BrasileirasPeloMundo.com
Bolsas de Estudo Pelo MundoEUAMestrado e Doutorado Pelo Mundo

Equilíbrio mental e pessoal na pós-graduação

Equilíbrio mental e pessoal na pós-graduação.

Estou no meu quarto ano de pós-graduação na Portland State University, em Portland, Oregon. Vim para os EUA para fazer um doutorado e durante este período tive muitas alegrias e algumas angústias. Neste texto vou compartilhar alguns comportamentos que eu adotei para evitar ansiedade, síndrome do impostor, e depressão.

A primeira dica para não sofrer é: nunca pague pela sua pós-graduação. Nos EUA, nada é de graça. Educação é caríssimo! Na minha faculdade, a mensalidade para um estudante internacional em período integral, incluindo taxas (seguro saúde, academia, taxas administrativas) é cerca de $10,000 por trimestre! Durante um ano letivo, gasta-se cerca de $30,000 com educação. Isso sem incluir os gastos com alimentação, hospedagem, e diversão. Portanto, para evitar esse estresse financeiro, é muito importante se inscrever para bolsas de estudos.  

No Brasil, é comum que os alunos de universidades públicas trabalhem com pesquisa (iniciação científica) até mesmo durante a graduação. Nos EUA, os alunos geralmente só começam a trabalhar com pesquisa durante a pós-graduação. Alunos brasileiros tem uma grande vantagem ao se inscrever para bolsas de estudos, porque talvez já tenham mais experiência e bagagem no currículo.

O período de inscrição para programas de pós-graduação nos EUA geralmente é entre outubro e janeiro. Durante a aplicação, é possível informar se precisa de um cargo no departamento (professor assistente ou pesquisador assistente) que ofereça isenção de mensalidade. Os sites Partiu Intercâmbio e Estudar Fora são fontes atualizadas de como encontrar bolsas de estudos ao redor do mundo.

Leia também: Pós-graduação nos EUA: Por onde começar?

Após iniciar a pós-graduação, um problema constante entre os alunos é a síndrome do impostor. A síndrome do impostor é um conjunto de sentimentos que levam a pessoa a crer que não é boa o suficiente para exercer seu cargo ou estar na posição em que se encontra. Este vídeo explica este fenômeno que afeta muitos profissionais capacitados e principalmente estudantes de pós-graduação. Esta insegurança pode levar pessoas que tem um futuro brilhante pela frente a se auto-sabotar.

Em alguns momentos eu sofri com a síndrome do impostor, mas a minha auto-estima falou mais alto. Primeiro, ninguém sabe mais do que o nosso tópico que nós mesmos. No meu caso, sou eu quem leio e penso todos os dias sobre ecologia política e florestas urbanas. Mesmo que os orientadores sejam especialistas no assunto, na pós-graduação cada pessoa tem que estudar algo completamente novo em um estudo de caso. E ninguém melhor do que a própria estudante para conectar os pontos da pesquisa e contribuir onde há uma lacuna na literatura científica.

Nos EUA existe um ditado fake until you make it (finja até conseguir fazer). Ao estudar todos os dias sobre o mesmo assunto, é certo que a capacidade virá com o tempo. E mesmo que não se sinta completamente confortável com o tópico, a perseverança e persistência trarão bons resultados. O hábito faz o monge.

Porém, nem sempre estamos com a auto estima elevada e momentos de tristeza podem se tornar constante na vida acadêmica. Diversos fatores como estar longe de casa, ter dificuldade em fazer amizades verdadeiras, e a falta de suporte emocional podem levar a depressão. Não hesite em procurar ajuda médica para depressão e ansiedade!

Eu passei por momentos de angústia profunda durante um período da minha pós-graduação. E eu tinha um pouco de medo e preconceito contra procurar ajuda psicológica. Mas depois de muita relutância e ouvir conselhos de amigos e profissionais, eu fui ao serviço psicológico da minha faculdade. Uma vez matriculada, a maioria das universidades americanas oferece o serviço de acompanhamento psicológico (geralmente está incluído no pacote de $10,000 de mensalidade).

Fazer terapia me ajudou não só na vida acadêmica, mas também na minha vida pessoal, interpessoal, e até nos meus relacionamentos. Hoje, estou prestes a receber alta do meu tratamento, mas continuo buscando ter mais conectividade entre sentimentos e pessoas.

Participo de um grupo onde discutimos uma vez por mês as nossas experiências espirituais (não só religiosas, mas acreditando que somos seres energéticos e precisamos trabalhar a nossa fluidez nesse mundo). Nossa mente é parte do nosso corpo. Ao sentir dores físicas, procuramos um médico. Devemos fazer o mesmo ao sentir dores mentais e espirituais.

Leia também: Saúde Mental dos Imigrantes 

Não deixe que a rotina de trabalho e estudo atrapalhe outras área da vida. Ao começar a pós-graduação, é normal sentir uma fatiga no início. Em geral, há uma enorme mudança e uma grande carga de leitura e dedicação aos trabalhos acadêmicos. No início, eu dormia tarde, me alimentava mal, não me exercitava. Com o tempo, fui percebendo que isso estava me prejudicando. Hoje, levo a pós-graduação como um trabalho: 8 horas por dia sem procrastinação.

Infelizmente, demorei quase quatro anos para compreender isso. É importante criar uma rotina de estudo e trabalho logo no início. Ter um local limpo, arejado, e que ofereça uma motivação para o estudo é essencial. Eu geralmente estudo em bibliotecas, cafés, e ao ar-livre, quando está um dia bonito. Muitos alunos de pós-graduação tem seus escritórios e laboratorios, o que pode facilitar a criação de um ambiente otimizado para o estudo. Tente não estudar em casa, pois é mais fácil de se distrair e perder o foco.

A última dica é: não deixe de se divertir. Não precisa meter o louco, mas é fundamental que a nossa mente tenha uma válvula de escape para relaxar. Participar de grupos sociais, tocar instrumentos musicais, ler livros (ou ouvir audiobooks), visitar centros de arte e cultura, exercitar o corpo, e ter hobbies ativos (pintura, costura, dança, culinária, ir no cinema) são atividades que devem fazer parte da vida da estudante de pós-graduação.

Passei muito tempo assistindo séries e jogando Candy Crush. Mas hoje eu tenho reduzido o meu tempo em frente a TV e jogando online. Essas atividades são boas para relaxar imediatamente, mas não constroem laços interpessoais e não requerem muito esforço físico e mental. Este fato pode deixar o corpo e a mente preguiçosos com o passar do tempo.

Já ouvi diversas vezes de estudantes de pós-gradução a seguinte frase: Não tenho vida! Infelizmente, a indústria acadêmica quer que todos vivam em uma bolha. Eu já me decepcionei bastante com isso. O nível de cobrança, principalmente para professores pesquisadores, é muito alto. É tecnicamente impossível realizar um bom trabalho com a atenção necessária e manter um balanço entre a vida profissional e pessoal.

Pós-graduação é um sonho para aqueles que tem sede de conhecimento. Estudar no exterior é um grande desafio, um grande orgulho, mas tem um grande preço. Planejar-se financeiramente, acreditar em si mesmo, cuidar da saúde mental, ter uma rotina de estudo, e aproveitar o tempo livre são as dicas que eu tenho para dar. E por último, mas não menos importante, escolha um tema que você ame, pois terá que ler e escrever sobre isso todos os dias por um determinado tempo em outra língua.

Related posts

Os Brigadeiros da Samba Gourmet

Monica Bateman

Como é morar em Chicago

Lorrane Sengheiser

EUA – A vida na capital americana

Lorrane Sengheiser

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação