BrasileirasPeloMundo.com
Cuba

Fidel: amor e ódio Parte 2

Na coluna de janeiro comecei a explicar sobre Fidel Castro e a Revolução Cubana. Agora te convido a terminar de ler a história. Se você não leu a parte 1, clique aqui para integrar os textos. Acompanhe:

Primeiro de janeiro de 1959: Fulgencio foge de Cuba. A vitória da Revolução Cubana pelo exercito de Fidel é decretada dia 08 de janeiro.

Depois do triunfo da Revolução a burguesia cubana migrou aos EUA e Espanha. Seus bens económicos se tornaram um bem comum do povo, administrados pela revolução.

Novas medidas revolucionárias:

  • Reforma agrária de terras e propriedades privadas. Entre elas, as da Família Castro e de capital estadunidense.
  • Declaração de Cuba como país ateu e confisco dos bens eclesiásticos.
  • Reforma do sistema educacional: Cuba foi o primeiro país a erradicar o analfabetismo.
  • Reforma do sistema de saúde: Cuba se converteu num país com um dos melhores sistemas de saúde do mundo.
  • Desenvolvimento um sistema de distribuição de renda: pagamento de salário à população negra e branca.
  • Moradia ao povo.
  • Direito a eleições indiretas para o povo e para as mulheres.
  • Rompem-se pela segunda vez as relações diplomáticas entre Cuba e EUA e os bens econômicos ficam detidos de maneira bilateral.
  • Formação dos CDRs, Comitês em Defesa da Revolução, ainda vigentes, que entre outras funções denunciavam movimentos antirrevolucionários.

1960: os EUA proíbem a venda de peças para máquinas agrícolas, industriais e de transporte a Cuba. Em fevereiro Cuba assina com a URSS o primeiro convênio comercial. URSS compraria açúcar cubano e lhes venderia petróleo. Como medida os EUA deixaram de refinar o petróleo soviético para Cuba, decretando o primeiro embargo petroleiro à ilha ao anunciar que não compraria açúcar cubano.

Em 1961: Os EUA invadem Cuba e perdem a conhecida Batalha de Girón.

1962: Cuba se alia ao Bloco Socialista e aceita que a URSS instale no país mísseis nucleares, na época da Guerra Fria, depois de descobrir que os EUA tinham mísseis nucleares armados. Cuba é excluída da OEA no governo Kennedy.

A ponto de explodir uma guerra nuclear, a URSS força os EUA a desarmar seus mísseis nucleares; em troca, faria o mesmo, com o compromisso do presidente estadunidense de que Cuba não seria atacada. Assim a URSS declarou a paz.

Em 17 de outubro o presidente Kennedy instala o bloqueio naval a Cuba conhecido como “quarentena”. Pelo decreto n° 3447 se formaliza o embargo econômico e comercial dos EUA a Cuba. Os EUA anunciam ao mundo que cortaria relações comerciais com países que negociarem com Cuba.

1964: aprovação em Washington do embargo diplomático a Cuba; o único pais que não participa é o México.

1977: James Carter é eleito presidente nos EUA, facilitando as negociações comerciais e diplomáticas com Cuba.

1980: o governo cubano abre o porto de Mariel para que os antirrevolucionários pudessem migrar, mais de 120.000 cubanos emigraram a EUA.

1981: no governo de Ronald Reagan, Cuba interrompe o acordo migratório com os EUA.

1991: desaparece o socialismo europeu e sua repercussão econômica em Cuba foi inevitável.

1992: Sem o apoio da URSS, os EUA consideraram o socialismo como um modelo fracassado de governo e que Cuba seria incapaz de sobreviver economicamente. Ofereceram a oportunidade a de uma transição democrática de governo. Cuba rejeita a “oportunidade” e os EUA, sob o governo Bush, aprovam a Lei Torricelli, Lei da Democracia Cubana, em outubro, proibindo totalmente as companhias terceirizadas com matriz estadunidense de comercializar com Cuba, com o objetivo de – valendo a redundância – isolar e colapsar Cuba dentro da economia internacional.

A Lei Torricelli é uma lei extraterritorial que viola as normas internacionais de liberdade de comércio e navegação e desrespeita a soberania dos Estados. Isso significa que os EUA impõem leis internacionais para que Cuba seja submetida ao modelo de governo democrático, mesmo sendo dois países independentes. Ao recusar esta imposição e manter seu sistema socialista de governo, Cuba é acusada pelos EUA de violação dos direitos humanos, quando é justamente o contrário.

1996: Clinton aprova a Lei Helms-Burton, Lei para a Liberdade e Solidariedade Democrática Cubana, fortalecendo o embargo. O poder executivo estadunidense converte em lei todas as medidas econômicas, comerciais e financeiras anteriores adotadas contra Cuba, modificando a estrutura legal do embargo.

2004: em agosto se divulga o Plano Bush para Cuba, Plano de assistência para Cuba livre. Medidas estritas em relação a Cuba foram executadas e em 2006 Bush incrementa medidas ao plano, dificultando a relação.

A partir de 2014 Obama facilita as negociações com Cuba desde a perspectiva estadunidense, deixando um documento para os próximos presidentes onde reconhece a independência, supremacia e legitimidade do governo cubano, e que o embargo é retrógrado. Porém insiste que Cuba deve ser um país democrático. Para isso os EUA devem intervir politicamente em Cuba, gerando o comércio no setor privado cubano, como era antes da revolução.

A política estadunidense seguirá hostilizando Cuba, por transmissões ilegais para difundir as ideias contrarrevolucionárias.

As novas medidas para Cuba feitas por Obama mantêm proibidas:

  1. Inversões de capital estrangeiro no país.
  2. Exportações e importações entre Cuba e EUA, exceto as de interesse estadunidense, e produtos farmacêuticos.
  3. Comércio de charutos e rum cubano dentro dos EUA.
  4. Autorização do uso de dólares estadunidenses pelo estado cubano em relações internacionais.

O novo pacote não beneficia diretamente Cuba, que solicitará outra intervenção da ONU para acabar com o embargo estadunidense.

Fidel Castro, amado por muitos e odiado por alguns, forjou sua história em vida e se converteu  na figura mais polêmica do século XX. Enquanto que para a maioria dos cubanos Fidel era um pai provedor e protetor rígido, para outros não passava de um “Castro castrante” que impedia o crescimento do país.

O mundo percebe Cuba como um país pobre. Afirmando que vivemos numa sociedade capitalista e consumista, onde o símbolo do sucesso e riqueza está baseado no poder aquisitivo, os cubanos como consequência do embargo, não teriam a facilidade de consumir como nós estamos acostumados.

Do meu ponto de vista, Cuba é um país extremamente rico. Sua riqueza não se baseia em valores econômicos; a riqueza de Cuba é o seu povo, seu conhecimento científico e cultural, o seu espírito lutador e invencível. Fidel proporcionou esta mudança ao seu povo, por isso ele e a revolução cubana são tnao importantes para os tantos cubanos agradecidos. Ele tirou um país de uma ditadura escravista para convertê-lo em uma sociedade com princípios igualitários.

Enquanto muitos cubanos que não tinham saúde, direitos sociais, eram analfabetos, passavam fome, valorizam a revolução e tudo o que ela representa, existem aqueles que são contra.

Para mim existem os revolucionários, que lutaram na revolução com Fidel e depois nasceram os filhos da revolução que seguem os princípios revolucionários.  E estes geraram os netos da revolução, que não todos estão dispostos a continuar mantendo a revolução sob as circunstâncias, imposições e bloqueio do império ianque.

Provavelmente os bisnetos da revolução verão que a história absolveu Fidel Castro, e neste momento Fidel deixará de ser história para continuar sendo realidade quando digam:

Nosso comandante estava certo, nós vencemos! Hasta la Victoria siempre. Viva Fidel!

Related posts

O que as algas do Caribe têm a ver com o Brasil?

Viviane Naves de Alencar

Como está Cuba na luta pelos direitos das mulheres

Viviane Naves de Alencar

Vinte dicas para viajar por Cuba

Viviane Naves de Alencar

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação