BrasileirasPeloMundo.com
Holanda

Haia. Afinal que cidade é esta?

Haia é a terceira maior cidade da Holanda, mas nem todo mundo conhece sua história ou sabe de sua importância. Aliás, nem o nome as pessoas conhecem direito. Em português o nome certo é A Haia. Sim, com o artigo (estranho né?), como em inglês, The Hague, em espanhol La Haya e em holandês, Den Haag (que se fala “Den Rárrrrr”). Mas o nome da cidade é na verdade, s’Gravenhage, que pelo jeito é tão difícil de se pronunciar que os próprios holandeses só usam o apelido mesmo.

Haia tem em torno de 500 mil habitantes e faz parte do Randstad, o conglomerado que inclui também Amsterdam, Rotterdam e Utrecht. A área da cidade é de mais ou menos 100 quilômetros quadrados e, apesar de não ter tantos canais como Amsterdam, tem praia! O que, para mim é bem mais interessante.

Apesar da capital do país ser Amsterdam, Haia é a sede do governo desde o fim da década de 1580 e abriga todas as embaixadas, ministérios, a suprema corte, o conselho do estado e o parlamento, que fica em um conjunto de prédios lindo, o Binnenhof, a casa parlamentar mais antiga do mundo ainda em uso e uma grande atração turística. O rei e a rainha também moram e trabalham na cidade.

Leia também: Tudo que você precisa saber para morar na Holanda 

Quem gostava das aulas de história, com certeza lembra das Convenções de Haia. Então… Os primeiros tratados internacionais e conferências mundiais da paz foram aqui. A primeira foi em 1899, quando, com a participação de 26 nações, surgiu a ideia da criação da Corte Permanente de Arbitragem, basicamente um grupo neutro formado para decidir disputas entre países. Em 1907 mais uma convenção para a paz mundial foi feita aqui, desta vez com a participação de 44 países. O nosso representante, foi Rui Barbosa que parece ter tido uma atuação tão expressiva e eloquente, que lhe rendeu e o apelido de Águia de Haia. Desde então aconteceram muitas outras, onde se discutiram e se definiram assuntos de interesse mundial como modernizações do Conselho de Segurança da ONU e das leis de guerra da Convenção de Genebra, proteção de menores, adoção internacional, proteção de propriedade cultural e legalização de documentos públicos estrangeiros (quem mora fora do Brasil ou já precisou emitir algum documento para o exterior, com certeza conhece a Apostila de Haia, que entrou em vigor em 2016 e é uma espécie de autenticação que pode ser feita no cartório mesmo e facilitou muito a troca e validação de documentos entre os países).

Em 1913 foi inaugurado aqui o Palácio da Paz, para abrigar a Corte Permanente de Arbitragem. Hoje ele também é a sede do Tribunal Internacional de Justiça (principal órgão judicial da ONU), da Biblioteca e da Academia de Direito Internacional de Haia. O palácio é lindo e também pode ser visitado.

Em Haia também estão as sedes da UNPO – Organização das Nações e Povos Não Representados, da OPAQ – Organização para a Proibição de Armas Químicas e de mais dois tribunais internacionais: o tribunal temporário criado para julgar acusados do massacre da antiga Iugoslávia (Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia) e o Tribunal Penal Internacional (para julgar indivíduos por crimes de guerra). Por tudo isso, a cidade é conhecida como a Capital Mundial da Justiça e da Paz.

E, além da grande importância diplomática no mundo, Haia também tem muitas atrações turísticas, que vão além dos prédios do governo e palácios. Um exemplo, que eu adoro, é o museu Mauritshuis, cuja tradução é casa do Maurício. E que Maurício é este? Maurício de Nassau! Aquele que a gente também conhece das aulas de história. A casa, que foi realmente dele, hoje abriga obras importantes da arte holandesa. As mais conhecidas são a Moça com Brinco de Pérola, do Vermeer e A Lição de Anatomia do Doutor Tulp, de Rembrandt. Também há uma sala onde estão os primeiros registros de pintores europeus sobre o Brasil, com três obras de Frans Post (Paisagem Brasileira 1667, Paisagem Brasileira com casa em Construção 1655-1660 e Vista de Itamaracá-1637) e as Duas Tartarugas Brasileiras de Albert Eckhout de1640. A casa é linda e o museu tem obras fantásticas, uma lojinha legal (eu amo loja de museu) e um café super gostoso.

E o que mais a cidade oferece? Bom, como já disse, aqui tem praia. Aliás, aqui estão as principais praias de Benelux (o grupo formado por Belgica, Holanda e Luxemburgo), claro que a água é gelada e em matéria de belezas naturais, nada comparável às praias brasileiras, mas depois de um inverno rigoroso a cidade renasce e as praias se enchem de strandclubs (clubes de praia) bares e restaurantes deliciosos que mudam completamente o astral e as paisagens locais (e como tudo aqui na Holanda, a praia também é muito organizada, com áreas e épocas estabelecidas para nudismo, cachorros, surf, pescaria, etc.). No verão escurece as 10 da noite e as praias ficam cheias até tarde. Os bares da cidade também fervilham todos os dias da semana e nos finais de semana, depois de uma certa hora, todos viram baladas.

Leia também: Registro e visto de residência na Holanda

Obviamente, com todas as embaixadas e órgãos mundiais, Haia é uma cidade multicultural com ótimos restaurantes, muitas escolas internacionais e grandes universidades, onde você ouve diariamente uma infinidade de idiomas diferentes pela rua. O veículo oficial da Holanda é a bicicleta, mas aqui você também vai de tram (bonde) ou de ônibus facilmente para qualquer lugar da cidade. Haia não é tão turística quanto Amsterdam, mas é super segura, linda e alegre, com muita coisa para se ver e fazer. Vale a pena conhecer esta cidade que, como você viu acima, além de ter muita história, é uma das mais importantes do mundo!

Related posts

Mestrado em energias renováveis na Holanda

Roberta Veronezi Figueiredo

A verdade sobre as drogas na Holanda

Fernanda Campestrini

A Primavera e a febre do feno na Holanda

Regina Oki

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação