BrasileirasPeloMundo.com
Itália

Ilha de plástico na Itália

Ilha de plástico na Itália.

Provavelmente todo mundo já ouviu falar da ilha de plástico no Pacífico, mas poucos sabem que um fenômeno similar está acontecendo no Mediterrâneo. No Oceano Pacífico, entre a Califórnia e o Havaí, garrafas de plástico, brinquedos infantis, eletrônicos descartados, redes de pesca abandonadas e milhões de detritos flutuam na água. Nos últimos anos, esta área tornou-se conhecida como Great Pacific Garbage Patch, um aterro onde os objetos do dia a dia são depositados pelas correntes. Os plásticos acabam desintegrando-se em minúsculas partículas que frequentemente são comidas pelos peixes e, portanto, podem chegar às nossas mesas.

Embora o Mediterrâneo represente apenas 1% das águas mundiais e os derrames da Europa sejam inferiores a 0,5 % do total, as análises em curso há pelo menos 10 anos mostram que 7% dos mares estão concentrados de microplástico global. Isso ocorre porque o Mediterrâneo é um mar fechado e, consequentemente, os plásticos derramados acumulam-se ao longo dos anos até atingir, em algumas áreas, concentrações comparáveis às encontradas na Great Pacific. Em particular, a concentração de microplástico é muito alta no Mar da Ligúria e na ilha de Elba, na área protegida do Santuário dos Cetáceos.

A Itália, como península, é um país muito exposto a este problema de dispersão no mar de resíduos não biodegradáveis. Segundo o estudo realizado pela Arpa Toscana e a estrutura oceanográfica Daphne di Arpi Emilia Romagna, o plástico representa o principal resíduo encontrado nos mares, pois constitui de 60% a 80% do total de resíduos encontrados nas águas. Uma figura que, em algumas áreas, chega a 90% – 95% do total – porcentagens que estão nos níveis mais altos nos mares italianos.

Certamente as ilhas de plástico não têm um impacto positivo no meio ambiente. Nos oceanos, a combinação de radiação solar e água salgada acelera a fragmentação dos plásticos: os microplásticos, confundidos com o fitoplâncton, entram na cadeia alimentar dos peixes e são fisicamente competitivos com a principal fonte de alimento da fauna marina. As previsões são dramáticas: se o vazamento de lixo plástico não for interrompido, segundo muitos estudos de instituições científicas de prestígio, até 2050 haverá mais plásticos do que peixes nos oceanos, e pelos menos 95% dos peixes terão ingerido microplásticos.

Diante desta situação, quais medidas podem ser adotadas para reduzir o impacto ambiental das ilhas de plástico? O caminho para a coleta seletiva de plástico certamente ajuda, mas está longe de ser decisivo para resolver o problema. Como todos sabem, nem todo plástico é reciclável e, acima de tudo, falar de plástico é uma generalização que inclui milhares de polímeros completamente diferentes, que são incompatíveis entre si. Na prática, para ter uma reciclagem que funcione, todos devem ser coletados separadamente.

Hoje, a única maneira de reduzir o impacto deste material em nosso ecossistema é limitar o seu uso, reutilizando os recipientes sempre que possível e usando materiais alternativos. Na Itália, algumas medidas já estão sendo adotadas para minimizar os efeitos da ilha de plástico nas costas entre a ilha de Elba e Córsega. Os voluntários da Legambiente Arcipelago Toscano já começaram a trabalhar recentemente nas costas da ilha de Elba, recolhendo quilos de resíduos, a maioria em plástico. As ilhas Tremiti já proibiram embalagens e objetos de plástico para abrir espaço exclusivamente aos produtos completamente biodegradáveis.

Leia também: Dicas de turismo em Isola d’Elba no arquipélago Toscano

As ilhas de plástico são um sério problema para os nossos mares e oceanos. A seguir, as seis maiores ilhas de plástico ao mundo:

Great Pacific Garbage

É uma agregação de plástico, formada ao longo dos anos graças ao trabalho das correntes oceânicas que transportavam os resíduos dos rios para o centro dos vórtices oceânicos. Estima-se que 90% dos resíduos presentes no mar sejam provenientes de 10 rios: Yangtze, Xi e Huangpu (China), Ganges  Índia), Oyono (Nigéria), Brantas e Solo (Indonésia), Rio Amazonas (Brasil), Pasig (Filipinas) e Irrawaddy (Birmânia).

South Pacific Garbage Patch

Esta área é oito vezes maior que a Itália e maior que o México. A mancha de lixo do Pacífico Sul foi descoberta recentemente na Costa do Chile e Peru pelo capitão Charles Moore e sua equipe de pesquisa, os mesmos que descobriram o vórtice do lixo do Pacífico em 1977. A ilha tem uma área de cerca de 2,6 milhões de quilômetros quadrados e contém principalmente microfragmentos de plásticos.

North Atlantic Garbage Patch

Descoberta pela primeira vez em 1972, a ilha do Atlântico Norte é a segunda maior por extensão (estima-se que possa chegar a 4 milhões de quilômetros quadrados). Movida pela corrente do oceano Atlântico Norte, é famosa pela densidade de resíduos em seu interior. As estimativas falam de mais de 200 mil detritos por quilômetro quadrado.

South Atlantic Garbage Patch

Esta ilha cobre mais de 1 milhão de quilômetros quadrados e é movida pela corrente do Atlântico Sul. Localizada entre a América do Sul e a África Austral, tem sido pouco documentada.

Indian Ocean Garbage Patch

Descoberta em 2010, tem uma extensão de mais de 2 quilômetros e densidade de mais de 10 mil detritos por quilômetro quadrado.

Artic Garbage Patch

Infelizmente, há pedaços de plásticos flutuando até mesmo nos mares do Ártico, a menos de dois mil quilômetros do Polo Norte e em áreas que até poucos anos atrás não podiam ser alcançados devido às enormes geleiras. Este é o triste cenário dos nossos oceanos.

Os compromissos “voluntários” das empresas respondem a uma maior sensibilidade do consumidor e constituem um passo fundamental para a cultura da reciclagem e reutilização, como para promover e apoiar políticas públicas e medidas de incentivo  favor de produtos reciclados e aqueles biodegradáveis. No entanto, não basta adotar apenas políticas que limitem o uso desses materiais poluidores, mas também devemos levar em conta o manejo e o descarte desses resíduos, para evitar que mais e mais ilhas de plástico povoem os nossos mares.

Related posts

Dez motivos para morar na Itália

Carla Guanais

Natal no norte da Itália

Bruna Roland

Machismo na Itália

Ana Paula Ganzarolli

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação