BrasileirasPeloMundo.com
Alasca Arizona Chicago Colorado EUA Havaí Memphis Missouri Nova Iorque Seattle Washington

Posse do Donald Trump como presidente

O que é Inauguration Day?

O Inauguration Day nada mais é do que o dia em que o novo presidente dos Estados Unidos toma posse de seu cargo. Nos EUA, temos eleições presidenciais a cada quatro anos e, por isso, a posse do Presidente ocorre também a cada quatro anos. A data da posse é sempre o dia 20 de janeiro, meio-dia, sendo realizada no Capitólio, prédio onde acontecem as reuniões do congresso norte-americano e localizado de frente para o National Mall, de forma que sempre há muitos espectadores e curiosos. Durante a posse, o serviço secreto norte-americano fecha parcialmente as ruas do Distrito de Columbia e é feriado nas escolas e repartições públicas, tanto na capital, quanto nos estados vizinhos, Virgínia e Maryland.

É de praxe, com raras exceções, que o presidente eleito chegue para a cerimônia acompanhado do Presidente que estará “passando o bastão”. Durante a cerimônia, ocorre o juramento, feito pelo secretário de justiça do país e com o presidente eleito, obviamente. Ali, geralmente estão presentes os familiares do novo presidente, ex-presidentes norte-americanos e estrangeiros, além dos atuais líderes mundiais e dezenas de milhares de cidadãos “anônimos”, que tentam acompanhar a cerimônia pessoalmente, que também é transmitida pelos principais veículos de comunicação para toda a nação.

Como são os dias que antecedem o Inauguration Day?

Para o Inauguration Day, sempre é criado um comitê organizador. Esse comitê é responsável por auxiliar em todos os detalhes da cerimônia: quem irá comparecer, onde essas pessoas irão sentar, quem irá se apresentar, quem irá cantar o hino norte-americano, a roupa que a primeira dama usará, enfim, absolutamente tudo.

O comitê também é responsável por guiar o presidente eleito em sua lista de afazeres no período que antecede a sua posse. A parte mais difícil, porém, uma das mais importantes, é selecionar a equipe que irá trabalhar com o presidente a partir de 20 de janeiro. Precisamente 4.100 pessoas devem ser nomeadas para cargos políticos, ou seja, por indicação e, dentro desse número, aproximadamente 1.200 cargos devem ser aprovados pelo senado. Os chefes de departamentos (equivalentes aos nosso ministérios) também devem ser selecionados, assim como embaixadores que irão representar os EUA ao redor do planeta. Trump e sua cúpula também precisam revisar o orçamento do país, receber instruções (“briefings”), estabelecer quais serão suas prioridades, analisar promessas de campanhas e definir uma agenda. É comum que haja consulta com ex-presidentes, especialistas, lobistas, outros chefes de estados e grandes empresários. Além disso, o Comitê também precisa cuidar da mudança do novo presidente para a Casa Branca, montar seu novo escritório, definir a decoração do Salão Oval, escolher uma nova mesa para o Presidente, dentre muitos outros detalhes.

O Inauguration Day de 2017:

Pode ser resumido em 4 palavras: Polarizado. Polêmico. Caro. Violento.

A campanha de Donald Trump dividiu o país mais do que nunca e sua posse demonstrou isso da maneira mais clara possível. Ao longo de toda a Pensilvanya Avenue, se viam cartazes de apoio e de desprezo a Trump. Até mesmo nas arquibancadas designadas aos doadores de campanha de Donald Trump havia muitos lugares vazios.

Aproximadamente 30 mil homens dentre o servico secreto, exército, guarda nacional, etc., foram empregados para fazer a segurança do novo presidente e sua família. Isso custou US$ 100 milhões à população. Todas as pessoas que se deslocaram ao National Mall foram revistadas e todos os prédios localizados na rota do desfile de Trump foram vistoriados nos últimos dias, para evitar tentativas de atos violentos contra o novo presidente.

A população entrou em confronto com a polícia. Houve protesto, vidraças foram quebradas, ruas foram fechadas e a polícia respondeu com balas de borracha e gás lacrimogêneo. Carros foram queimados, mais de 60 pessoas foram presas e isso acabou tirando o foco de Donald Trump, que teve sua posse marcada pela antipatia da maioria dos norte-americanos.

Apesar de muitos de seus seguidores terem se deslocado até Washington para o prestigiar, o número de participantes, de acordo com o New York Times, não passou de 900 mil pessoas, diferente da posse de Barack Obama, que juntou quase 2 milhões de pessoas.

Antes mesmo de Trump e sua família chegarem à Casa Branca, uma petição exigindo que ele mostre suas declarações de imposto de renda dos últimos anos foi entregue. Havia 500 assinaturas. Se a petição atingir 100 mil assinaturas, a Casa Branca, por lei, será obrigada a acatá-la.

Curiosidades sobre os dias que antecederam a posse:

– Diferente de outros Presidentes, Trump não permitiu que a população contrária à sua eleição protestasse perto do Capitólio. Um grande perímetro foi estabelecido dentro do Distrito de Columbia e chegar perto da área se tornou uma missão quase impossível. Pra quem mora nas áreas próximas ao Capitólio e à Casa Branca, isso gerou um enorme transtorno. O impedimento dos protestos foi motivo de mais protesto ainda, tendo em vista que isso vai contra um dos princípios norte-americanos, o da liberdade de expressão. Hoje, dia posterior está havendo a Marcha das Mulheres (Women’s March) que reuniu mais de 1 milhão de pessoas do país inteiro, que vieram a D.C. apenas para demonstrar seu desapreço por Donald Trump e seus companheiros.

– Apesar de ter sido eleito (pelo colegiado eleitoral), Trump possui apenas 40% de popularidade entre os norte-americanos. Quando Barack Obama foi eleito esse número era bem diferente: 85%. A cada dia que passa, Trump perde mais e mais seguidores. O fato de estar cancelando o famoso “Obamacare” (sistema que permite que todos nos EUA tenham um plano de saúde) fez o presidente eleito perder boa parte de seus seguidores, que só se preocuparam em descobrir que se beneficiavam do programa depois de ter votado em Donald Trump… Ops!

– Pelo menos 60 membros do Congresso norte-americano boicotaram a posse de Trump.

– Absolutamente nenhum, NENHUM, artista norte-americano ou estrangeiro de grande expressão se voluntariou para cantar durante a posse, com exceção da banda Three Doors Down. Grandes nomes como Elton John, Idina Menzel, Celine Dion, Andrea Bocelli, Kiss, Garth Brooks, David Foster, Rebecca Ferguson, Charlotte Church, dentre muitos outros receberam o convite, mas não aceitaram. Isso sem contar artistas como Beyoncé, Lady Gaga, John Legend, Katie Perry, dentre muitos outros que desde o início foram enfáticos contra a eleição de Trump.

– Inúmeros designers da moda internacional se negaram a criar uma roupa para a nova Primeira Dama, Melania Trump, usar durante a posse do marido. Ela acabou vestindo Ralph Lauren.

– O tradicional grupo de dança “The Rockettes” deu o que falar. O grupo foi contratado para se apresentar durante a posse, mas parte das dançarinas, que não apoiam o presidente eleito, se negaram a dançar e foram ameaçadas de demissão caso não se apresentassem. Isso gerou revolta por aqui…

– O atual campeão norte-americano da liga nacional de baseball, Chicago Cubs, preferiu fazer a visita de cortesia ao presidente, após o fim do campeonato, Barack Obama e não a Trump. A visita geralmente ocorre nos meses de verão, mas Trump não foi prestigiado desse vez… Ops!

Enfim, a posse de Donald Trump fez jus à sua campanha eleitoral. Foi polêmica, foi agressiva, foi escandalosa. Quanto à sua administração, só o tempo poderá dizer como será. O que nos resta, por enquanto, é torcer para que dê tudo certo. Fique ligado, o Brasileiras Pelo Mundo vai mandando notícias quentinhas diretamente de Washington, D.C.

Related posts

Situações engraçadas durante a adaptação nos Estados Unidos

Carleara Weiss

Cinco dicas de como transformar mudanças em possibilidades

Livia Zillo

Como renovar o Green Card depois de 2 anos de casamento

Lorrane Sengheiser

2 comentários

Jorge Leandro Fevereiro 5, 2017 at 8:02 am

Oi! Gostaria de dizer que adoro o site de vocês.
Espero que quando terminar meus estudos possa visitar os EUA, tenho muita vontade de conhecer San Francisco e o estado de Colorado, e acompanhar o site de vocês já da uma boa noção de como as coisas são por aí.
Espero que o Trump não resolva barrar os brasileiros também ne, ja que ele mesmo disse ter nojo dos latinos.
Espero também que o governo dele não atrapalhe a felicidade de vocês no país.

Resposta
Lorrane Sengheiser Fevereiro 6, 2017 at 5:34 pm

Prezado Jorge,

Ficamos muito feliz em saber que o blog lhe tem sido útil.

Continue nos acompanhando. Sempre vem coisa nova por aí.

Abraço,

Lorrane

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação