BrasileirasPeloMundo.com
Itália

Nápoles é muito mais do que pizza e “máfia”

Muitas vezes fui surpreendida pela reação dos meus amigos quando eu dei a notícia que me mudaria para Nápoles, essa terra ainda muito pouco explorada e vítima de muitos preconceitos.

As primeiras coisas que as pessoas pensam são:

“Nossa, Nápoles? É muito perigosa! Você não assistiu ao filme ‘Camorra’?”

“Nápoles é uma cidade muito suja, só vejo notícias sobre o lixo espalhado pela cidade!”

“Ah mas não é uma cidade interessante! Depois que eu experimentar a pizza o que vou fazer?

“Prefiro Florença ou Milão”

Felizmente, depois de todos esses anos vivendo em Nápoles eu posso dizer com certeza que essa cidade não é só isso! Com uma população de aproximadamente de 1 milhão de pessoas é a terceira maior da Itália e uma das mais ricas a nível cultural.

Os napolitanos, além do italiano, falam também o dialeto local, isto é, o Napolitano (melhor dizendo “ o’ nnapulitano”), que é completamente diferente da língua italiana e possui uma grande importância para a cultura local.

Uma das músicas em napolitano mais famosas que provavelmente todos já escutaram é ‘O sole mio, publicada em 1898 por Giovanni Capurro, Eduardo di Capua e Alfredo Mazzucchi. Foi interpretada por vários cantores e traduzida em diversas línguas.

Por falar em cultura local, a cidade foi meta de muitos povos durante a história, desde os gregos da Magna Grécia aos espanhóis juntamente à família Bourbon. Toda essa influência e mistura se sente pelas ruas da cidade e pelo modo alegre e acolhedor que os napolitanos vivem a vida, além dos inúmeros monumentos que estão por todas as partes da metrópole.

Existem muitos museus, igrejas (algumas até um pouco escondidas, mas que escondem verdadeiros tesouros), mostras de arte, alguns castelos e até mesmo um teatro real, que é considerado um dos mais belos da Europa.

Nápoles além da riqueza histórica e monumental, possui também uma grande beleza natural. Com o seu golfo que abraça o sul do Mar Tirreno, é possível ver as três famosas ilhas que pertencem à Nápoles (Capri; Ischia e Procida) e o vulcão Vesúvio, que dá um toque especial à paisagem partenopeia mas que também é um importante elemento histórico.

Apesar de estar atualmente adormecido, entrou para a história com a erupção do ano de 79 d.C, pois foi tão devastadora que aniquilou as cidades de Pompeia e Herculano, localizadas na província de Nápoles e que hoje em dia é possível conferir pessoalmente os sítios arqueológicos e ter uma ideia do que isso representou na época.

Além disso a cidade possui vários parques, que permitem aos cidadãos de aproveitar um pouco da natureza e fugir do caos da cidade e é um espaço de tranquilidade no qual as crianças podem brincar e passar as tardes.

Obviamente, não se pode falar de Nápoles sem falar das guloseimas que se acham girando e explorando a cidade. Existem inúmeros quitutes que vão desde pratos salgados a gulosas sobremesas. O carro-chefe culinário sem dúvidas é a pizza, pois reza a lenda que a primeira foi criada em homenagem a rainha Margarida de Savoia (Margherita di Savoia em italiano) em 1889.

Até hoje a pizza Margherita é a mais conhecida em todo o mundo e numerosos turistas todos os anos vem até aqui somente para saborear a verdadeira pizza com seu gosto único que contrasta com a sua simplicidade, pois o recheio possui somente 3 ingredientes: manjericão, mozzarella e molho de tomate, que contemporaneamente são relacionadas as cores da bandeira italiana (verde, branco e vermelho).

Uma outra coisa típica que deixa qualquer napolitano orgulhoso é o café expresso. Um café como fazem aqui não se encontra em nenhuma outra parte, como eles afirmam categoricamente, acompanhado sempre de um copo de água fresca para poder limpar o paladar antes de apreciar o sabor do café como se deve.

Como qualquer cidade, Nápoles tem também muitos defeitos e entre eles um dos mais evidentes é o tráfico. Em quase todas as horas do dia, a cidade conta com incontáveis carros e scooters que enchem as ruas da cidade e testam bastante a nossa paciência, pois não respeitam realmente todas as regras de trânsito e para poder entender e acostumar com a maneira de dirigir do napolitano precisa de tempo!

Em alternativa, a metrópole oferece vários meios de transporte público, que não são sempre eficientes como se espera de uma cidade europeia, mas podem ser uma solução válida para fugir do estresse de ter que dirigir o próprio carro. No centro da cidade é possível se locomover com o metrô, o bonde, o ônibus e a funicular, que liga os bairros altos às partes baixas de Nápoles. Além disso, existem trens que partem do centro e vão para outras zonas ou outras cidades da província napolitana.

“Mas e a ‘máfia napolitana?”

Bom, além do fato que a ‘máfia’ é siciliana e a organização criminosa presente em Nápoles se chama ‘Camorra’, uma cidade tão rica merece ser conhecida por outros aspectos. Pode não ser a cidade mais perfeita do mundo, mas afinal qual cidade não tem os seus defeitos, não é mesmo?

Related posts

Sardenha: um sonho a ser realizado

Ana Patricia da Silva

10 razões que me levaram a deixar o Brasil

Ana Paula Ganzarolli

O lado obscuro da moda italiana

Raquel Gonçalves

8 comentários

Emellin de Oliveira Maio 5, 2017 at 1:51 pm

Daisy, muitos parabéns pelo texto, é de uma agradável leitura e de alto nível de informação!2

Resposta
Daisy Salles Maio 8, 2017 at 10:52 pm

Oi Emellin! Muito obrigada! Fico feliz que você tenha gostado 🙂

Resposta
Carol Junho 5, 2017 at 12:34 am

Adorei seu texto!! Bem escrito e leve… se tudo der certo irei morar em Napoles, fico feliz em ler algo positivo, já que a maioria das resenhas são de vista negativa. Adorei! Se tiver mais dicas, ficarei feliz em ler. Beijão

Resposta
Daisy Salles Junho 12, 2017 at 4:11 pm

Oi Carol! Que ótimo que você gostou do meu artigo!
Com certeza vou trazer mais dicas sobre Nápoles e se tiver alguma duvida pode me perguntar também!
Um beijo :*

Resposta
Rafael Kassapian Outubro 19, 2017 at 11:03 am

Olá, estou adorando os seus textos sobre Nápoles.
Cheguei na cidade para morar há menos de um mês, às vezes não é fácil, e ter essa visão de um conterrâneo sempre ajuda. Aguardo mais dicas, em especial onde comer aquela “comida brasileira caseira”, que tanto me faz falta…haha
Parabéns!

Resposta
Daisy Salles Outubro 19, 2017 at 12:22 pm

Oi Rafael!
Fico muito lisonjeada que você está gostando dos meus textos!
Com certeza ter a visão de um conterrâneo no lugar ajuda muito. Se você tiver alguma dúvida sobre Nápoles sinta-se à vontade de me perguntar.
Pode deixar que eu vou fazer um artigo sobre coisas brasileiras por aqui 🙂
Um abraço!

Resposta
Paulo S Luiz Maio 3, 2018 at 1:41 pm

Muito bom seu artigo e sua paixão por Nápoles.

Sou de são Paulo, e estou me organizando para poder morar em Piedimonte Matese, a família da minha esposa mora nesta comuni, mas tem poucas informações a respeita da cidade .

Sou Técnico Contábil. mas estou pensando em montar algum negócio mas ainda não sei bem que tipo.
E paralelo a isso também estou tirando minha cidadania Portuguesa.
E muito Bom saber que tem muitos Brasileiros na Italia
O s italianos gostam de algum produto brasileiro em especial?

Um forte abraço e Parabéns

Paulo

Resposta
Liliane Oliveira Maio 3, 2018 at 7:53 pm

Olá Paulo,
A Daisy Salles, infelizmente parou de colaborar conosco.
Obrigada,
Edição BPM

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação