BrasileirasPeloMundo.com
EUA

EUA – Violência, um fantasma à espreita

Ultimamente temos visto com temor os índices alarmantes da crescente violência ao redor do mundo. Ataques terroristas na Europa e no Oriente Médio, criminalidade gerada pela desigualdade social no Brasil e o chocante número de atiradores aleatórios nos EUA.

Infelizmente eu e minha família engrossamos a lista da violência paulistana, quando em 2013 fomos vítimas de um assalto à mão armada na cidade. O trauma gerou consequências que impactaram o nosso modo de viver em São Paulo e a vida acabou nos oferecendo uma oportunidade de reescrever a nossa história em outro país. Foi assim que no Natal de 2014, desembarcamos de mala e cuia nos Estados Unidos.

Como mãe de meninas em idade escolar, vivi um primeiro ano muito atribulado, com muita informação para digerir, choques culturais para lidar e a constante saudade de tudo que nos é familiar.

Vivemos hoje em um subúrbio de Washington DC, considerado um dos mais seguros do país, com alto nível de escolaridade e renda per capita acima da média nacional. Tudo isso deveria servir para ficarmos tranquilos, pois a incidência de assaltos à mão armada é praticamente nula. Contudo o fantasma do medo permanece, ainda que em tons infinitamente mais brandos do que no Brasil.

Como diria Jean Paul Sartre, “o inferno são os outros”. Eu e meu marido criamos nossas filhas com a absoluta certeza do mote à não violência. Somos contra o porte de armas e nem sequer sabemos como elas funcionam. Pois bem, em Virginia, o estado americano onde fica a minha cidade, as armas são permitidas. Perto da minha casa existe uma loja de aparência inofensiva, que comercializa todo tipo de arma de fogo e fica a poucos metros de uma escola fundamental.

Apenas nesse ano que passei aqui os números foram impressionantes! Com uma frequência inacreditável, os noticiários do país anunciam “shootings” onde atiradores executam a esmo pessoas aleatórias, em escolas, igrejas e outros espaços públicos. Na maioria dos casos, os atiradores são pessoas com problemas mentais de toda ordem, mas que tiveram a infelicidade de ter acesso às armas.

Infelizmente outro massacre aconteceu em dezembro passado no estado da  Califórnia, na pequena cidade de São Bernardino. O incidente se diferenciou dos outros por ter tido motivação terrorista.

Os assassinos eram simpatizantes do Estado Islâmico (ISIS) e planejaram minuciosamente o ato, deixando um terrível rastro de sangue com mais de 10 vítimas fatais. O que indignou ainda mais o movimento desarmamentista foi a constatação do fato de que hoje, mesmo com o planeta sob ameaça constante de ataques terroristas, nos EUA encontra-se o caminho aberto e fácil para adquirir armamento pesado e cometer loucuras como essa. Mesmo sem o planejamento estratégico de uma organização terrível como o ISIS por trás, simpatizantes do movimento podem cometer atos isolados de terror.

35390df9-1437-43d4-9fad-44204779ae1d
Uma instalação artística realizada em Fairfax – VA. Cada camiseta representa uma vítima de arma de fogo no ano de 2014, na região de Washington D.C. Na camiseta estão impressos os nomes e a data de nascimento e morte das vítimas. Foto: Gabriela Albuquerque

Essa tensão cria consequências em nossa vida cotidiana.  Minha filha, aluna de High School/ Ensino Médio tem treinamento mensal para aprender a se defender de incêndio e….”shooting”! Outro dia ela voltou assustada, pois em um dos treinamentos todos os alunos tiveram que ficar em absoluto silêncio, imóveis e no escuro, agachados atrás das cadeiras, na simulação de um atentado. Uma situação constrangedora e impensável, mesmo para quem vem de um país com índices altíssimos de violência como o Brasil.

Apesar do estranhamento, esses treinamentos preventivos são fundamentais, pois acabam salvando muitas vidas e preparando as crianças para situações catastróficas como essa. Mas não deixo de pensar no dano colateral, sobretudo psicológico que isso pode acarretar.

Ressalto que uma High School/ Escola de Ensino Médio têm em média mais de 2.000 alunos por prédio, o que torna a segurança frágil e de difícil controle.

Mesmo sendo zonas onde o porte de armas é proibido, as escolas são ambientes vulneráveis, pois como eu disse acima, qualquer um na vizinhança pode adquirir um fuzil automático.

O presidente Barack Obama tem feito discursos exaltados e indignados, tentando coibir a facilidade com que as armas são comercializadas. Infelizmente tem sido em vão, pois o lobby armamentista americano é poderosíssimo e domina a grande maioria do congresso, que determina a lei. Além claro de uma forte herança histórica e cultural, em que o gosto pelas armas de fogo é uma espécie de herança de pais para filhos.

Respeito a opinião de quem defende o porte irrestrito de armas, mas não concordo. São defensores da linha de que armado o cidadão pode se defender e assegurar a sua liberdade, tal qual está escrito na constituição norte-americana. Entre os argumentos armamentistas está o índice estatístico de que os “shootings” (massacres por armas de fogo) acontecem em áreas onde armas são proibidas e por isso, os atiradores se sentem confiantes em matar, sem serem interrompidos por outros tiros.

Apesar da situação já ser considerada epidêmica por alguns especialistas, as tentativas de mudança e restrições continuam sendo barradas por leis congressistas e também por grande parte da população, que acredita que quanto mais armados mais seguros estaremos. Um assunto controverso e que infelizmente ainda não apresenta nenhuma solução à vista.

Eu, com a minha bagagem cultural brasileira e hoje imersa em outra cultura, fico triste pelos caminhos que a humanidade está tomando. Apesar das grandes diversidades culturais, todo ser humano alimenta em seu íntimo um desejo comum:  proteger os seus e viver em paz.

Por que será que dificultamos tanto esse caminho? Uma pergunta que certamente terá que encontrar respostas, se quisermos deixar um mundo melhor para as futuras gerações.

Related posts

Comprar ou alugar casa no Texas?

Thais Amaral Tellawi

Português como língua de herança

Gabriela Albuquerque

Vacinação nos EUA

Lorrane Sengheiser

1 comentário

Surpresas positivas e negativas depois de um ano de América | Life is beautiful around the world Janeiro 7, 2016 at 4:30 am

[…] e os números são alarmantes. Esse é outro tópico que poderia se alongar muito e falo sobre ele aqui, somente para afirmar, que infelizmente os EUA não estão isentos da […]

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação