BrasileirasPeloMundo.com
Divagações Espanha

Quando sabemos que é hora de mudar?

Quando sabemos que é hora de mudar?

Agora em setembro de 2018, faz 8 anos que me mudei para Barcelona. Saí do Rio de Janeiro para fazer um mestrado e voltar um ano depois  tinha certeza absoluta que voltaria! Naquele primeiro ano, além de terminar o mestrado, me apaixonei pela cidade, conheci o meu futuro marido e encontrei um trabalho que me motivava muito! Assim, resolvi que valia a pena ficar “um pouco” mais e ver no que ia dar… e fui ficando! Atualmente, olhando para trás e pensando que se passaram 8 anos, é incrível ver como não podemos prever ou antecipar as coisas que acontecem em nossas vidas! Mas como sabemos quando é a hora de mudar?

Durante esse tempo, me mudei muitas vezes: vivi em Barcelona, em Sant Cugat de Valles, na Alemanha (em duas cidades!) e voltei para a Catalunha há dois anos com vontade de parar quieta por um tempo. Tive uma casa por ano, fiz mudança a pé, de carro, de caminhão e de avião. Arrumei muita caixa, mas fiz as malas com muito mais frequência do que gostaria, indo e vindo ao Brasil e a Barcelona sempre que possível. Cada vez, e em cada destino, você conhece mais gente, faz mais amigos, cria raízes e cresce um pouco mais. A cada destino você ganha um pouco mais por dentro, e também deixa um pouco de você para trás quando vai embora depois. É uma mistura de expansão e perda constantes, onde a sensação de ser completo outra vez parece mais e mais distante.

Leia também: Tudo que você precisa saber para morar na Espanha

Nesta semana, pensando nostalgicamente em tudo que passou desde que tomei essa decisão, comecei a tentar lembrar e entender o início da história. O porquê que me levou a essa aventura infinita e tão completa. Comecei a pensar na sensação e nos sentimentos que me fizeram dar esse salto, que abriram as portas para as milhões de experiências e acontecimentos que vieram depois. E são esses sentimentos que quero compartilhar aqui hoje, principalmente para saber a opinião de vocês que passaram, passarão ou estão passando por experiências similares!

Foto: Anastasia Petrova – Unsplash

Um pouco antes de vir, lembro-me que um dia estava tentando explicar a um amigo os motivos pelos quais queria mudar a minha vida naquele momento, ou seja, porque, de uma hora para outra, resolvi passar um ano fora do Brasil. Falei a ele sobre esse vazio que às vezes aparece, sobre a insatisfação genérica e sem alvo que estava sentido, sobre como o meu mundo, de repente, parecia não ser mais suficiente para mim… e como a tal “saudade de tudo que eu ainda não vi”, da música do Renato Russo, começou a crescer sem parar dentro de mim. E perguntei se ele me entendia. Na verdade, quando li sua resposta, entendi que ela traduzia exatamente o que eu estava sentindo. Ele me disse: “É claro que entendo, eu não entendo é quem fica”.

Sabe aquele momento onde o mundo à sua volta começa a parecer sem sentido? Essa é definitivamente uma pergunta retórica, pois não consigo imaginar que alguém possa nunca ter tido essa sensação em algum momento da vida. É uma mistura de tédio com cansaço. De uma inércia absurda com vontade de sair do lugar imediatamente. Ela traz, ao mesmo tempo, vontade de correr, de gritar, de querer mais, e um vazio absoluto e incurável. Pelo menos é a impressão que eu tinha naquela época: um vazio que não tinha cura, pois estava cheio de si mesmo. Isso faz sentido? Claro que não, mas tenho certeza de a maioria das pessoas já sentiram isso alguma vez e sabem exatamente do que eu estou falando.

Leia também: Queremos sempre estar onde não estamos

Não me entendam errado: isso nada tinha a ver com a tal da felicidade. Não vinha de  nenhuma desilusão amorosa. Não era como uma rota de fuga ou um plano B para um momento desastroso. Eu gostava da minha vida exatamente como ela era. Gostava de quem fazia parte dela e de como tinha construído o meu castelo ao meu redor. Mas tinha a impressão que tinha chegado a um momento no qual os muros começavam a parecer próximos demais, quase como que sufocando alguém que queria crescer mais do que eles. E é nessa hora que senti que precisava quebrar os limites, passar das fronteiras preestabelecidas por mim mesma e me permitir enxergar nos cantinhos escuros para onde não costumava olhar com muita frequência.

Chega uma hora em que a busca se torna o mais importante, o que te faz vivo. E você deve estar se perguntando: mas busca pelo que, afinal? A busca pelo novo, pelo desconhecido. A busca pelo que esteve sempre dentro de você, pela origem. A busca pelo que você já sabe e pelo que quer aprender. Simplesmente, a busca. Afinal, fiz como escreveu o falecido mestre português: “a Ilha Desconhecida fez-se enfim ao mar, à procura de si mesma.”  Recomendo o Conto da Ilha Desconhecida, do Saramago, para todos que têm esses sentimentos brotando dentro de si e que estão tentado entendê-los como foi o meu caso. E depois, o resto é aventura pura!

Related posts

Elogios no relacionamento

Cecília Bailey

Colônia de férias para crianças na Espanha

Melissa Dobrezanski

Regimes econômicos matrimoniais na Espanha

Thais Maciel Gomes

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação