal! Beijos!!

Resposta
Helenara Agosto 24, 2017 at 10:29 pm

Super texto! Nunca me identifiquei tanto como suas palavras neste texto, fiquei no Brasil 6 anos e resolvi voltar porque achava que não estava bom, hoje de volta a Londres há um ano e meio vejo que muitas coisas mudaram e que o Brasil é sim um lugar bom para se viver principalmente para as crianças, no caso das minhas pedem para voltar todos os dias, espero que você se muita feliz no seu retorno e uma coisa que aprendi é que Londres sempre estará no mesmo lugar.

Resposta
Johana Quintana Agosto 25, 2017 at 4:01 am

É isso Helenara, Londres sempre estará lá, prontinha para nós. Acho que tudo tem seu momento e temos que aprender com tudo que vivemos, e principalmente desejar estar aonde já estamos e agir quando não estivermos mais felizes. Se cuide!! Toda felicidade do mundo pra vc e sua família. Bjs

Resposta
jonas Agosto 28, 2017 at 7:09 pm

Olá Johana gostei muito seu texto
E de sua decisão estou aqui em Londres. 3 meses.quando cheguei .Gostei muito pontos turísticos .aqui muito lugares bonitos segurança poder de compras.status .mas com tudo isto sinto muita falta do Brasil e bem maior e mais bonito. Apesar da situação que se encontra. Mas falam país primeiro mundo. Mas tem muito feios também pessoas mal educados.tanbem .As pessoas mora mal .casas muito pequenas .
Estou aqui eu queria conhecer mas já estou com saudades do Brasil .Mas voltar daqui .2 anos para Brasil. Boa sorte para vc

Resposta
Johana Quintana Setembro 4, 2017 at 10:59 pm

Oi Jonas, que bom que está desfrutando dessa experiência única, espero que aproveite bastante. Sobre sentir saudade do Brasil, isso é normal, precisa manter-se equilibrado e viver o presente. Tenha certeza de que quando voltar sentirá saudade de Londres assim como hoje sente do Brasil. Se cuide. Johana

Resposta
Carolina Ely Setembro 5, 2017 at 3:45 pm

Oiii Johana amei seu texto, estou na situação ao contrária..morando no Brasil e planejando ir morar em Londres meu marido ano que vem..achei seu texto muito confortante e sincero. Espero acompanhar sua volta para o Brasil pelo blog. Enquanto isso vou ler os posts antigos pois estou adorando todo o conteúdo do blog..Toda sorte do mundo para você e sua família! Ah e como dica se puder venham morar ou conhecer Florianópolis em Santa Catarina é uma cidade linda e com ótima qualidade vida!

Resposta
Johana Quintana Setembro 8, 2017 at 2:05 pm

Que legal Carolina!! Espero que sejam muito felizes em Londres. Sem dúvida é uma cidade maravilhosa que merece ser descoberta por vocês.
Fico muito feliz em saber que irá acompanhar meus textos. Pode deixar que vou contar tudinho por aqui.
Sobre Florianópolis, eu quero muito conhecer, acredita que nunca fui? Realmente deve ser um dos lugares mais lindos dessa nossa terra. 🙂
Se cuide e boa sorte, beijos, Johana.

Resposta
CAroline Janeiro 12, 2018 at 10:17 am

Que texto maravilhoso! Expressou meu sentimento do momento.
Contando os dias para voltar para o Brasil! Rs
Como você fez com as suas coisas?? Estou preocupada com isso… acho que terei que levar umas 4 malas! Rs
Beijos!

Resposta
Johana Quintana Janeiro 12, 2018 at 6:20 pm

Oi Caroline, fico feliz que tenha gostado do texto. 🙂
Sobre minhas coisas, eu me desfiz de muita coisa e o que consegui trouxe em malas. Foram 3 malas no total.
Beijos,
Joh

Resposta
Douglas Mendes Julho 29, 2018 at 2:35 pm

Oi Johana, adorei seu texto, eu e minha esposa estamos passando pelo mesmo momento agora, somos do sul de Santa Catarina, e estamos aqui ha mais ou menos 2 anos e meio, vivemos muitas coisas boas e experiências incríveis, sou um desses Brasileiros que reclamava de tudo no Brasil, e literalmente cuspi no meu próprio país.
Tivemos nosso filho aqui em Londres e ele está com 6 meses agora, e nossa experiencia com o sistema de Saúde da Inglaterra, foi incrível, não gastamos um centavo com todo o período de gestação até hoje.
Eu realmente amei a experiência de passa por aqui, mas devo admitir que nunca fui feliz aqui. fui criado em uma cidade pequena, livre e apaixonado por sol e praia, e infelizmente aqui não há muito sol, quase zero praticamente, e muito frio muito mesmo.
Tive oportunidade de adquirir coisas aqui que no Brasil na realidade da minha época era quase impossível, mas com o tempo percebi que nunca vou conseguir comprar tudo o quero (não o que eu realmente preciso), e que no final de contas isso não importa nada, meu pai veio a falecer a alguns meses atrás e não pude ir ao menos ver o enterro, mesmo não falando com ele há anos e não termos uma relação muito boa, minha esposa perdeu sua avó também no ano passado, e não tínhamos condições de ir para o Brasil, pois aqui o aluguel é caríssimo, moramos em um apartamento de dois quartos e pagamos 1300 Libras ao mês, e antes disso moramos por 1 ano em um quarto em uma casa compartilhada e pagávamos 800 libras ao mês.
E eu tenho realmente botado na balança o que realmente é importante, adquirir coisas materiais e acordar todos os dias tristes e olhar pela janela e ver o amanhecer nublado e úmido, muito triste e depressivo do que acordar com os pássaros cantando na janela, na minha casa dentro do meu cercado, e poder lavar meu carro (que vendi para me mudar para cá) na frente de casa no sábado de manhã, e a tarde irmos ao shopping passear e curtir, o que aqui nunca rolou, e pode parecer idiota, mas isso era uma coisa que me deixava muito feliz, e agora com meu filho poder fazer isso com ele seria muito mais prazeroso e feliz para mim, e aqui seria impossível, pois a maioria das casas são prédios, e as casas são grudadas uma as outras, e 99% delas não tem nem garagem.
Mas infelizmente minha esposa não consegue voltar, ela diz que o melhor para nosso filho é aqui devido as escolas e as oportunidades que ele vai ter, mas eu sempre digo que oportunidade há em todo lugar, e que tenho certeza que ele vai ser muito mais feliz no Brasil, do que preso em um apartamento num lugar sombrio.
Eu só não decidi ainda se vamos voltar ou não, porque somos de uma cidade de 8 mil habitantes onde só há emprego em facções têxtil, estou vendo algum curso para que eu possa trabalhar em casa e assim que tiver me estabelecido eu volto, e volto feliz !

E uma dica para as pessoas que reclamam do Brasil e querem morar fora do país é:

Vão !!! e vão sem medo, é uma oportunidade única e fará você ver seu país com outros olhos, e ver que o nosso país é muito lindo e muito bom de se viver, pode ser uma vida pobre na maioria das vezes, mas é uma vida feliz.

Resposta
Johana Quintana Agosto 6, 2018 at 6:06 pm

Oi Douglas!
Tenho certeza que poderão ser felizes e ter uma vida maravilhosa no Brasil. Mesmo com dificuldade e menos estrutura, quando estamos no Brasil temos família, amigos e cultura por perto. Nunca seremos capazes de ter tudo, mas com certeza somos capazes de escolher o que é mais importante para nós e estar nesse lugar que nos permite viver de acordo com os nossos valores.

A vida é curta e acontece agora, portanto meu conselho é que não deixe de tentar ser feliz lá ou cá, e que tenha sempre o espirito livre para ir e vir, tentar e voltar.
Obrigada por ler minha coluna.
Johana

Resposta
Rnils Agosto 6, 2018 at 5:34 pm

Seu texto é mesmo maravilhoso. Parabéns ! Acredito que abrirà os olhos de muita gente. Meu caso é so mais um, 15 anos morando na Suiça mas nao consigo esquecer da minha querida MG. Angustia, tristeza, lagrimas e depressao. Claro que tenho coisas aqui que nunca irei ter no Brasil, segurança, qualidade de vida, conforto, etc, mas a verdade é que vivo dividida. Ninguém que està là me aconselha de voltar, principalmente agora para o caos que està nosso pais, mas o que fazer com o vazio que fica no peito? Adoraria receber conselhos.

Resposta
Johana Quintana Agosto 6, 2018 at 6:11 pm

Oi!
Estou super disposta a conversar, aconselhar e bater papo quando precisar.
Estou no Brasil de volta há algum tempo, e posso te contar muito sobre essa experiência maluca que é querer sempre estar aonde não estou.
Se quiser, entre em contato no meu e-mail pessoal: [email protected]

Beijos!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação