BrasileirasPeloMundo.com
Empregos Pelo Mundo Romênia

Empregos na Romênia – Informações e Dicas

No meu post anterior, falei um pouco sobre empregos na Romênia. Se você não lembra ou não leu, pode clicar aqui para conferir. Agora vou continuar neste assunto, com dicas mais práticas sobre a busca de vagas e informações adicionais que considero importante.

Leia também: Como tirar documento local da Romênia

Montando um currículo

Durante a busca de vagas nas áreas que comentei na Parte 1, o currículo pode ser montado tanto em inglês quanto em romeno. Mesmo que a vaga a se candidatar seja para português, lembre-se que a pessoa que trabalhar no RH provavelmente não fala português, então mantenha os idiomas principais nas empresas.

Se na hora de montar o currículo surgirem aquelas dúvidas básicas do “Será que coloco essa informação? Será que isso não é demais? Será que falta alguma coisa?”, sugiro que acesse esse site da Europass, no qual é possível montar um currículo em “padrão europeu”. Há quem diga que este modelo não é muito bom, pois contém muita informação, ou faz o candidato parecer apenas “mais um do mesmo”, sem ter destaque entre tantos outros candidatos. Nesses casos, sugiro que o CV seja encaminhado à empresa com um texto personalizado no e-mail, ou com uma boa carta de apresentação. 

Outra dica é manter uma página no LinkedIn bem atualizada, e a partir do site fazer o download do seu currículo, que é montado com base na informação disponível no seu perfil.

Busca de vagas

E quando finalmente chegar a hora de pôr a mão na massa e buscar vagas, deixo aqui os principais sites usados para anúncio de oportunidades:

Busque vagas utilizando os filtros – filtre por cidade e por palavra-chave “portuguese”, para que a busca filtre vagas para português. Apesar de alguns sites estarem em romeno, a descrição das vagas é sempre em inglês.

Lembre-se que para poder se candidatar às vagas é necessário criar um perfil em cada página. Para montar esse perfil, geralmente monta-se um “mini currículo” em cada um dos sites.

Manter seu perfil no LinkedIn atualizado, como disse, também é muito importante. Nas configurações, mantenha seu perfil “aberto para oportunidades”, pois assim recrutadores poderão encontrar seu perfil mais facilmente. E posso garantir que aqui o LinkedIn funciona: eu mesma já fui contratada para uma vaga em que a recrutadora me encontrou pelo site.

Dicas e considerações

Por fim, deixo algumas informações gerais importantes de ter em mente:

  • Muitas vagas são para trabalhar em escala 24×7 (24 horas por dia, 7 dias por semana). Isso significa que os funcionários trabalham em escalas diferentes – às vezes, no turno da manhã/tarde, ou tarde/noite, ou noite/madrugada. Considere ainda trabalhar sábados, domingos e feriados. Isso costuma acontecer nas vagas de call center, e sempre é informado na descrição da vaga ou durante o processo de entrevista.
  • Outras vagas trabalham em contato com empresas do Brasil ou Portugal, e nesses casos o turno é de acordo com o horário desses países. Em outras palavras, se a vaga for para trabalhar com o Brasil, o horário de trabalho possivelmente será das 14h às 23h (podendo mudar de acordo com horário de verão lá e cá). Já com Portugal, o fuso horário é de 2 horas, então os turnos costumam ser das 11h às 20h.
  • Pessoas com visto de estudante têm direito a trabalhar meio-período, mas a oferta para essas vagas não é tão ampla quanto para período integral.
  • Bucareste é a cidade que concentra a maioria das vagas, mas já vi oportunidades para português em Timisoara, Cluj-Napoca, Iasi e Constanta. 
  • Nem todas as vagas são para trabalhar nas áreas que citei na Parte 1, e nem para trabalhar nos turnos que mencionei. Existem vagas para português em outras áreas, com escala de 2a a 6a, das 9h às 18h. São vagas que pedem um pouco mais de paciência para encontrar, pois não são tão comuns.
  • Não espere chegar aqui para iniciar sua busca por vagas: se estiver em outro país, aplique para as vagas que tiver interesse. A maioria das empresas faz entrevistas por Skype, e você pode vir para cá já com um emprego!
  • Aliás, se for este o caso, tenha em mente que alguns empregadores oferecem um “pacote de relocação”. Esses pacotes incluem passagem aérea, pagamento de hotel por algumas semanas, e ajuda mensal para pagamento de aluguel durante um determinado período. Tudo isso para facilitar sua adaptação ao país.
  • Um processo de entrevista geralmente segue as mesmas etapas: entrevista com RH, teste de idioma, entrevista com gerente e envio da oferta de emprego. Essa oferta é enviada por e-mail, contém a descrição da vaga e as condições oferecidas (salários, benefícios, horário de trabalho), e esse é o momento ideal para negociar alguma coisa que não esteja muito ao seu agrado – lembre-se que “quem não chora, não mama”. O tempo do processo varia de acordo com a empresa e com a urgência da vaga – meu primeiro processo de emprego, aqui, durou 3 dias, enquanto tenho amigos que levaram mais de um mês para receberem uma proposta.
  • Já mencionei isso no campo de salário, mas vale lembrar: ao receber a oferta, verifique se o salário consta como valor “neto” ou “bruto”. Se for bruto, peça para a empresa confirmar o valor neto, só por precaução. O desconto de taxas na Romênia é de cerca de 42%.
  • Uma mãozinha amiga sempre vai bem, portanto, se você tiver algum conhecido já trabalhando por aqui, peça que te indique ao RH. Esse tipo de indicação é uma garantia de que a empresa receberá seu currículo de uma fonte confiável (alguém que já está na equipe), e as chances de ser chamado para uma entrevista aumentam. Atualmente, trabalho em uma empresa em que apliquei através de um site e não fui chamada, mas depois pedi para uma amiga entregar meu currículo e tudo correu bem!

Leia também: Dez curiosidades sobre a Romênia

Muitos perguntam ainda se os empregos são bons, se a mudança vale a pena, e para essas perguntas, deixo as minhas: O que você busca? O que te fará feliz? O que você precisa? Tudo é muito relativo, e depende das expectativas que temos. Particularmente, já tive emprego aqui em uma empresa com ótimo salário e benefícios, mas em que não gostava do trabalho. Saí de lá muito frustrada e fui para uma empresa com um salário menor, porém, para fazer algo que realmente gosto. Hoje estou muito mais feliz do que há alguns meses, pois acredito que dinheiro é necessário, mas um equilíbrio emocional também é fundamental. Ter um foco e entender o que quero e preciso foi o primeiro passo para o sucesso na minha busca por uma vida melhor – já falei um pouco sobre isso no meu primeiro texto aqui. E depois desse texto, se ainda assim você tem alguma dúvida (bem provável que isso aconteça), deixe um comentário aqui, farei o possível para ajudar!

Related posts

Inserção no mercado de trabalho no Egito

Michelle Bastos

Minha experiência no mercado de trabalho francês

Sabrina de Paula

Adaptação na Romênia

Cristina Hélcias

2 comentários

Camila Abril 17, 2019 at 12:48 am

Ola Juliana,
Voce saberia me dizer quais os custos de tirar um visto de trabalho? apenas eu pago taxas ou tem alguma taxa para a empresa tambem?

Resposta
Juliana Gehring Abril 29, 2019 at 7:10 am

Olá Camila,
A emissão de visto de trabalho é responsabilidade do contratante, ou seja, a empresa deve arcar com todos os custos.

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação