BrasileirasPeloMundo.com
Dicas para viajar sozinha Turismo Pelo Mundo

Repensando o turismo e a exploração animal

Estamos em um período da história marcado pela contestação de padrões do passado recente e assim tomando consciência sobre o impacto de nossos atos:

Uso desregulado de plásticos, geração de energia poluente, gasto excessivo de água, agrotóxicos, enfim, a lista é infinita. Todas as áreas da vida estão sendo repensadas para a redução do chamado footprint (pegada) e o turismo é um deles.

Por isso, resolvi escrever uma série de textos que nos ajudasse a repensar o turismo: estamos fazendo o certo? Qual impacto social que causamos? Qual impacto ambiental? Como amenizar os danos? E, principalmente, como contribuir com a comunidade local sem causar estragos.

Para iniciar essa série, trago um assunto cada vez mais consciente dentre os turistas: exploração animal.

Quando falo em exploração animal dentro da categoria do turismo me refiro a todas as atividades turísticas que exigem o envolvimento de um animal para que a atividade se realize como tal.

Portanto, quando for pesquisar sobre o destino e planejar a sua próxima viagem, tenha em mente que algumas atividades que servem para te entreter podem estar causando do sofrimento à extinção de animais.

Tubarões-baleia

Por conta do excesso de turistas mergulhando para ver os tubarões nas Filipinas, eles, que são os maiores peixes do mundo, estão desaparecendo do Pacífico. O motivo é simples: para que venham sempre para o mesmo lugar no mesmo horário, os organizadores das expedições os alimentam. Porém, sua dieta fica desregulada e incompleta, já que seria muito difícil e custoso prover toda a variedade exigida. Além disso, essa prática altera os padrões de migração dos tubarões e consequentemente de sua reprodução.

Elefantes

A prática turística envolvendo animais de grande porte mais conhecida é o passeio nos elefantes. Muito comum na Ásia, em países como Tailândia e Indonésia. Por conta da grande quantidade de turistas e do aumento do turismo consciente, em muitos lugares, a prática foi banida.

O motivo é que para se domar um animal selvagem de grande porte, a tortura, a partir dos primeiros anos de idade até a vida adulta, é regra. Além disso, os bebês são separados das mães e crescem enclausurados, tudo em nome de um bom comportamento para atrair o visitante.

Os maus-tratos são tantos e tão evidentes que santuários para a recuperação dos elefantes começaram a aparecer. À primeira vista, a exploração desse gigante começaria a caminhar para o fim. Porém, quando você paga – e muito – (clique aqui para saber como ganhar dinheiro viajando) para visitar um santuário, mesmo que indiretamente, estará influenciando na vida natural daquele animal, já que a sua presença não faz parte do verdadeiro dia a dia deles. E para finalizar, boa parte desses santuários fornecem comida para que o visitante alimente o elefante. Nem preciso comentar, né?

Existem trabalhos voluntários em santuários de Elefantes, mas existem outras oportunidades em que você não estará contribuindo para o sofrimento animal e pode até fazer uma grana. Quer saber como? Clica aqui 

Café de Civetas

Civeta é um mamífero noturno nativo da Ásia e África que vive em florestas tropicais. Ele provavelmente teria uma vida livre e feliz se não fosse por um motivo: o ser humano resolveu experimentar o café excretado pelo Civeta e julgou ser um dos melhores cafés do mundo. Pessoalmente eu acho a ideia de tomar um café que foi defecado por um mamífero absurda, agora mais absurdo ainda é a forma como esses animaizinhos são tratados para que algumas pessoas possam tomar essa iguaria.

Primeiramente são retirados de seu habitat natural, mantidos em pequenas gaiolas e alimentados exclusivamente com café. A alimentação que não promove todos os nutrientes necessários combinada com o excesso de cafeína ingerido já se adequaria como caso maus-tratos. Agora, junte isso a pequenas e imundas gaiolas em que os Civetas têm de passar uma vida inteira.

Esse café é encontrado principalmente em Bali e a má fama por conta dos maus-tratos dos Civetas é notório. Apesar disso, infelizmente podemos ver esse tipo de café em todas as lojas de conveniência e supermercados, aqui chamados de Lumak.

Zoológicos e Aquários

Okay, eu entendo caso você olhe torto para o texto nesse ponto, mas vamos pensar um pouquinho. Hoje em dia, vários zoológicos e aquários obedecem à específicas regras de manejo dos animais, outros não conseguem alcançar o mínimo satisfatório para a sobrevivência dos mesmos e têm grandes problemas entre os animais, como depressão, não procriação e eventualmente morte precoce.

Leia também: Porque eu não visito mais zoológicos pelo mundo

Mas vamos analisar, aqui, os conceituados zoológicos e aquários. Existe uma função social/ ambiental de uma instituição dessas que é muito positiva: proteção de animais em risco de extinção, possibilidade de estudos mais aprimorados sobre determinadas espécies e apresentar a diversidade de vida para pessoas comuns.

Apesar desse aparente lado benéfico, como saber se o que nós consideramos como bons padrões de vida para cada animal é compatível, de fato, com o que esse animal precisa?

Por exemplo, a taxa de distúrbios de comportamentos em animais enclausurados que teria em seu habitat natural um espaço enorme é grande.

Outro ponto importante é a interação com o ser humano. Dificilmente um zoológico consegue ter um controle total dessas interações. Sinais como “não bata no vidro”, “não entre na jaula” e “não alimente os animais” frequentemente são ignorados, causando danos; e em casos mais drásticos, até a morte dos bichanos.

Se você chegou até aqui vamos juntas caminhar para um turismo mais consciente e tirar de nossas costas o peso dos maus-tratos e exploração dos animais que só continuam a acontecer porque tem alguém pagando por isso. Até porque, viajar é conhecer a si mesma e reconhecer quais padrões queremos seguir.

Related posts

Museus grátis em Bruxelas

Marcela Bueno

Turismo em Segóvia

Juliana Bezerra

Dicas de turismo pelo litoral do Camboja

Roberta Jorge

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação