Dicas para viajar de motorhome pelos EUA

0
166
Advertisement

Dicas para viajar de motorhome pelos EUA.

A ideia surgiu de repente. Porque não juntar a vontade de conhecer o novo, o desejo de viver uma experiência diferente e a comodidade de ter uma “casa” ao seu alcance em uma só viagem? Tendo uma família grande como a nossa (eu, marido, 2 filhos e 3 enteados que ficam com a gente nas férias), fazer uma roadtrip nas férias de verão de julho de 2017 nos pareceu não só uma opção mais econômica como também uma chance de estarmos lado a lado numa convivência diária mais próxima.

As crianças tinham entre 5 e 16 anos na época, cada um com seus interesses e vontades. Sentamos juntos e pré definimos o roteiro, de acordo com o tempo disponível e as cidades que visitaríamos. Decidimos percorrer o estado do Michigan e a Upper Peninsula, uma região do norte americano cheia de encantos e mais isolada, perfeita para ser percorrida em um carro-casa. Cada noite pararíamos em um campground diferente, uma espécie de estacionamento-parque para os motorhomes, onde você aluga sua vaga e conta com eletricidade, acesso a água, mesa e fogareiro (firepit) para as refeições. Também tem disponíveis banheiros e chuveiros e alguns até piscina, tudo de uso comunitário. Marcamos com dois meses de antecedência os camps que gostaríamos de visitar, já que a procura por esse tipo de hospedagem é imensa durante os meses do verão americano (junho-julho-agosto).

Encontramos facilmente uma empresa que aluga RV´s (recreational vehicles, como são conhecidos aqui) e escolhemos um modelo com capacidade para 8 pessoas. A configuração era um quarto de casal, um beliche no corredor, um sofá cama na sala e uma cama conversível sobre a cabine de direção. Um banheiro apenas, uma cozinha compacta e mesa de refeições. Não é necessário muito mais do que isso, e para uma viagem de duração de uma semana como a nossa, serviu perfeitamente. Uma boa rotina de organização e limpeza é essencial para manter o lar temporário funcionando, e cada criança tinha sua tarefa e obrigações. Isso ajudou tanto a manter a viagem dentro dos eixos como deu um senso de responsabilidade maior a cada um deles.

Partimos numa sexta-feira ensolarada, todos animados, geladeira abastecida e muitos planos. Depois de 5 horas de viagem, que passaram num piscar de olhos (jogando cartas, assistindo filmes, rindo e conhecendo cada canto do nosso carro-casa), chegamos a Mackinaw City, primeira parada. Instalamos nosso RV no campground, conectamos eletricidade e água corrente e fizemos nosso primeiro churrasco. É um ambiente muito legal, são vários RV´s estacionados lado a lado, normalmente famílias também, as crianças fazem amizade rápido e não tem como não se sentir em casa. No fim do dia ainda caminhamos para conhecer a cidade (andar a pé ou de bicicleta são normalmente as alternativas numa viagem desse tipo, já que o RV é muito grande para pequenos deslocamentos ou para estacionar dentro das cidades – daí a dica de sempre procurar campgrounds bem localizados e acessíveis).

A primeira noite foi tranquila, as camas eram confortáveis e o cansaço dominou a todos. Mas no dia seguinte logo cedo acordamos morrendo de frio! Passaram alguns minutos até descobrirmos que esquecemos as escotilhas de ventilação do teto abertas! No norte faz muito calor durante o dia, mas a noite a temperatura cai para 10-12 graus mesmo no verão, e o ar gelado da madrugada entrou com tudo. Lição numero 1 aprendida, verificar sempre as escotilhas antes de dormir. Logo depois do café da manha pegamos um barco até Mackinac Island, uma ilha lindíssima e cheia de história. Percorremos ela inteira de bicicleta, alugadas lá mesmo, já que carros e muito menos RVs não são permitidos. A única alternativa são charretes ou cavalos.

No dia seguinte, terceiro dia de viagem, partimos super cedo para o Upper Peninsula. Cruzamos a maior ponte do estado, com 8 quilômetros de extensão que cruza a junção dos lagos Huron e Michigan, e chegamos nesse território isolado e cheio de belezas. Se vêem por lá apenas pequenas cidades, casas aleatórias e muitas paisagens bonitas. É um território rústico e cheio de animais selvagens. Até o campground lá não tinha a mesma estrutura do anterior, mas adoramos a simplicidade do lugar. Depois do almoço rumamos com o RV mesmo (por lá não tem como se locomover sem automóvel) para a pitoresca cidade de Munising, onde agendamos um tour de barco pelas Pictured Rocks ao pôr do sol. Foi um dos lugares mais lindos que já fui, onde as pedras e rochas mudam de cor de acordo com a exposição do sol. Voltamos com o barco já no escuro, e jantamos na própria cidadezinha. Era quase meia noite quando começamos a dirigir de volta para o campground, e daí outra vantagem do RV: cada criança já foi deitada na sua cama, de pijama, acomodadas, e quando chegamos todos já dormiam profundamente.

No quarto dia visitamos uma reserva de ursos selvagens, e depois de ver outros pontos igualmente lindos do Upper Peninsula, foi hora de começar a descer de volta. Aproveito para relatar aqui outra particularidade da rotina de uma viagem de motorhome. Normalmente após 4 dias de uso em média, dependendo do número de pessoas (e olha que nós usualmente não tomávamos banho dentro do RV, só nos camps, e usávamos o banheiro apenas durante os trajetos na estrada) percebemos através de um cheiro bem característico que era chegada a hora de esvaziar o compartimento de dejetos e esgoto acumulado (água usada do banheiro e da cozinha). Os campgrounds tem uma saída especifica para isso, e então voce conecta sua mangueira de dejetos do RV nessa “fossa” e aciona um botão, tomando cuidado para não desconectar e voar tudo pelos ares. Coube ao meu marido e meu enteado de 12 anos assumirem a tarefa. Com luvas e narizes tapados eles deram conta do recado muito bem, e logo seguimos viagem, com a lição numero 2 aprendida.

No quinto dia amanhecemos no novo campground, lindo e com uma piscina maravilhosa, onde descansamos, fizemos outro churrasco e até jogamos frescobol. A tarde aproveitamos para visitar as Sleeping Bear Dunes, uma extensão de areia à beira do lago com areias claríssimas. Estacionamos o RV lá embaixo e subimos por uma trilha na floresta até a parte onde a areia começa, bem no alto. Outro visual de tirar o folego, e muito espaço para as crianças correrem. A noite resolvemos arriscar e entrar na cidade de Traverse City com o RV, para ir a um restaurante que queríamos muito rever. Foi mais fácil do que imaginávamos e a única dificuldade foram encontrar duas vagas frente a frente para estacionar nosso pequeno gigante carro-casa. Mas deu tudo certo, jantamos muito bem e voltamos para o camp debaixo de uma chuvarada de verão daquelas, e foi gostoso dormir com o barulho de água caindo no teto.

No ultimo dia de viagem descemos até Ludington Beach, e pegamos praia de verdade (um lago na realidade, mas com areia e águas claras e até ondas, que fizeram nosso dia). No fim da tarde rumamos para o ultimo campground, que acabou sendo a expericiencia mais legal de todas e o camp que ficou guardado na nossa memória como aquele que queremos voltar. Era administrado por uma família, com filhos pequenos e muitos animais. Era uma mini fazenda, e as crianças puderam alimentar os bichos, correr por tudo, fizemos fogueira a noite e assamos os famosos s´mores (marshmellow, bicoito e chocolate) sob uma lua linda e uma iluminação perfeita desse lugar tão bem cuidado. Foi um fim de viagem memorável.

No dia seguinte rumamos os 200 quilômetros que faltavam e chegamos em casa, onde esvaziamos e limpamos o RV inteirinho (aqui você tem que devolver o carro-casa impecavelmente limpo, mediante multa), tarefa dividida igualmente por todas as crianças e supervisionada e finalizada pela mãe aqui. Devolvemos o RV já pensando na próxima viagem. Califórnia, quem sabe?

O saldo final da viagem? Uma recomendação para que todos, ao menos uma vez na vida, façam essa experiência, em família, casal ou amigos. O investimento no aluguel de um RV não é exatamente barato mas acaba saindo bem mais em conta do que passagens, hotel e restaurantes por 7 noites para uma família inteira. E as memórias ficam para sempre.

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.