BrasileirasPeloMundo.com
Nova Zelândia

10 coisas do Brasil que você não sentirá falta quando estiver na Nova Zelândia

Nada melhor que a distância para nos trazer uma nova perspectiva, não é mesmo? E olha que essa distância é de aproximadamente 11.663,96 km!

Estou escrevendo do Brasil, cheguei aqui há quase dois meses e fico ainda mais dois meses. É o maior período que já passei no Brasil desde que me mudei para a Nova Zelândia, 7 anos atrás.

Por isso, resolvi escrever este texto contando para vocês sobre as 10 coisas que eu tenho CERTEZA que você não sentirá falta ao chegar na Nova Zelândia! 

  1. Corrupção – em tempos de Lava Jato, vários políticos presos e muitos ainda merecendo, a corrupção é um assunto sempre presente. Quando se vive na Nova Zelândia, esta realidade parece até não existir, ou pelo menos não faz sentido nenhum. Depois de passar um tempo no país que está em segundo lugar como o menos corrupto do mundo, a gente se acostuma com a transparência e volta a acreditar que existem, sim, políticos que querem fazer seu trabalho considerando o bem comum em primeiro lugar, ao invés do seu bolso!
  2. Segurança – bem, para começar, a minha casa na NZ não tem portão, nunca me senti insegura por lá, ou precisando fechar os vidros do carro rapidamente. Aqui, em todas as ruas, vejo muitas casas com portões, cercas elétricas e muitas vezes, para entrar em alguns lugares, fica-se praticamente dentro de uma gaiola, até que se possa prosseguir. Não sinto falta disso e você também não sentirá!
  3. Respeito no trânsito – se eu tivesse uma câmera ligada durante todos os momentos em que dirigisse aqui, teria material para um canal de programas sobre infrações de trânsito e falta de respeito. Pessoas que avançam o sinal vermelho (nem vou dizer do sinal amarelo, que aqui é sinônimo de “vai que tem tempo!”), outras que querem dobrar em locais proibidos, e até os que não têm nem 2 minutos de paciência quando esperam que o primeiro da fila vire, enfim… todos os dias em que dirijo no Brasil vejo isso se repetir. Em 7 anos de Nova Zelândia, me lembro de ter usado a buzina do meu carro 3 vezes, por sentir que o motorista não estava me vendo ou algo similar, aqui isso pode acontecer em apenas um dia!
  4. Cordialidade – talvez seja mais como a felicidade de ver/atender o próximo – sem querer generalizar, mesmo o brasileiro tendo fama de ser um povo simpático, tenho sentido falta da cordialidade que encontro com tanta facilidade na Nova Zelândia, das pessoas que me atendem no café com um sorriso e perguntam como está sendo o meu dia, até das caixas de supermercado que sorriem, te perguntam se está tudo bem, se encontrou tudo o que desejava, parece que a satisfação é algo presente na NZ. Aqui no Brasil, ainda não me senti assim, muitas vezes as pessoas que te atendem estão com pressa, ou engajadas em conversas com os colegas e você se sente mais um na multidão. Existem lugares diferentes, mas não são a maioria!
  5. Pessoas discretas – Outra coisa que notei, logo que cheguei, foi a facilidade que as pessoas têm em te julgar aqui, ou de falar com você como se te conhecessem há anos… se você está acima do peso, já te peguntam logo se está grávida; se está falando inglês, perguntam se você é Americana. Você nunca viu essa pessoa antes, mas ela não tem nenhuma cerimônia em lhe perguntar algo da sua vida! Na NZ posso dizer, com certeza, que NUNCA vi isso, as pessoas são discretas, não ficam medindo o quê você usa ou como usa, se te julgarem, devem fazer isso bem escondido…
  6. Desigualdade social – É realmente muito triste ver que a maioria da população brasileira não tem acesso a uma vida digna, que existem muuiitas pessoas que não têm mesmo nem o que comer, e que por mais que você tente fazer algo para ajudar, é uma gota no oceano. Infelizmente é assim por aqui, acho que devemos tentar fazer a nossa parte e, quem sabe, entender como a NZ conseguiu alcançar um lugar de sucesso e uma desigualdade social tão menor quando comparada com nosso Brasil.
  7. O salário mínimo não é sobrevivência – O salário mínimo da NZ é em torno de $15,25NZD por hora, o que significa que trabalhando full time (período integral) o trabalhador recebe em média $2.440NZD por mês; com este valor, as pessoas conseguem viver. Aqui no Brasil, quem recebe o salário mínimo – na minha opinião – precisa acreditar em mágica para viver, ou melhor, sobreviver!
  8. Burocracia – Com certeza não sentirão falta alguma de toda a complicação que existe aqui no Brasil! Para mudar uma conta de energia para seu nome, transferir dinheiro no banco e até para pagar uma conta, parece que você precisa fazer um esforço muito grande. Na NZ não pago taxa no banco, transfiro meu dinheiro pelo celular sem taxa, também consegui abrir conta no banco até mesmo antes chegar à NZ… acesso fácil e sem burocracia.
  9. Jeitinho Brasileiro– A pessoa sabe que não vai dar, que não é correto, e mesmo assim insiste e acha que deve ser feito. Isso, na NZ, realmente não existe! Sinto muito que algumas pessoas por aqui ainda achem que a regra existe para não ser seguida, se você também acha isso, por favor, visite outro país e não a NZ!
  10. Acesso aos serviços que você paga – impostos aqui no Brasil não faltam! Pensou em algo, pode ter certeza que você paga imposto por isso! Na Nova Zelândia, existe apenas um único imposto para compras e serviços e, melhor ainda, é saber que eu e minha família temos acesso aos serviços públicos, com confiança. Imagina morar em um lugar onde você não precisa pagar plano de saúde e seu filho tem acesso ao médico de sua escolha sem pagar nada a mais por isso! Fantasia? Não, isso é realidade na Nova Zelândia. Não apenas acesso a médicos, como também a escolas públicas, parques, bibliotecas, estradas bem cuidadas e cidades limpas!

Existem muitas outras coisas que você vai ter a oportunidade de descobrir se estiver disposto a conhecer e se deixar encantar pela Nova Zelândia, mas é claro que também existirá uma lista imensa de coisas que você sentirá falta, afinal de contas, somos brasileiros!

Related posts

Especial – Dez razões para morar na Nova Zelândia

Catherine de Souza Nogueira

Terceira idade na Nova Zelândia

Vanessa Coelho Trajano

Como procurar e encontrar emprego na Nova Zelândia

Roberta Crossley

4 comentários

Maiara Fevereiro 1, 2017 at 7:44 pm

Roberta, acabei de voltar de ferias do Brasil e voce descreveu tudo o que senti em um mes ai! Esses sao realmente 10 pontos que me fazem permanecer na Nova Zelandia. Sinto uma falta tremenda da minha familia, pois aqui na Nova Zelandia somos somente eu e meu marido, mas penso que se voltar para o Brasil sera muito dificil superar esses fatores que voce descreveu.
Um grande abraco!

Resposta
Roberta Crossley Fevereiro 17, 2017 at 7:50 pm

Oi Maiara, Realmente aqui é assim…rsrsrs e o coração de quem mora fora é um coração dividido para sempre! Abraço 😉

Resposta
Andre Fevereiro 17, 2017 at 3:58 pm

Ola Roberta!

Li seu blog e gostei muito, lerei as outras matérias também… Estou fazendo uma entrevista na Nova Zelândia e aparentemente sou o candidato mais adequado para a vaga, bom aí comecei minhas pesquisas com custo de vida e achei muitas pessoas falando mau e outras bem da NZ. A vaga seria para me estabelecer perto de Auckland, vc poderia me dar algumas dicas e me ajudar nesse momento de dúvidas cruéis rsrsrsrsr???
Estou saindo do Brasil por sentir que aqui não verei uma nação mais justa, segura e equalitária, a NZ me caiu no colo com uma oportunidade de emprego, minhas primeira opções, porém até agora frustradas, eram EUA e Europa. Me ajuda ?? Me incentiva ?? Rsrsrsr

Resposta
Roberta Crossley Fevereiro 17, 2017 at 7:44 pm

Oi André,
Tudo bem? Eu tenho muitas coisas boas para te dizer sobre Auckland e a NZ em geral. Não sei qual a sua vaga ou proposta de trabalho, meu conselho é que leia direitinho seu contrato, verifique onde a empresa fica, se sua proposta está de acordo com o mercado. Se estiver tudo ók com certeza é uma excelente oportunidade 😉 Boa sorte!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação