BrasileirasPeloMundo.com
EUA Halloween Pelo Mundo

Halloween nos Estados Unidos

Halloween é o meu feriado preferido. Eu brinco que o Halloween é o Carnaval americano. Anualmente é celebrado no dia 31 de outubro. A grande maioria dos pais e crianças esperam o ano inteiro por esta data para se fantasiar e comer uma quantidade absurda de balas e chocolates. Depois de ter filhos passei a gostar ainda mais do Halloween e a celebrá-lo com fervor, para deleite da minha sogra, que ama as tradições americanas. Amo ver as crianças fantasiadas pelas ruas atrás de doces! Adoro abrir a porta de casa para distribuir doces aos trick-or-treaters e conversar um pouquinho com as crianças. Também amo decorar minha casa e o meu jardim. E mais que tudo, amava fantasiar os meus filhos.

Como resistir a fofura de bruxas, magos, vampiros, múmias e abóboras? Algumas fantasias são tão elaboradas e criativas que eu fico imaginando quanto tempo levou para a mãe confeccioná-la. Eu sempre comprei as fantasias dos meus filhos por achar mais prático e guardo a primeira fantasia deles, de ursinho Pooh vestindo uma abóbora, até hoje. E meu cachorro também sai fantasiado.

No inicio do mês de outubro nós já começamos a ver as casas, escolas e lojas decoradas. Aparecem lojas, tipo pop-up stores, que só vendem fantasias e decorações de Halloween. Os convites para festas começam a ser enviados. Há festas em casa e vários restaurantes e bares promovem festas também. Supermercados e hipermercados, como Target e Walmart, ficam abarrotadas de balas, chocolates, brownies, bolos e cookies decorados com teias de aranhas e Jack O’Lantern (aquela abóbora com a carinha esculpida e vela dentro).

O clima muda e fica bem festivo tanto para crianças quanto para adolescentes. Eles passam o mês inteiro se preparando para o grande evento. As crianças ajudam na decoraração e a escolher a abóbora e esculpir o Jack O’Lantern nela. O dia de preparar o Jack O’Lantern é um dia especial. Esculpe-se a abóbora e come-se as sementes da abóbora torradas, que são uma delícia. No dia 31 as crianças começam a sair de casa para pedir doces ao entardecer, pouco antes do por do sol, quando ainda há um pouquinho de luz. Os adolescentes saem por volta das 8h da noite, com fantasias mais amedontradoras. Sempre vão fantasiadas e carregando uma sacolinha para colocar os doces. Nas cidades há uma disputa para ver qual é a rua mais bonita e qual distribui os melhores doces.

Leia também: Halloween na Alemanha

O Halloween nos Estados Unidos tem sua origem na tradição Celta. Os celtas tinham um festival chamado Samhain no qual as pessoas acendiam uma enorme fogueira e vestiam fantasias feitas de pele e ossos de animais para espantar fantasmas. Este festival também marcava o inicio do inverno. De acordo com a tradição católica, a noite anterior ao Dia de Todos os Santos (dia 1° de novembro), era conhecida como All Hallows Eve, e virou Halloween.

Inicialmente somente os estados da Nova Inglaterra os celebravam de forma muito limitada, por causa dos protestantes, que não gostavam de sua origem pagã. O Halloween passou a ser mais comum em Maryland e nos estados do sul. Os costumes europeus trazidos pelos colonizadores se uniram aos costumes indígenas e as primeiras celebrações foram como play parties, umas festas com brincadeiras em locais públicos, nas quais se contavam histórias sobre os mortos, faziam adivinhações, dançavam e cantavam honrando a colheita do outono.

Na metade do século XIX chegaram aos Estados Unidos muitos imigrantes irlandeses. Eles ajudaram muito a popularizar o Halloween. Os irlandeses, assim como os ingleses, começaram a sair as ruas fantasiados indo de casa em casa pedindo dinheiro ou comida. Esta pratica evoluiu para o trick-or-treat como conhecemos hoje. Na década de 1890 começou um movimento para que o Halloween passasse a ser celebrado mais como uma festa familiar com menos ênfase em bruxaria, fantasmas e travessuras. Na primeira década de 1900 adultos e crianças começaram a celebrar o dia em festas que focavam em celebrar a nova estação através de jogos, comidas e fantasias mais inocentes. Houve uma campanha através de jornais para desencorajar o lado assustador e grotesco do Halloween.

Leia também: Halloween na China

Durante os anos 20 e 30 as celebrações passaram a ser feitas na maioria das cidades de todos os Estados Unidos com desfiles e shows, mas ocorriam vandalismos também durante esta noite. A partir dos anos 50, os líderes comunitários conseguiram controlar o vandalismo e a celebração passou a ser como conhecemos hoje. O Halloween é hoje um feriado que movimenta mais de 6 bilhões de dólares e é o segundo maior feriado comercial, só perdendo para o Natal.

Uma curiosidade que eu acho interessante é que no Brasil, o Dia de Santo Antônio é quando as mulheres pedem a ele um marido. Aqui nos Estados Unidos o Halloween é que é o dia de se fazer algumas mandingas pedindo marido. Outra curiosidade é que na véspera do Halloween adolescentes às vezes se reunem e espalham papel higiênico no jardim e na casa de algum amigo ou conhecido. Esta noite é conhecida como Mischief Night (noite de pregar uma peça). Isto tem caído cada vez mais em desuso.

Diversas religiões não permitem a celebração do Halloween por considerá-la uma festa pagã, mas a verdade é que a grande maioria da população dissocia completamente o Halloween de qualquer manifestação religiosa. As pessoas que escolhem não celebrar mantêm as luzes de suas casas apagadas para não serem incomodados durante esta noite. Estas casas são sempre respeitadas. Eu fiquei sabendo através de brasileiras que moram aqui em Connecticut que, recentemente, muitas Igrejas evangélicas que servem a comunidade começaram a celebrar o que eles chamam de Halleluiah neste dia. Eles se reunem em Igrejas para orar na noite do dia 31.

Este ano (algumas pessoas estão) sendo contra a celebração do Halloween. Algumas escolas estão trocando o Halloween pelo Dia do Laranja e Preto e não permitindo fantasias. Há um grupo pequeno de pessoas se dizendo ofendidas com algumas fantasias. Vários pais estão protestando porque este feriado esta muito enraizado na cultura americana e as crianças esperam por este dia o ano inteiro, ansiosamente, para ir para as escolas fantasiadas. Felizmente algumas escolas já estão voltando atrás nesta decisão e voltando a deixar que as crianças celebrem o Halloween. Na escola que a minha filha frequentava e que só vai até o 5° ano, há sempre uma festa enorme na sexta-feira que antecede o Halloween com concurso de fantasias, música, jogos e doces. A Associação de Pais e Mestres é quem financia a festa, pois a escola é pública. As crianças amam! E a diretora da escola também!

Porém, há um lado negro no Halloween. De acordo com dados de policiais de vários estados é o dia do ano no qual mais crianças desaparecem. Por isto, nunca deixe seu filho sair sozinho. Mesmo que ele vá com um grupo de amigos, algum adulto deve estar por perto supervisionando. Todo cuidado é pouco! Também não deixem seus filhos comerem nada que não venha em embalagem selada. Eu sempre revirei as sacolas dos meus filhos e jogava fora tudo que fosse feito em casa ou que tivesse embalagem violada. Como dizem aqui “better safe than sorry”. E tomem também muito cuidado ao dirigir. As crianças estão correndo pelas ruas e há sempre muitos policias controlando a velocidade dos carros. Também mantenham seus gatos dentro de casa. Ainda tem muitos monstros por aí que usam a desculpa do Halloween para torturar e sacrificar animais, principalmente gatos pretos. O meu não sai de casa durante todo o mês de outubro e começo de novembro. Não vale a pena arriscar.

Mesmo assim, o Halloween é um feriado inigualável. Eu morro de saudades de quando os meus filhos eram pequenos e eu os levava as ruas. Durante os 3 anos em que nós voltamos a morar no Brasil eu organizava sempre uma festa de Halloween com trunk-or-treat no condomínio onde eu morava em São Paulo. Trunk-or-treat é quando as famílias decoram a mala do carro com temas de Halloween e distribuem doces para as crianças que vão de carro em carro. Depois tinha uma festa no playground. Hoje em dia, com dois adolescentes, eu organizo festas bem diferentes, com filmes de terror e bastante música, sucos e comida mas sou proibida terminantemente de participar, assim como os outros pais. Ficamos relegados a uma outra parte da casa. Pelo menos nesta nova fase, apesar de separados, os pais se divertem muito também. A grande maioria vem fantasiada. Eu e meu marido também nos fantasiamos. Comemos, conversamos, dançamos e tomamos umas taças de vinho, pois temos a vantagem de ter os filhos de 16 anos como motoristas.

Meu conselho é: comprem as suas fantasias, comprem bastante bala, decorem pelo menos a entrada de suas casas e curtam muito, porque dia 1° de novembro já é dia de trocar a decoração e se preparar para Thanksgiving. Happy Halloween!

Leia sobre o Halloween Pelo Mundo!

Related posts

Au Pair, Babysitter ou Nanny?

Liliane Oliveira

Diferenças entre escola pública e particular nos Estados Unidos

Renata Salas Collazo

Austin, a capital hippie da tecnologia

Alessandra Ferreira

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação