BrasileirasPeloMundo.com
EUA

EUA: pandemia, recessão e recuperação

EUA: pandemia, recessão e recuperação.

O Covid-19 afetou todos os aspectos das sociedades mundiais, desde a saúde pública até a economia, trabalhos e a esperança por dias melhores a curto prazo. E isso não foi diferente nos Estados Unidos. 

Mesmo com a vacinação contra o coronavírus iniciada em dezembro/2020, a recuperação total da devastação econômica americana em decorrência da pandemia, sem dúvida levará tempo.

Além  do mais, o país está dividido por várias razões de cunho político, e que agravou-se com a pandemia. 

Esse é um país que precisa de um healing (cura) profundo, para se re-encontrar como nação enquanto recupera a situação econômica. Isso já ocorreu em outras ocasiões em sua história, como por exemplo em situações devastadoras do passado durante guerras e com a grande depressão da década de 30.

Logicamente não vai ser fácil, será um processo que demanda tempo e um esforço coletivo e individual (além de vontade política) para a recuperação, em busca do ‘novo normal’ após a pandemia.

Leia também: Pandemia e Vacina

Quanto aos números da pandemia: de acordo com o último relatório de empregos publicado pelo Bureau of Labor Statistics dos EUA, a taxa de desemprego subiu para mais de 14% em março/2020, e baixou em dezembro/2020 para por volta de 6.7%.

Porém esses números não refletem completamente o impacto social do país pois as realidades estaduais e as situações dos setores demográficos afetados pelo desemprego divergem muito e apresentam capacidades diferentes de recuperação.

O governo federal precisará aumentar empréstimos para pequenas empresas, estender benefícios de seguro-desemprego, criar novas frentes de empregos e promover alguns subsídios de creche para pais que trabalham, para ajudar a retomada do crescimento econômico nos próximos seis meses.

Infelizmente, a segunda onda de casos de Covid19 e até uma possível variante do vírus, como já acontece na Europa, por exemplo, podem potencialmente retardar a recuperação econômica e social americana.

Leia também: A pandemia vai acabar após a aprovação das vacinas?

Consequentemente isso pode forçar as empresas a dispensar mais trabalhadores e congelar as novas contratações. Ao mesmo tempo, programas de assistência pública destinados a enfrentar o impacto financeiro da pandemia estão sob ameaça.

Os benefícios do seguro-desemprego acabaram, as moratórias de despejo estão prestes a expirar e milhões de pessoas estão contando com tickets refeição subsidiados pelo governo.

Trabalhadores de baixa renda, como os dos setores de serviços e hospitalidade, sofreram algumas das maiores perdas de empregos neste ano. Alguns desses empregos nunca mais voltarão à medida que mais varejistas transferem seus negócios para a Internet e restaurantes fecham.

Os baby boomers também foram afetados por layoffs (suspensão temporária do contrato de trabalho), demissões e aposentadoria precoce, sinalizando uma perda significativa de experiência e qualidade do mercado de trabalho.

O Covid19 tem sido especialmente duro com as mulheres trabalhadoras. As interrupções em creches, escolas e programas extracurriculares forçaram mulheres com filhos a frequentemente reduzirem suas horas ou deixarem totalmente seus empregos.

O impacto foi maior em mulheres e evidenciou ainda mais as disparidades de gênero.

Todo esse texto descreve o cenário da recessão americana. Ainda devastador, mas com perspectiva de melhoras com o advento das vacinas, novas alternativas de trabalhos, o boom do trabalho digital e incentivos federais. 

Mas é de se esperar que 2021 ainda seja um ano desafiador com um início de recuperação em 2022. 

Nesse meio tempo, como fica a esperança?
Precisa ser renovada diariamente.

Vale ressaltar que, esperança é relacionada com clareza, cuja existência depende de nós nos colocarmos em movimento e ação. Independente de nossas circunstâncias, descubra algo em si ou no seu ambiente que o coloque um pouco à frente da sua situação atual.

Mesmo que seja algo quase imperceptível, faça dos seus dias uma constante de crescimento pessoal. Aos poucos e com determinação, como falam os americanos: slowly but surely (vagarosamente mas com certeza)

Como em desastres anteriores, a resiliência humana aplicada à riqueza de lições e evidências que surgiram nessa pandemia em nível global, regional e individual, serão a base da recuperação à crise do Covid19.

O mundo sempre se recuperou de suas piores mazelas, mesmo com cicatrizes e traumas. A necessidade de sobreviver e transcender é maior do que o sofrimento. E não será diferente dessa vez! Eu acredito nessa máxima não apenas para os Estados Unidos, mas para o mundo como um todo.

Related posts

Meu primeiro ano dirigindo nos Estados Unidos

Mari Proença

Minha chegada em Michigan nos EUA

Cinthia Almeida

Reforma Imigratória nos Estados Unidos

Lorrane Sengheiser

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação