BrasileirasPeloMundo.com
A Mulher na Sociedade Pelo Mundo Costa Rica

Machismo na sociedade costa-riquenha

Machismo na sociedade costa-riquenha.

Neste texto abordo brevemente um assunto mundialmente discutido que é o machismo.

Apesar de a Costa Rica ser considerada a Suíça das Américas, um país sem exército, com educação de alto nível, em pleno desenvolvimento social e econômico, encontramos e sentimos dificuldades em ser mulher.

Um pensamento bem típico de quando mudamos de país é: “Agora tudo vai ser diferente, os problemas acabaram”. Mas ainda que em magnitude bem menor que a encontrada em outros países, as mulheres na Costa Rica sofrem por conta do machismo, ouvem piadas e recebem olhares indecentes nas ruas, sofrem com a violência intrafamiliar, e, vivendo aqui, sinto isso na pele.

Os primeiros dias foram difíceis, estressantes, pois não conseguia entender como isso acontecia em um país socialmente desenvolvido, cheguei a me sentir reprimida por estar em um país distinto do meu e não poder colocar o dedo na cara daquele homem e mandar ele me respeitar e se respeitar!

Aqui existe a Lei de Penalização da Violência contra a Mulher (Ley de Penalización de la Violencia contra las Mujeres), criada em cumprimento à Convenção de Belém do Pará e aprovada em 12 de abril de 2007. O Ministério Público aponta que os cinco principais fatores que confrontam a Lei de Penalização da Violência contra a Mulher são: descumprimento de uma medida de proteção (30,23%), maus tratos (26,50%), ameaças contra a mulher (19,98%), ofensas à dignidade (9,86%) e violência emocional (8,55%).

Obviamente a violência contra a mulher não é um fenômeno exclusivo de uma região ou de um país específico, mas sim a manifestação de uma relação historicamente desigual entre homens e mulheres que afeta a metade da população mundial, em maior ou menor escala. A visualização em dados estatísticos sobre a violência contra a mulher nos mostra que 60% das mulheres já sofreram algum tipo de violência; 79,1% das mulheres recebem piadas e palavras insinuadoras em público; 12,2% das mulheres já foram forçadas a ter relações sexuais com um homem e 74,7% das mulheres receberam olhares provocantes e insinuadores em público. Algo interessante é que a violência contra a mulher foi qualificada pela Organização Mundial de Saúde como um “problema de saúde global equivalente a uma epidemia”.

No dia 30 de maio 2018 ocorreu uma reunião junto com a ONU para mostrar as estatísticas atualizadas das ocorrências da violência contra a mulher na Costa Rica. Seguem alguns dados que compreendem o período de 2012 – 2016: 34,8 de cada 100 mil mulheres denunciam casos de violência intrafamiliar; entre 2012 – 2016 120 mulheres foram mortas por feminicídio; por ano são entre 17 e 28 casos de mortes. Esses dados estatísticos tem relação com o modo como a mulher é vista dentro da sociedade, um olhar antiquado, arcaico, que a vê somente como um corpo, como objeto, e não como um ser humano por completo.

Leia também: Ser mulher na Costa Rica

Para combater todas as formas de violência contra a mulher, a Costa Rica conta com vários projetos de educação social, entre eles se destaca o mais recente projeto promovido pelo INAMU (Instituto Nacional das Mulheres) que se trata da Nova Política Nacional para a Atenção e Prevenção da Violência contra a Mulher com vigência de 15 anos (2017-2032). O INAMU tem como objetivo principal propiciar uma mudança na cultura machista, promover igualdade entre os gêneros e paralelamente reduzir os níveis de impunidade, garantindo maior proteção à mulher e previnindo o feminicídio. O foco dessa nova politica é trabalhar com a população infanto-juvenil para promover a mudança cultural e chegar ao nível zero de tolerância à violência contra a mulher.

A desigualdade de gêneros também se mostra no que diz respeito à inserção da mulher costa-riquense no mercado de trabalho. O mercado está composto, em média, por 40% de mulheres. Um número muito baixo já que as mesmas têm um nível de formação completa maior que os homens, cerca de 46,6%. Quanto à desigualdade salarial a depender do seu setor de trabalho e cargo essa diferença pode chegar a 26,6% a menos do que o salário do homem no mesmo setor e função.

O Instituto Nacional da Mulher traz alguns dados relevantes que mostram o desenvolvimento das políticas de apoio à inserção da mulher no mercado laboral, entre eles está o programa FOMUJERES – empreendedorismo da mulher na sociedade, que conseguiu ajudar diretamente 4.070 mulheres com o investimento de 56 milhões de colónes (aproximadamente 112 milhões de dólares).

Dentre estes programas e incentivos às mulheres, foi possível acompanhar o desenvolvimento de 996 micro e pequenas empresas lideradas por mulheres com um investimento de 4 milhões de euros em cooperação com a União Europeia, através do programa Mulher Empreende (Proyecto Emprende).

Leia também: Dificuldades durante a adaptação na Costa Rica

Mesmo com o machismo vivenciado aqui na Costa Rica e em outros países, é inegável que no dia a dia vemos muitas mulheres trabalhando em diversos setores como mercados, bancos, restaurantes, espaços terapêuticos, academias, afirmando cada vez mais o seu lugar na sociedade.

Segue alguns sites institucionais e privados que utilizei como base para este artigo e que podem ser acessados para mais informações ou dúvidas:

Observatório de Gênero

Poder Judicial Costa Rica

La Prensa Libre – Jornal

El Mundo – Jornal

Site do Governo da Costa Rica

Facebook do INAMU

Depois de um mês vivendo na Praia Tamarindo – praia muito movimentada e turística da Costa Rica – posso dizer que o susto dos primeiros dias passou, me sinto segura para andar sozinha, já não sinto mais os olhares nem piadas na rua, aos poucos nos adaptamos à nova cultura local.

Precisamos, dia após dia, reafirmar nossa posição na sociedade, lutar por nossos direitos e jamais desistir de sermos mulheres inteiras e completas neste mundo ainda imerso na escuridão do olhar machista.

PURA VIDA!

Related posts

Conheça 18 mulheres que fizeram história na Irlanda

Viviane Miranda

Aventuras no país “pura vida”

Iraci Gaspar

Mulheres votam pela primeira vez na Arábia Saudita

Carla Ferreira

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação