BrasileirasPeloMundo.com
Dinamarca Imigração

Regras para morar na Dinamarca

Nos últimos anos a Dinamarca tem se fechado mais e mais para estrangeiros. No entanto, recebo diariamente mensagens pelo Facebook de leitores perguntando se “é fácil” isso ou aquilo em relação ao país. Bem, para vocês terem uma noção de como são as coisas na terra de Hamlet, em dez anos o país mudou as leis de imigração nada menos que 68 vezes (!) E todos os anos há mudanças em pelo menos uma das leis que dizem respeito aos migrantes. Portanto, “fácil” é uma palavra que destoa da realidade. Se você procura facilidade, procure outro país: a Dinamarca vai ser uma frustração.

Percebendo que muita gente lê o meu texto sobre as 10 razões para morar na Dinamarca e manda comentários perguntando sobre como fazer para morar aqui, resolvi escrever sobre as regras para se poder viver em terras dinamarquesas legalmente. Esse texto foi escrito considerando as regras válidas para 2016-2017 até o momento; ressalto que elas podem mudar como o vento, de acordo com o que o governo decida. Muitas vezes, as constantes mudanças nas leis de imigração confundem até mesmo os funcionários das repartições públicas responsáveis, por isso é importante se atualizar sempre nos sites oficiais antes de se planejar.

Quem pode morar na Dinamarca?

Em princípio, toda e qualquer pessoa que atenda aos requisitos estabelecidos pelo Ministério da Integração, Estrangeiros e Residência dinamarquês pode morar no país.  Há diversas exigências a serem cumpridas e os vistos são concedidos sempre em caráter temporário, até que a pessoa se torne elegível para o visto permanente. Tornar-se elegível leva, agora, 8 anos, dependendo do caso e se cumprindo com todos os requerimentos, que são muitos.

Se você é cidadão de fora da União Europeia: com visto de reunificação familiar, no caso de matrimônio com cidadão dinamarquês, visto de estudante ou de trabalho ou de acompanhante de estudante ou trabalhador é possível viver na Dinamarca legalmente. Consulte meu texto falando sobre vistos para estes casos clicando aqui.

Se você é cidadão de países-membros da UE: pode-se ficar no país por até 3 meses, extensível a 6 meses no caso de a pessoa ter o certificado de registro, que é concedido nos seguintes casos:

  • Você é trabalhador remunerado na Dinamarca;
  • Você é trabalhador autônomo, desejando estabelecer um negócio ou com negócio estabelecido na Dinamarca;
  • Você é estudante devidamente matriculado em instituição de ensino dinamarquesa;
  • Você tem recursos suficientes para se manter sem precisar de ajuda do governo dinamarquês para seu sustento e moradia;
  • Você é casado(a) com alguém que tem visto e residência legal estabelecida na Dinamarca.

Se você, cidadão UE, não tiver o certificado de registro no país de sua cidadania, deverá deixar a Dinamarca após o período de 3 meses.

Para todos esses casos há restrições e requerimentos a serem atendidos, e em todos os casos há o risco de recusa do visto. Mesmo quem já teve visto anteriormente para morar no país pode ter o pedido de renovação negado, caso deixe de atender qualquer um dos requerimentos previstos por lei, e até quem já adquiriu o visto permanente pode perdê-lo se deixar de residir na Dinamarca.

Embora eu tenha mencionado em outros textos sobre trabalho, volto a repetir aqui: se sua ideia é vir para trabalhar sem visto, para tentar a sorte ou se pensa em vir para ganhar um dinheiro e voltar ao Brasil, mude de ideia. Sinceramente, procure outro país. O custo de vida é alto e economizar exige jogo de cintura. Conseguir casa ou emprego são tarefas árduas, principalmente sem falar dinamarquês e sem conhecer ninguém. As pessoas são reservadas e fazer amigos é um desafio. Além disso, sendo o país o menos corrupto do mundo, caso alguém desconfie ou saiba de uma pessoa em situação irregular, a denúncia é feita e averiguada. Os riscos são elevados e o resultado disso pode ser um banimento e deportação. Apesar de serem raros os casos em que as empresas concedem vistos a trabalhadores estrangeiros para viver e trabalhar na Dinamarca, esses casos acontecem. Na maioria das empresas a opção é de contratar quem já reside legalmente e possui permissão de trabalho. Leia a entrevista que fiz com Dagmar Fink, onde ela dá diversas dicas sobre o mercado de trabalho dinamarquês, as ferramentas para usar, entre outros.

Muita gente considera que um caminho “fácil” seja se casar com alguém da Dinamarca para, assim, obter visto e, logo em seguida, cidadania, mas aqui o buraco é mais embaixo. Nem todos que se casam com dinamarqueses conseguem obter o visto de residência que, como eu disse, é temporário. Além disso, o cônjuge dinamarquês precisa desembolsar uma bela quantia para o governo a fim de cobrir seus custos com previdência social, já que você nunca contribuiu no país, e há uma prova de conhecimentos em dinamarquês exigida após 6 meses de obtenção do visto – nessa, há dois níveis: A1 e A2, ambos obrigatórios e mais uma vez, pagos. Entre seguro caução para o visto e as provas lá se vão cerca de 60 mil coroas dinamarquesas, ou aproximadamente 30 mil reais. Mais tarde virão os gastos com os vistos: renovação do visto temporário, em caso de reunificação familiar, ou pedido de visto permanente ou de cidadania.

Para ser elegível – veja bem, eu disse “elegível” – para o visto permanente, a pessoa tinha de esperar no mínimo 6 anos para poder requerer. Com o novo acordo assinado entre DF, Liberal Alliance e Konservative o prazo vai agora em janeiro para 8 anos. Ou seja, a pessoa terá que viver no país e andar conforme a lei para poder ter a oportunidade de tentar obter o visto permanente depois desse longo prazo. Para obter a cidadania é mais complicado ainda. São 10 anos para poder ter direito a prestar a prova e isso, estando em dia com o carnê do Baú, ou seja, cumprindo todas as exigências perante a lei. Para se ter uma ideia do nível exigido, houve dinamarqueses que fizeram a prova e, de acordo com suas respostas, seriam reprovados. Nos dois casos, tanto para requerimento de visto permanente quanto de cidadania é preciso passar com nota mínima na avaliação, além de atender a todos os pré-requisitos estabelecidos. Uma das exigências mais pesadas é o teste de conhecimentos em dinamarquês, atualmente sendo exigido o nível 3, que é o mais avançado. Há dinamarqueses que também não passariam nesse teste.

Atualmente são cobradas as provas para requerimento de residência permanente e cidadania, a prova de conhecimentos em dinamarquês após 6 meses de concedido o visto temporário, a prova complementar depois dessa e o pedido de renovação de visto temporário de residência. Os valores, uma vez pagos, não serão retornados, mesmo em caso de a pessoa ser reprovada ou ter a extensão do visto negada, e para requerer outra vez, é preciso pagar novamente.

Como se pode ver, ser estrangeiro na Dinamarca é para quem tem sangue frio, persevera e gosta de aventura e desafios, afinal, essa é uma terra de vikings – só os fortes sobrevivem!

Related posts

Sweet Brasil, empreendedoras brasileiras na Dinamarca

Cristiane Leme

Um dia de primavera em Copenhague

Letícia Stallone

Guia de turismo em Copenhague

Camila Vicenci Witt

42 comentários

Simone Fevereiro 14, 2017 at 7:06 am

Cris, excelente matéria. Perfeita! Obrigada por mais esse post. Agora as pessoas poderão entender um pouco mais sobre as dificuldades e as superacoes constantes. Após 10 meses aqui e já tendo feito A1 e A2, estou na luta diária do aprendizado do idioma e com meta para em alguns anos obter a permanencia. Felizmente conto com o meu marido para superar esses desafios e celebrar cada pequena vitória que temos. No momento estou superando a tristeza do inverno, meu primeiro inverno aqui.
Obrigada pelo blog. Simone

Resposta
Cristiane Leme Fevereiro 14, 2017 at 8:18 pm

Obrigada por ler e comentar! Abraços

Resposta
Amanda Carolina Ferreira Santos Março 25, 2017 at 1:40 pm

Oi Cris.. eu ando lendo seus posts e analisando tudo isso.. cada vez vejo mais como é difícil morar aí, ainda mais para que o país te aceite. Meu Deus .. não sei o que fazer.. rsrse
Aqui no Brasil tá muito difícil as coisas..Muita violência ..
Obgda pelas informações 😉 parabéns pelo site!

Resposta
Cristiane Leme Março 25, 2017 at 9:51 pm

Amanda, realmente é um pouco trabalhoso mas eu acredito que com um bom planejamento talvez seja possível. As coisas estão difíceis em qualquer lugar do mundo. O que ajuda a gente a seguir vivendo é o conhecimento, a vontade de fazer dar certo e a dedicação em fazer o que tem de ser feito.
O mal é que todos querem facilidade, aí, tudo parece mais inacessível. A vida é uma questão de perspectiva e o melhor ponto de vista é aquele que mais longe avista 🙂
Obrigada por ler e comentar, continue nos acompanhando!

Resposta
Jociclê Silva Maio 2, 2017 at 8:10 pm

Cris é possível conseguir um visto em busca de emprego sem mesmo ter um em vista?

Resposta
Cristiane Leme Maio 3, 2017 at 9:28 pm

Visto de reunificação familiar, por exemplo, dá permissão para morar, trabalhar e estudar.
Visto de trabalho com essa única finalidade só é concedido em casos raros e especiais, mas precisa ter o emprego.
Se quer vir para a Dinamarca, tenha um plano. Aproveite para ler outros artigos sobre o país aqui no BPM.
Boa sorte e volte sempre!

Resposta
Renata toledo Novembro 20, 2017 at 6:39 pm

Olá Cristiane leme …
Adorei suas orientações , vi o quanto é difícil viver na Dinamarca , mais esse país admiro a muito tempo apesar de saber que todos os lugares tem suas dificuldades , mais aqui no Brasil está demais rsrs infelizmente apesar deu amar o Brasil .
Só me dá sua opinião , quais meus primeiros passos pra eu tentar ao menos morar aí ?
E outra dúvida , aí tem a profissão de Podologia?

Resposta
Cristiane Leme Novembro 21, 2017 at 8:04 pm

Renata, obrigada por ler e comentar.
Procure o meu texto ‘Planejamento para mudar para a Dinamarca’ para fazer uma análise sincera da possibilidade de você vir para cá. Seja bem sincera consigo mesma e veja se realmente é o que você quer. E claro, visite a Dinamarca algumas vezes antes de se decidir. Nem tudo é como a Rede Esgoto pinta, rs.

Abraços e continue nos acompanhando!

Resposta
Vanessa Gisele Novelli Maio 17, 2017 at 3:13 am

Boa noite!
Muito bacana a sua matéria!
Eu estou meio perdida ainda, mas vamos lá: Meu namorado e eu somos fluentes no inglês e queremos muito morar fora do Brasil. Escolhemos a Dinamarca (Estamos pesquisando muito ainda!) por causa da cultura, pela urbanização, pelo foco que o país dá para o meio ambiente e pelo clima (muito mais eu, hehehe). Enfim, sabemos que o custo de vida aí é alto, mas estamos determinados a ir! Sabemos que não poderemos guardar dinheiro por um bom tempo, mas não nos preocupamos com isso, o que mais queremos é aprender, APRENDER MUITO! Ganhar vivência, sabe?
Enfim, temos 27 e 26 anos, somos ambos graduados e ele está finalizando o mestrado aqui no Brasil. Queremos juntar um boa (muita!) grana para este investimento e, inicialmente, ficar por volta de um ano aí.
Minhas dúvidas ainda são referentes a que tipo de visto seria o melhor no nosso caso…eu leio, leio e ainda fico na dúvida! Eu posso ir como turista, conseguir um emprego e mudar o meu visto? Pelo o que eu li é muito difícil, pois eles não dão emprego para quem tem algo irregular!
Não desistindo, pois temos sangue frio (ele mais do que eu!) e queremos muito uma oportunidade de ir e queremos ir com tudo certinho!
Poderia me dar alguma dica?
Ah, e também queremos fazer algum curso em alguma universidade! Eu uma pós e especialização (sou formada em comércio exterior!) e ele doutorado em engenharia mecânica. Li na lista de positive jobs que são áreas boas e requeridas!

Resposta
Cristiane Leme Maio 17, 2017 at 6:36 pm

Olá. Vi sua publicação no grupo BnD – Brasileiros na Dinamarca no Facebook, onde sou moderadora, e ia responder por lá quando vi que comentou também aqui.
Vamos por partes.
Falar inglês fluentemente conta pontos mas não é diferencial para morar na Dinamarca.
Pelo perfil de vocês, o visto de estudante parece ser o mais adequado, porém é preciso ter uma boa reserva para poder se manter enquanto estudante no país pelo menos no início, até encontrar um trabalho temporário. Como estudantes vocês poderão tentar conseguir empregos na área de HORECA, por exemplo. Consultem http://www.studyindenmark.dk para mais informações sobre as exigências para ser estudante estrangeiro na Dinamarca.

Se você entrar no país como turista, dificilmente conseguirá um emprego. As empresas procuram contratar quem já mora no país em situação regular e que tenha conhecimentos em dinamarquês. Para que uma empresa patrocine o visto de alguém, é preciso que esse profissional seja, além de altamente qualificado, vital para a empresa que o está contratando – isso quer dizer que a empresa terá como justificar a contratação de mão de obra do exterior por não ter encontrado no país um profissional que atenda às necessidades da vaga. Esses casos são bastante raros.

Na Dinamarca o curso de comércio exterior é diferente do que se conhece no Brasil. Na verdade, há a graduação em negócios (que é parecida em alguns aspectos com a nossa administração de empresas) e dentro desse espectro entra o curso de negócios e marketing internacional, ligado à importações e exportações, porém não há disciplinas específicas da profissão de comércio exterior na grade curricular como há no Brasil. Também sou graduada em Comércio exterior no Brasil e consegui emprego na Dinamarca na área de vendas, embora tenha sido compradora por grande parte da minha trajetória profissional. Eu já morava legalmente no país quando consegui emprego.

Meu conselho pra vocês é: sejam realistas, analisem bem as possibilidades, tanto econômicas quanto em relação a vistos e façam seus planos com os dois pés no chão. Estudem os cursos que possam lhes interessar, façam um orçamento das despesas e planifiquem tudo o que puderem. E claro, leiam os demais textos sobre a Dinamarca aqui no BPM, tem muita informação relevante e importante para quem está fazendo planos realistas 🙂

Boa sorte pra vocês e espero que continuem nos acompanhando!

Resposta
Mariana Figueiredo da Silva Agosto 22, 2017 at 6:05 am

Olá, eu tenho uma dúvida. Eu e meu namorado queremos casar. Só que o problema é que só vou poder trabalhar e fazer o curso de dinamarquês após a saída do visto temporário de reunificação familiar, certo? O que pensamos foi casar e eu esperar aqui no Brasil o visto temporário sair. Eu decidi fazer o mestrado no Rio porque não quero esperar dois anos pra ter direito ao mestrado com bolsa na Dinamarca e conseguir bolsa de mestrado na Dinamarca é quase impossível. Então resolvemos casar enquanto eu termino meu mestrado, até o visto temporário sair eu já terminei e quando eu me mudar já posso trabalhar e fazer o cursk de dinamarquês. Bem, essa é a nossa ideia. Você sabe dizer se pra pedir o visto de reunificação familiar eu preciso estar morando na Dinamarca ou posso casar e esperar aqui no Brasil o visto temporário sair? Sobre a taxa de 53.000 coroas que ele precisa pagar pra casar comigo ele paga só se eu casar e morar ou ele paga mesmo eu só me mudando quando o visto temporário sair? Procurei no site nyidenmark mas não achei informação nenhuma. Obrigada.

Resposta
Cristiane Leme Agosto 22, 2017 at 8:38 pm

Olá.
Estudar dinamarquês você pode, basta pagar pelo curso. Para estudar dentro do programa de integração é preciso aguardar o visto. Para trabalhar precisa ter um visto válido de residência e trabalho no país.
As leis de imigração mudam muito na Dinamarca. Eu prefiro não confirmar que você pode solicitar o visto e aguardar pela aprovação dele morando no Brasil pois existe uma condição que está explicada no Ny i Danmark falando sobre a ligação forte com a Dinamarca como sendo uma regra para ambos os cônjuges poderem pedir a reunificação familiar. Leia essa regra aqui. Eu recomendo ao seu namorado/noivo se informar a respeito no serviço de imigração mais próximo de onde ele mora.
Sobre as taxas, a de DKK 54,289.48 (valor 2017, todo ano o valor é atualizado) é uma garantia bancária para cobrir os seus gastos com médico, por exemplo, já que você nunca contribuiu com impostos na Dinamarca, e deve ser paga no momento em que o governo avisa que seu visto está para ser aprovado, mas antes disso é cobrada uma taxa de 2 mil coroas dinamarquesas pela entrada no pedido de visto. Essa taxa administrativa do visto tinha sido extinta no governo da Thorning-Schmidt e voltou a ser cobrada a partir de 2016. Depois do visto aprovado você tem de se preparar para prestar a prova de conhecimentos em dinamarquês, exigida aos 6 meses de concessão do visto e que também é paga, cerca de 3 mil coroas dinamarquesas.

De todas essas taxas exigidas, apenas a garantia bancária de 54 mil e pouco é devolvida gradualmente. A taxa administrativa paga para o visto, assim como a da prova de dinamarquês, é sem retorno, ainda que o visto lhe seja negado ou que você reprove no teste.

O governo dá um prazo mínimo de 3 a 5 meses para a análise e resposta ao pedido de visto mas conheço gente que só recebeu depois de 10 meses ou mais.

Como a Dinamarca está se fechando bastante para a imigração, sugiro que seu namorado que mora na Dinamarca sente com alguém da imigração e tire todas as dúvidas antes de vocês começarem o processo.

Resposta
Roberto Mendonça Novembro 18, 2017 at 4:15 am

Boa noite!
Li sua matéria e achei incrível.
Eu estive em Estocolmo no final de 2015, por 21 dias, e me apaixonei. Fiquei pensando em viver em um desses países escandinavos, pensei também na Dinamarca. Achei que tendo a cidadania de um dos países da UE a coisa seria bem menos difícil, mas pelo visto (no caso da Dinamarca) não é. Eu sou cozinheiro, tenho muita experiência em culinária oriental, e fico pensando se eles recusariam um emprego para mim, mesmo com minha cidadania, no caso de eu responder a um anúncio. Mas como eu faria isso se ainda não fui viver no local de trabalho?
No caso de Estocolmo, eu vi que é bem difícil achar moradia. Isso me deixou triste, pois amei demais a cultura (que parece se assemelhar com a Dinamarquesa em muitos aspectos). Será que posso sonhar em um dia viver num desses países?

Resposta
Cristiane Leme Novembro 18, 2017 at 1:54 pm

Roberto, se você tem experiência relevante como chef, souschef ou administrador de restaurantes as chances são boas na sua área, sim. Só precisa procurar nas cidades certas: Copenhague, Aalborg, Aarhus, Skagen são as minhas recomendações. Cozinha asiática é bem popular por aqui, sobretudo a chinesa, tailandesa e sushi (não arrisco a dizer cozinha japonesa em geral porque o que mais tem é sushi). Tente fazer contatos pelo LinkedIn e pelos sites dos restaurantes que lhe interessem. O Hotel d’Anglaterre em Copenhague é um lugar que emprega muitos estrangeiros, assim como o Hotel Ruth em Skagen, porém em ambos a culinária é europeia.

Boa sorte!

Resposta
Irene Brasilina de Freitas Novembro 18, 2017 at 11:53 am

Bom dia seu eu conseguir ir pra Dinamarca como faço pra conseguir pelo menos um emprego de faxineira somente pra começar.
Sei que e difícil ir, mais não custa tentar.
Obrigado

Resposta
Cristiane Leme Novembro 18, 2017 at 12:44 pm

Falar dinamarquês vai ser fundamental para ter chances. E claro, ter a possibilidade de conseguir o visto é o primeiro passo. Leia mais sobre como se planejar para vir morar na Dinamarca aqui: http://www.brasileiraspelomundo.com/dinamarca-planejamento-para-mudar-para-a-dinamarca-271659263

Resposta
Cristiane Novembro 18, 2017 at 12:52 pm

Meu Deus! Socorro! Só de ler deu já preguiça de se estabelecer lá sem ser com visto de trabalho ou estudo certo! Por matrimônio, seria uma luta hercúlea. Além do frio e de toda dificuldade fora da zona de conforto… Solidão, amigos… Tenho algumas amigas que moram na Escandinávia e é bem puxado.
Amei a maneira lúcida, sem aqueles posts tipo “Dinamarca e tudo de bom”, “dinamarqueses são maravilhosos pra casar” e tudo o mais que vejo por aí. Vc traz uma realidade bem boa de como é o processo sem romantizar…
Parabéns!!! E obrigada por tirar dúvidas das meninas!
Continue assim!!!

Resposta
Cristiane Leme Novembro 18, 2017 at 1:43 pm

Oi xará! Obrigada pelo comentário gentil e pela leitura; continue nos acompanhando! 🙂

Resposta
Tânia Maria Oliveira Novembro 18, 2017 at 1:26 pm

Olá Cristiane! Não vi no seu post como fazer pra morar na Dinamarca sem querer trabalhar ou estudar. Sou aposentada e estou verificando outros paises para morar. Vc poderia, por favor, me dizer qual seria a renda necessária para morar aí? Existe esta possibilidade? Obrigada

Resposta
Cristiane Leme Novembro 19, 2017 at 1:21 pm

Tânia, existem algumas cidades dinamarquesas que procuram por moradores, e em geral são aposentados e idosos que acabam se mudando pra esses lugares. Um casal amigo nosso acabou de se mudar da Bélgica para Fur, eles têm empresa de tradução e ambos são cidadãos europeus, ele belga e ela portuguesa, embora brasileira de nascimento. Em breve vou escrever a respeito, porém uma regra básica pra poder viver aqui é ter como tirar o visto. No seu caso teria de ser através de cidadania europeia ou através de estabelecimento de empresa estrangeira em território dinamarquês, penso eu. Dê uma fuçada no Google e no Ny i Danmark para ver outras possibilidades.

Obrigada por ler e comentar e continue nos acompanhando!

Resposta
Mônica Novembro 20, 2017 at 1:10 am

Boa noite Cristiane
Existe algum curso na área de psicologia que posso fazer na Dinamarca no período dos 90 dias de turista?

Resposta
Cristiane Leme Novembro 23, 2017 at 8:08 pm

Oi Mônica, eu não sei. Aconselho a pesquisar em inglês no Google para ver se acha algo.

Resposta
Jaqueline Novembro 20, 2017 at 11:22 pm

Parece ser bem dificil. O que me faz ficar curiosa sobre sua história de vida de como conseguiu desde que pensou em ir para lá.

Resposta
Cristiane Leme Novembro 21, 2017 at 9:52 pm

Jaqueline, na verdade eu nunca tinha pensado em vir para a Dinamarca até conhecer o meu marido. Só vim pra cá porque na época em que estávamos decidindo quem vai pra onde o meu sogro adoeceu e como na minha família estava todo mundo bem e eu tenho mais irmãos no Brasil para cuidar da minha mãe, era mais importante que meu marido ficasse aqui, perto da família. A gente se casou rápido e meu sogro veio a falecer quatro meses depois do nosso casamento. Tive sorte de ter facilidade para aprender idiomas, aprendi dinamarquês em dois anos e consegui meu primeiro emprego quase 3 anos depois de ter chegado aqui. Eu não tinha ideia do quanto era difícil ser estrangeira na Dinamarca. Na época em que eu estava para mudar ainda existia um sistema de pontos que servia para classificar quem teria direito a ter visto para morar aqui ou não. Por sorte a minha pontuação seria suficiente para obter o visto, mas logo depois de eu mudar, mudaram as regras e o sistema de pontos deu lugar a outras exigências. As exigências da imigração podem mudar várias vezes em um mesmo ano, dependendo do governo que estiver no poder. Por isso é que eu recomendo a quem quiser vir para analisar bem as possibilidades. Tem muita coisa boa aqui, mas se a pessoa não estiver preparada pra lidar com os contratempos, pode sofrer.

Resposta
Mauricio Novembro 25, 2017 at 9:47 pm

Cristiane,

Sou casado e tenho uma filha que está aplicando para a Universidade de Aalborg e todos nós temos a cidadania portuguesa.
Eu e a minha esposa pensamos em morar aí , pois já conheço Copenhagen.
Conseguimos um visto de residência com valor para investir? Ou tem outro meio de residir sem problemas? Quanto precisa para se manter mensalmente?
Obrigado e parabéns pelo texto.

Resposta
Cristiane Leme Novembro 25, 2017 at 11:47 pm

Olá. Obrigada por ler e comentar.

As regras para cidadãos EU poderem obter permissão de residência na Dinamarca estão no Ny i Danmark, sugiro ler com bastante atenção.
Nunca ouvi falar de visto para investidor na Dinamarca. Existe um programa para start-ups, mas nesse caso é preciso ter um projeto e submetê-lo a aprovação. Veja que não basta ter o passaporte português se você nunca residiu em Portugal. O cidadão europeu que venha com a intenção de fixar residência na Dinamarca terá que comprovar seu laço com o país emissor do passaporte; normalmente, você terá a permissão para vir e se registrar como cidadão EU, recebendo 90 dias de permissão para tentar conseguir um emprego. Caso queira estender a permanência como cidadão EU sem ter obtido emprego, precisará comprovar por escrito e em documento oficial que teve residência fixa em Portugal antes de vir para a Dinamarca. Essa informação e outros detalhes estão todos no site que indiquei.

Para saber sobre custo de vida leia o meu texto que fala a respeito, é só procurar aqui no site. É complicado dizer quanto precisa pra se manter, pois isso depende do estilo de vida de cada um e da região da Dinamarca onde se pretende morar. Em geral, cidades grandes como Aalborg são mais caras, embora o custo de vida na Dinamarca como um todo seja alto.

Uma problemática que aconselho você a ir se programando para enfrentar é a questão de moradia. É muito, mas muito difícil encontrar um lugar para morar, e normalmente o aluguel é caro, sendo preciso dar 3 meses de aluguel em depósito para fechar o contrato.

Continue nos acompanhando!

Resposta
Rodrigo Lucas Dezembro 7, 2017 at 6:58 am

caramba quanto mais ou menos vou gastar no inicio pra ”tentar morar na Dinamarca” ? pode me ajudar Cris?

Resposta
Cristiane Leme Dezembro 7, 2017 at 5:39 pm

Bem, comecemos pelo fato de que a Dinamarca é um país hostil para se tentar a sorte. Para vir pra cá é preciso ter um propósito e um plano bem definido, senão você vai se frustrar. Tenho um texto aqui no site falando especificamente de custo de vida, se quiser ler é só procurar, mas o que é mais importante e principal para conseguir viver aqui é poder ter o visto. Analise bem as suas reais possibilidades e boa sorte com seus planos.

Resposta
TEREZINHA Dezembro 8, 2017 at 6:17 pm

Cris, excelentes todas as suas respostas e bem sinceras. Diante do que li, acredito não ter nem pergunta, mas a certeza de que ainda tenho muito que aprender, a começar pelo idioma dinamarquês, se, de fato, fizer essa opção de moradia.
Sou aposentada da SESAB (Secretaria de Saúde da Bahia), onde trabalhei cono Assistente Social, por 32 anos. Resido em um País espetacular de clima e pessoas muito especiais que amam interagir e cultivar amizades (espcialmente aqui, em Salvador/Bahia). Sou ciclista, amo andar de bike, mas, aqui, cada vez mais impossível transitar com segurança. Minha irmã esteve em Copenhague, passeando e disse ter lembrado sempre de mim, vendo toda a liberdade dos ciclistas. Será que tenho alguma chance de um dia vir a residir na Dinamarca?

Resposta
Cristiane Leme Janeiro 13, 2018 at 11:23 pm

Terezinha, só você mesma poderá avaliar as suas chances de poder vir a residir na Dinamarca um dia.
Desejo boa sorte e agradeço o gentil comentário.
Abraços!

Resposta
Lindonalva da Silva Lura Janeiro 4, 2018 at 11:37 pm

Se vc puder falar comigo pelo zap ficaria agradecida sou evangélica e um cargo na igreja de Missionária queria dialogar sobre alguns interesses meus particular e especialmente sobre esse assunto do evangelho.

Resposta
Cristiane Leme Janeiro 13, 2018 at 11:21 pm

Lindonalva, eu apaguei seu telefone para evitar a divulgação pública de seu número. O meio de contato comigo é por aqui, então se tiver perguntas, pode fazê-las aqui mesmo que responderei o que eu puder e souber.
Obrigada.

Resposta
Neidia Fevereiro 16, 2018 at 8:49 pm

Eu não pretendo ir morar aí. Mas gostaria que minha filha fosse quando crescesse pois aqui está um verdadeiro inferno. Não li nada sobre filhos de estrangeiros nascerem aí. Como fica se isso acontecer? A criança tem cidadania dinamarquêsa? E os pais? Só curiosidade mesmo.

Resposta
Cristiane Leme Fevereiro 20, 2018 at 7:36 pm

Neidia, o direito à cidadania na Dinamarca está vinculado à cidadania dos pais e sua ligação com a Dinamarca. Para que uma criança nascida na Dinamarca seja considerada cidadã dinamarquesa é preciso que ou o pai, ou a mãe ou ambos tenham cidadania dinamarquesa. A lei completa se encontra aqui, em dinamarquês: http://uim.dk/arbejdsomrader/statsborgerskab/danske-statsborgere-1/automatisk-erhvervelse-af-dansk-statsborgerskab
Para estrangeiros conseguirem a cidadania dinamarquesa é ainda mais complicado. É preciso atender uma série de pré-requisitos e só pode solicitar a cidadania depois de no mínimo 9 anos, estando todos os requisitos preenchidos. Você pode ler mais a respeito aqui: https://www.borger.dk/udlaendinge-i-danmark/Dansk-statsborgerskab/Om-dansk-statsborgerskab
Espero ter ajudado!

Resposta
Mari Martins Fevereiro 20, 2018 at 1:03 am

Obrigada! Seus esclarecimentos são de grande valia!
Vamos lá : A universidade do meu filho oferece intercâmbio com a Dinamarca por 6 meses. Meu filho quer muito ir, mas estou receiosa por ouvir pessoas falarem que é um país xenófobo e racista. Já que meu filho é negro e será um estrangeiro aí.
Acha que minha preocupação é devida?
Super grata!

Resposta
Cristiane Leme Fevereiro 20, 2018 at 10:09 pm

Mari, acredito que uma experiência dessa seria ótima para um jovem como o seu filho e eu no seu lugar o encorajaria a vir.
É incrível o quanto um jovem amadurece com uma experiência dessas.

A gente sabe que o mundo por si está cheio de riscos e perigos, e entendo sua preocupação como mãe. Preferimos sofrer por eles, eu sei, porém a gente cria os filhos pro mundo, e é ótimo (além de necessário) que eles ganhem asas para se aventurarem por aí, vivendo suas próprias experiências e amadurecendo através delas, tornando-se mais independentes e aptos para o mundo. É importante que nossos filhos saibam andar com as próprias pernas!

Minha sugestão é que você pergunte a ele o que ele gostaria de fazer e deixe que ele tome a decisão sobre vir ou não. Segure a ansiedade, mulher! Tenho certeza que seu filho tirará de letra e voltará pra casa com muita experiência boa na bagagem, se ele vier.

Xenofobia e racismo também tem aos montes no Brasil, talvez até mais que na Dinamarca. Veja a situação da população negra brasileira e o tratamento hostil dado aos migrantes haitianos que chegaram por aí. Aqui o racismo e xenofobia afetam principalmente as pessoas de origem árabe e muçulmana, não necessariamente negros.
Espero que seu coração de mãe se aquiete e se acalme, e que deixe o seu filho tomar a melhor decisão.
Abraços e obrigada por ler e comentar!

Resposta
Arthur Abril 12, 2018 at 10:25 pm

Olá! Gostei muito do seu texto, não sei se ainda está respondendo aos comentários. Sou formado há um ano em Gestão Ambiental aqui no Brasil pela UFRRJ e interessei por uma experiência de 6 meses na VESTJYLLANDS Folk College em Ringkøbing na Dinamarca. Eles se apresentam como uma área de estudo informal de aprendizagem mútua com várias atividades diversas e entre elas incluindo o desenvolvimento sustentável e empreendedorismo ecológico. O que você acha desse tipo de instituição e seus métodos de ensino?

Resposta
Cristiane Leme Abril 14, 2018 at 7:20 pm

Arthur, højskole na Dinamarca é uma escola privada que oferece cursos livres com duração de 8 a 40 semanas em determinadas áreas, e onde os alunos moram durante o curso. Não sei a equivalência exata de um curso desses no Brasil, porém toda experiência é válida e se você tem os meios e o desejo de vir, recomendo que venha e experimente, principalmente pela possibilidade de intercâmbio cultural.
Acho que eu dar a minha opinião sobre o método de ensino talvez seja pouco proveitoso, porque eu nunca fiz nenhum curso desse tipo por aqui, embora conheça muita gente que tenha feito diversos cursos, sobretudo nas férias de verão ou de inverno – esses cursos livres costumam ser bem populares nessas épocas. Além do mais, quem vai estudar lá é você e é pra você que a experiência vai ter mais valor, por isso é melhor que você venha de mente aberta, sem se influenciar por opiniões alheias, assim a sua experiência será mais autêntica.

Eu também moro na Vestjylland, a uma hora de Ringkøbing.

Resposta
Marlucy Janeiro 28, 2019 at 3:45 am

Oi Cris. Fiquei muito apreensiva após ler o seu texto.
Sou professora universitária UFMG em Minas Gerais e estou com muita vontade de fazer meu próximo pós-doutorado aí a Dinamarca. Isso seria em 2022 quando a minha universidade me liberará para fazer o pôs doutorado.
Já fiz 2 pôs doutorado na espanha ( um ano em Valência e outro em Barcelona). Agora queria outra experiência é preciso aprender inglês.
Estou iniciando o estudo do inglês agora ( não falo nada).
Tenho 2 filhos pequenos um de oito anos e outra de 3 anos.
Meu marido é espanhol residente há oito ano no brasil. É artista. Diretor de teatro. Fala inglês fluentemente
Iríamos a família inteira.
E a perspectiva era morar um ano de pôs doutorado e avaliar o país para ver se conseguimos morar a família inteira a partir de 2026 já que me aposento em 2025. Ou seja a ideia era morar aí com boksa de pôs-doutorado
Em 2002, e se adaptarmos ( e nossos filhos também) tentarmos retornar para morar em 2026 qdo eu tiver a garantia de meu salário de aposentada.
Vê viabilidade nesse processo?
Meu marido sendo espanhol residente no brasil há oito anos pode conseguir trabalhar aí ?
Ele já morou também 6 anos em Londres e9 em Paris
Grata

Resposta
Cristiane Leme Fevereiro 1, 2019 at 3:14 pm

Oi Marlucy. Tem muitas companhias de teatro na Dinamarca, na minha cidade inclusive tem o teatro experimental Odin Teatret, que provavelmente seu marido deve conhecer, capitaneado pelo Eugenio Barba e com muitos artistas internacionais.
Sobre seus planos de estudos, sem inglês proficiente é impossível, desculpe a franqueza. É preciso comprovar o seu nível de fluência através de testes como o TOEFL para que a faculdade aceite sua candidatura. Se o seu plano é a Dinamarca e você não fala inglês, sugiro se matricular num curso de dinamarquês. Será bem mais útil para seus planos de morar no país, já que falar o idioma daqui te coloca em bastante vantagem até mesmo para conseguir emprego na área acadêmica – há grande procura por professores do ensino básico ou fundamental por aqui, e também há a possibilidade para realizar pesquisas, se essa é a sua área de atuação.

Não recomendo vir, sair e tentar voltar devido às mudanças constantes nas leis de imigração. Atualmente está difícil até mesmo para dinamarqueses natos voltarem a ter direito a morar no país depois de ter passado uma temporada fora. É, parece absurdo, mas é a verdade.

A Dinamarca é um país muito rico, com um povo geralmente gentil e com diversas vantagens para quem tem filhos pequenos, mas ao mesmo tempo é um país hostil para estrangeiros em termos gerais, não vou mentir pra você. Mesmo falando inglês, as coisas podem ser bem difíceis. É bom traçar um plano viável e ter recursos financeiros para se manter dentro do prazo que vocês estipularem. Em todo caso, não recomendo o país para se tentar a sorte: ou se tem um plano concreto e real vontade de morar aqui, ou é melhor tentar outro país.

Desculpe novamente se minhas palavras parecem desanimadores, mas encare como um desafio a ser planejado e conquistado.
Boa sorte nos seus planos e qualquer coisa, entre em contato.
Abraços

Resposta
Jaqueline Abril 1, 2019 at 3:07 pm

Olá Cris, Adorei a matéria.
Eu tenho 4 meses de férias acumulados e pretendo tirá-los juntos para ir ter experiência em algum lugar do mundo com minhas filhas, para que elas ampliem sua visão e tenham novas perspectivas. Queria saber se para passar quatro meses precisaria de um visto de permanência e se conseguiria matriculá-las em alguma escola por esse tempo. Muito grata!

Resposta
Cristiane Leme Abril 8, 2019 at 3:47 pm

Jaqueline, desculpe por responder somente agora.
Você pode vir e visitar a Dinamarca como turista sem precisar de visto, porém a estadia máxima é de 90 dias corridos. Enquanto turista eu não tenho certeza se você poderá matricular suas filhas numa escola regular, mas dependendo da idade delas existem cursos livres chamados højskole que podem ser interessantes, embora a duração dos cursos não seja tão longa.
Visto de permanência é a coisa mais difícil de se conseguir na Dinamarca. Leia meu texto onde falo sobre regras e vistos.
Abraços e boa viagem – se vier para a Midtjylland, avise que tomaremos um café!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação