BrasileirasPeloMundo.com
Curiosidades Pelo Mundo Índia

O sistema de Castas na Índia

Muitas pessoas me perguntam se na Índia realmente existe a divisão por castas. É um assunto muito delicado e confuso para se entender, pois o sistema de castas foi proibido legalmente pela constituição de 1947, que também instituiu leis específicas para o acesso à educação e a postos de trabalho melhor remunerados. Porém, 68 anos depois, o sistema, que teoricamente é crime, continua a existir sim.

Castas é a divisão social passada de pai para filho. Eles acreditam que Brahma, que para eles é o Deus que criou e comanda o universo, dividiu as pessoas em grupos. Os principais são:
Os brâmanes (sacerdotes e letrados): nasceram da cabeça de Brahma. Dentre as profissões exercidas por eles estão as de sacerdotes, professores e filósofos.

PH: Rohit James
PH: Rohit Jamess

Os xátrias (guerreiros): nasceram dos braços de Brahma. Exercem profissões como as de soldados, policiais e administradores.

Os vaixás (comerciantes): nasceram das pernas de Brahma.

PH: Rohit James
PH: Rohit James

Os sudras (servos: camponeses, artesãos e operários): nasceram dos pés de Brahma.
E abaixo dos pés de Brahma, à poeira, estão os párias, que são conhecidos também como dalit, ou intocáveis.

PH: Rohit James
PH: Rohit James

Eles fazem as tarefas mais servis, dentre elas: coleta de lixo, remoção de excrementos humanos, varrer, pavimentar e eliminar corpos humanos e de animais. E quase sempre sem usar nenhum equipamento de proteção.

A Índia é o país com a segunda maior população do mundo, com 1,21 bilhões de pessoas. Os “intocáveis” são aproximadamente 16% da população indiana; isso equivale a mais de 170 milhões de pessoas, morrendo diariamente em extrema pobreza. Os indianos ricos ou de alta casta não passam de 8% da população. E o restante, 76% da população indiana, são de castas intermediárias.

Conversando com os indianos para tentar entender melhor sobre esse sistema, nem eles sabem ao certo quantas castas existem. Dentro dessas principais, há várias divisões e subdivisões e em cada uma suas próprias regras. E a cada dia surgem novas ramificações. Me informaram que há mais de 4 mil subcastas.

Eles são conformados com a casta a que pertencem, acreditam que se não nasceram em uma boa, em uma próxima encarnação Brahma irá recompensá-los diante do que fizerem de bom e correto nesta vida. Tudo se baseia no Karma. No hinduísmo, a palavra “carma” em sânscrito significa “ação”. Refere-se ao efeito que nossas ações geram em nosso futuro, tanto nesta como em outras encarnações.

Alguns “intocáveis” que tentam sair dessa condição são agredidos e muitos são mortos, poucos são os casos de sucesso.

O sistema é tão enraizado na cultura deles que está presente em todos os momentos. No dia a dia isso pode ser notado com muita facilidade. Para se arranjar um casamento, por exemplo, ambos devem pertencer a mesma casta. A família define tudo e muitas vezes a pessoa que irá casar nem conhece o pretendente, são os casamentos arranjados. No jornal onde se encontra o caderno de classificados para candidatos a casamento,  os anúncios também são divididos por castas. As amizades também são definidas pelo sistema e quando uma pessoa é apresentada a outra, eles sempre querem saber o sobrenome, pois assim já sabem a que casta pertence.

Os indianos são muito curiosos e não possuem nenhum receio de perguntar sobre assuntos pessoais ou até mesmo quanto você ganha. Em todos os momentos você pode perceber a submissão. As faxineiras que limpam a casa nunca te olham diretamente nos olhos, algumas são até mais simpáticas, já outras se mantém bem distantes. Muitos prédios possuem elevadores separados, apenas os diretores podem usar e há um fiscal para isso, além de placas avisando que ninguém pode usar aquele elevador.

Banheiros também separados para donos e empregados nas empresas. Se você está no elevador e tem um faxineiro esperando, ele não entra, mas espera o elevador voltar e estar vazio. Ou quando algum entregador está com você no elevador, eles olham sempre para o chão, nunca há uma troca de olhares, nada.

Alguns templos também possuem filas VIPs e dependendo do seu status social você passa na frente tranquilamente. Nas empresas sempre há alguém servindo chá, água, café e esse “funcionário” é o faz tudo para eles, está sempre servindo e é o último para tudo, até para comer. Até mesmo alguns processos seletivos em escolas são feitos por castas.

Existem programas que foram criados para ajudar a população necessitada, como o Subplano Tribal, para tribos desfavorecidas, e o Subplano para Castas Desfavorecidas. O problema desses programas é que o orçamento que deveria ser destinado a ajudar, muitas vezes sofre a prática rotineira de desvios e fraudes.

Aqui há muita mão de obra e por conta de tanta oferta, eles pagam muito pouco e exploram cada vez mais essas pessoas que teoricamente estão “abaixo” no sistema de castas. É algo muito triste lidar com tantas diferenças e tantos contrastes diariamente. Mas isso é algo que para eles é tão natural que não causa nenhuma vergonha, ao contrário, muitos pensam que estão dando serviço para essas pessoas mais humildes e que não há nada de errado nesse sistema.

Muitas vezes me sinto incomodada, pois todos somos iguais, mais aqui isso não é verdade, é uma sociedade muito hipócrita, que muitas vezes utiliza a religião para colocar a culpa e tirar a responsabilidade social e moral que cada um possui. Sei que é algo que será muito difícil mudar, algumas coisas estão melhores, mas ainda há muito o que ser feito. Não adianta ter leis se as pessoas não mudam a mentalidade. Aqui você aprende a conviver com o extremo de tudo aquilo que você tinha como certo, como verdadeiro, e você percebe que existe um mundo muito maior do que o que você conhecia. Tento compreender e não julgar. Sim, é difícil, mas espero que um dia todos realmente tenham direitos iguais.

Related posts

Selvbetjening e a cultura do faça você mesmo na Dinamarca

Cristiane Leme

Cinco práticas asiáticas estranhas para os brasileiros

Vanessa Tenório

A Tradicional Medicina Chinesa

Christine Marote

19 comentários

Cintia Beatrice Janeiro 16, 2016 at 11:46 am

Oi Joice,

Muito interessante seu texto. Reflito que no Brasil apesar de não ter sistema de castas e ser possível mobilidade social, ainda existe preconceito e diferenciação social intensa. Não pergunta-se nome e sobrenome, mas sim o bairro aonde a pessoa,olha-se a marca da roupa etc etc. Acredito que isso tenha raízes histórico-culturais, haja vista que ainda segrega-se banheiro e quarto de empregadas, no melhor estilo casa grande e senzala.Enfim…
Existe um livro chamado ” A distância entre nós” da escritora indiana Thrity Umrigar que explicita bem a diferença entre as castas pela relação patroa /empregada. Se ainda não leu, super indico. Abs

Resposta
Joice Santos Janeiro 18, 2016 at 3:14 pm

Oi Cintia, Muito obrigada. Todas as suas observações são realmente verdade. Ainda existe muito a ser feito aqui no Brasil, na Índia e em todos os lugares do mundo. Temos muito o que evoluir. Não conheço o livro, vou ler sim, obrigada pelo seu comentário e continue nos acompanhado. Abraço

Resposta
Maiko Costa Janeiro 18, 2016 at 2:37 pm

Atualmente existem 8.000 subcastas, o que de maneira empírica , é o mesmo que dizer que não existem. A humildade, simplicidade e ausência da ganância do povo indiano, em sua grande maioria , é algo em desuso no Ocidente. Dai nossa maneira equivocada de interpretar estas virtudes, valores e idiossincrasias como servidão e subserviência. Minha visão pessoal é que a sociedade indiana está ha anos luz em auto-conhecimento, harmonia e espiritualidade em relação ao globo. Chego a esta conclusão particular; por ter morado e viajado por toda a Índia ao longo de muitos anos. And yep I´ve got India in my bones.

Resposta
Joice Santos Janeiro 18, 2016 at 3:27 pm

Olá Maiko, obrigada por compartilhar conosco a sua experiência e o seu pensamento. Com certeza a Índia nos ensina a cada segundo. Lá você aprende a valorizar pequenas coisas que antes você nem se dava conta. A questão das castas como disse é bem delicada. É uma sociedade sim muito humilde, pessoas maravilhosas, todos os dias você se depara com situações inusitadas e como em todo lugar do mundo tem pessoas sim que usam essa espiritualidade para controlar e explorar. Temos muito o que aprender com a Índia, mas é um país que também precisa de mudanças. Todos nós podemos evoluir cada vez mais. Continue nos acompanhado, abraço

Resposta
Infante Outubro 28, 2016 at 1:45 pm

Como as religiões controlam mais que as leis. Sempre os “deuses” criaram ou todos iguais no início e a “coisa’ desandou por culpa exclusiva das criaturas ou então as criaturas nascem de todas as partes do corpo do Deus. Ainda bem que não saiu ninguém do ânus de Bhrama.

Resposta
marcelogama Janeiro 21, 2016 at 3:26 pm

Acho difícil entender culturas tao diferentes por isso o principal aprendizado pra mim é aprender sem julgar. Adorei o texto e a discussao nos comentários.

Resposta
Joice Santos Janeiro 23, 2016 at 9:01 pm

Olá Marcelo, obrigada. Sim, NÃO Julgar é o grande segredo, mas não é algo simples, devemos nos vigiar e praticar a cada segundo. Continue nos acompanhando, abraço.

Resposta
Angélica Ody Fevereiro 2, 2016 at 7:25 pm

Muito bom o texto Joice Santos. Morei em Mumbai em 2014 e confesso sim que algumas cenas sim me causaram revolta. Fome, miséria, condições subhumanas, fiquei até sabendo de uma rede criminosa que controla dalits que pedem esmolas nas estações de trem, cujas mães dão drogas para bebês para que eles fiquem ‘imóveis’ o dia todo e não ‘incomodarem’ os pedidos de esmola =(
Você navegou simples e diretamente sobre os diferentes aspectos das castas, para nós ‘firangs’ às vezes é rápido chegar a julgamentos, mas muitas coisas estão enraizadas há milhares de anos…mudança que levará outros tantos para acontecer.

Resposta
Joice Santos Fevereiro 5, 2016 at 3:08 pm

Oi Angélica, sim, o país da meditação, do ioga da espiritualidade tem faces obscuras. O caos está por toda parte e para alguns é um negócio bem lucrativo. Obrigada por nos acompanhar. Namastê

Resposta
Frederico Fevereiro 2, 2016 at 9:52 pm

Parabéns pelo texto Joice

Resposta
Joice Santos Fevereiro 5, 2016 at 3:26 pm

Obrigada Frederico. Namastê. Até o próximo post.

Resposta
Elisandra Abril 29, 2016 at 11:30 am

Olá, Joice. Amei seu texto. Realmente cada cultura, nos aponta aprendizado diferentes. Vc pode explicar, no casamento entre indianos e brasileiras a questão do dote existe ? Obrigada!

Resposta
Joice Santos Maio 1, 2016 at 12:05 am

Oi Elisandra. Muito obrigada, fico feliz que gostou. Não conheço nenhum caso onde isso aconteceu, porque no casamento entre indianos e brasileiras é um casamento por amor e nos casos do dote são casamentos arranjados totalmente dentro da cultura indiana. Por isso que essa prática apesar de ser ilegal continua existindo na prática. Bjos, espero ter esclarecido sua dúvida. Continue nos acompanhando. Namastê

Resposta
natanrse Junho 6, 2016 at 11:58 pm

ola joice, vc poderia me falar mais sobre castas ?

Resposta
natanrse Junho 6, 2016 at 11:59 pm

me fale mais sobre castas por favor?

Resposta
Joice Santos Junho 9, 2016 at 3:22 pm

Oi Natan você quer saber exatamente mais o que? Em breve posso escrever sobre… Continue nos acompanhando, Namastê

Resposta
Luciano Fevereiro 22, 2017 at 1:40 pm

As pessoas que tiveram a sorte de nascerem ricas no Brasil estão querendo implantar o sistema de castas aqui, se não ficarmos vigilantes isto acontecerá. Por ser considerado contextador tenho até o acesso ao computador prejudicado. Tudo por não gostar do sistema de castas que está se instalando aqui.

Resposta
Luiza Dezembro 11, 2018 at 11:36 pm

o que você disse não tem nada haver, é tudo mentira nunca teve isso acontecendo e se for é apenas um boato

Resposta
Dinah Lima Novembro 11, 2017 at 8:30 pm

Que legal
Amei tudo isto

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação