BrasileirasPeloMundo.com
Bélgica Turismo Pelo Mundo

Porque tudo é belga – Dinant

Capítulo 2- Dinant: segredo Belga incrustado nas pedras.

O que fazer naquele feriado que cai numa quarta-feira? Sempre me questionei esses feriados, aquela sensação de domingo sem sábado, chato né? Nada disso garota. Bora conhecer esse mundo. A Bélgica é pequena, mas cheia de surpresas. Eu e minhas duas companheiras de aventuras (uma carioca e uma gaúcha) fomos conhecer uma cidadezinha ao sul da Bélgica: Dinant (fazendo som nasal sem pronunciar o “T”). Fica apenas 1 hora de carro de Bruxelas,  mas ir de trem não é um problema. Dinant se encontra na província de Namur e é conhecida como “filha do Meuse”, nome do rio que corta a vila, aliás, muito lindo.

Gente, que cidadezinha fofa! O Outono, como você que acompanha o blog já sabe, no hemisfério norte é de uma beleza sem igual. Então antes de chegar na cidade passamos por um bosque com folhas de vários tons de marrom e verde, que parecia cena de filme. Na entrada da vila, avistamos primeiro o rio Meuse lindo e verdinho. A estrada passava pelo meio de uma fenda de pedra espetacular. A carioca ainda soltou um: que “feiiiinnnda” linda!!! Rsrs.

Fomos direto conferir o centrinho, são cerca de 15.000.00 habitantes, então dá para imaginar o porque estou me referindo como vila. A nossa primeira parada foi na Catedral Notre Dame. Em estilo gótico, de 1227. Tem um vitral maravilhoso e enorme dentro. Que igreja linda, a entrada é grátis e vale a pena conhecer e apreciar. Aproveita e agradece (não importa sua religião, se você tiver uma, claro) porque a vida sempre vale a pena, não é mesmo?

Nossa segunda visita foi o ponto principal da vila que é a fortaleza, conhecida como “Citadelle”. Uma construção, que fica num penhasco, a 100 metros de altura, com vista panorâmica de toda a Cidade. Lugar muso! Para subir vocês podem usar os 408 degraus (partiu galera fitness), numa escada de pedra ou como fizemos: pegar um bondinho (nome científico teleférico). Saudadinha do Rio.. Enfim!

Agora senta que lá vem a história: Esta fortificação, teve o início de sua construção no século XI, em 1051, mas grande parte foi destruída e reconstruída, a Europa TODA é assim, né? Dinant sofreu devastação novamente no início da Primeira Guerra Mundial. Em 15 agosto de 1914, as tropas francesas e alemãs lutaram pela cidade na chamada “Batalha de Dinant (1914)”, entre os feridos estava o famoso, ilustríssimo, salve-salve tenente Charles de Gaulle (nome do aeroporto de Paris, gente, é agora vocês sabem quem foi o camarada).

Agora vem a parte triste, aqui foi o cenário do maior massacre cometido pelos alemães em 1914. Dentro de um mês, cerca de cinco mil civis belgas e franceses foram mortos pelos alemães. Por isso, hoje, a Citadelle é um museu que recria essa história tão triste. O mais bacana do museu (8€ incluindo o bondinho) é que foi construído buscando mexer com todos nossos sentidos. Muitos efeitos de luzes e sons.  Várias coisas pra fazer com seus filhotes, parquinhos, jogos, etc. O museu é totalmente criança friendly. image6
A terceira etapa foi a Abbaye Notre-Dame de Leffe (monastério), mulherada apaixonada por cerveja pira nesse lugar. Leffe é uma marca de cerveja tradicionalíssima da Bélgica, e a minha preferida! A Blond pra mim está no ponto certo (quero ver como vou lidar com isso quando voltar para o nosso querido “Brasa”).

Aí você encontra o Museu Leffe que está em um Hotel (Hotel La Marveilleuse) que antes era o monastério. O autêntico Monastério da Abadia de Leffe só abre quartas, sábados e domingos e só podem ser visitados a biblioteca e o pátio interno. E outra coisa, para os mais desavisados, não se fabricam mais cervejas aí, atualmente a cerveja é fabricada em Leuven (cidade meia hora em trem de Bruxelas), na mesma fábrica que se elabora a Stella Artois.

A entrada do Museu Leffe (7 € por pessoa) inclui algumas atividades bacanas. O lugar já é muito legal, mas além disso, conta toda a história da abadia de Leffe e também a elaboração da sua cerveja através de telas táteis, vídeos, sons e cheiros e em uma ambientação muito interessante. A entrada inclui a possibilidade de experimentar (de novo! rsrs) uma cerveja Leffe da sua escolha e de presente uma taça de cerveja com o logotipo da marca (coleção só aumentando, quero ver colocar na mala depois: _ Mãe!).  Aliás, caminhar até lá já é motivo suficiente, que cidade linda.

Agora vocês devem estar se perguntando, porque você falou que tudo é belga? Então em Dinant nasceu Adolphe Sax (Antoine Joseph Sax)! Quem? Como assim você não sabe? O inventor do saxofone! O pior que tadinho, o Sr. Sax, como muitos gênios, morreu na absoluta pobreza em Paris. Agora gente, tudo em Dinant tem saxofone. A ponte da cidade tem saxofones gigantes! No mínimo curioso. image3
Também me contaram que na primavera e no verão, muita gente vem para Dinant à procura de esportes radicais. Têm muita escalada, canoa ou caiaque. Voltarei com certeza.

Por último, uma dica: as fábricas de biscoitos, chamados “Couques de Dinant”, uma especialidade da cidade. Coisa mais linda. Eles usam formas de madeira em vários desenhos e formatos. São parecidos com os cookies americanos, mas tem um gostinho especial de mel e outras especiarias locais! Chic, como a Bélgica.

Que tal finalizar o passeio com um cappuccino no Café Leffe em frente ao rio Meuce comendo essa delícia? Experiência incrível!

Eita Bélgica sua linda.

Related posts

Turismo em Madri e Arredores

Juliana Bezerra

A história do comunismo pelas ruas de Bucareste – Parte II

Cristina Hélcias

Safáris na África do Sul

Michelle Braga

1 comentário

Rita de Cássia Vitarelli Batidta Dezembro 20, 2015 at 8:27 pm

Cada vez mais amando a Bélgica através de seu olhar curioso, inteligente, carinhoso e super bem humorado! Volto rápido!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação